Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador snap. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador snap. Mostrar todas as postagens

Versão 1.5.1 do Flatpak poderá ter sistema de pagamento para apps

Nenhum comentário

sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Foi lançado nesta terça-feira (27), a versão 1.5.1 do Flatpak, contendo algumas novidades muito interessantes que poderão aparecer nos próximos updates.

Versão 1.5.1 do Flatpak poderá ter sistema de pagamento para apps






O empacotamento de aplicativos em sandbox, como Snap e Flatpak, tende ao longo dos próximos anos, serem os formatos “dominantes” para a distribuição dos aplicativos no mundo Linux. Tanto que a Microsoft também pensa em ter um pacote “universal”, com suporte para o Linux, o MSIX que noticiamos aqui no blog.

As novidades apresentadas pelo Flatpak, na minha opinião, estão tornando cada vez mais atraentes para os devs a distribuir o seu “produto” neste formato. Destaco três (3) novidades desta release nova, que são:

● Preparação das bases para um futuro sistema de pagamento no Flathub, assim possibilitando doações ou compras de apps, podendo o Flathub virar uma loja futuramente;

● Introdução do conceito de aplicativos protegidos e autenticação para downloads;

● Suporte opcional do controle de pais, usando a  libmalcontent.


Para conferir todas as outras implementações e novidades, você pode acessar aqui e aqui.

Agora na minha visão, isso seria muito bom se chegasse o mais breve possível nas próximas versões estáveis do Flatpak. Pois isso seria um estímulo para que empresas e desenvolvedores pudessem se aproximar  ainda mais do mundo Linux, podendo “vender o seu peixe” para praticamente qualquer distribuição que suporte o Flatpak, assim não se preocupando muito para qual distro Linux ele precisa focar. Eu vejo com bons olhos esses avanços e creio que vá chegar ao Snap também, assim podemos ter em um futuro breve, aplicativos no Linux, como um MS Office, pacote da Adobe, ERPs e por aí vai.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Audacity lança versão 2.3.3 com 75 correções de bugs

Nenhum comentário

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Recentemente foi lançada a versão 2.3.3 do editor de áudio Audacity, que conta com 75 melhorias que tornaram o software ainda mais robusto e confiável do que sempre foi.

audacity-lanca-versao-2.3.3-com-75-correcoes-de-bugs

O Audacity é sem dúvidas um dos softwares para gravação e edição de áudio mais confiáveis e leves disponíveis no mercado. Além de ser um software extremamente completo, o mesmo também é gratuito, open source e multiplataforma, estando disponível para Linux, Windows e MacOS.

O quê há de novo?


Recentemente a equipe responsável por manter o software divulgou a lista de correções de bugs e melhorias que estão presentes na versão 2.3.3 do software. A mais nova versão do Audacity não conta com muitas novas funcionalidades, pois desta vez a equipe direcionou os seus esforços a aprimorar o trabalho já feito, deixando o software ainda mais estável e confiável.

Dentre as 75 melhorias implementadas nesta versão, podemos destacar:

• Corrigido bug que impedia o funcionamento correto do “slider” de seleção de qualidade ao exportar arquivos nos formatos .aac e .m4a;
• Os efeitos de “Reverb”, “Repair” e “Paulstretch” foram aprimorados para que sejam aplicados de forma mais rápida em sistemas Linux;
• Resolvido problema que fazia com que o software fechasse ao tentar redimensionar um arquivo de áudio a fim de alterar o seu tempo;
• Resolvido problema de ruído ao utilizar a ferramenta “Punch & Roll”;
• Quaisquer espaços em branco deixados na linha do tempo serão tratados como silêncio, ao invés de serem removidos ao exportar;
• Agora serão exportadas apenas as faixas e trechos que você consegue ouvir ao reproduzir o preview. Anteriormente, todas as faixas do projeto, mesmo aquelas mutadas, eram exportadas para o arquivo de áudio, o que acabava por tornar os arquivos mais pesados.
• O efeito “Equalizador” agora será separado em dois efeitos diferentes, sendo um deles o “Equalizador gráfico”, e o outro o “Equalizador em Curvas”. Anteriormente ambos os modos de equalização estavam agrupados no mesmo efeito, o que acabava por ocasionar bugs.

Instalação


O Audacity pode ser instalado através da loja de aplicativos da maioria das distros. Além disso, o software também está disponível para instalação através de um PPA, bem como nos formatos Snap e Flatpak.

Snap


Para instalar o software via Snap, simplesmente copie e cole o comando abaixo no seu terminal, ou então acesse a página do aplicativo na Snap Store.

snap install audacity --edge

Caso você não saiba o que é, ou como trabalhar com pacotes Snap, este artigo é tudo o que você precisa. 😊

Flatpak


Para executar a instalação via Flatpak, você pode acessar a página da aplicação no Flathub, ou simplesmente rodar o comando abaixo:

flatpak install flathub org.audacityteam.Audacity

Se você não sabe o que é, ou como trabalhar com Flatpaks, confira o nosso tutorial sobre o assunto. Lembrando que após ter instalado o suporte ao Flatpak, será necessário adicionar o repositório Flathub, que pode ser feito com o comando abaixo:

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalação via PPA no Ubuntu e derivados


Para efetuar a instalação através do PPA no Ubuntu e derivados, rode os comandos abaixo na seguinte ordem:

sudo apt-add-repository ppa:ubuntuhandbook1/audacity

sudo apt update

sudo apt install audacity

O Audacity é um dos softwares que utilizo há mais tempo, mesmo na época em que eu nem conhecia Linux já o utilizava no Windows. É incrível como softwares Open Source e gratuitos podem chegar há um nível de qualidade igual, ou até superior há muitos softwares proprietários produzidos por empresas milionárias. Outro bom exemplo de software gratuito e poderoso, é o Blender, sobre o qual já falamos aqui no blog.

Falando em Blender, em breve teremos um curso sobre ele lá no Diolinux Play. E já temos um sobre o Audacity, bem como cursos de Gimp e Terminal Linux. Além de vários outros conteúdos extras sendo publicados todas as semanas.

Particularmente, não conheço outro programa de edição de áudio que seja tão bom e simples de usar quanto o Audacity, e ao mesmo tempo gratuito. Dito isso, gostaria muito de saber de você, qual é o seu programa de edição de áudio favorito? Conte mais nos comentários! 😁

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Isso é tudo pessoal! 😉


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


ONLYOFFICE agora também está disponível em Flatpak

Nenhum comentário

terça-feira, 19 de novembro de 2019

O ONLYOFFICE, uma das suítes office que mais tem se destacado quando se trata em ser um substituto à altura para o Microsoft Office, recentemente expandiu ainda mais o seu suporte para Linux ao oferecer o software no formato Flatpak.

onlyoffice-agora-tambem-esta-disponivel-em-flatpak

O Flatpak é um formato para empacotamento de softwares que, rapidamente, tem se tornado cada vez mais popular no mundo Linux. Com isso, a cada vez mais, empresas e desenvolvedores vem disponibilizando os seus softwares no formato, tendo como principal característica, a instalação e execução do software em “sandbox”, podendo assim disponibilizar updates e melhorias sem prejudicar o restante do sistema. Recentemente noticiamos a implementação de forma nativa do Flatpak no Elementary OS, e agora chegou a vez da Ascension System SIA disponibilizar o ONLYOFFICE em Flatpak.

Se você não sabe o que é, ou como funciona o formato Flatpak, altamente recomendo a leitura deste artigo, redigido pelo Dionatan Simioni. Caso você prefira assistir a ler, o vídeo abaixo também é uma ótima opção de conteúdo sobre formatos de empacotamento em “sandbox”.

 
A disponibilização do ONLYOFFICE em Flatpak é uma ótima notícia para toda a comunidade Linux, tendo um “gostinho” ainda mais especial para usuários de distros como o Fedora Silverblue e o Endless OS, que tem um foco muito maior nesse formato de empacotamento.
 
Caso não queira utilizar o software em Flatpak, não tem problema. O ONLYOFFICE também está disponível em .deb, .rpm, snap e AppImage. Além de também possuir versões para Windows e MacOS.
 
Talvez algumas pessoas pensem que disponibilizar o software em Flatpak, quando o mesmo já está disponível em outros formatos, principalmente sendo eles Snap e AppImage, é uma redundância desnecessária e trabalho desperdiçado. Eu realmente não penso assim. Pelos mais variados motivos, as pessoas têm preferências diferentes, e muitas vezes o software estar disponível em um formato ou não pode ser a “gota d’água” para o usuário escolher entre um software ou outro.

Instalando o ONLYOFFICE em Flatpak

 
Se você não sabe o que é, ou como trabalhar com Flatpaks, confira o nosso tutorial sobre o assunto. Lembrando que após ter instalado o suporte ao Flatpak, será necessário adicionar o repositório Flathub, que pode ser feito com o comando abaixo:
 
flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo 
 
Para instalar a versão Flatpak do ONLYOFFICE, basta acessar a página do mesmo no Flathub e seguir as instruções. Ou então, você pode simplesmente copiar e colar o comando abaixo no seu terminal:
 
flatpak install flathub org.onlyoffice.desktopeditors
 
Já publicamos aqui no blog alguns artigos sobre o ONLYOFFICE, incluindo as novidades do lançamento da última versão, e uma entrevista com a Galina Goduhina, uma das desenvolvedoras do projeto.

Você é usuário ou já testou o ONLYOFFICE? Ou tem interesse em testá-lo no futuro? Diga nos comentários o quê você pensa sobre o software, principalmente quando comparado às suas principais alternativas como o LibreOffice, WPS Office, FreeOffice, e é claro, o Microsoft Office.😁

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus!
Isso é tudo pessoal!😉


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Kdenlive agora tem versão em Snap de forma oficial

Nenhum comentário

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Kdenlive é um editor de vídeo não-linear que muitos usuários que começam no Linux usam para editar vídeos, ele apareceu, inclusive, em uma lista que fizemos com várias boas opções para quem quer editar vídeos no Linux.

Kdenlive agora tem versão em Snap de forma oficial





O anúncio foi feito no blog do KDE, pelo dev  Jonathan Riddell, onde comenta que os snaps são um novo formato de pacotes baseados em contêineres e que o projeto KDE tem mais de 50 aplicativos já disponíveis nesse formato, informando que agora é a vez do Kdenlive de juntar-se a “família” snap de forma oficial.



Riddell, comenta sobre o novo formato e a adoção da comunidade KDE deles:

“A maioria dos pacotes Snap do KDE são construídos pelo time do KDE Neon em seus próprios servidores, e visam tornar a construção dos pacotes mais integrada com os repositórios do projeto, garantindo uma construção contínua dos mesmos. Isso significa que estes pacotes são frequentemente atualização e no momento que alguma mudança é feita, você, como usuário, sempre terá as últimas versões dos softwares do KDE, com novos recursos e correções de bugs.”


Com isso, temos agora os 3 (três) formatos novos suportados pelo Kdenlive oficialmente, snap, flatpak e appimage. Fora os outros formatos, que você pode consultar aqui.

Se você quiser experimentar o Kdenlive via snap, primeiramente terá que instalar o suporte a snap no seu sistema. Caso este suporte não existe nativamente, você pode aprender a habilitar este recurso através deste tutorial nosso. Se você usa o Ubuntu e suas flavours, basta procurar na Store por “kdenlive” ou via terminal, com o seguinte comando:

sudo snap install kdenlive

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

O que fazer depois de instalar o Ubuntu 19.10

Nenhum comentário

segunda-feira, 21 de outubro de 2019

O Ubuntu 19.10 está sendo elogiado pela maioria dos usuários, com uma versão atualizada do GNOME o sistema vem demonstrando maior performance ao realizar as tarefas. Aprenda quais passos tomar após instalar o Ubuntu 19.10.

pós-install-instalação-ubuntu-19.10-linux-canonical-gnome-instalar-atualizar-guia

Aguardado por muitos, essa é a última versão até o próximo lançamento de longo suporte, o Ubuntu 20.04 LTS. Caso tenha alguma dúvida com seu pós-instalação, iremos demonstrar quais ações devem ser tomadas com o novo Ubuntu.

Atualizando do Ubuntu 19.04 para o 19.10, sem reinstalar o sistema


Está usando o Ubuntu 19.04 e quer migrar para o 19.10? Talvez uma boa alternativa é atualizar o sistema, sem precisar baixar uma ISO, e fazer todo o trabalho de criar um pendrive bootável ou “queimar” um dvd. 

Antes de tudo, backup é a “nova lei” (😁️😁️😁️). Brincadeiras à parte, faça o backup de seus arquivos, para evitar problemas. Então, abra o programa “Softwares e Atualizações” e execute uma verificação por atualização, caso exista a ferramenta lhe informará.

Outra maneira é via terminal:

sudo do-release-upgrade -c

Configurações iniciais


Ao iniciar o sistema pela primeira vez, aparecerá a tela de “Bem-vindo”, basta ir completando os passos desejados e ignorando outros. Cada escolha é bem particular, como: Conectar ou não às suas contas on-line, ceder dados a equipe do Ubuntu para construir um sistema melhor (apenas informações simples de seu hardware e coisas do tipo, nenhum dado pessoal), habilitar ou não o serviço de localização, e até instalar alguns Snaps antes mesmo de usar o sistema pela primeira vez.

pós-install-instalação-ubuntu-19.10-linux-canonical-gnome-instalar-atualizar-guia

Escolha o melhor servidor e habilite os parceiros da Canonical


Para tornar as atualizações e instalações mais rápidas, podemos escolher algum servidor que esteja mais próximo de nossa localização. Pesquise por: “Programas e atualizações”, selecione a aba “Aplicativos Ubuntu”, clique em “Baixar de: Outro…” e na nova janela em “Selecionar o Melhor Servidor”. Um teste será iniciado testando os espelhos mais próximos e você pode escolher o melhor clicando em “Escolher Servidor”.

pós-install-instalação-ubuntu-19.10-linux-canonical-gnome-instalar-atualizar-guia-serrver-mirror-download

Finalize clicando em “Fechar” e caso o sistema solicite para “Recarregar” proceda desta maneira.

Na segunda aba do programa, existe a opção de habilitar “Parceiros da Canonical”, este repositório é composto de alguns softwares proprietários e seus extras. Marque ela e faça como anteriormente, para finalizar a ação.

pós-install-instalação-ubuntu-19.10-linux-canonical-gnome-instalar-atualizar-guia

Atualize o sistema


Esse passo sempre é importante, antes de tudo ele deve ser o principal a ser feito. Pesquise por “Atualizador de programas” e se houverem atualizações, basta clicar em “Instalar agora”.

pós-install-instalação-ubuntu-19.10-linux-canonical-gnome-instalar-atualizar-guia

Complete a instalação dos pacotes de idioma


Mesmo instalando o sistema em “portuguê brasil”, ainda é necessário instalar completamente o suporte ao idioma. Uma tarefa bem simples, abra o app “Configurações”, vá até à sessão “Região & idioma” e clique em “Gerir Idiomas Instalados”. O Ubuntu verificará se todos os pacotes já estão instalados, caso não, ele informará.

pós-install-instalação-ubuntu-19.10-linux-canonical-gnome-instalar-atualizar-guia

Instale codecs multimídia


Abra a “Software Ubuntu”, sua loja de programas, clique na categoria “Complementos” e depois em “Codecs”. Instale quais deseja.

pós-install-instalação-ubuntu-19.10-linux-canonical-gnome-instalar-atualizar-guia-codec-multimidia-musica-som

Instale o Synaptic


A loja do Ubuntu pode ser bem interessante quando o assunto são pacotes Snaps e Flatpaks, entretanto ela tem uma deficiência que pode limitar sua experiência de uso. Mesmo sendo versátil em alguns casos em outros ela deixa a desejar, estou falando especificamente em sua limitação em não oferecer softwares sem ícones. No caso, pacotes, como libs, programas para linha de comando entre outros.

Nesse quesito um software que pode auxiliar, e muito, é o gerenciador de pacotes Synaptic. Com ele será possível fazer vários procedimentos sem a necessariamente do terminal, demonstrando que é possível sim usar Ubuntu sem obrigatoriamente fazer tudo via terminal.

Pesquise na loja do Ubuntu por: “Synaptic” e instale o software. Por exemplo, irei instalar o pacote de codecs “ubuntu-restricted-extras” via Synaptic. Não precisa nem se preocupar com quais codecs, este pacote instala os essenciais.

pós-install-instalação-ubuntu-19.10-linux-canonical-gnome-instalar-atualizar-guia-synaptic

Não sabe como usar o Synaptic, assista o vídeo abaixo e domine essa ferramenta.


Instale o OpenJDK, caso utilize aplicações em Java


Você pode instalar o OpenJDK em seu sistema, basta pesquisar pela versão desejada. Suponhamos que queira a versão 13, instale o pacote “openjdk-13-jdk”. Se preferir, instale apenas a máquina de execução “openjdk-13-jre”. Fica ao seu desejo. Outro pacote existente é a versão “padrão” do OpenJDK no Ubuntu. Essa se chama “default-jdk”.

pós-install-instalação-ubuntu-19.10-linux-canonical-gnome-instalar-atualizar-guia-synaptic-java-openjdk

Instale os drivers Intel


Para quem possui um processador Intel de 3ª à 8ª geração, pode ser interessante proceder da seguinte maneira: abra a loja do Ubuntu, vá em “Complementos” e na aba “Drivers de hardware” selecione “Beignet” e instale esse driver.

pós-install-instalação-ubuntu-19.10-linux-canonical-gnome-instalar-atualizar-guia-synaptic-driver-processador-intel

Instale o driver de vídeo para sua placa de vídeo


Caso possua uma GPU dedicada da AMD, nenhum procedimento é necessário (o driver aberto já vem no próprio Kernel). Isso no caso dos modelos mais recentes, se estiver em dúvida, acesse nossa postagem e veja como instalar o driver correto para sua placa de vídeo AMD. Inclusive até mesmo a versão do Mesa Driver contida no Ubuntu 19.10 é superior à versão estável do PPA do Padoka.

Donos de GPU’s NVIDIA podem pesquisar diretamente no sistema por: “Drivers Adicionais” e instalar o driver para sua placa de vídeo. Lembrando que a adição do PPA da NVIDIA não é mais obrigatória. Você pode acessar nossa matéria demonstrando e explicando um pouco mais sobre os Drivers proprietários NVIDIA no Ubuntu.

Habilite o suporte ao Flatpak e adicione o repositório Flathub


Infelizmente o Ubuntu não vem configurado por padrão com o suporte ao Flatpak, apenas Snap. Contudo, a tarefa é muito simples e rápida. Acesse essa postagem para configurar seu sistema, e comece a usar Flatpaks no Ubuntu. Depois pesquise na loja por apps neste formato.

Instale programas em Snap


Por default o Snap já vem configurado, então basta acessar a loja e instalar apps neste formato. O Spotify é um que sempre utilizo, ouvir músicas enquanto trabalho acaba aguçando minha criatividade (isso ao criar alguma arte ou coisa do gênero).

Baixe e instale programas em DEB


Particularmente utilizo vários programas, em diferentes formatos de empacotamento. Sendo que pacotes DEB estão presentes em meu pós-instalação. Esse ponto é bem particular e cabe a você escolher quais apps baixar. O 4K Vídeo Downloader e Google Chrome “”são de lei”. Para baixar o Navegador Google Chrome, por exemplo, acesse seu site oficial e baixe a opção em DEB.

Finalizado o download, abra com dois cliques ou com o botão direito do mouse e depois “Abrir com Instalação de programa”. Daí basta instalar como qualquer outro programa via loja do Ubuntu.

pós-install-instalação-ubuntu-19.10-linux-canonical-gnome-instalar-atualizar-guia-synaptic

Esse procedimento é semelhante com todos os demais pacotes neste formato.

Preparando o sistema para jogos


Você pode configurar seu sistema para inúmeros tipos de uso, caso queira jogar em seu Ubuntu, criamos um post demonstrando todo o preparo. Algumas partes podem estar obsoletas, como a indicação de um PPA para quem usa Mesa Driver ou PPA NVIDIA. Não aplique essas partes, dê preferencia as demonstradas nesse pós-instalação. As demais, aplique e deixe seu Ubuntu pronto para a jogatina.

Customizando o sistema


Esse passo é muito pessoal, você pode substituir wallpapers, mudar a posição da dock, retirar a função de suspensão de tela por inatividade, entre outras. Acesse o programa “Configurações” e personalize conforme seu uso. Assim como os navegadores de internet, o GNOME Shell pode ser modificado com a adição de extensões. Mas cuidado, adicionar extensões em demasia pode ocasionar instabilidades no sistema. Faça por sua conta e risco.

Temos uma matéria demonstrando algumas extensões interessantes para potencializar seu uso no GNOME Shell, porém não adicione a extensão “Pixel Saver” (a dica número 7 do link acima). Opte por outra suportada e que acaba sendo bem superior, segue a postagem da extensão Unite o “Pixel Saver compatível com o Ubuntu 19.10”

Essas são as dicas de pós-instalação do Ubuntu 19.10, caso queira dicas adicionais acesse outra matéria de pós-instalação que escrevi na época do Ubuntu 19.04. Algumas dicas ainda são válidas, mas tenha como preferência aplicar essas do Ubuntu 19.10 (se houver algum aparente conflito).

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, e bom uso do Ubuntu 19.10 Eoan Ermine, SISTEMATICAMENTE! 😎


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Comprimindo imagens para melhorar a navegação no seu blog ou site

Nenhum comentário

domingo, 13 de outubro de 2019

Donos de sites ou blogs que desejam ter um conteúdo acessível para todos, sempre precisam se preocupar com o peso das suas páginas. Páginas muito pesadas acabam dificultando a vida das pessoas com conexões mais lentas, muitas dessas pessoas acabam deixando de acessar o site em questão. Que por sua vez, pode perder também muitos acessos. É um negócio ruim para todos.


Fizemos uma lista com algumas ferramentas, que podem ajudar você a economizar alguns KB na hora de criar as imagens para o seu site. Que são as seguintes:

tinypng.com


Apesar do nome, o tinypng é capaz de trabalhar com os formatos “.png” e “.jpg”. O serviço utiliza uma técnica de compressão com perdas, o que diminui muito o tamanho das suas imagens, mas também pode ocasionar perda de qualidade.


Nos meus testes, uma imagem com 2,1MB, após o processo de compressão no site, ficou com 700KB. Se a perda de qualidade será ou não perceptível ou aceitável, depende muito da imagem em si. Pode acontecer de uma imagem ficar com uma qualidade bastante ruim após a compressão, enquanto a outra fica idêntica a original. Ou seja, cada caso é um caso.

Você pode acessar o tinypng clicando aqui.

ImCompressor


O ImCompressor é um compactador de imagens sem perdas. Ou seja, ele é capaz de compactar as suas imagens sem causar qualquer perda de qualidade. Mas é claro que isso vem com um preço. A diminuição no tamanho das imagens após serem comprimidas pelo ImCompressor geralmente é muito menor. Pelos meus testes, variando em torno de 2%. 


O ImCompressor é desenvolvido em Python e GTK, e possui um layout totalmente integrado com o GNOME Shell. O seu uso também é um ponto forte, sendo extremamente simples e intuitivo.

O ImCompressor está disponível para instalação no formato Flatpak, e pode ser encontrado no Flathub.

O Linux Mint vem com o suporte a flatpak, e o Flathub habilitados por padrão, então o ImCompressor pode ser instalado diretamente pela loja de aplicativos. Caso você esteja utilizando outra distro, e não sabe como instalar flatpaks, confira o nosso tutorial sobre como o assunto.

Após o Flatpak estar instalado, caso ainda não tenha o feito, adicione o repositório do Flathub com o comando abaixo:

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

GIMP e o formato .webp


Uma das melhores formas para salvar ou converter arquivos de imagem para a internet, que tenham tamanhos pequenos e uma boa qualidade, é através do GIMP, utilizando o formato ".webp". Inclusive, é esse método que utilizo em todas as imagens dos meus posts aqui no blog Diolinux.

Para salvar arquivos no formato .webp usando o GIMP, siga as instruções a seguir:


Conforme indicado na imagem abaixo, crie um grupo de camadas (1), e arraste todas as camadas do seu projeto dentro deste grupo (2). Antes de exportar, certifique-se de que o item selecionado na aba de camadas seja o grupo, e não uma das camadas dentro dele (3).


Clique em “Arquivo”, e em seguida “Exportar como”. Dê um nome para a sua imagem e adicione a extensão “.webp”. Clique em “Exportar”, selecione a qualidade da imagem, clique em “Exportar” novamente, e pronto.


O GIMP pode ser encontrado em Snap, Flatpak, e também nos repositórios de todas as principais distros. Outra excelente ideia, especialmente para aquelas pessoas habituadas com o Photoshop, é utilizar o PhotoGimp.

Se você não conhece, ou não sabe trabalhar com o formato Snap, este tutorial irá tirar todas, ou quase todas as suas dúvidas.

Softwares com o objetivo de comprimir imagens existem aos montes internet a fora, e é óbvio que muitos deles ficariam de fora dessa matéria. Então “passamos a bola” para você nos comentários. Conte-nos se você utiliza algum desses softwares citados, ou conhece outros melhores. Quem sabe a sua sugestão não renda outro artigo relacionado ao assunto no futuro.

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Por hoje é tudo pessoal! 😉

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

BlueMail um cliente de e-mail elegante

Nenhum comentário

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Basicamente existem dois tipos de usuários de desktops, generalizando muito, os que acessam seus e-mails direto pelo navegador de internet e aqueles que preferem acessar através de outro app. Clientes de e-mails são bem famosos, e no mundo Linux não é diferente. Aliás, já fizemos uma postagem destacando alguns clientes de e-mails no Linux e você pode acessar por este link

cliente-email-linux-ubuntu-windows-android-ios-desktop-alternate-outlook-mailspring-geary-mozilla-thunderbird-evolution-snapcraft-snap

O BlueMail é um cliente de e-mail multiplataforma, disponível para Windows, Linux, iOS e Android. Com um visual moderno e elegante, a aplicação é minimalista e direta ao ponto. Talvez por conta de sua simplicidade alguns usuários mais avançados não ficarão satisfeitos com o programa. A meu ver o programa parece uma mescla entre diversos clientes atuais, com semelhanças e características que lembram o Mailspring, Geary e o próprio cliente de e-mail do Windows 10.

cliente-email-linux-ubuntu-windows-android-ios-desktop-alternate-outlook-mailspring-geary-mozilla-thunderbird-evolution-snapcraft-snap

Configurar uma conta é extremamente intuitivo, e mesmo que algumas partes de sua interface não esteja completamente traduzida para o português, não existe dificuldade. Iniciando o programa pela primeira vez, uma tela solicitando um e-mail aparecerá. Não é necessário um pré-cadastro ou algo do tipo, basta logar com sua conta (no meu caso, utilizei o Gmail).

cliente-email-linux-ubuntu-windows-android-ios-desktop-alternate-outlook-mailspring-geary-mozilla-thunderbird-evolution-snapcraft-snap

O Cliente suporta uma gama interessante de serviços, a qualquer momento você poderá adicionar outras contas. 

cliente-email-linux-ubuntu-windows-android-ios-desktop-alternate-outlook-mailspring-geary-mozilla-thunderbird-evolution-snapcraft-snap

Se você gosta de interfaces mais escuras, o BlueMail nativamente possui uma variante do “modo dark”. Sei que essa característica atrai muitos usuários, afinal, estou entre os mesmos (😂️😂️😂️).

cliente-email-linux-ubuntu-windows-android-ios-desktop-alternate-outlook-mailspring-geary-mozilla-thunderbird-evolution-snapcraft-snap-modo-tema-escuro-dark

Possuindo uma organização concisa, alguns elementos, como painéis e listas de e-mails podem ser ocultados. Cada conta de e-mail pode ser visualizada separadamente ou unificada ao ser apresentada em tela. Mesmo não possuindo inúmeros recursos, foram os “pequenos detalhes” que me chamaram a atenção. Ao pesquisar pelos e-mails recebidos, você poderá mudar uma simples chave seletora e passar a filtrar apenas pessoas. Clicando nos três pontinhos, próximo a essa chave, mais opções aparecerão.

cliente-email-linux-ubuntu-windows-android-ios-desktop-alternate-outlook-mailspring-geary-mozilla-thunderbird-evolution-snapcraft-snap

Como mencionei anteriormente, existem partes na interface em inglês. Isso não chega a ser um empecilho, mas é um detalhe que não poderia passar despercebido, obviamente que essa questão pode influenciar na usabilidade, dependendo do perfil da pessoa. Neste aspecto o programa deixa a desejar, comparado a alternativas como o Mozilla Thundebird ou até mesmo o Outlook. Todavia, ao que tudo indica o público do BlueMail não é o usuário avançado.

Personalização não é o ponto forte do programa, entretanto funcionalidades interessantes estão presentes. Falo especificamente da “Assinatura”, um recurso que pessoas julgam ser importante. Existe mais, porém incentivo você a ter suas próprias conclusões sobre o BlueMail.

cliente-email-linux-ubuntu-windows-android-ios-desktop-alternate-outlook-mailspring-geary-mozilla-thunderbird-evolution-snapcraft-snap

Instalando o BlueMail


No início dessa postagem adicionei os links conforme cada versão do BlueMail, vale ressaltar que no Windows o programa pode ser encontrado diretamente em sua loja, assim como no Ubuntu.

cliente-email-linux-ubuntu-windows-android-ios-desktop-alternate-outlook-mailspring-geary-mozilla-thunderbird-evolution-snapcraft-snap

Por ser distribuído em Snap, o BlueMail poderá ser instalado facilmente na maioria das distribuições Linux. Contudo, o Snap deve ser configurado previamente em seu sistema, no Ubuntu esse passo não é necessário. Acesse essa matéria e habilite o suporte ao Snap em sua distribuição. Lembrando que dependendo de sua distro, o processo só poderá ser feito via terminal, pois nem toda loja possui o suporte aos pacotes em Snap.

Após ter configurado, e se preferir instalar via terminal, proceda desta maneira:

sudo snap install bluemail

Caso queira remover o app:

sudo snap remove bluemail 

Particularmente vivo mesclando entre clientes de e-mails e via web, atualmente estou utilizando direto do navegador, mas confesso que depois do último lançamento do Geary, venho testando novamente diversas aplicações. Sei que as interfaces web evoluíram de tal maneira que para muitos, aplicativos nesse estilo são redundantes. Todavia, ter opções é algo bom e creio que vários usuários gostam de conhecer alternativas e novidades.

Reforçando, vale o teste, porém se você está acostumado com as infindas opções do Thunderbird, o BlueMail não será de seu agrado. Outro detalhe que vale mencionar, foi a ausência de um ícone na tray (bandeja) do sistema. Não sei se o problema é relacionado ao Snap atual, só sei que nas capturas de telas na Snapcraft o ícone da tray está presente e em meu Ubuntu 18.04 não.


Você acessa seus e-mails via navegador ou faz uso de outro app? Deixe nos comentários a sua experiência com o BlueMail e possíveis dicas aos leitores do blog.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus. Assim você sempre fica por dentro das novidades.

Até o próximo post, te espero aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

App Outlet o "sucessor" do Linux App Store

Nenhum comentário

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Você conhecia o site Linux App Store? Pois bem, no início do ano escrevi uma postagem sobre essa store que oferecia programas em: AppImage, Snap e Flatpak num só lugar. Infelizmente o projeto foi descontinuado, mas eis que surge um sucessor.

linux-app-software-snap-appimage-flatpak-snapcraft-flathub-appimagehub-loja

Muitos usuários desconhecem as vantagens e desvantagens dos novos formatos de empacotamento, na realidade são inúmeros benefícios que geralmente “suprimem” seus defeitos. Após conhecer os pontos positivos e negativos, cabe ao usuário decidir entre usá-los ou não. Você pode ler essa postagem com um breve comparativo entre os formatos, a leitura é super válida.

Caso tenha alguma dúvida ou não conheça muito bem o funcionamento destes formatos, e de outros, criei um vídeo explicando sobre os programas no Windows e Linux. Então, antes de “olhar torto” para o AppImage, Flatpak ou Snap. Leia a postagem indicada e veja o vídeo, aposto que irá desmistificar muita coisa que ouve por aí.


App Outlet


Se antes o Linux App Store era um site desempenhando o papel de uma loja, agora o App Outlet é instalado como uma aplicação. O programa desempenha um papel bem interessante e prático, agregar AppImages, Snaps e Flatpaks em um só lugar. A intenção é muito boa, e pode auxiliar vários iniciantes. O projeto está iniciando e gradualmente recebendo novas implementações, então recomendo que testem e auxiliem os desenvolvedores relatando os bugs e dando idéias de possíveis funcionalidades diretamente na página do Github do App Outlet.

linux-app-software-snap-appimage-flatpak-snapcraft-flathub-appimagehub-loja

A equipe responsável pelo projeto, até o momento, é composta por dois desenvolvedores o Fagner Candido e Messias Junior. Se você é desenvolvedor, considere somar forças no desenvolvimento do App Outlet. O programa é de código aberto, e com sua evolução, milhares de usuários Linux poderão ser beneficiados. Além disso, é uma ótima forma de contribuir e quem sabe ter seu trabalho reconhecido no futuro.

Você pode efetuar o download do App Outlet de diversas maneiras, pois o programa está sendo distribuído em vários formatos, sendo eles: Snap, AppImage, DEB e existem planos para uma versão em Flatpak (ainda em fase de análise).

Conforme mencionei, o app está em desenvolvimento e muitas funções estão ausentes, todavia o App Outlet é novo, e essa ausência pode ser considerada algo relativamente comum. Você encontrará programas em Flatpak, Snap e AppImages agregados em um só lugar. No entanto, ainda não é possível instalar diretamente pelo software, então ele te redireciona para os demais hubs. Sendo o AppImageHub, Snapcraft e Flathub.

No futuro podemos esperar que o próprio App Outlet consiga instalar os aplicativos, e quem sabe habilitar o suporte a determinado formato, quando o mesmo não estiver configurado no sistema. Seu visual é bem intuitivo, organizando por abas segundo o formato e com uma sessão de categorias. Este ponto é bem interessante, dando acesso rápido aos usuários e possibilitando a descoberta de novos programas. Existe um campo de busca, caso o usuário já tenha conhecimento do programa que queira instalar.

Instalando o App Outlet em sua distro Linux


Você pode baixar o programa nos formatos DEB e AppImage no Github por este link.

O Snap está disponível na Snapcraft, caso utilize Ubuntu pesquise diretamente na loja por: “App Outlet” e instale o software.

linux-app-software-snap-appimage-flatpak-snapcraft-flathub-appimagehub-loja-canonical-ubuntu

Demais distribuições podem configurar o Snap, demonstramos o procedimento neste artigo.

Para instalar via terminal, basta digitar:

sudo snap install app-outlet

A remoção é simples:

sudo snap remove app-outlet

Considerações no momento em que escrevo este artigo


Nos meus testes, aqui no Ubuntu 18.04 LTS, pude perceber algumas limitações e problemas no App Outlet. Muitas devido a funcionalidades que ainda serão implementadas, outras creio eu que seja algum problema durante o empacotamento. 

Por exemplo, não consegui executar a versão em Snap. Indiferente de serem instaladas via CLI, interface gráfica, nas versões stable ou edge. Simplesmente o app não iniciava ou dava alguma mensagem de erro.

Já quando utilizei o App Outlet em AppImage, minha experiência foi satisfatória. Notei que ao acessar as categorias, apenas os Flatpaks eram listados. 

Outro ponto, é sua pesquisa. Nem sempre as buscas retornam todos os resultados possíveis, como pode observar, o GIMP em Flatpak não apareceu ao pesquisar por “GIMP”.

linux-app-software-snap-appimage-flatpak-snapcraft-flathub-appimagehub-loja

Ressalto mais uma vez que o app está em desenvolvimento inicial, então encorajo que relatem e auxiliem quando possível. Inclusive relatei o problema com o formato Snap, como podem observar nessa issue.

Fiquei triste quando soube a notícia do fim da Linux App Store, e alegre com seu sucessor. Desejo toda sorte aos envolvidos no App Outlet, pois sei que é ambiciosa essa empreitada, não obstante, os resultados podem ser ainda mais. Que o projeto evolua e novas features sejam adicionadas, tornando a vida do usuário mais cômoda e intuitiva.

Nos poucos momentos que conversei com o Messias Junior, pude perceber o engajamento e anseio em somar com a comunidade Linux. A nossa comunidade Diolinux Plus está interessada no projeto e parece ter abraçado o mesmo. Convido você, que ainda não faz parte do Diolinux Plus, a participar do fórum e ficar por dentro das novidades. Por último, finalizo com as palavras do Messias Junior para todos os usuários do App Outlet.

“Ficamos felizes com a receptividade da comunidade. E reiteramos o convite para a colaboração. O App-outlet é para a Comunidade e feito para Comunidade”.

Até o próximo post, compartilhe nosso conteúdo, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


OpenResizer, um aplicativo de redimensionamento de imagens em massa

Nenhum comentário

quinta-feira, 3 de outubro de 2019

Se você estiver precisando de um aplicativo para fazer o redimensionamento em massa das suas imagens, o OpenResizer pode lhe ajudar.


OpenResizer, um aplicativo de redimensionamento de imagens em massa






Antes de mostrar como instalar e algumas screenshots do programa, vale uma menção do porque o desenvolvedor escolheu distribuir o OpenResizer somente em snap, por hora. Trecho retirado do blog dele:

“Meu objetivo era simplesmente empacotar o aplicativo e distribuí-lo. Não queria gastar muito tempo empacotando, porque queria chegasse aos meus usuários finais rapidamente. A escolha para mim foi baseada em como era fácil empacotar meu aplicativo, e o Snap parecia atender a esse requisito.

Então a escolha me pareceu clara - decidi que usaria o Snap. Foi fácil começar com os tutoriais básicos, mas não foi fácil finalizar e ajustar o pacote final. Os tutoriais foram suficientes para começar, mas eles não tinham tutoriais detalhados, então eu constantemente perguntava no fórum Snapcraft, sobre várias coisas relacionadas ao Snaps. Felizmente, o fórum foi muito útil e pude empacotar o OpenResizer como um snap.”

Feito essa menção, vamos ao procedimento de instalação do aplicativo.


Se você não tiver o snap instalado na sua distro, basta seguir esse tutorial que fizemos e habilitar. Depois é só procurar na loja de aplicativos por “OpenResizer” e mandar instalar.




Se você preferir, pode instalar ele via linha de comando:

sudo snap install openresizer

Funções do aplicativo:

● Redimensionar uma ou várias imagens;
● Preview do Antes / Depois;
● Suporte para imagem nos formatos: PNG, JPG, BMP;
● Ajuste de compressão para JPG; 
● Suporte para PNG com fundo transparente; 
● Suporte para CPU's multi-core; 
● Free e open-source.

Muito bom ver os devs esclarecendo o porquê de usar o formato Snap, Flatpak ou AppImage, e quais facilidades e dificuldades encontradas na hora do porte. Creio que a utilização desses formatos só tende a aumentar. Vale ressaltar também, que se você tem algum “preconceito” ou qualquer coisa do tipo, sobre apps serem empacotados em formatos de containers, sem problemas e stress man✌😀, ainda vai existir outras formas e programas para você usar, como os dos repositórios, via DEB, RPM e por aí vai 😉.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Inkscape 1.0 Beta é disponibilizado para testes

Nenhum comentário

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Um dos mais populares editores de imagens vetoriais no Linux, recebeu um importante update recentemente. Agora o pessoal pode testar a versão 1.0 Beta do Inkscape.

Inkscape 1.0 Beta é disponibilizado para testes





O Inkscape é um dos softwares “quase obrigatório”” para quem chega ao mundo Linux e precisa trabalhar com design e afins. Atualmente ele se encontra na versão stable 0.92.4, mas se você quiser conferir as novidades da versão Beta 1, já pode instalar e conferir.

Algumas das novidades são:

● Suporte para temas GTK3 personalizados;
● Espelhamento e rotação do Canvas; 
● Alinhamento dos objetos ao Canvas; 
● Melhorado o suporte das telas ao HiDPI; 
● Novas opções de exportação para o PNG; 
● Suporte para fontes variáveis;
● Nova caixa de diálogo para o caminho do Efeito ativo;
● Vários bugs e correções relacionados ao plugins e complementos.

Para conferir a release completa, basta acessar ela aqui.

Instalando a versão Beta


Para instalar a versão Beta 1 do Inkscape, você pode fazer através de 3 (três) maneiras até o momento: AppImage, Snap ou pelo Tar.Bz2

Se você baixar o Inkscape no formato de AppImage, para executar ele é muito fácil. Basta salvar em alguma pasta que você tenha permissão de acesso, como a pasta Download, depois é só dar permissão no arquivo: Botão direito no mouse em cima dele > Propriedades > Permissões > marcar a caixa de diálogo “Permitir execução do arquivo como um programa”.  Pronto, feito isso você já pode usufruir do Inkscape.


A segunda é via Snap, se o seu sistema não tem o suporte habilitado, recomendo seguir o nosso tutorial de como fazer isso. Feito este ajuste, basta procurar a versão em snap na sua loja de apps e efetuar a instalação Beta, que na loja ta identificado como “edge”. Agora é só esperar a instalação terminar. 


Ou se você preferir, pode instalar via terminal, com o seguinte comando:

sudo snap install inkscape --edge

A terceira forma é compilando o código fonte, que é distribuído através do arquivo tar.bz2.

A versão Flatpak ainda se encontra no versionamento 0.92.4

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo