Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador spotify. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador spotify. Mostrar todas as postagens

Como criar um podcast grátis e publicar no Spotify e Apple Podcasts

Nenhum comentário

sábado, 5 de outubro de 2019

Os podcasts estão disponíveis em uma grande variedade de plataformas, são em sua maioria gratuitos, e são uma excelente ferramenta de divulgação e aprendizado. Estas são apenas algumas dentre as várias razões que fazem com que os podcasts, hoje em dia, sejam uma mídia em ascensão.

como-criar-um-podcast-e-publicar-no-spotify-e-apple-podcasts

O acesso a este tipo de mídia é tão fácil, que o fato de você estar lendo este artigo agora já é um sinal de que possui os meios necessários para ter acesso a um número gigantesco de podcasts, sobre os mais variados assuntos que possam lhe interessar.

Assim como a demanda por podcasts está em alta, a de pessoas desejando criar este tipo de conteúdo também está. Através de uma pesquisa no Instagram, perguntamos quais de vocês já pensaram em ter um podcast. O número de respostas positivas foi enorme. Porém, a grande maioria dessas pessoas ainda não conseguiu realizar esse desejo. O que ocorre pelos mais variados motivos, como: não saber sobre o que falar, falta de pessoal para integrar o projeto, falta de tempo, ou simplesmente por não saber como começar.

O nosso objetivo com este artigo, é justamente ajudar a essas pessoas que não sabem por onde começar. Ou que, erroneamente pensam que criar um podcast é algo complicado, trabalhoso, e que demanda uma quantidade exorbitante de tempo.

Como fazer?


A ferramenta que iremos utilizar é o Castbox, que há bastante tempo é parceiro do nosso canal no YouTube. O Castbox é um serviço gratuíto com integração com vários outros serviços, como o Spotify, Google Podcasts, entre outros. O grande diferencial do Castbox, é que além de permitir que você ouça podcasts através do seu computador, ou aplicativo no celular. Ele também permite que você crie e publique o seu próprio podcast, não apenas no próprio Castbox, mas também em outros serviços como Spotify e Apple Podcasts (iTunes).

No vídeo a seguir ensinamos o passo a passo de como criar e publicar o seu podcast no Spotify e Apple Podcasts.


Você também está nessa “moda” de ouvir podcasts? Ou cria conteúdo para esse tipo de mídia? Conte-nos nos comentários quais você mais gosta, ou qual é o seu próprio podcast. 

Não deixe de conferir o nosso curso de edição de áudio para podcasts com o Audacity, no Diolinux Play!

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Por hoje é tudo pessoal! 😉

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



Spotify quer saber se os usuários querem o app nos repositórios oficiais das distros

Nenhum comentário

quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Um dos serviços de streaming mais famosos do mundo está mais uma vez olhando para o mundo open source com carinho. Parece que, uma vez mais, estão dando atenção ao Linux.

Spotify quer saber se os usuários querem o app nos repositórios oficiais das distros





Recentemente fui surpreendido, quando voltava da academia e no intervalo das músicas (sim, eu uso o Spotify Free 😂) eu ouvi na propagando deles algo do tipo “... baixe agora mesmo o Spotify para desktop, com versões para Windows, macOS, Linux e Chrome OS…”. Fiquei com aquela cara de “Sério mesmo 😮, não estou em uma realidade alternativa??😅”.

E não é que fui surpreendido novamente!?!

Pelas “andanças” no Twitter (aproveita siga “nóis” lá CanalOCaraDoTI) me deparei com um tweet do jornalista da Forbes, Jason Evangelho, que já concedeu uma entrevista para o Diolinux, inclusive,, mostrando um tópico criado por um moderador da comunidade do Spotify, pedindo a opinião dos usuários Linux, se gostariam de ver o programa nos repositórios oficiais das distros.

Contextualizando, na comunidade do Spotify, para uma ideia de fora da equipe deles ser levada “a debate interno”, é preciso atingir no mínimo 500 votos, dessa forma eles decidem se aquilo é viável ou não. Você pode ver aqui uma explicação mais detalhada, segundo eles mesmos.
O tópico para votar, é esse aqui, para concluir a votação basta colocar um usuário e resolver o captcha deles. Pronto, voto computado.



Isso é muito bacana de se ver, empresas querendo ter mais de uma forma de distribuir os seus produtos. No caso do Spotify, eles já estão distribuindo de forma oficial via Snap ou via empacotamento da comunidade, via Flatpak. Acesse a postagem que fizemos demonstrando como obter o Spotify no Linux. Creio que essa forma de vir junto nos repositórios de forma oficial, possa atingir mais usuários e assim facilitar mais ainda a vida das pessoas. Porque não “sonhar” em um WhatsApp e Messenger (chat do Facebook) na mesma linha, seria bastante interessante.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Novo BigLinux é lançado, com base Ubuntu 19.04

Nenhum comentário

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Para quem acompanha o cenário Linux “tupiniquim”, já ouviu falar da distro BigLinux, que é muito tradicional no meio de TI e que já foi a distro de entrada de muita gente no mundo Linux.

Novo BigLinux é lançado, com base Ubuntu 19.04






Como tudo no mundo da tecnologia, temos evoluções e com o BigLinux não poderia ser diferente. Eis que em 2019, a distro volta com tudo e reformulada. A última versão tinha sido a 7.10 e lançada em 2017.  

A reformulação da distro

Primeira coisa que foi feita pelo pessoal do BigLinux, foi encontrar a base do sistema, e a escolhida foi o Ubuntu 19.04 e pretendem estabilizar no Ubuntu 20.04 LTS. Isso é muito bom, pois “vai pegar” as melhorias que vêm sendo implementadas pelo Ubuntu, como os drivers de vídeos recentes, Kernels e melhorias em geral.

Depois vem a escolha do Desktop Environment (DE), que antes eram usados o Cinnamon e a DE do Deepin. Depois de muitos testes, foi escolhido que seria melhor voltar para o KDE e implementar o LXQT.

Outras novidades apresentadas nesta versão 19.04 do BigLinux são:

● 30 webapps, entre eles Whatsapp, Telegram, Netflix, Spotify, Deezer, Prime Vídeo, Google Maps, Youtube, Twitter, Skype, Waze, TuneIn, Messenger, que ao todo não chegam perto de consumir 1 MB de armazenamento;



● Sistema de Arquivos Btrfs, que já vem configurado para criar pontos de restauração de até 7 dias (snapshots ou backups). Por padrão esse recurso funciona apenas para arquivos do sistema, não mantendo cópias dos arquivos da pasta do seu usuário, ou seja, a pasta /home, mas, se você preferir, pode alterar a opção em “Snapshots e backups”;

● Três (3) temas pré-configurados:  Arc, Adapta e Dark;



● Editor de Imagens GIMP, já com o GMIC e o PhotoGimp (criação Diolinux) instalados por padrão;



● Outra possibilidade, é poder escolher entre o Kernel “normal” (Generic, o mesmo usado pelo Ubuntu, por exemplo) ou o Kernel Xanmod, que conta com algumas melhorias.

Às versões dos principais programas são:

● Kernel Generic 5.0.0-25.26;
● Kernel Xanmod 5.2.8-8;
● KDE Frameworks 5.60.0;
● KDE Plasma 5.16.4;
● LibreOffice 6.3.0;
● GIMP 2.10.8;
● Firefox 68.0.2;
● Chromium 76
● Mesa Driver 19.0.9
● Suporte para Snap e Flatpak na loja de aplicativos.

Configuração mínima
- Processador de 64 bits Intel ou AMD, ou compatível
- 2 GB de memória RAM
- 8 GB de espaço de armazenamento

Configuração recomendada
- Processador de 64 bits Intel ou AMD, ou compatível
- 4 GB ou mais de memória RAM
- 40 GB ou mais de espaço de armazenamento

Para baixar a nova versão do BigLinux, basta acessar este link.

Muito bom ver uma distro tão querida retomando “os trabalhos” com “gás total” e trazendo um produto de qualidade, como o pessoal do BigLinux está fazendo. Espero que continue por muitos anos 😁.

Nós diga aí nos comentários, o que achou dessa versão nova do BigLinux.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Versão Snap do Skype recebe update depois de seis meses

Nenhum comentário

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Um dos aplicativos “carro-chefe” do empacotamento Snap, o Skype, rece finalmente um update depois de “longos” seis meses de “congelamento” por parte da equipe responsável pelo formato.

Versão Snap do Skype recebe update depois de seis meses





Muitos usuários de Linux e que utilizam o Skype, estavam achando estranho que a versão mais “badalada” para o sistema, por ser “cross-plataform”, não estava na mesma versão das outras versões (rpm e deb) e assim não tendo algumas melhorias e ajustes contidas na versão 8.51.0.72.

Mas agora isso não é mais problema, pois a versão snap foi atualizada e  se encontra na mesma versão que as suas “irmãs” de empacotamento, deb e rpm.

Outra novidade mais visível é a mudança do ícone, assim seguindo a mesma estética dos ícones novos do pacote Office 365, que foram lançados em Novembro de 2018.


Se você quiser usar a nova versão do Skype via Snap, basta desinstalar a versão antiga e instalar novamente, com o comando:

sudo snap install skype --classic

Ou procurando na loja de software ,se você estiver usando alguma distro base Ubuntu. Mas se a sua distro não tem o snap instalado, basta seguir esse tutorial nosso e depois executar o comando acima.

Como diz o ditado, “Antes tarde do que nunca…”, e o importante é o ecossistema Linux agora estar com todas as suas versões iguais.

Teve alguns rumores e boatos  que indicavam esse atraso foi por causa da “complexidade e dificuldade” em se montar um pacote snap, mas isso veio de alguns apps indies e não passou de apenas rumores e boatos.

O Snap não pode ser unanimidade entre os usuários, mas ele vem fazendo um certo sucesso, além de trazer novos apps, os updates de programas consagrados como LibreOffice, Skype, Spotify e afins dão essa credibilidade.


Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Como instalar o Spotify no Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

O Spotify é um dos serviços de streaming de músicas mais famosos da atualidade, seja por seu modo premium de valor acessível ou versão free, totalmente gratuita. Obviamente, que nessa modalidade, propagandas podem interromper sua playlist e não será possível efetuar o download das músicas e ouvir offline. Aliás, você pode acompanhar o DioCast diretamente da plataforma.

spotify-linux-ubuntu-deb-snap-flatpak-mint

Temos um vídeo sobre o serviço, abordando se vale a pena pagar o Spotify Premium, em nosso canal. Caso esteja interessado, recomendo assistir e avaliar a possibilidade. Para maiores detalhes sobre os tipos de assinatura, acesse esse link.

Vale a pena pagar o Spotify Premium? Veja o vídeo e tire suas dúvidas.


Spotify em sua distribuição Linux


Existem basicamente 3 maneiras de se obter a aplicação do Spotify, duas estão disponibilizadas em seu site oficial (mantido de forma voluntária pelos engenheiros do Spotify, conforme a página informa) e a outra é mantida pela comunidade Linux, através do repositório Flathub. Irei apresentar todas as 3, a decisão de qual utilizar será exclusivamente sua. Deixando claro, que às duas formas de se instalar o Spotify no Linux (DEB e Snap) podem conter ligeiras diferenças comparadas as versões Windows e Mac. Assim, como o próprio Spotify enfatiza, pois, essas versões são mantidas distintamente do Spotify, mas possuindo o aval da empresa. No entanto, não precisa se preocupar, os engenheiros do Spotify estão fazendo um ótimo trabalho e nunca notei alguma diferença com as versões de Windows ou macOS (ou algum bug no software). 

spotify-linux-ubuntu-deb-snap-flatpak-mint-diocast-musica-streaming

Spotify via Snap


A primeira opção do Spotify para o Linux é em formato Snap, para usuários do Ubuntu todo processo é simplificado. Basta, pesquisar por: “Spotify” diretamente da loja e instalar a aplicação. Outros usuários, que utilizam sistemas, como: Linux Mint, Elementary OS, KDE Neon, Fedora, Pop!_OS e etc. Podem configurar o Snap em seu sistema para usufruir do formato. Acesse essa postagem, caso não o tenha feito. 

spotify-linux-ubuntu-deb-snap-flatpak-mint-loja-musica-streaming

Nem todas os sistemas possuem lojas com integração com esse tipo de empacotamento, o terminal é uma opção para contornar esse falta.

Instale o Spotify Snap via terminal:

sudo snap install spotify

Remova o Spotify Snap via terminal, se desejado:

sudo snap remove spotify

Spotify via DEB


Outra possibilidade é o Spotify no formato DEB. Contudo, não se engane e espere compatibilidade total com versões do Debian, essa opção tem como foco as últimas versões de lançamento do Ubuntu. Assim sendo, alguma incompatibilidade com versões mais antigas do Debian podem ocorrer, mas os engenheiros do Spotify informam que sempre vão tentar compatibilizar o pacote versões mais antigas do Debian e Ubuntu. Se possui alguma dúvida, quanto ao funcionamento desta opção, reconsidere as demais. Segue o passo a passo para instalação do Spotify neste formato.

Adicione a chave do repositório do Spotify:

sudo apt-key adv --keyserver hkp://keyserver.ubuntu.com:80 --recv-keys 931FF8E79F0876134EDDBDCCA87FF9DF48BF1C90 2EBF997C15BDA244B6EBF5D84773BD5E130D1D45

Adicione o repositório do Spotify:

echo deb http://repository.spotify.com stable non-free | sudo tee /etc/apt/sources.list.d/spotify.list

Atualize sua lista de pacotes:

sudo apt update

Instale o cliente Spotify:

sudo apt install spotify-client

A cada nova versão disponível, você receberá uma atualização normalmente em seu sistema.

Spotify via Flatpak


A terceira forma de se obter o Spotify é pelo Flathub, essa versão em Flatpak não está contida nas opções descritas no site. Empacotada pelo pessoal do Flathub é uma escolha viável para quem prefere este tipo de pacote, ou não queira configurar nada (caso do Linux Mint, que possui a mesma em sua loja). No Ubuntu sua instalação também pode ser via loja, basta acessar essa postagem e configurar o Flatpak e plugin do mesmo na Gnome Software. Pesquise por: “Spotify flatpak” e instale o cliente.

spotify-linux-ubuntu-deb-snap-flatpak-mint-loja-musica-streaming

Veja nesta postagem, a instalação e configuração do Flatpak nos demais sistemas baseados em Linux. Essa postagem demonstra como adicionar o repositório do Flathub. A instalação via terminal é outra opção.

Instale o Spotify Flatpak via terminal:

flatpak install flathub com.spotify.Client

Remova o Spotify Flatpak via terminal, caso queira:

flatpak remove com.spotify.Client

Agora você poderá ouvir suas músicas no Spotify, óbvio que uma conta é exigida, pode ser criada gratuitamente ou migrar para versão paga, a escolha é sua. Sei que alguns irão citar o AUR como outra forma de instalação do Spotify e tal. No entanto, às duas formas que apresentei (Snap e Flatpak) abarcam mais distribuições, e nada impede de usuários obterem a versão contida no AUR.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, existem muitos audiófilos por lá também (😁😁😁).

Até mais, agora vou ouvir algumas músicas no Spotify, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Tauon Music Box é o player para quem gosta de minimalismo

Nenhum comentário

domingo, 30 de junho de 2019

Ouvir música nos dias atuais é quase um sinônimo de streaming, como os serviços Spotify, Deezer, YouTube Music, iTunes, SoundCloud entre outros, a maior parte de nós não mais ouve música usando aqueles Apps clássicos, como o Winamp. Mas e quando o acesso a internet fica indisponível? Aí que entra os players de música “off-line”. Hoje apresentamos o Tauon Music Box.


Tauon Music Box é o player para quem gosta de minimalismo





Para quem gosta de uma pegada mais minimalista e objetiva, o Tauon vem para se encaixar nesse conceito. Construído em Python, ele tem uma interface bem responsiva, além de ser leve e ter um design suavizado, podendo ser personalizado em sua forma de exibição com opções variadas.



Ele usa o codec proprietário  BASS Audio Library (as outras versões usavam o FFMPeg), fazendo com que o player consiga reproduzir praticamente qualquer tipo de mídia, como por exemplo arquivos FLAC, o que é bom para quem se importa com alta qualidade de som.


Características do Tauon:

 - Capacidade de importar faixas e criar playlists arrastando e soltando com facilidade; 

- Galeria de arte dos álbuns são mostrados em tamanho grande;

- Suporte para reprodução sem intervalos;

- Interface de usuário rápida e responsiva;

- Função de download da arte de capa.

- Letras das músicas com suporte para exibição junto com acordes de guitarra e sincronia com os arquivos .lrs 

- Acompanhe a contagens de reprodução de arquivos e visualize isso para que você saiba sempre quais faixas são as suas favoritas.

- Extraia arquivos e importe seus downloads de música com um clique. 

Os formatos suportados são: FLAC, APE, TTA, WV, MP3, M4A(aac, alac), OGG, OPUS. XSPF, CUE (com detecção automática).

Você vai encontrar o player no Flathub. Se a sua distro ainda não tem suporte a ele, basta seguir esse tutorial. Se a sua distro já tem ele habilitado por padrão, basta procurar por Tauon na sua loja de aplicativos.

Depois de ter feito a instalação do suporte ao flatpak (se a sua distro não vinha com ele), agora você pode procurar na loja de aplicativos dela ou digitar o seguinte comando no terminal:

flatpak install flathub com.github.taiko2k.tauonmb

Espere o procedimento acabar e procure pelo programa no menu da sua distro.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Veja as letras de suas músicas favoritas com o Musixmatch

Nenhum comentário

quarta-feira, 6 de março de 2019

Música é uma arte que requer sensibilidade sonora e muitas vezes desperta um sentimento único e que se molda conforme o ritmo, harmonia, letra e seu estado emocional, e sempre temos um estilo ou artista que afloram tais sentimentos, e que tal tirar proveito desse momento ao acompanhar as letras conforme a música é tocada? O programa de hoje proporciona tais possibilidades.

musicxmatch-letras-musicas-spotify

O Musixmatch é um dos maiores e mais populares apps Android, com ele você poderá acompanhar em tempo real seu artista interpretando alguma canção, e as letras serão visíveis nesse momento. Além de possuir uma versão mobile, o app conta com um cliente desktop.

Em sua versão mobile, o Musixmatch pode obter as letras de várias canções no Youtube, Spotify, Apple Music, SoundClound, Google Play Music, Pandora e mais.

musicxmatch-letras-musicas-spotify-google-music-apple-android

E qual a utilidade de ver letras das músicas?


Podemos aproveitar deste recurso para alguns fins como: Fazer um karaokê particular com as músicas favoritas, aprender algum idioma enquanto ouve música (sempre vejo os professores falarem que uma das melhores maneiras de praticar ou aprender outro idioma são através de filmes, seriados, livros e músicas), utilizar para aulas de canto e técnica vocal, ou simplesmente tirar uma duvida sobre um “trecho nebuloso” de alguma canção predileta (😂😂😂).

O legal desta aplicação que, ao menos no desktop que testei, não precisa ter a versão de um serviço pago para utilizá-lo em conjunto, falo especificamente do Spotify que é a plataforma de Streaming de áudio que consumo diariamente.

Instalando o Musixmatch


Como informado logo acima, o Musixmatch possui tanto versão mobile, como desktop, porém, irei focar na aplicação para PCs, se deseja instalar a versão para Android, basta acessar esse link que te levará direto à Google Play Store

Um ponto a salientar, é que sua versão desktop age em conjunto com o Spotify, então você precisa deste programa previamente instalado, e se utiliza a versão free, não tem problema algum.

Pesquise normalmente na loja do Ubuntu, Linux Mint, e instale o Spotify.

spotify-snap-flatpak-linux-mint-ubuntu

O Musixmatch é distribuído no formato Snap, sua instalação pode ser feita tanto via terminal, como na loja de aplicativos, caso esteja utilizando o Linux Mint ou derivados, você pode aprender como habilitar o Snap através deste post.

sudo snap install musixmatch

musicxmatch-letras-musicas-spotify-ubuntu-snap-loja

Para desinstalar o programa, você pode fazer da mesma maneira que instalou via interface gráfica ou com o comando:

sudo snap remove musixmatch

Configurando e utilizando o programa


Logo após instalar o Musixmatch, execute-o. Uma pequena janela abrirá, tenha em mente que o app funciona em conjunto ao Spotify, como já foi comentado, então ele deve estar funcionando e reproduzindo alguma canção.

musicxmatch-letras-musicas-spotify-janela-inicial

Antes de usarmos o programa, é necessário alguns passos, como criar uma conta no Musixmatch e logar com sua conta Spotify.

Clique na opção “Musixmatch login required”, ele abrirá uma nova janela, crie seu cadastro na plataforma.

cadastro-musicxmatch-letras-musicas

Depois conecte-se com sua conta Spotify, clicando em ”Connect to Spotify”.

login-cadastro-spotify

Após ter criado seu cadastro do Musixmatch e ter logado com sua conta Spotify, reproduza alguma música no Spotify, abra o app do Musixmatch através de seu ícone de bandeja e clique em “Show Musixmatch”.

bandeja-tray-musicxmatch-letras-musicas-spotify

E pronto! “Num passe de mágica” uma janela flutuante com a letra em tempo real será visível, caso o aplicativo não identifique ou perca seu login ao fechá-lo, efetue-o novamente, assim o app volta a sua normalidade.

musicxmatch-letras-musicas-spotify

Gostei bastante desta aplicação, sua versão desktop ainda tem menos funcionalidades que a mobile, entretanto creio que seja questão de tempo para a chegada de novos recursos.

E você, é apaixonado por música? Deixe nos comentários sua opinião, e se você assim como eu às vezes “dá uma de cantor” (😂😂😂), não perca tempo e experimente esse programa.

Te espero no próximos post, aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Museeks, o seu player de músicas minimalista e elegante

Nenhum comentário

domingo, 3 de fevereiro de 2019

Quando pensamos em ouvir as nossas músicas, logo pensamos nos serviços de streaming como Spotify, Deezer, YouTube Music entre outros. Mas muitas pessoas  ainda tem músicas salvas no pc, em algum tipo de armazenamento ou simplesmente não tem acesso a internet é quer ouvir as suas músicas, então precisa de um player offline para isso. Vamos mostrar mais uma opção para Linux.


 Museeks, o seu player de músicas minimalista e elegante






Quando vamos ouvir música offline no Linux, o VLC Player é a primeira opção para essa tarefa, vindo depois o MPV player, SMPlayer, MPlayer, Amarok, Rhythmbox entre outras opções.

O Museeks é feito nas tecnologias Node.js, electron (base atom-shell) e React.js e assim garantindo a possibilidade de ser usado em multiplataforma (Linux, Windows e macOS).

Algumas características do Museeks:

⏺ Reprodutor de música multiplataforma;
⏺ Layout clear;
⏺ Listas de reprodução;
⏺ Gerenciador de filas de reprodução;
⏺ Shuffle, Loop;
⏺ Suporte para capas de álbum;
⏺ Tema escuro;
⏺ Controle de velocidade de reprodução;
⏺ Bloqueador do modo de suspensão;
⏺ Quando minimizado, ícone fica na tray;
⏺ Formatos suportados: mp3, mp4, m4a / aac, flac, wav, ogg, 3gpp.

Para maiores informações sobre o Museeks, consulte o GitHub dele.

Home do Museeks tema claro
Home do Museeks tema escuro
Como adicionar arquivos a Biblioteca

Se você quiser baixar ele para Linux, Windows ou macOS, acesse este endereço aqui.

Agora é só ir adicionando as suas músicas e ir curtindo a “sonzeira”.

Espero você no próximo post, forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


MellowPlayer, o aplicativo que integra os serviços online de música

Nenhum comentário

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Com a chegada dos serviços de streaming, como Spotify e Netflix, vários outros começaram a surgir,  assim trazendo opções para a galera poder escolher em qual plataforma ia preferir ouvir às músicas da sua banda favorita enquanto puxa aquele ferro na academia, arrumar a casa, no trabalho ou simplesmente para relaxar. Para gerenciar todos esses serviços em um só aplicativo é que surge o MellowPlayer. 


 MellowPlayer, o aplicativo que integra os serviços online de música






O MellowPlayer faz o gerenciamento dos serviços web das plataformas, como Deezer, SoundCloud, Google Play, etc.. Ele só não consegue reproduzir sites que precisam habilitar o DRM, como Spotify e Mixcloud, no caso do Spotify já temos uma versão para Linux, e o Mixcloud pode ser acessado via Google Chrome ou Mozilla Firefox (habilitando o suporte a DRM nas configurações).

Como o Spotify se comporta no MellowPlayer


Instalação do MellowPlayer


Para instalar o MellowPlayer no Linux é bem simples, pois o mesmo é disponibilizado via AppImage, então você pode salvar ele em qualquer pasta que o  seu usuário tenha acesso. Recomendo salvar na área de trabalho, pois assim fica mais fácil de localizar ele. Veja a gif abaixo de como dar permissão para o AppImage do MellowPlayer “rodar”.

Basta clicar com o botão direito no arquivo, ir até “propriedades” e na aba de “permissões” verificar se o aplicativo está com permissão de execução e de leitura e escrita para o seu usuário.



Como foi visto, é bem fácil de deixar um AppImage executável. Esse método serve para qualquer AppImage. Para executar o programa, basta dar dois cliques. Depois de executá-lo, ele abre com a janela abaixo:



Na imagem acima temos alguns serviços que o Mellow suporta atualmente, incluindo o Spotify, que foi usado para teste mas não funcionou como mencionado no começo do artigo. Os outros serviços que tem um “X” vermelho funcionaram sem problemas.

O MellowPlayer é feito em C++ e QML, tendo o código fonte disponível no GitLab neste link.

O aplicativo possui limitações, como não reproduzir os serviços com DRM e usam do QtWebEngine,  não tendo a possibilidade de habilitar isso muito provavelmente por se basear no Chromium, mas pode ser questão de tempo, nas próximas versões podemos aguardar novidades, enquanto isso, você pode ficar de olho no projeto..

Espero você no próximo post, forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Os pacotes Snap mais baixados do ano!

Nenhum comentário

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Na última Quinta-feira de 2018 (27), a Canonical soltou em seu blog uma lista com os Top 10 aplicativos mais baixados no formato Snap, baixados através da Snap Store ou do site Snacraft, site onde você tem todas as instruções para a instalação. A empresa não informou o número de downloads, apenas a ordem de aplicativos mais baixados.


 Os pacotes Snap mais baixados do ano!





Vale mencionar a grande gama de empresas portando os seus aplicativos para Linux e usando o Snap como uma porta de entrada para tal, assim dando uma chance para a plataforma. 

Confira agora a lista dos Snaps mais populares do ano, repare que temos vários nomes famosos na lista! 





O Spotify lidera a lista, o popular serviço de streaming de música foi um dos primeiros grandes do  mercado a adotar o formato Snap como padrão para distribuir o software.

2 - Slack



Na segunda posição aparece o Slack, uma ferramenta que se tornou muito popular nos últimos anos em empresas, como uma forma simples e eficiente de organizar projetos e times.

3- VLC 




O player mais versátil do mundo aparece na terceira opção. Agora com suporte ao formato Snap, as novidades do VLC chegam ainda mais rápido ao Ubuntu e a qualquer sistema que o uso dessa forma.

4 - Discord




O Discord é um dos métodos preferido dos gamers de comunicarem, mas além disso ele se tornou uma ferramenta de fórum muito interessante também, com comunicação via chat, voz e imagem. Um quarto lugar neste Top 5 é mais do que justo.

Aproveite para conhecer a comunidade #L2G que nós temos lá no Discord.




Os desenvolvedores agradeceram a possibilidade de instalar uma ferramenta tão completa quanto essa com um simples clique, fechando o Top 5 de aplicativos Snap mais baixados neste ano, o que mostra o grande interesse de desenvolvedores Android no Ubuntu como plataforma também.


O futuro é o Snap?


A popularidade do formato mostra que o Snap vem se tornando muito atrativo para as empresas que querem portar os seus produtos para um sistema com suporte empresarial, no caso o Ubuntu, ainda que esse formato automaticamente porte o software para todas as distros Linux compatíveis com o Snapd.

Apesar do Snap ser muito atrativo, ele não é o único, formatos como Flatpak e AppImage também vem ganhando maior atenção, esperamos em breve ter dados para poder mostrar um “top” desses formatos também.

A lista acima representa apenas alguns dos Snaps mais populares, outros que fazem parte do Top 10 de Snaps mais baixados incluem também o Next Cloud, o servidor de streaming Plex, o editor de texto Notepad++, o editor de vídeo Shotcut e o game Xonotic.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Veja como instalar o navegador Opera no Ubuntu via Snap

Nenhum comentário

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Nesta quinta-feira (02/08) foi lançado a versão em snap do browser (navegador) Opera na sua versão 54.0.2952.65 com arquitetura de 64 bits.

Veja como instalar o navegador Opera no Ubuntu via Snap







No blog do Opera, onde um dos responsáveis pelo desenvolvimento do navegador  para Mac e Linux,  Arjan van Leeuwen, explicou o porquê da adoção do formato snap.

Segundo ele, a adoção do snap possibilita a instalação em praticamente qualquer distribuição Linux com suporte ao snapd, serviço esse que dá a possibilidade dos pacotes snap rodarem.

O vice-presidente da Canonical, Jamie Bennett, responsável pelas áreas de engenharia, IoT e dispositivos,  deu a seguinte declaração:

“Estamos muito felizes em receber o Opera na Snap Store e expandir ainda mais a variedade de aplicativos disponíveis para a comunidade Linux.  São aplicativos populares, como o Opera, que impulsionaram o impressionante crescimento de novos Snaps para a loja e as crescentes instalações de usuários no último ano.”


Antes de instalar esse snap, vamos relembrar como instalar o suporte a pacote Snap na sua distribuição, para isso temos um post especial aqui no blog Diolinux com o " Manual dos pacotes Snap". Lembrando que a partir do Ubuntu 16.04 LTS, Linux Mint 18.2 e Fedora 24 o snapd já está nos repositórios oficiais, só precisando instalar o daemon para funcionar.

Para instalar o daemon snapd no Ubuntu/Mint/Debian, abra o terminal e digite o seguinte comando:

sudo apt install snapd

E para instalar o daemon snapd no Fedora e derivados:

sudo dnf install snapd

Agora vamos instalar o Opera. Se você estiver usando a última versão do Ubuntu (18.04) atualizada, o Opera já deve aparecer na loja de aplicativos, mas caso não esteja aparecendo, há duas possibilidades:

A primeira é através do site snapcraft.io, onde você pode clicar na opção “Install” e aí será aberto pela loja de aplicativos.



No entanto, se você preferir, o procedimento pode ser feito usando o terminal através do seguinte comando:

sudo snap install opera

Feito isso, é só esperar o processo de instalação terminar e depois de abrir o navegador através do menu ou da dash, procurando por “Opera”.

Vale lembrar que pode haver alguma incompatibilidade com temas e integração com o sistema, além disso,também que os pacotes snaps são um pouco maiores que os “tradicionais” .deb e .rpm, pois eles já veem com todos os arquivos e libs necessárias.

A cada dia os formatos Snaps e Flatpaks vem ganhando popularidade, vide os casos do Spotify, Steam (Linux), GIMP, VLC, Discord, Kdenlive, Libre Office, Skype e entre outros.

Mas diga aí nos comentários, qual programa ou jogo você gostaria de ver empacotado nesses formatos. =)

Até uma próxima e um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Nenhum comentário

sábado, 31 de março de 2018

Sempre que um pessoal novo chega a alguma distro Linux, como Ubuntu ou o Mint (que estamos tomando como base), sempre se perguntam quais programas devem instalar para ter uma certa produtividade ou diversão na plataforma. E nesse post vou mostrar alguns aplicativos que na minha opinião, vão lhe ajudar nessa "jornada". Para facilitar vou dividir em categorias. Então chega mais! 👊😁

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux






Quando terminamos de instalar qualquer distro Linux sempre nos perguntamos quais programas devemos instalar para aproveitarmos ao máximo o sistema que terminamos de instalar, na lista abaixo vou mostrar alguns programas que eu acho bacana ter no computador.

1 - Navegador de Internet


Como não poderia faltar estou recomendando o browser (navegador) mais popular do momento, que é o Google Chrome, onde você vai poder utilizar para acessar praticamente tudo na internet, como Bancos, YouTube, Netflix, Facebook, etc.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Chrome, você pode clicar AQUI.

2 - Multimídia 


Como ninguém é de ferro e precisa se divertir e relaxar, nada melhor do que ouvir uma música e ver um vídeo com a família ou amigos.

Por isso começo com o Spotify, que reúne uma gama enorme de musicas no seu acervo. Ele já aparece nas centrais de programas da maioria das distros Linux, e se não estiver, também é encontrado nos formatos Snap e Flatpak.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux
Para baixar, basta clicar AQUI.

O próximo da minha lista acho que seja essencial em qualquer sistema operacional, servindo para abrir praticamente qualquer arquivo de vídeo e áudio. Estou falando do versátil e "guerreiro" VLC Player, recomendo ele porque o uso há praticamente 10 anos e nunca me deixou na mão para reproduzir qualquer arquivo multimídia. 


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar ele, você tem duas alternativas, clicando AQUI você a sua Central de Programas e instala ele, ou clicando AQUI e baixando direto do site dele.

Por último um programa que me conquistou pela versatilidade e praticidade em poder baixar vídeos da internet, como Facebook, Dailymotion e YouTube por exemplo, o 4K Vídeo download.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Você pode baixar ele através do site da desenvolvedora, clicando AQUI.

3 - Games e apps complementares


Esta categoria pode gerar alguma discordância ou algo do tipo, mas não podemos negar que temos games e aplicativos complementares para quem gosta de dar uma jogadinha no pinguim.

Primeiro vamos começar pela Steam, que é atualmente a maior plataforma de distribuição e vendas de jogos online, metade do seu seu acervo já tem porte para o Linux, além disso, como já foi mostrado aqui no blog, existem outras 7 plataformas de distribuição que você pode acessar AQUI, além da plataforma da Valve, ou seja, Games no Linux estão se tornando algo muito sério para várias empresas.


Para baixar a Steam, você pode utilizar a Central de Programas da sua distro ou acessar o site da Steam e baixar clicando AQUI.

Também não poderia faltar o Discord, a plataforma de comunicação mais usada pela galera gamer e que também está disponível para Linux.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Discord, você pode utilizar a Central de Programas da sua distro ou acessar o site oficial e baixar clicando AQUI.

4 - Messengers


Nessa sessão vou recomendar dois programas desenvolvidos pela comunidade para os dois messengers mais populares e usados no momento. O Messenger do Facebook e o WhatsApp.

O primeiro foi desenvolvido por Dario Ferrando, utilizando a plataforma Electron,  e conseguiu trazer o messenger do Facebook para qualquer sistema operacional, como você pode ver na imagem abaixo, ele é bem "simpático" e de fácil manuseio.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Messenger, você pode acessar o site deles clicando AQUI. Lembrando que não se trata de um cliente oficial.

O segundo foi desenvolvido pelo Enrico204, também utilizando a plataforma Electron, e assim trazendo a vida uma versão de desktop, do popular WhatsApp. Ele funciona da mesma forma que a versão Web com a diferença de que possui integração com a barra de notificações do sistema.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o WhatsApp Desktop, você pode acessar o site deles clicando AQUI. No caso do Linux Mint você o encontra na própria Central de Aplicativos da distros.

5 - Produção Audiovisual 


Nesta categoria vou recomendar dois aplicativos que eu uso no meu dia a dia. Quero fazer uma menção "de honra" ao GIMP, que já teve inúmeros posts aqui no site e que você pode conferir AQUI.
Apesar do GIMP ser extremamente versátil e poderoso, para as pessoas que só querem editar as suas fotos de uma forma mais simples em uma interface mais "moderninha", o Pixeluvo se torna uma opção.


Pixeluvo é um editor de imagem extremamente prático e de muito fácil de aprendizado. Ele conta com duas versões, uma Free (que tem algumas limitações) e uma paga que custa até o presente momento US$ 34,00. Você pode inclusive ver o vídeo demonstrativo dele no canal Diolinux.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Pixeluvo, você pode acessar o site deles clicando AQUI.

O último aplicativo dessa minha lista, e que não poderia faltar, é o poderosíssimo editor de áudio Audacity. Muitos produtores de conteúdo, tanto na internet quanto na industria "convencional", utilizam ele por causa da sua simplicidade e fácil manuseio, mas não deixando a desejar para soluções pagas.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Audacity, você pode utilizar a Central de Programas da sua distro ou acessar o site do software e baixar clicando AQUI

E esse foi o meu TOP 10 de aplicativos que todo mundo deveria ter na sua distro Linux, mas me conte você quais aplicativos não podem faltar na sua pós-instalação do Linux, os comentários estão abertos para você! :)

Até a proxima e um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo