Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador streaming. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador streaming. Mostrar todas as postagens

Como instalar o Spotify no Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

O Spotify é um dos serviços de streaming de músicas mais famosos da atualidade, seja por seu modo premium de valor acessível ou versão free, totalmente gratuita. Obviamente, que nessa modalidade, propagandas podem interromper sua playlist e não será possível efetuar o download das músicas e ouvir offline. Aliás, você pode acompanhar o DioCast diretamente da plataforma.

spotify-linux-ubuntu-deb-snap-flatpak-mint

Temos um vídeo sobre o serviço, abordando se vale a pena pagar o Spotify Premium, em nosso canal. Caso esteja interessado, recomendo assistir e avaliar a possibilidade. Para maiores detalhes sobre os tipos de assinatura, acesse esse link.

Vale a pena pagar o Spotify Premium? Veja o vídeo e tire suas dúvidas.


Spotify em sua distribuição Linux


Existem basicamente 3 maneiras de se obter a aplicação do Spotify, duas estão disponibilizadas em seu site oficial (mantido de forma voluntária pelos engenheiros do Spotify, conforme a página informa) e a outra é mantida pela comunidade Linux, através do repositório Flathub. Irei apresentar todas as 3, a decisão de qual utilizar será exclusivamente sua. Deixando claro, que às duas formas de se instalar o Spotify no Linux (DEB e Snap) podem conter ligeiras diferenças comparadas as versões Windows e Mac. Assim, como o próprio Spotify enfatiza, pois, essas versões são mantidas distintamente do Spotify, mas possuindo o aval da empresa. No entanto, não precisa se preocupar, os engenheiros do Spotify estão fazendo um ótimo trabalho e nunca notei alguma diferença com as versões de Windows ou macOS (ou algum bug no software). 

spotify-linux-ubuntu-deb-snap-flatpak-mint-diocast-musica-streaming

Spotify via Snap


A primeira opção do Spotify para o Linux é em formato Snap, para usuários do Ubuntu todo processo é simplificado. Basta, pesquisar por: “Spotify” diretamente da loja e instalar a aplicação. Outros usuários, que utilizam sistemas, como: Linux Mint, Elementary OS, KDE Neon, Fedora, Pop!_OS e etc. Podem configurar o Snap em seu sistema para usufruir do formato. Acesse essa postagem, caso não o tenha feito. 

spotify-linux-ubuntu-deb-snap-flatpak-mint-loja-musica-streaming

Nem todas os sistemas possuem lojas com integração com esse tipo de empacotamento, o terminal é uma opção para contornar esse falta.

Instale o Spotify Snap via terminal:

sudo snap install spotify

Remova o Spotify Snap via terminal, se desejado:

sudo snap remove spotify

Spotify via DEB


Outra possibilidade é o Spotify no formato DEB. Contudo, não se engane e espere compatibilidade total com versões do Debian, essa opção tem como foco as últimas versões de lançamento do Ubuntu. Assim sendo, alguma incompatibilidade com versões mais antigas do Debian podem ocorrer, mas os engenheiros do Spotify informam que sempre vão tentar compatibilizar o pacote versões mais antigas do Debian e Ubuntu. Se possui alguma dúvida, quanto ao funcionamento desta opção, reconsidere as demais. Segue o passo a passo para instalação do Spotify neste formato.

Adicione a chave do repositório do Spotify:

sudo apt-key adv --keyserver hkp://keyserver.ubuntu.com:80 --recv-keys 931FF8E79F0876134EDDBDCCA87FF9DF48BF1C90 2EBF997C15BDA244B6EBF5D84773BD5E130D1D45

Adicione o repositório do Spotify:

echo deb http://repository.spotify.com stable non-free | sudo tee /etc/apt/sources.list.d/spotify.list

Atualize sua lista de pacotes:

sudo apt update

Instale o cliente Spotify:

sudo apt install spotify-client

A cada nova versão disponível, você receberá uma atualização normalmente em seu sistema.

Spotify via Flatpak


A terceira forma de se obter o Spotify é pelo Flathub, essa versão em Flatpak não está contida nas opções descritas no site. Empacotada pelo pessoal do Flathub é uma escolha viável para quem prefere este tipo de pacote, ou não queira configurar nada (caso do Linux Mint, que possui a mesma em sua loja). No Ubuntu sua instalação também pode ser via loja, basta acessar essa postagem e configurar o Flatpak e plugin do mesmo na Gnome Software. Pesquise por: “Spotify flatpak” e instale o cliente.

spotify-linux-ubuntu-deb-snap-flatpak-mint-loja-musica-streaming

Veja nesta postagem, a instalação e configuração do Flatpak nos demais sistemas baseados em Linux. Essa postagem demonstra como adicionar o repositório do Flathub. A instalação via terminal é outra opção.

Instale o Spotify Flatpak via terminal:

flatpak install flathub com.spotify.Client

Remova o Spotify Flatpak via terminal, caso queira:

flatpak remove com.spotify.Client

Agora você poderá ouvir suas músicas no Spotify, óbvio que uma conta é exigida, pode ser criada gratuitamente ou migrar para versão paga, a escolha é sua. Sei que alguns irão citar o AUR como outra forma de instalação do Spotify e tal. No entanto, às duas formas que apresentei (Snap e Flatpak) abarcam mais distribuições, e nada impede de usuários obterem a versão contida no AUR.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, existem muitos audiófilos por lá também (😁😁😁).

Até mais, agora vou ouvir algumas músicas no Spotify, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Streaming é o futuro de "tudo" o que consumimos na internet?

Nenhum comentário

segunda-feira, 22 de julho de 2019

Desde que nos acostumamos com a facilidade do streaming, o mercado tem se mostrado maleável para se adaptar às novas formas de consumo de conteúdo em vídeo. A transmissão de dados em áudio e vídeo não é, contudo, uma tecnologia recente, mas foi popularizada com o desenvolvimento da velocidade da internet e, hoje, é o meio mais acessado para vídeos.

Portais como Amazon Prime e Netflix tiveram seu papel crucial na popularização deste tipo de serviço, que dispensa o download para acesso ao conteúdo. No entanto, devemos lembrar que, se o processo de popularização começou com o streaming para entretenimento, o cenário atual é bem mais expansivo.

Streaming de conteúdo







O conteúdo audiovisual é mais atrativo que o conteúdo escrito, ao menos o que as tendências indicam, basta observar as redes sociais mais famosas e os conteúdos mais acessados dentro delas. A exploração dos benefícios trazidos pelo streaming colhe bons frutos também em ações institucionais, webinars e treinamentos. Nesse contexto, o recurso de streaming é facilmente adaptado para objetivos de entretenimento, educação e negócios.

Não é que os eventos presenciais tenham perdido seu encanto, mas fato é que o alcance por streaming traz volumes consideráveis quando se fala em resultados. De acordo com a plataforma de soluções em educação DTCom, marcas gigantes estão investindo em suas próprias webTvs, ou mesmo realizando grandes espetáculos com transmissão ao vivo. Exemplo disso foi o anúncio de retirada dos títulos da Disney da Netflix, em razão da estratégia de uma plataforma própria do ratinho mais famoso do mundo.

Acesso a Streaming

Interatividade posta à prova


A transmissão audiovisual já é, por si só, uma ferramenta valiosa e uma estratégia assertiva na disseminação de conteúdo. Porém, há uma forma de fazê-la ainda mais eficiente.

A valorização da interação nestas relações é a nova máxima da comunicação de massa. A participação da audiência em tempo real enriquece o conteúdo e fomenta ainda mais uma relação de maior proximidade entre o comunicador e seu público.

Empresas especializadas em educação estão trabalhando no lançamento de plataformas de streaming com o viés de ministrar aulas em vídeo.

Mercado promissor para o iGaming


Além de impactos positivos nos setores de entretenimento e educação, um segmento específico tem observado que o caminho do streaming é uma grande aposta para obter melhores resultados.

É engraçado pensar nisso, mas geralmente o mercado de streaming de games vai muito além do que imaginar que os games tiple A de consoles passarão a rodar para nos nossos browser. Existem muitos serviços de games mais simples, de cartas, estratégia em turnos, que já geram muito valor na indústria e basicamente dependem de streaming de conteúdo. Além de streamings em plataformas como o Twitch e o YouTube, onde somos apenas espectadores, existe os famosos "jogos de browser", como onde você pode participar de um ambiente interativo, como o Betway cassino online. 

A rentabilidade é alta o suficiente para motivar, inclusive, que gigantes do mundo da tecnologia adotassem essa tendência que revolucionou a forma como as pessoas jogam atualmente. A própia Google anunciou que essa possibilidade existiria com serviços como o Stadia, integrado ao YouTube, ou outros games no estilo como, que já são clássicos, como Adventure Quest World, Dragon Awaken e muitos outros.

Streaming de conteúdo


Em razão disso, a Microsoft e a Sony anunciaram recentemente uma parceria em prol do desenvolvimento de novos serviços de games, sendo que o streaming será suportado pela plataforma na nuvem da Microsoft, o Azure. A Google já conta com um serviço similar à disposição. Também voltado exclusivamente para jogos, o Stadia distribui e dissemina conteúdo denso sobre jogos em formato streaming que chegará por completo em Novembro e que custará cerca de 180 a 240 Dólares por ano.

O futuro do streaming nesse setor é promissor, embora seja difícil fazer previsões mais concretas em razão dos constantes lançamentos relacionados à tecnologia. Mas uma coisa é certa: os investimentos estão criando um universo cada vez mais completo e rentável.

O streaming vai dominar a forma como nos entretemos e aprendemos?


O crescimento do streaming em diversos setores está acelerado e o público tem à disposição conteúdos on demand ou na modalidade live streaming nos mais diversos setores. Seja em plataformas de conteúdo com viés educativo, como a Edx Courses, ou em nichos de divertimento, como Spotify ou Hulu, Netflix ou Amazon Prime, é certo que não há previsão de contingência deste mercado tão cedo.

Em linhas gerais, é possível esperar da transmissão via streaming a liderança no que diz respeito ao acesso e interatividade com determinado tipo de conteúdo, dando maior independência entre público alvo e interlocutores em conectar-se de forma imediata e dispensando compatibilidade de agendas em alguns casos.

Por ser uma alternativa descomplicada e mais barata, a grande vantagem trazida com a tecnologia do streaming é a forma inovadora como lapidou o consumo de conteúdos pela internet, driblando o fator da disponibilidade dos seus consumidores face ao local em que se encontram, seja na hora da transmissão do conteúdo ou posteriormente.

O que você acha, será que o streaming vai tomar conta de praticamente todos os serviços? Continue a discussão no nosso fórum.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Twitch agora permite lives exclusivas para assinantes

Nenhum comentário

domingo, 30 de junho de 2019

A TwitchTV é o lugar ideal para quem curte uma boa jogatina. O serviço da Amazon vem ganhando espaço entre os gamers e criadores de conteúdo, por conta de suas políticas “não tão restritivas”, comparado a outras plataformas, como o Youtube e Facebook Gaming. Isso possibilita um maior engajamento entre os seguidores e o streamer, criando toda uma comunidade e incentivando mais conteúdo.

twitchtv-twitch-live-exclusivas-assinantes-parceiros-streaming-streamer-game-jogos

A novidade para quem produz conteúdo na Twitch, e quem segue, é a possibilidade de lives exclusivas aos inscritos (assinantes). Qualquer usuário afiliado ou parceiro da Twitch poderá transmitir seus jogos com exclusividade, seja para moderadores, assinantes ou VIPs. Aos espectadores nenhuma taxa adicional será cobrada, além da mensal que já é paga por apoiar os criadores. Para poder utilizar esse recurso o canal não pode ter violações nos últimos 90 dias. Caso houver alguma infração das políticas da plataforma, o canal ficará 90 dias impossibilitado de utilizar este recurso. Outro ponto a salientar, é que as lives que se utilizem da novidade não são privadas. Sendo obrigatório concordar com todos os termos de utilização do site, para só então ter uma transmissão exclusiva promovida.

twitchtv-twitch-live-exclusivas-assinantes-parceiros-streaming-streamer-game-jogos

Você pode nos seguir na TwitchTV e acompanhar nossa lives diárias, o intuito é demonstrar que sim, Linux é uma plataforma viável para jogos. A melhor forma de fazer isso é “pôr a mão na massa”, então, “partiu jogar no Linûx” (😁😁😁).

O recurso de lives exclusivas atualmente só está disponível na versão beta da Twitch, não existe uma data de lançamento oficial, no entanto, é uma questão de tempo para o recurso estar acessível a todos. 

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: Twitch Blog.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Assista YouTube, Twitch e mais em um único App

Nenhum comentário
Hoje em dia, temos vários serviços de streaming de vídeo, como YouTube, Twitch, Hulu e Netflix por exemplo. E uma hora ou outra, podemos nos perder com tantas abas abertas para assistir aquele filme, série ou vídeo que gostamos.

Assista YouTube, Twitch e mais em um único App





O ElectronPlayer vem exatamente para isso, lhe ajudar a “gerenciar o caos” (emoji de risos). Feito sobre a tecnologia Electron, ele puxa os serviços Web desses sites e agrupa em uma única tela, assim facilitando a vida do “afegão médio” (como já dizia Emilio Surita do Pânico).



Para escolher o serviço desejado, basta clicar no ícone dele. Segundo o desenvolvedor, mais serviços serão incluídos futuramente.

Depois de escolher o serviço, você faz o login nele e começa a usar. Para voltar ao menu principal do app, basta usar a combinação de Ctrl+H ou usar seus menus, onde você  também pode alternar entre os serviços.


O dev recomenda a utilização do app via Snap, onde terá updates constantes. Para instalar o Snap no seu sistema, basta seguir o nosso tutorial. Ou se preferir, pode seguir o tutorial que o snapcraft.io disponibiliza no final da página do app. 

Feito isso, você tem duas possibilidades em instalar o ElectronPlayer. Ou através da loja de aplicativo, procurando por “ElectronPlayer” ou via terminal, com o seguinte comando:

sudo snap install electronplayer






Depois é só inserir a sua senha e esperar o processo de instalação acabar. Pronto já pode sair usando.

Ele também tem uma versão de AppImage. Você pode acessar o código do app através do Github.

Muito bom ter aplicativos que ajudam a facilitar e organizar o dia a dia, né?

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

OBS Studio 23 é lançado para Linux, Windows e macOS

Nenhum comentário

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Para quem precisa fazer uma gravação de tela para tutoriais, ou simplesmente precisa fazer uma transmissão ao vivo para o YouTube, Twitch ou Facebook por exemplo, o primeiro aplicativo que vem  cabeça é o OBS-Studio. Na noite desta Segunda-feira (26), ele chegou à versão 23 para todas as plataformas.

 OBS Studio 23 é lançado para Linux, Windows e macOS







Com a chegada da versão 23 do OBS Studio, os devs do projeto acabam com a diferença de versões entre os sistemas operacionais, que existia até a versão 22.

Algumas funcionalidades que aqui iremos apresentar, por hora só vão terão na versão de Windows, mas segundo a tread na conta oficial do OBS no Twitter, as versões de Linux e macOS também vão receber tais melhorias em breve. As novidades são:

- Integração com serviços de Streaming (no momento somente para Windows)

● Quando você estiver logado com a sua conta da Twitch ou da Mixer (serviços disponíveis no momento) não será necessário inserir a chave de transmissão, sendo possível também obter acesso aos recursos dessas plataformas, como o painel do bate-papo ou os painéis de configuração e estatísticas da transmissão;

● Com a sua conta da Twitch logada, além de ter o acesso ao painel de bate-papo (com suporte a BBTX/FFZ) também será possível acessar o painel de configuração da transmissão (Stream Information), onde você poderá alterar o título, o game, entre outras coisas da live, além de receber informações de quantos espectadores estão na live, isso tudo dentro do próprio OBS Studio.

● Integração com a Mixer: Painel do bate-papo

● YouTube, Facebook e os demais serviços populares de streaming em breve serão integrados ao OBS-Studio

- Melhorias do NVENC e Encoding (Windows)


Uma nova implementação do NVENC foi adicionada, o que melhorou o desempenho, reduzindo o impacto no sistema e nos recursos. Para ativar, vá para Configurações, Guia Saída e, em Codificador, selecione “Hardware (NVENC) Novo”. Observe que a nova implementação não está disponível no Windows 7 devido a limitações no sistema operacional; a implementação antiga será usada nesse caso.

Novos recursos adicionados à nova implementação do NVENC:

● Psycho-visual Tuning: Permite configurações do codificador que otimizam o uso da taxa de bits para aumentar a qualidade visual, especialmente em situações com alta movimentação, ao custo de maior utilização da GPU. Isso aumenta a qualidade da imagem. Medições qualitativas como o PSNR podem ter uma pontuação menor, mas o vídeo pode parecer melhor para os espectadores humanos.

● Look-ahead: Ativa B-frames dinâmicos. Se desabilitado, o codificador sempre usará o número de B-frames especificado na configuração 'Max B-frames'. Se habilitado, aumentará a qualidade visual usando apenas quantos quadros “B” forem necessários, até o máximo, ao custo de maior utilização da GPU.

Outras mudanças:

 Adicionado o filtro de audio Limiter e Expander;

 Adicionado o suporte ao encoder VAAPI para Linux;

 Adicionado suporte para saídas multi-track de áudio na configuração avançada do FFmpeg;

 Adicionada ferramenta para saídas Decklink no menu Ferramentas. Agora é permitido que o OBS seja enviado a um dispositivo Decklink.

Para ver todas as novidades da versão 23 do OBS -Studio, acesse este link do GitHub deles.


Instalando o OBS-Studio no Ubuntu 18.04.2 LTS e Linux Mint 19.1



Para instalar o OBS Studio no seu Ubuntu e Linux Mint você vai utilizar o repositório  PPA oficial deles. E é bem simples de se fazer isso, você vai abrir o terminal e digitar (ou copiar e colar) o seguinte comando:

sudo add-apt-repository ppa:obsproject/obs-studio -y && sudo apt-get update && sudo apt-get install obs-studio -y

Feito isso, é só por a sua senha e esperar a instalação. Se você precisar instalar em alguma outra distro que não seja o Ubuntu e Mint, basta seguires as alternativas não oficiais informadas no GitHub do projeto, como a versão em Snap e Flatpak, ou ainda você pode achar o método para a sua distro favorita neste guia do próprio projeto.



A parte que mais chama a atenção, sem sombra de dúvidas, é a integração com os serviços de streaming. Quem tem canal neles precisa de uma forma bem organizada e de fácil acesso aos recursos e essa versão do OBS vem para suprir isto. 

Vamos esperar pra chegar ao Linux também. Outro ponto foi o melhoramento dos encoders, como o VAAPI para quem usa Intel e AMD e o NVENC na parte da Nvidia, especialmente para a nova arquitetura Turing das novas placas, esse último quem usa Linux e macOS também vai ter que esperar mais um pouco antes de usar, mas torcemos que a espera seja breve.

Espero você no próximo post, forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


MellowPlayer, o aplicativo que integra os serviços online de música

Nenhum comentário

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Com a chegada dos serviços de streaming, como Spotify e Netflix, vários outros começaram a surgir,  assim trazendo opções para a galera poder escolher em qual plataforma ia preferir ouvir às músicas da sua banda favorita enquanto puxa aquele ferro na academia, arrumar a casa, no trabalho ou simplesmente para relaxar. Para gerenciar todos esses serviços em um só aplicativo é que surge o MellowPlayer. 


 MellowPlayer, o aplicativo que integra os serviços online de música






O MellowPlayer faz o gerenciamento dos serviços web das plataformas, como Deezer, SoundCloud, Google Play, etc.. Ele só não consegue reproduzir sites que precisam habilitar o DRM, como Spotify e Mixcloud, no caso do Spotify já temos uma versão para Linux, e o Mixcloud pode ser acessado via Google Chrome ou Mozilla Firefox (habilitando o suporte a DRM nas configurações).

Como o Spotify se comporta no MellowPlayer


Instalação do MellowPlayer


Para instalar o MellowPlayer no Linux é bem simples, pois o mesmo é disponibilizado via AppImage, então você pode salvar ele em qualquer pasta que o  seu usuário tenha acesso. Recomendo salvar na área de trabalho, pois assim fica mais fácil de localizar ele. Veja a gif abaixo de como dar permissão para o AppImage do MellowPlayer “rodar”.

Basta clicar com o botão direito no arquivo, ir até “propriedades” e na aba de “permissões” verificar se o aplicativo está com permissão de execução e de leitura e escrita para o seu usuário.



Como foi visto, é bem fácil de deixar um AppImage executável. Esse método serve para qualquer AppImage. Para executar o programa, basta dar dois cliques. Depois de executá-lo, ele abre com a janela abaixo:



Na imagem acima temos alguns serviços que o Mellow suporta atualmente, incluindo o Spotify, que foi usado para teste mas não funcionou como mencionado no começo do artigo. Os outros serviços que tem um “X” vermelho funcionaram sem problemas.

O MellowPlayer é feito em C++ e QML, tendo o código fonte disponível no GitLab neste link.

O aplicativo possui limitações, como não reproduzir os serviços com DRM e usam do QtWebEngine,  não tendo a possibilidade de habilitar isso muito provavelmente por se basear no Chromium, mas pode ser questão de tempo, nas próximas versões podemos aguardar novidades, enquanto isso, você pode ficar de olho no projeto..

Espero você no próximo post, forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Google revela projeto de Stream de jogos para o Chrome

Nenhum comentário

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Cada vez mais o mundo do conteúdo na internet  muda. Hoje você já pode ouvir as suas músicas preferidas, ver seus vídeos, filmes e séries na hora que você quiser, no aparelho que você quiser, com a qualidade que você quiser e tudo isso pagando um valor geralmente acessível, então, por que seria diferente com jogos?

Novo programa de Stream de games para Chrome






Jogos via Streaming não são necessariamente uma novidade, existem (e existiram) vários serviços neste sentido e por mais que ainda vejamos, especialmente no Brasil, vários problemas por conta da qualidade da nossa internet, certamente este é um futuro possível para a indústria dos games.

Algumas empresas, como a Valve, podem estar mirando este mercado através de serviços como o Steam Link, porém, geralmente quando a Google coloca as mãos em algo, as pessoas prestam mais atenção.


Nesta semana a empresa anunciou um novo produto, ainda em fase de testes e disponível apenas nos EUA no momento, chamado "Project Stream", a ideia é levar os jogos de computador para o Google Chrome (e por consequência para o Chrome OS, por consequência para o Linux) através de Streaming.

O primeiro jogo disponível para os "Beta Testers" é nada mais, nada menos, do que o lançamento "Assassin's Creed: Odissey". A Google exibiu um gameplay oficial em um de seus canais do YouTube mostrando o jogo rodando em 1080p a 60 FPS pelo serviço de Streaming:


Os desafios para a implementação de um serviço assim envolvendo jogos são grandes e perfeitamente conhecidos. É preciso que as pessoas tenham uma boa estrutura e qualidade de internet, de fato, entretanto, a outra ponta também é importante e sabemos que se tem alguém com imenso poder computacional por aí, esse "alguém" é a Google.

Considerando que tanto os clientes, quanto os servidores, tenham uma boa conexão com a internet, o desafio é fazer com que imagens com gráficos extremamente bem elaborados funcionem bem em um ambiente de streaming com mínima latência.

Caso esse tipo de serviço se torne viável no futuro, serviços onde você paga um valor mensal para jogar os games que quiser podem se tornar realidade, assim como implementações onde será possível jogar games com grande qualidade em Smartphones por exemplo, jogando todo o trabalho da execução de um jogo para um servidor.

Essa prática permitiria, em tese, que usuários com computadores modestos em especificações, como é o caso de vários Chromebooks por exemplo, pudessem experienciar um gameplay fluído e de alta qualidade gráfica.

Há algum tempo nós testamos e mostramos para vocês um serviço chamado "Parsec", que tem uma lógica semelhante, onde você aluga computadores de alto desempenho para acessá-os remotamente e jogar todos os games que quiser em qualquer plataforma, confira:


Quem sabe um dia teremos games na Play Store que são feitos para computador, mas rodem no seu Smartphone, Chromebook ou no Google Chrome, como se fossem instalados na sua máquina. Parece ler um longo caminho até lá, mas a cada projeto novo, estamos um passo mais perto disso.

Nas palavras de AC/DC:

"Is a long to the top if you wanna rock 'n roll!"

O que você achou da ideia? Acha que streaming de jogos será uma realidade no futuro?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Disney sairá da Netflix e abrirá seu próprio serviço de Streaming em 2018

Nenhum comentário

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

A Disney, que dispensa apresentações, anunciou ao público que estará retirando o seu conteúdo da Netflix em 2018 e pretende abrir o seu próprio serviço de streaming. O movimento é puramente estratégico de mercado, porém, alguns países terão acesso prolongado ao conteúdo produzido pelo estúdio.

Netflix perderá participação da Disney






Bob Iger, CEO da Disney, anunciou que o estúdio vai retirar os seus títulos da Netflix no próximo ano em prol de seu próprio serviço de assinatura que nascerá também em 2018, contudo, usuários da Netflix dos EUA ainda terão os títulos da Disney até 2019, incluindo todo o material que for lançado pela companhia em 2018.

O serviço da Disney ainda não tem um nome conhecido ou data de lançamento, e ainda há informações sobre quais países, além dos EUA presumivelmente, terão acesso ao serviço.

O problema da popularidade do Streaming


Eu sempre gostei e apoiei estes serviços de Streaming. Assino a Netflix há muito tempo e já assinei por alguns meses o Amazon Prime, depois acabei desistindo por conta do conteúdo que não me interessava tanto. O curioso é que agora que muitas empresas entenderam o quanto este tipo de entrega de conteúdo pela internet pode ser vantajoso, e o quanto as pessoas gostam de consumir conteúdo desta forma, os estúdios estão criando os seus próprios serviços, para, claro, maximizar os seus lucros e não depender de empresas terceiras.

Conteúdo original da Netflix


Essa mudança de postura acaba afetando diretamente a Netflix, e outros serviços em acensão, como o próprio Amazon Prime Video e o Hulu, que ainda nem chegou ao Brasil, que acabam perdendo muitos títulos e estúdios de peso em seus catálogos, fazendo com que as séries e filmes originais tenham um peso ainda maior para segurar o público assinante, ainda mais com as mudanças de preços que devem ocorrer no início de Setembro deste ano.

Estamos nos aproximando de um momento em que para acompanhar vários conteúdos diferentes vamos ter de assinar vários serviços diferentes, ou será que não? O que você pensa sobre isso? Vai sentir falta do conteúdo da Disney na Netflix?

Se você gosta do material produzido pelo estúdio, aproveite para assistir enquanto ele está disponível.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo