Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador streaming. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador streaming. Mostrar todas as postagens

OBS Studio 23 é lançado para Linux, Windows e macOS

Nenhum comentário

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Para quem precisa fazer uma gravação de tela para tutoriais, ou simplesmente precisa fazer uma transmissão ao vivo para o YouTube, Twitch ou Facebook por exemplo, o primeiro aplicativo que vem  cabeça é o OBS-Studio. Na noite desta Segunda-feira (26), ele chegou à versão 23 para todas as plataformas.

 OBS Studio 23 é lançado para Linux, Windows e macOS







Com a chegada da versão 23 do OBS Studio, os devs do projeto acabam com a diferença de versões entre os sistemas operacionais, que existia até a versão 22.

Algumas funcionalidades que aqui iremos apresentar, por hora só vão terão na versão de Windows, mas segundo a tread na conta oficial do OBS no Twitter, as versões de Linux e macOS também vão receber tais melhorias em breve. As novidades são:

- Integração com serviços de Streaming (no momento somente para Windows)

● Quando você estiver logado com a sua conta da Twitch ou da Mixer (serviços disponíveis no momento) não será necessário inserir a chave de transmissão, sendo possível também obter acesso aos recursos dessas plataformas, como o painel do bate-papo ou os painéis de configuração e estatísticas da transmissão;

● Com a sua conta da Twitch logada, além de ter o acesso ao painel de bate-papo (com suporte a BBTX/FFZ) também será possível acessar o painel de configuração da transmissão (Stream Information), onde você poderá alterar o título, o game, entre outras coisas da live, além de receber informações de quantos espectadores estão na live, isso tudo dentro do próprio OBS Studio.

● Integração com a Mixer: Painel do bate-papo

● YouTube, Facebook e os demais serviços populares de streaming em breve serão integrados ao OBS-Studio

- Melhorias do NVENC e Encoding (Windows)


Uma nova implementação do NVENC foi adicionada, o que melhorou o desempenho, reduzindo o impacto no sistema e nos recursos. Para ativar, vá para Configurações, Guia Saída e, em Codificador, selecione “Hardware (NVENC) Novo”. Observe que a nova implementação não está disponível no Windows 7 devido a limitações no sistema operacional; a implementação antiga será usada nesse caso.

Novos recursos adicionados à nova implementação do NVENC:

● Psycho-visual Tuning: Permite configurações do codificador que otimizam o uso da taxa de bits para aumentar a qualidade visual, especialmente em situações com alta movimentação, ao custo de maior utilização da GPU. Isso aumenta a qualidade da imagem. Medições qualitativas como o PSNR podem ter uma pontuação menor, mas o vídeo pode parecer melhor para os espectadores humanos.

● Look-ahead: Ativa B-frames dinâmicos. Se desabilitado, o codificador sempre usará o número de B-frames especificado na configuração 'Max B-frames'. Se habilitado, aumentará a qualidade visual usando apenas quantos quadros “B” forem necessários, até o máximo, ao custo de maior utilização da GPU.

Outras mudanças:

 Adicionado o filtro de audio Limiter e Expander;

 Adicionado o suporte ao encoder VAAPI para Linux;

 Adicionado suporte para saídas multi-track de áudio na configuração avançada do FFmpeg;

 Adicionada ferramenta para saídas Decklink no menu Ferramentas. Agora é permitido que o OBS seja enviado a um dispositivo Decklink.

Para ver todas as novidades da versão 23 do OBS -Studio, acesse este link do GitHub deles.


Instalando o OBS-Studio no Ubuntu 18.04.2 LTS e Linux Mint 19.1



Para instalar o OBS Studio no seu Ubuntu e Linux Mint você vai utilizar o repositório  PPA oficial deles. E é bem simples de se fazer isso, você vai abrir o terminal e digitar (ou copiar e colar) o seguinte comando:

sudo add-apt-repository ppa:obsproject/obs-studio -y && sudo apt-get update && sudo apt-get install obs-studio -y

Feito isso, é só por a sua senha e esperar a instalação. Se você precisar instalar em alguma outra distro que não seja o Ubuntu e Mint, basta seguires as alternativas não oficiais informadas no GitHub do projeto, como a versão em Snap e Flatpak, ou ainda você pode achar o método para a sua distro favorita neste guia do próprio projeto.



A parte que mais chama a atenção, sem sombra de dúvidas, é a integração com os serviços de streaming. Quem tem canal neles precisa de uma forma bem organizada e de fácil acesso aos recursos e essa versão do OBS vem para suprir isto. 

Vamos esperar pra chegar ao Linux também. Outro ponto foi o melhoramento dos encoders, como o VAAPI para quem usa Intel e AMD e o NVENC na parte da Nvidia, especialmente para a nova arquitetura Turing das novas placas, esse último quem usa Linux e macOS também vai ter que esperar mais um pouco antes de usar, mas torcemos que a espera seja breve.

Espero você no próximo post, forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


MellowPlayer, o aplicativo que integra os serviços online de música

Nenhum comentário

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Com a chegada dos serviços de streaming, como Spotify e Netflix, vários outros começaram a surgir,  assim trazendo opções para a galera poder escolher em qual plataforma ia preferir ouvir às músicas da sua banda favorita enquanto puxa aquele ferro na academia, arrumar a casa, no trabalho ou simplesmente para relaxar. Para gerenciar todos esses serviços em um só aplicativo é que surge o MellowPlayer. 


 MellowPlayer, o aplicativo que integra os serviços online de música






O MellowPlayer faz o gerenciamento dos serviços web das plataformas, como Deezer, SoundCloud, Google Play, etc.. Ele só não consegue reproduzir sites que precisam habilitar o DRM, como Spotify e Mixcloud, no caso do Spotify já temos uma versão para Linux, e o Mixcloud pode ser acessado via Google Chrome ou Mozilla Firefox (habilitando o suporte a DRM nas configurações).

Como o Spotify se comporta no MellowPlayer


Instalação do MellowPlayer


Para instalar o MellowPlayer no Linux é bem simples, pois o mesmo é disponibilizado via AppImage, então você pode salvar ele em qualquer pasta que o  seu usuário tenha acesso. Recomendo salvar na área de trabalho, pois assim fica mais fácil de localizar ele. Veja a gif abaixo de como dar permissão para o AppImage do MellowPlayer “rodar”.

Basta clicar com o botão direito no arquivo, ir até “propriedades” e na aba de “permissões” verificar se o aplicativo está com permissão de execução e de leitura e escrita para o seu usuário.



Como foi visto, é bem fácil de deixar um AppImage executável. Esse método serve para qualquer AppImage. Para executar o programa, basta dar dois cliques. Depois de executá-lo, ele abre com a janela abaixo:



Na imagem acima temos alguns serviços que o Mellow suporta atualmente, incluindo o Spotify, que foi usado para teste mas não funcionou como mencionado no começo do artigo. Os outros serviços que tem um “X” vermelho funcionaram sem problemas.

O MellowPlayer é feito em C++ e QML, tendo o código fonte disponível no GitLab neste link.

O aplicativo possui limitações, como não reproduzir os serviços com DRM e usam do QtWebEngine,  não tendo a possibilidade de habilitar isso muito provavelmente por se basear no Chromium, mas pode ser questão de tempo, nas próximas versões podemos aguardar novidades, enquanto isso, você pode ficar de olho no projeto..

Espero você no próximo post, forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Google revela projeto de Stream de jogos para o Chrome

Nenhum comentário

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Cada vez mais o mundo do conteúdo na internet  muda. Hoje você já pode ouvir as suas músicas preferidas, ver seus vídeos, filmes e séries na hora que você quiser, no aparelho que você quiser, com a qualidade que você quiser e tudo isso pagando um valor geralmente acessível, então, por que seria diferente com jogos?

Novo programa de Stream de games para Chrome






Jogos via Streaming não são necessariamente uma novidade, existem (e existiram) vários serviços neste sentido e por mais que ainda vejamos, especialmente no Brasil, vários problemas por conta da qualidade da nossa internet, certamente este é um futuro possível para a indústria dos games.

Algumas empresas, como a Valve, podem estar mirando este mercado através de serviços como o Steam Link, porém, geralmente quando a Google coloca as mãos em algo, as pessoas prestam mais atenção.


Nesta semana a empresa anunciou um novo produto, ainda em fase de testes e disponível apenas nos EUA no momento, chamado "Project Stream", a ideia é levar os jogos de computador para o Google Chrome (e por consequência para o Chrome OS, por consequência para o Linux) através de Streaming.

O primeiro jogo disponível para os "Beta Testers" é nada mais, nada menos, do que o lançamento "Assassin's Creed: Odissey". A Google exibiu um gameplay oficial em um de seus canais do YouTube mostrando o jogo rodando em 1080p a 60 FPS pelo serviço de Streaming:


Os desafios para a implementação de um serviço assim envolvendo jogos são grandes e perfeitamente conhecidos. É preciso que as pessoas tenham uma boa estrutura e qualidade de internet, de fato, entretanto, a outra ponta também é importante e sabemos que se tem alguém com imenso poder computacional por aí, esse "alguém" é a Google.

Considerando que tanto os clientes, quanto os servidores, tenham uma boa conexão com a internet, o desafio é fazer com que imagens com gráficos extremamente bem elaborados funcionem bem em um ambiente de streaming com mínima latência.

Caso esse tipo de serviço se torne viável no futuro, serviços onde você paga um valor mensal para jogar os games que quiser podem se tornar realidade, assim como implementações onde será possível jogar games com grande qualidade em Smartphones por exemplo, jogando todo o trabalho da execução de um jogo para um servidor.

Essa prática permitiria, em tese, que usuários com computadores modestos em especificações, como é o caso de vários Chromebooks por exemplo, pudessem experienciar um gameplay fluído e de alta qualidade gráfica.

Há algum tempo nós testamos e mostramos para vocês um serviço chamado "Parsec", que tem uma lógica semelhante, onde você aluga computadores de alto desempenho para acessá-os remotamente e jogar todos os games que quiser em qualquer plataforma, confira:


Quem sabe um dia teremos games na Play Store que são feitos para computador, mas rodem no seu Smartphone, Chromebook ou no Google Chrome, como se fossem instalados na sua máquina. Parece ler um longo caminho até lá, mas a cada projeto novo, estamos um passo mais perto disso.

Nas palavras de AC/DC:

"Is a long to the top if you wanna rock 'n roll!"

O que você achou da ideia? Acha que streaming de jogos será uma realidade no futuro?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Disney sairá da Netflix e abrirá seu próprio serviço de Streaming em 2018

Nenhum comentário

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

A Disney, que dispensa apresentações, anunciou ao público que estará retirando o seu conteúdo da Netflix em 2018 e pretende abrir o seu próprio serviço de streaming. O movimento é puramente estratégico de mercado, porém, alguns países terão acesso prolongado ao conteúdo produzido pelo estúdio.

Netflix perderá participação da Disney






Bob Iger, CEO da Disney, anunciou que o estúdio vai retirar os seus títulos da Netflix no próximo ano em prol de seu próprio serviço de assinatura que nascerá também em 2018, contudo, usuários da Netflix dos EUA ainda terão os títulos da Disney até 2019, incluindo todo o material que for lançado pela companhia em 2018.

O serviço da Disney ainda não tem um nome conhecido ou data de lançamento, e ainda há informações sobre quais países, além dos EUA presumivelmente, terão acesso ao serviço.

O problema da popularidade do Streaming


Eu sempre gostei e apoiei estes serviços de Streaming. Assino a Netflix há muito tempo e já assinei por alguns meses o Amazon Prime, depois acabei desistindo por conta do conteúdo que não me interessava tanto. O curioso é que agora que muitas empresas entenderam o quanto este tipo de entrega de conteúdo pela internet pode ser vantajoso, e o quanto as pessoas gostam de consumir conteúdo desta forma, os estúdios estão criando os seus próprios serviços, para, claro, maximizar os seus lucros e não depender de empresas terceiras.

Conteúdo original da Netflix


Essa mudança de postura acaba afetando diretamente a Netflix, e outros serviços em acensão, como o próprio Amazon Prime Video e o Hulu, que ainda nem chegou ao Brasil, que acabam perdendo muitos títulos e estúdios de peso em seus catálogos, fazendo com que as séries e filmes originais tenham um peso ainda maior para segurar o público assinante, ainda mais com as mudanças de preços que devem ocorrer no início de Setembro deste ano.

Estamos nos aproximando de um momento em que para acompanhar vários conteúdos diferentes vamos ter de assinar vários serviços diferentes, ou será que não? O que você pensa sobre isso? Vai sentir falta do conteúdo da Disney na Netflix?

Se você gosta do material produzido pelo estúdio, aproveite para assistir enquanto ele está disponível.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo