Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador tutorial. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador tutorial. Mostrar todas as postagens

Como instalar o MetaTrader no Linux

Nenhum comentário

terça-feira, 13 de novembro de 2018

O MetaTrader é um dos softwares mais populares no mercado de análise financeira, especulação e trading em bolsas de valores. Hoje você vai aprender a instalar ele na sua distro Linux.

MetaTrader Instalar Linux






Ao longo do tempo nós recebemos vários pedidos para ensinar a instalar o MetaTrader no Linux, recebemos um novo recentemente, que foi o que nos motivou a resolver este problema de uma vez. O próprio site do MetaTrader aponta o suporte para Linux, porém, ele é feito através do Wine. Isso não é necessariamente um problema, porém, o tutorial contido no site do MetaTrader é suscetível a problemas de atualização do Wine, por usar apenas o Wine instalado diretamente no sistema.

A solução para isso é usar o PlayOnLinux, ele vai fazer com que você mantenha o seu software estável.

Existe um vídeo no canal que te ensina usar todos os recursos do PlayOnLinux, apesar de ser um vídeo antigo, ele ainda é válido e será útil para você.

Como fazer a instalação do MetaTrader no Linux


O MetaTrader tem duas versões, a 4 e a 5, neste tutorial vamos usar a 5, mas você pode aplicar o mesmo método para a outra versão também.

1 - O primeiro passo é baixar o MetaTrader, faça o download e salve em alguma pasta de sua preferência, vamos puder usar ele mais tarde.

2 - Instale o PlayOnLinux, você o encontra na loja de aplicativos do seu sistema:

PlayOnLinux

3 - Abra o PlayOnLinux, vá na opção de instalar e procure por "MetaTrader", você encontrará as duas opções, instale qualquer uma das duas. Provavelmente você terá um erro nesse processo, mas esse passo é importante para criar o prefixo do Wine onde o nosso MetaTrader vai rodar. Se ao final da instalação der erro, não se preocupe, é isso mesmo. Se não der, bom... você acabou de instalar o MetaTrader...

Seguindo...

Instalando o MetaTrader no Linux

4 - Depois do processo anterior, vamos gerenciar as versões do Wine e instalar a versão de 32 bits mais recente que você encontra (no momento deste artigo é a 3.20). Para isso clique no menu Ferramentas>>Gerenciar versões do Wine.

Configurando Wine MetaTrader

5 - O próximo passo é usar a versão do Wine que você baixou no prefixo do MetaTrader. Clique no botão "Configurar", selecione o prefixo desejado na esquerda e clique na aba "Geral", mude a versão do Wine para a mais recente que você encontrar, depois vá até a aba "Wine" e clique em "Configurar o Wine", na janela que se abrir, mude a versão do Windows para "Windows 10". Confirme as modificações.

Configuração do Wine

6 -  Clique na aba "Diversos" e vá na opção "Rodar um arquivo .exe em um driver virtual", na janela que se abrir, selecione o arquivo .exe do MetaTrader que você baixou no primeiro passo do tutorial. O instalar deve se abrir e agora você pode instalar o software normalmente, como faria no Windows.

MetaTrader no Linux

7 - Depois disso, para facilitar o seu acesso, você pode criar alguns atalhos para o programa.  Na aba "Geral' você encontrará a opção "Faça um novo atalho a partir deste drive virtual", selecione as aplicações das quais você deseja criar atalhos.

Criando atalhos

Se tudo deu certo, você poderá usar o MetaTrader normalmente.

MetaTrader no Linux

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar o Nemo no lugar do Nautilus no Ubuntu?

Nenhum comentário

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

O Nemo é o gestor de arquivos do ambiente gráfico Cinnamon, mas ele pode ser utilizado em outros ambientes também com alguns poucos ajustes. Hoje você irá aprender a substituir o Nautilus pelo Nemo no Ubuntu (GNOME).

Nemo no lugar no Nautilus







Apesar do Nautilus ser um excelente gestor de arquivos, o Nemo pode ser uma boa alternativa para quem quer um gestor de arquivos com mais opções de configuração e suporte para a área de trabalho.

Como instalar o Nemo no Ubuntu?


O Nemo está no repositório oficial do Ubuntu, basta procurar na loja de aplicativos e fazer a instalação normalmente, se preferir fazer pelo terminal, rode o comando:
sudo apt install nemo

Como tornar o Nemo o gestor de arquivos padrão do GNOME? 


Depois de instalado, você já vai poder usar o Nemo, basta buscá-lo no menu de aplicativos, porém, como ele não é gestor de arquivos padrão, ao inserir um pen drive, abrir uma pasta, ou qualquer coisa do tipo, não será ele a aplicação utilizada.

Para tornar o Nemo o gestor de arquivos padrão do Ubuntu no lugar do Nautilus basta rodar este comando no terminal:
xdg-mime default nemo.desktop inode/directory application/x-gnome-saved-search

Quer usar o Nemo para gerir o seu desktop? 


O Nautilus não é nada bom para gerir ícones na área de trabalho e por isso muita gente deixou de utilizar o recurso, ao menos de forma mais intensa, entretanto, se você gosta de criar atalhos e gerir ícones na área de trabalho, o Nemo será uma das melhores opções.

Em versões mais recentes do GNOME, o Desktop já não é ativo por padrão, ainda assim, vamos garantir que ele esteja desativado. Basta rodar o seguinte comando no terminal:
gsettings set org.gnome.desktop.background show-desktop-icons false
O próximo passo é rodar o processo "nemo-desktop", para isso, pressione "Alt+F2" e digite:
nemo-desktop 

Como fazer o Nemo gerir o seu desktop na inicialização do sistema? 


Rodar o "nemo-desktop" faz com que o desktop fique ativo somente na sua sessão atual, para que o Nemo gerencie o seu Desktop sempre, você precisa adicionar esse processo à inicialização do sistema. Para isso, abra o menu do Ubuntu e pesquise por "Aplicativos de inicialização" e adicione o Nemo, conforme a imagem abaixo:

Como ativar o suporte ao Nemo no Desktop GNOME

Com isso você terá o Nemo como gestor de arquivos padrão no seu Ubuntu.

💡 Dica: Apesar de você não estar mais usando o Nautilus, evite remover a aplicação do sistema, ela geralmente está atrelada a diversos outros componentes do desktop GNOME e isso poderia lhe causar problemas.

Como desfazer as modificações?


Não gostou das modificações ou enjoou do Nemo? Então vamos deixar tudo de volta ao "normal", padrão do Ubuntu.

O primeiro passo é voltar o Nautilus como gestor padrão através deste comando:
xdg-mime default nautilus.desktop inode/directory application/x-gnome-saved-search
Depois disso, coloque o Nautilus novamente em condição para gerir a sua Área de Trabalho:
gsettings set org.gnome.desktop.background show-desktop-icons true
Por último, você pode remover o Nemo:
sudo apt remove nemo 
É possível remover a aplicação pela loja de aplicativos também, e só para deixar as coisas em ordem, vá até o "Aplicativos de inicialização" e remova a entrada que você tinha adicionado para o Nemo. 

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Drivers Nvidia Ubuntu - Como instalar a última versão passo a passo!

Nenhum comentário

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Você acabou de instalar o Ubuntu no seu computador e está procurando uma forma simples de instalar os drivers de vídeo no seu sistema para aproveitar os milhares de jogos disponíveis para Linux na Steam ou simplesmente quer mais desempenho para realizar as suas tarefas? Esse artigo é tudo o que você precisava.

Como instalar os drivers Nvidia no Ubuntu






Para fins de esclarecimento, já existe uma versão muito completa deste mesmo tutorial aqui no blog, feito ainda na época do Ubuntu 16.04 LTS, quando o Unity era a interface padrão, as coisas não mudaram tanto desde então, mas é bom rever o material para deixá-lo atualizado, sendo assim, este tutorial passa a ser a sua referência para instalação de drivers Nvidia no Ubuntu.

Instalar drivers de vídeo no Ubuntu não requer, obrigatoriamente, nenhum comando no terminal, mas claro, é possível fazer dessa forma também. Esse tutorial se dividirá em 2 partes. A primeira (A), onde você aprenderá a fazer a instalação via terminal; a segunda (B), onde você aprenderá a fazer a instalação em modo gráfico.

Um pequeno glossário de drivers Nvidia no Ubuntu


Antes de te ensinar a fazer a instalação, a nossa preocupação é que você entenda o que está fazendo, e não que você apenas copie e cole todos os passos sem absorver conhecimento, por isso vamos esclarecer alguns termos que talvez você encontre pelo caminho ao tentar instalar um driver de vídeo Nvidia no Ubuntu:

Binary Driver: Refere-se ao tipo do driver (binário);

Proprietário: Refere-se ao tipo de código do driver, neste caso ele é fechado;

Open Source: Mesmo que o de cima, porém, neste caso o driver tem código aberto;

Legacy Binary Driver: São drivers que tecnicamente não são mais suportados pelos lançamentos oficiais da Nvidia, são utilizados em placas mais antigas, normalmente não recebem atualizações para desempenho, apenas bugfixes;

Nouveau (Xorg/Wayland): Este é o driver open source feito pelo projeto Nouveau, é um driver de vídeo básico que atualmente consegue apenas fazer com que a sua placa de vídeo funcione até que você possa instalar um driver mais adequado, possuindo um desempenho moderado. Ele vem normalmente junto com o Kernel do sistema, versões mais recentes do Kernel podem trazer versões mais recentes do driver Nouveau, ele vem melhorando bastante nas última versões com a ajuda da Nvidia e o árduo trabalho da comunidade, porém, ainda não é a melhor opção para quem quiser jogar;

Testado:
Alguns drivers do Ubuntu possuem o atributo "testado", isso significa que este driver foi analisado pela Canonical, empresa que desenvolve o Ubuntu, e é o driver recomendado para a maioria dos dispositivos se a sua intenção for estabilidade do sistema e não necessariamente recursos e desempenho, ele lhe entregará um driver que não irá desestabilizar o Ubuntu, entretanto, provavelmente também não entregará todo o desempenho possível da placa. O Interessante deste driver é que ele pode, em tese, ser usado com qualquer placa da Nvidia que o sistema funcionará sem maiores problemas. Caso a sua intenção não seja jogar, o driver "testado" se mostra uma boa opção.

Updates: Alguns drivers tem ao final de sua nomenclatura a palavra "updates", isso significa que este driver poderá receber atualizações dentro de sua linha de lançamento, por exemplo, o driver 340.93 poderá atualizar para o 340.94 se atualizações saírem para ele, porém, ele nunca mudará sua série, por exemplo, de 340.93 para 341. Alguns drivers não possuem o atributo "updates", desta forma, este driver não receberá atualizações.

A) Instalando drivers da Nvidia no Ubuntu via terminal


Muita gente gosta de usar o terminal no Linux para fazer as coisas; tudo bem, eu entendo o seu sentimento "hacker", ainda que você esteja apenas instalando um programa ou atualizando um repositório, é divertido sempre. 😊

Existem duas formas para você instalar os drivers pelo terminal, envolvendo passos diferentes. É possível fazer utilizando um utilitário via linha de comando chamado "ubuntu-drivers" ou então instalar manualmente via "apt", indicando o pacote que você deseja.

Caso você queira usar o driver "testado" abra o terminal e digite:
sudo ubuntu-drivers autoinstall

No entanto, se você está buscando pelas versões mais recentes dos drivers, antes deste procedimento é necessário adicionar o PPA: ppa:graphics-drivers/ppa 

* Questão: O que é um PPA?
Para adicionar este PPA, vamos precisar rodar os seguintes comandos:
sudo apt-add-repository ppa:graphics-drivers/ppa && sudo apt update
Depois disso o comando...
 sudo ubuntu-drivers autoinstall
... instalará a versão mais recente dos drivers Nvidia, mas também é possível dizer exatamente qual pacote você quer instalar, por exemplo:
sudo apt install nvidia-390
ou
sudo apt install nvidia-410 
Cada comando instalará uma versão diferente do driver. Para ter certeza de quais versões estão disponíveis no repositório, use o comando:
apt search nvidia-* 
O comando acima vai te mostrar todas as possibilidades.

Uma vez que você tenha adicionado o PPA, os novos drivers também aparecem na interface gráfica.

Lembre-se que depois do driver ser instalado é necessário reiniciar o computador, isso também pode ser feito com um comando no terminal:

sudo reboot
Depois da reinicialização, já que estamos falando de terminal, use o comando...
nvidia-smi
...para ver as informações sobre a sua placa.

B) Instalando os drivers Nvidia no Ubuntu como uma pessoal normal pela interface


O Ubuntu possui um software chamado "Programas e atualizações", nele você encontra várias opções para configurar o sistema de updates do sistema, seus repositórios e seus drivers.

Programas e atualizações

Você encontra este software procurando no menu do Ubuntu de forma muita simples, porém, outra forma de você acessar ele rapidamente é abrindo a sua loja de aplicativos (Software Ubuntu/GNOME Software), clicando em seu menu e então em "Software e Updates".

Programas e atualizações no Ubuntu

De toda forma, você chegará ao mesmo painel de configurações. Neste painel, encontre a aba "Outros Programas", nesta sessão você pode adicionar novos repositórios de softwares (PPA), exatamente como o de drivers Nvidia.

Adicione o PPA clicando no botão "Adicionar" na parte inferior, assim como é mostrado na imagem abaixo:

ppa:graphics-drivers/ppa

Adicionando PPA no Ubuntu

Depois de colocar o ppa:graphics-drivers/ppa na caixa, clique em "Adicionar Fonte", depois de adicionado, clique no botão "Fechar", então será sugerida a atualização do cache do repositório de softwares do Ubuntu, confirme para que o PPA seja lido, assim como os drivers.


Atualizando repositório de Software

Depois que o procedimento acabar, a janela do "Programas e atualizações" vai se fechar, abra-o novamente, mas desta vez navegue até a aba "Drivers adicionais", agora você encontrará as versões mais recentes dos drivers Nvidia disponíveis para o Ubuntu, basta escolher a que você quiser e clicar em "Aplicar alterações".

Instalando Drivers Nvidia no Ubuntu

Depois que a instalação terminar, reinicie o computador e tudo estará pronto!

Vale a pena fazer duas observações:

1 - Caso você não vá usar o Ubuntu para games e queira usar o Driver "testado", como explicado no início do artigo, você pode pular a etapa de adição do PPA, indo direto para a aba de "Drivers adicionais" e instalando da mesma forma. Isso torna o processo extremamente simples.

2 - Independente do modo que você escolheu instalar, terminal ou interface, ao final do processo você terá um novo aplicativo adicionado ao seu sistema, abra o menu e procure por "Nvidia X Server Settings", através dele você poderá fazer ajustes no comportamento da sua placa de vídeo e monitorar a temperatura, frequência, entre outras coisas.

É mais fácil do que parece!


Um tutorial como este é ligeiramente técnico, mas ele não é nada difícil. Ele parece "longo" ou "complicado" por conta do passo a passo detalhado, mas de verdade, é um procedimento que você não leva (literalmente) nem um minuto para fazer, é realmente simples e funcional.

Para os gamers de Linux especialmente, versões mais recentes de drivers de vídeo representam melhor desempenho com Vulkan e com o DXVK para jogar os games através do Proton/Steam Play. 

Adicionado o PPA, você receberá também atualizações dos drivers e sempre que houver um novo lançamento, basta ir até o mesmo painel e fazer a alteração.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


WPS Office no Linux com tradução, corretor ortográfico e templates

Nenhum comentário

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Você gosta do WPS Office e ficou feliz com a atualização mais recente dele, mas acabou percebendo alguns problemas ao tentar usá-lo em Português? Então confira as nossas dicas para voltar a usar com plenitude esta excelente suíte Office.

WPS Office PTBR - Linux






O WPS Office é uma suíte muito poderosa e amigável para quem está acostumado a usar o Microsoft Office, seja pelo seu visual, seja pela sua boa compatibilidade com o produto da Microsoft. Uma nova versão do WPS Community Edition, voltada ao Linux, foi lançada recentemente com várias melhorias, entretanto, o suporte ativo ao Português, podendo ser alterado diretamente da interface do programa, como funcionava na versão anterior, não está mais funcionando.

Para corrigir este problema, o nosso amigo Henrique, do canal "O Sistemático" produziu um pequeno pacote que é capaz de corrigir todos estes problemas e ainda adicionar algumas funcionalidades extras à suíte.


Fazer a correção é muito simples, mas o primeiro passo é, claro, baixar a nova versão do WPS Office.


Na página de download do WPS Office você consegue ver também as novidades da versão. O próximo passo é aplicar o Patch.

Existem pacotes para as mais populares distros Linux em .deb (Ubuntu, Mint, Deepin, elementary, etc) e .rpm (Fedora, openSUSE, etc), basta escolher a adequada para a sua distro e efetuar o download.


Arquivos deste tipo são facilmente instaláveis dando dois cliques do arquivo em praticamente qualquer um destes sistemas, na dúvida, confira o vídeo acima para entender melhor como funciona. :)

Espero que a dica tenha sido útil, até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ícone do Dropbox não iniciando no Linux Mint Cinnamon? Veja como resolver!

Nenhum comentário

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Hoje eu tive um problema curioso no Linux Mint com Cinnamon. Reparei que o ícone indicador do Dropbox, o popular serviço de armazenamento em nuvem, não estava aparecendo na área de indicadores, ainda que o serviço estivesse funcionando corretamente. Como a solução do problema foi simples, eu resolvi compartilhar com você, caso você tenha o mesmo o problema, já saberá como resolver. ☺

Linux Mint Cinnamon Dropbox






O Cinnamon tem dois tipos de suporte para os tradicionais indicadores, usados para inúmeras aplicações, os indicadores "legados" e os integrados com o Shell do Cinnamon.

Para usar os indicadores de forma mais eficiente eu recomendo que você ative o suporte para indicadores integrados acessando o Painel de Controle >> Geral >> Marcar a opção "Habilitar Suporte para ícones indicadores na Área de Notificação (necessário reiniciar o Cinnamon)".

Configuração de indicadores Linux Mint

Geralmente, ao habilitar essa função, o Cinnamon recarrega os ícones automaticamente, caso não aconteça você pode reiniciar a interface facilmente clicando com o Botão direito na barra tarefas >> Resolução de Problemas >> Reiniciar Cinnamon. Não é necessário reiniciar o computador ou anda parecido, a tela apenas vai "piscar" e voltar ao normal.

Resolvendo o problema do Dropbox


Estes primeiros passos são necessários para a ativação correta dos indicadores, mas ainda assim, o Dropbox não estava aparecendo, ao menos para mim. Para resolver o problema é simples, mas vamos garantir que algumas coisas estão funcionando corretamente antes:

👉  Confira no aplicativo "Monitor do Sistema" e veja na aba "Processos" se o Dropbox está rodando.

Linux Mint Dropbox

Caso você encontre o processo, é sinal de que o daemon do Dropbox está funcionando corretamente, o único problema é realmente o indicador.

👉 Uma forma de corrigir o problema é rodar este comando no terminal:
dropbox stop; dbus-launch dropbox start
Se funcionar, ótimo! Só precisamos alterar as configurações de inicialização do Dropbox para que a correção já funcione quando você ligar o seu computador, para isso é simples, procure no menu por "Aplicativos da Inicialização" e nele, procure pelo Dropbox.

Dropbox Indicator

Basta dar dois cliques para editar os parâmetros de inicialização, na sessão "Comando", altere o valor padrão para:
dbus-launch dropbox start
Depois disso é só salvar. Para testar, encerre a sessão ou reinicie o computador para ver se agora o Dropbox está iniciando corretamente. 

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Yaru - Como instalar o novo tema do Ubuntu

Nenhum comentário

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Parece que finalmente as coisas estão mudando pelos lados da Canonical quando o assunto é o visual do Ubuntu, há vários anos os usuários pediam por uma renovação do tema Ambiance do Ubuntu, porém, parece que só agora, no Ubuntu 18.10, que sairá em Outubro de 2018, é que teremos um novo tema por padrão.

Ubuntu Yaru Theme





Apesar do novo tema só vir por padrão na próxima versão do Ubuntu, você já pode instalar o tema Yaru (antigamente chamado de Communitheme) do Ubuntu 18.04 LTS através de um pacote Snap presente na loja de aplicativos.

Abra a aplicativo "Programas" e procure por Yaru:

Instalando o novo tema Yaru no Ubuntu

Instale o tema normalmente como qualquer outro aplicativo, encerre a sessão e na tela de login, clique na engrenagem e selecione o tema para iniciar com o novo visual.

Instalando o novo tema Yaru no Ubuntu

Ainda existem alguns ajustes a serem feitos no tema, mas realmente é uma grande evolução para o visual do Ubuntu, é bom ver o sistema ficando belo novamente, mas sem perder a sua identidade visual.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar o Spark Messenger no Ubuntu e no Linux Mint

Nenhum comentário

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

O Spark é um cliente de mensagens instantâneas open source, focado em atender empresas e organizações. Ele possui suporte integrado para bate-papo em grupo, integração com VOIP e uma estrutura de segurança muito interessante. Hoje você vai aprender a instalar ele no Ubuntu e no Linux Mint.

Como instalar o Spark no Linux Mint e no Ubuntu






O Spark não é a única opção, mas geralmente é ele que é instalado em um ambiente onde o Open Fire é o servidor de comunicação interna de uma empresa. O Spark Messenger tem suporte para todas as plataformas, incluindo Linux.

Não é a primeira vez que falamos sobre o Spark aqui no blog, há alguns anos eu precisei utilizá-lo em uma empresa que eu trabalhava e na época eu utilizava o Ubuntu 16.04 LTS, com Unity, no artigo você aprende a criar  um ícone de lançador para colocar no desktop.

Felizmente, com o tempo, o processo de instalação do Spark foi simplificado. Recentemente um amigo meu que presta manutenção de computadores em uma empresa de idiomas, que não vem ao caso mencionar, precisou instalar essa ferramenta no Linux Mint 19, um sistema que se encaixou perfeitamente na necessidade deles em substituição ao Windows 10.

Como baixar o instalar o Spark?


O primeiro passo para baixar o Spark para a sua distro é acessar o site oficial, depois haverão algumas possibilidades diferentes de download.

Fazendo o Download do Spark para Linux

Ao observar os downloads para Linux, você verá que temos um pacote Tar.gz (veja mais sobre esse tipo de pacote aqui), temos o pacote .rpm para Red Hat, CentOS, Fedora, SUSE, etc. e temos também a versão em .deb, para Debian, Ubuntu e Linux Mint.

Independente de qual você baixe, basta dar dois cliques para instalar, no caso do Ubuntu você fará a instalação através da loja de aplicativos, do caso do Linux Mint, você usará o instalador de pacotes .deb (gdebi).

Instalando Spark no Linux Mint

Essa versão atual já não depende diretamente do Java, entretanto, em caso de problemas, você pode querer instalar o Java da Oracle, confira este artigo do blog para aprender a fazer a instalação no Ubuntu e no Linux Mint.

O próximo passo é uma dica extra que eu mostrei para o meu amigo para tornar o acesso ao Spark pelos funcionários da empresa que ele estava atendendo tão tradicional quanto seria no Windows, criando um atalho no Desktop. Infelizmente o Spark não recebe atualizações desde 2017 e não cria, automaticamente, um atalho no menu ou no desktop dos sistemas, de modo que, depois de instalado, para você confirmar que o Spark está funcionando, basta digitar no terminal, ou pressionar alt+f2 e digitar: spark

Se funcionar, a forma simples é criar de usá-lo novamente é criar um atalho na área de trabalho, no caso do Linux Mint o processo é extremamente simples.

Criando um atalho para o Spark

1 - Clique com o botão direito na Área de trabalho;

2 - Vá até a opção "Criar novo lançador aqui...";

3 - Coloque "Spark" em "Nome" e "spark", com letras minúsculas em "Comando";

4 - Clique no ícone da imagem para selecionar um ícone para o Spark, você pode baixar o ícone do software e colocar em alguma pasta que você queira, depois é só procurar ela pelo gestor de arquivos.

5 - Clique no botão "Ok", ao fazer isso, será aberta uma caixa de diálogo perguntando se você quer integrar o Spark ao menu do seu sistema também, você pode confirmar, se este for o seu desejo;

6 - Dê dois cliques no ícone e o Spark deve se abrir.

Caso você esteja usando o GNOME no Ubuntu, o processo para isso é um pouco mais complicado, ainda mais agora que o projeto GNOME resolveu remover o suporte para os ícones no Desktop, no entanto, o processo de criação de ícones foi detalhado no nosso outro artigo sobre o Spark mencionado no início deste post.

Outra forma de contornar a situação é usar um editor de menus e criar uma nova entra manualmente.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como customizar o "history" do Shell no Linux

Nenhum comentário

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Vamos dar continuidade na nossa série sobre Shell Script chamada "Não é magia, é shell script!" com uma dica muito legal para quem gosta de usar o comando "history".

comando History





Por padrão o comando "history" exibe somente o número da ordem do comando e o comando utilizado, exemplo:

history

  478  bundle exec jekyll serve
  479  tar Jxvf icons-freebsd.tar.xz
  480  ssh diolinux@192.168.1.207
  481  emerge -s thumbnailer
  482  etc-update --automode -5

Para executar um comando do history, bastar usar um 'sinal de exclamação' ! e o número do comando, exemplo: !480, o shell irá executar o comando de número correspondente.

Ás vezes você executa um comando e esquece a sintaxe para fazê-lo rodar, logo, você terá de procurar no history. Para facilitar essa "procura", você pode customizar seu history adicionando, por exemplo, data e hora na execução dos comandos.

Existe uma variável de ambiente que é a HISTTIMEFORMAT , se você adicionar um formato específico pra ela, nesse caso para data e hora, seu history gravará o histórico dos comandos com data e hora.

Por exemplo, copie e cole esse conteúdo no seu terminal e depois rode o comando history, verifique que a saída dos comandos agora possuem data e hora, no entanto, elas estarão todas iguais, pelo fato de você não tê-la possuído anteriormente e está usando somente no tty que você está, tanto é que se você fechar e abrir de novo o terminal as configurações serão perdidas.

Para que esse formato grave a data e hora da execução dos comandos a partir de então, e sem se perder ao fechar o terminal, adicione ela ao seu .bashrc:

echo 'export HISTTIMEFORMAT="%d/%m/%y %T "' >> ~/.bashrc

A partir de então seu histórico de comandos será gravado a data e hora da execução! Saiba mais rodando os comandos:

help history
man 3 strftime

Se você ainda não tem muitos conhecimentos em Shell Script e está procurando uma forma eficaz de aprender do zero? Ou quem sabe você já possui conhecimentos em Shell mas quer evoluir e aprender a criar manuais, processos, games, animações, instaladores e muito mais?

Então não deixe passar a oportunidade de conhecer o "Curso Extremamente Avançado de Shell Script" que oferecemos junto com a galera do Terminal Root, são 3 cursos pelo preço de um, conheça aqui.

Até a próxima e bons estudos!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar e usar a GNOME Software no Linux Mint

Nenhum comentário
Apesar do Linux Mint possuir um excelente gestor de softwares, que permite que você instale tudo o que você precisa com poucos cliques, a GNOME Software pode te oferecer alguns complementos interessantes e garantir uma experiência ainda mais completa se usada em conjunto com o seu sistema.







O GNOME Software possui uma boa integração com pacotes Snap e Flatpak, ainda que talvez em termos de Flatpak, a integração do Mint seja ainda melhor nativamente, no entanto, você pode querer utilizá-lo para gerenciar os seus Snaps, ou talvez, você simplesmente goste do visual ou funcionalidade da aplicação.

GNOME Software no Linux Mint

Explorando a GNOME Software que vem com o Ubuntu por padrão eu acabei descobrindo vários softwares interessantes que estão sendo distribuídos via Snap, de forma que eles não ficam disponíveis no Linux Mint, a menos que você use a linha de comando. Instalando o GNOME Software, esse problema é contornado facilmente.

Como fazer a instalação do GNOME Software no Linux Mint?


Gestor de softwares do Linux Mint

Abra a loja de aplicativos do Linux Mint e procure por "Gnome Software", você verá que alguns resultados serão exibidos, a primeira opção com o ícone diferenciado é a loja em si (vide a imagem acima), os demais são complementos. Você pode instalar os complementos para Snap e Flatpak caso queira que a GNOME Software seja capaz de gerenciar estes formatos também.

Depois de instalados é sobre a procurar por "Programas" no menu do seu Linux Mint ou por "Software", que você encontrará a aplicação, uma vez aberta basta você instalar o que quiser normalmente.

Se preferir fazer a instalação pelo terminal, você pode usar este comando:
sudo apt install gnome-software gnome-software-common gnome-software-plugin-flatpak gnome-software-plugin-snap
De forma geral eu não vejo tanta utilidade na GNOME Software no Linux Mint, a central que ele mesmo carrega é muito rápida e eficiente (e até mais leve), mas a GNOME Software pode ser útil para manusear os pacotes Snap de forma mais intuitiva. 

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como trabalhar com "SWAP FILES" no Ubuntu

Nenhum comentário

domingo, 22 de julho de 2018

Há algumas releases  o Ubuntu abandonou o sistema de SWAP via partições para usar SWAP via arquivo, isso permite uma maior maleabilidade sem precisar ficar alterando o particionamento do seu sistema e hoje você vai aprender a manipular o novo formato de SWAP.

Como manipular SWAP em arquivos






Antes de começarmos o tutorial em si, acho conveniente falarmos um pouco mais sobre SWAP, para isso recomendo a leitura de um artigo já antigo aqui do blog, mas ainda válido, é só clicar aqui, dar uma lida e depois voltar pra cá! 😉

Para sintetizar um conhecimento básico, SWAP é um termo usado para referenciar o mecanismo de "troca" que existe entre o armazenamento do  seu computador e a memória RAM. Usar SWAP pode ser útil em vário cenários e tudo depende de como você usa o computador.

Quando usar SWAP?


SWAP só será útil se você é tipo de usuário que costuma lotar a sua memória RAM utilizando aplicações pesadas, que por si só, ocupam uma boa fatia da sua RAM. Nominadamente eu poderia comentar sobre editores de vídeo, pessoas que usam muitas máquinas virtuais e assim por diante.

A SWAP também pode ser útil se você é do tipo que gosta de hibernar o seu computador, assim os dados que estavam na memória RAM podem ir para a SWAP temporariamente. Muita gente que reclamou sobre "meu Linux não volta da hibernação", provavelmente não estava usando a SWAP corretamente.

Quanto usar de SWAP?


Em todos esses anos, nessa indústria vital, eu nunca consegui encontrar uma discussão sobre isso com 100% de consenso, de modo que eu realmente não espero conseguir isso com este artigo, mas podemos tentar usar o bom senso.

Posso falar pela minha experiência, já usei computadores com muita SWAP, pouca SWAP, nenhuma SWAP e você pode ter boas experiências em todos os casos.

Quando você tem pouca memória RAM, a SWAP pode ser uma amiga muito interessante, especialmente no caso de você ter um SSD, que por definição, tende a ser mais veloz que um HD tradicional. 

Mesmo que você use um pouco mais o SSD do que usaria caso a SWAP não estivesse presente, o impacto na vida útil dele deverá ser pouco relevante, tanto que as distros (como o Ubuntu) agora estão colocando a SWAP dentro de um arquivo, independente do dispositivo de armazenamento que você use

Vamos ficar hipotéticos aqui para você ter uma noção: Se eu tivesse um computador com 4GB de RAM e usasse ele para navegar na internet, trabalhar com documentos e planilhas e editar imagens (ou seja, fazer um blog como este), colocaria 2GB de SWAP. Se eu utilizasse esse mesmo computador para edição de vídeo também, colocaria ao menos 4GB de SWAP.

Atualmente eu trabalho com uma estação de edição com 16GB de RAM e trabalho com 2GB de SWAP que raramente são utilizados.

Então, tudo depende do caso. 

Você hiberna o seu computador? Então a SWAP deve ter espaço suficiente para comportar o seu load de RAM atual. Se você for hibernar um computador que está rodando com 12GB de RAM utilizada, pode ser interessante ter uma SWAP de igual proporção ao menos, ou, claro... fechar umas aplicações antes de hibernar o computador, afinal, quanto mais SWAP você colocar, menos espaço você terá no seu disco para armazenamento. A "escolha de Sofia" é sua, analise o que será mais importante para você.

Da mesma forma, caso você use um computador de 4GB para tarefas básicas, como navegação na internet por exemplo, me arrisco a dizer que usar o sistema sem SWAP não vai te impactar tanto, desde que você não hiberne o computador. Mais uma vez, depende o seu perfil de uso. 

Geralmente as distros tentam "chutar" um valor que deve atender a maior parte das pessoas, o Ubuntu 18.10 Cosmic (Development Branch) por exemplo, adicionou um arquivo SWAP de 2GB em uma instalação que possuía 4GB de RAM físicos no meu último teste.

Para você ter uma ideia, eu estou com "muita coisa" aberta agora no Linux Mint, incluindo uma máquina virtual, Telegram, Dropbox, Chrome com 5 abas abertas, Spotify, etc, etc. E ainda assim a SWAP nem sequer está ativa nesta máquina com 16GB de RAM:

Configuração de SWAP

E por último, vale considerar também a configuração de "swapiness", que faz referência ao percentual de memória ocupada que dispara o gatilho para o uso da SWAP.

Trabalhando com SWAP Files


Particularmente eu achei interessante a mudança, ainda que ter uma memória SWAP em uma partição também possa ser útil em algumas aplicações. Um caso simples de exemplificar é a utilização de múltiplas distros Linux no mesmo computador que podem compartilhar a mesma SWAP, com SWAPFILES isso não é possível, você gasta mais armazenamento para ter o mesmo efeito.

É claro que existem pontos positivos, um deles, talvez o principal, é a maior facilidade para manipular o arquivo de SWAP, afinal, ele é um arquivo como qualquer outro, permitindo que você o apague, crie, e altere para o tamanho que você necessitar sem precisar alterar as partições, que é sempre uma operação mais delicada.

Configuração de SWAPFILES

Você encontrará o arquivo "swapfile" dentro da raiz do seu sistema, no caso o Ubuntu (tem de se observar se o seu sistema usa SWAPFILES). Observando as propriedades dele você observará que ele tem o tamanho da SWAP exibida, por exemplo, no seu "monitor do sistema".

Vamos fazer um exercício aqui de apagar este arquivo e criar um novo com um tamanho diferente, assim você aprenderá todo o processo e poderá usá-lo conforme a conveniência.

Vamos o terminalzinho, o seu amiguinho


O primeiro passo é desativar a SWAP, tenha certeza de que a sua memória SWAP não contém arquivos, ou seja, é melhor fazer o procedimento sem outras aplicações abertas. O procedimento à seguir também considera "swapfile" como o nome do arquivo de swap, que pode ser qualquer outro, então procure observar. 

Primeiro vamos desligar o SWAP neste arquivo:
sudo swapoff /swapfile
Agora que ele não está mais em uso, seu sistema está sem SWAP e ele é apenas "mais um arquivo", que você pode remover sem problemas assim:
sudo rm /swapfile 
Agora podemos criar um novo arquivo com o tamanho que quisermos para usar como SWAP, a diferença é que você não pode simplesmente criar um arquivo qualquer, ele precisa se um arquivo com espaço pré-alocado, afinal, ele precisa ter o tamanho da SWAP que você quer.

Acho que a forma mais fácil de criar um arquivo com essas propriedades é usando o utilitário "fallocate", desse jeito:
sudo fallocate -l 5G /swapfile 
sudo: Para rodar o comando com privilégios elevados.

fallocate: Nome do utilitário que vamos usar para fazer a modificação, para mais informações consulte "man 1 fallocate".

l: A letra "L" minúscula é um parâmetro que ser para especificar o tamanho do arquivo que queremos criar.

5G: Este aqui é tamanho do arquivo que você deseja criar, pode ser qualquer outro valor que você queira, a letra G serve para indicar ao programa a quantidade de Gigabytes que você deseja no arquivo, você também pode indicar o tamanho usando Megabytes se preferir, colocando algo como "5120M".

/swapfile: Essa parte final indica o diretório com o nome do arquivo que você vai usar como SWAP, você pode colocar esse arquivo em outro diretório se quiser, mas este é o padrão do Ubuntu, assim como o nome, que você poderia mudar de "swapfile" para "changeman" se quiser.

Para criar um arquivo de 2GB dentro de /mnt/ você poderia fazer assim:
sudo fallocate -l 2048M /mnt/changeman
Mas claro, vamos seguir no primeiro exemplo, ainda que ele seja menos bem-humorado. 😋 

Depois de criado o seu arquivo, você pode dar um "ls" na sua raiz para ver se o arquivo está lá mesmo. O próximo passo é opcional, mas é recomendado, pois se trata de uma medida de segurança.

Se você der um "ls -l" no arquivo "swapfiles" você verá que por padrão outros usuários tem permissão de "ler" o que estiver na SWAP, o que pode não ser uma boa ideia, por isso, convém fazer a alteração:
sudo chmod 600 /swapfile
O "/" só é necessário caso você não esteja na raiz no terminal.

Feito isso, agora precisamos transformar este arquivo em um SWAP com este comando:
sudo mkswap /swapfile
O último passo é ativar a SWAP neste arquivo:
sudo swapon /swapfile 
E é basicamente isso, se você precisar alterar novamente, é só repetir o processo. Caso o comando  fallocate não funcione é possível fazer de outro jeito também, mas você precisar criar o arquivo e encher ele de zeros para ficar do tamanho que você precisa sem outras informações, pode ser feito dessa forma:
sudo dd if=dev/zero of=/mnt/5GiB.swap bs=1024 count=1048576
Provavelmente você não precisará disso.

Com isso você já tem a sua SWAP funcionando, mas na verdade ainda podemos considerar um novo "último passo" que é configurar para que essa SWAP seja ativada durante o boot e você não precise fazer isso manualmente. 

Para que isso ocorra precisamos inserir as informações de SWAP dentro de /etc/fstab, a questão é que se você usar o mesmo nome que o Ubuntu já usa por padrão "swapfile", essa passo é desnecessário, pois a configuração já está lá corretamente, ainda assim, pode ser bom conferir se está tudo certo.

Use o editor de texto que preferir para abrir o arquivo, neste caso vou usar o próprio gedit:
sudo gedit /etc/fstab
Observe a linha que contém o "swapfile":

Configuração do SWAPFiles

Reproduza a informação da última linha do arquivo para que tudo funciona corretamente.

E claro, você também pode fazer esse passo da edição do arquivo diretamente pelo terminal:

sudo echo '/swap none swap sw 0 0' | sudo tee -a /etc/fstab
Agora que você já entendeu como funciona o "SWAPFiles" conte pra gente o que você achou, prefere SWAP em arquivo ou em partição? Por quê?
Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo