Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo.

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador tutorial. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador tutorial. Mostrar todas as postagens

INXI - Um comando simples e completo para obter informações da sua distro Linux

Nenhum comentário

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

O terminal Linux pode ser muito poderoso e útil para inúmeras coisas, uma delas é obter informações sobre o seu próprio hardware e sistema operacional, existem vários comandos que você pode utilizar para obter informações específicas, assim como existem programas gráficos, como o CPU-X, mas hoje, você vai conhecer uma excelente ferramenta para obter informações de uma forma muito organizada chamada "INXI".

Inxi - Linux Comandos






Saber informações a respeito do nosso computador e sistema operacional pode ser útil em diversas circunstâncias. Há um bom tempo, no início do canal Diolinux, eu fiz um vídeo mostrando como ver informações semelhantes através de alguns softwares gráficos, você pode conferir aqui se quiser:


Você pode usar uma lista imensa de comandos para obter informações, ou usar algum utilitário, que além de ser prático, muitas vezes traz as informações de forma mais clara. Como o Screenfatch por exemplo (comandos para Debian, Ubuntu, Mint, Deepin, elementary OS e derivados):
sudo apt install screenfetch
screenfetch
Linux Mint Screenfetch

Apesar do Screenfetch mostrar as informações de forma organizada (e até mostrar uma "imagem" com o logo da distro) você pode querer um pouco mais e é justamente aí que entra o INXI.

O primeiro passo é instalar a ferramenta, acredito que o "inxi" esteja disponível no repositório padrão de todas as distros mais comuns, então consulte a documentação e o repositório do seu sistema para instalar. Mais uma vez, distros como Debian, Ubuntu, Linux Mint, elementaryOS, Deepin e derivados podem usar este comando:
sudo apt install inxi
Uma vez instalado, você pode rodar o comando:
inxi
 Ele vai te dar uma saída básica, mas rica em informações:

Comando Inxi

Mas é claro que você pode também obter informações de forma ainda mais organizada e precisa usando alguns parâmetros. Um dos meus favoritos é:
inxi -b
Linux Command Inxi -b

Veja como essa saída consegue ser detalhada. Podemos ver o nome do computador, modelo, ID do produto, modelo da placa-mãe, modelo e data da BIOS, resolução da tela, taxa de atualização, processador, memória, drivers de rede, drivers de vídeo, chip gráfico e muitas outras coisas.

Existem muitos outros parâmetros para verificar coisas específicas, se você rodar o comando:
inxi -h
Você consegue ver todos eles:

Linux Inxi Help Command

Dentre toda as opções disponíveis, aqui vão os meus destaques (mas sinta-se à vontade para explorar):

inxi -A (para ver informações das placas de som/áudio do computador);
inxi -C (para ver informações gerais apenas do CPU);
inxi -f (para ver informações básicas do CPU e das flags que ele suporta);
inxi -D (para ver informações completas de armazenamento dos SSDs/HDDs, etc);
inxi -n (para ver informações sobre a placa de rede, incluindo o mac);
inxi -G (para ver informações sobre a placa de vídeo);
inxi -l (para ver informações sobre a tabela de partições).

E estes são apenas alguns exemplos. Preste atenção na "caixa alta" que alguns parâmetros tem, colocá-los em letras maiúsculas e minúsculas faz diferença no resultado. Reforçando, consulte o inxi -h em caso de dúvidas.

ꔷ Quer aprender a dominar o terminal Linux? Conheça o nosso cursos completo!

Uma outra documentação interessante sobre o INXI que você pode consultar está na Manpage do Ubuntu no site da Canonical, confira aqui.

Espero que a dica tenha sido útil para você, até a próxima! :)

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


GNOME Tweak Tool (GNOME Tweaks) no Ubuntu - Principais opções de configuração

Nenhum comentário

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

O ambiente GNOME é um dos mais completos e populares do mundo Open Source, sendo parte de muitas das principais distribuições Linux, como Red Hat, Fedora, Debian e mais recentemente, o Ubuntu. Com um ecossistema tão completo e complexo, é interessante ter uma ferramenta que permita que você faça ajustes no sistema para mudar o seu comportamento de forma simples; pois bem, a ferramenta ideal para isso é o GNOME Tweaks.

GNOME Tweak Tool - GNOME Tweaks Ubuntu






O GNOME Tweak Tool, também referenciado nos repositórios como Gnome Tweaks ("Ajustes" em português) é a ferramenta mais completa para configurar e ajustar o ambiente GNOME Shell.

Opções e configurações no GNOME Tweak Tool


Com o GNOME Tweak Tool você pode configurar o tema do ambiente gráfico, e por consequência da distro em si. Você pode alterar as configurações do Desktop, como ícones presentes ou não, manusear extensões do Shell, configurar fontes, atalhos do teclado, gerenciamento de energia, aplicações que iniciam com o sistema, formatos de data e hora, ícones da janelas, animações e até as múltiplas áreas de trabalho virtuais.

Como instalar o GNOME Tweak Tool no Ubuntu


O GNOME Tweak Tool está disponível na GNOME Software, a central de programas do Ubuntu (e de todas as distros que usam GNOME Shell como interface praticamente), então, é muito fácil instalar a ferramenta, basta pesquisar por ela na loja e instalar:

GNOME Tweak Tool

Essa dica vale para qualquer distro que possua a GNOME Software, não somente o Ubuntu.

Instalação do GNOME Tweak Tool via Terminal no Ubuntu


Obviamente você pode instalar o GNOME Tweak Tool no Ubuntu através do terminal, basta digitar (ou copiar e colar) o seguinte comando:
sudo apt install gnome-tweak-tool
ou você pode digitar:
sudo apt install gnome-tweaks
GNOME Tweak Tool no Ubuntu

Aguarde a instalação e após a conclusão você deverá encontrar a ferramenta no menu do sistema. Se você usa o sistema em Português do Brasil, basta digitar "Ajustes".

Principais recursos da ferramenta


Definindo de forma simples, o GNOME Tweaks (ou GNOME Tweak Tool) é uma ferramenta de ajustes, então você vai encontrar primariamente opções que podem modificar o visual ou a forma com que você interage com o sistema.

GNOME Tweak Tool - Temas (Themes)

Uma das principais utilidades e mais populares entre os usuários do GNOME Tweaks é a ferramenta de manipulação de temas, tanto que ela é a primeira aba da aplicação:

GNOME Tweaks Themes

Nesta opção você consegue alterar o tema GTK, o tema do cursor do mouse, o tema de ícones e até o tema do Shell em si, no entanto, para mudar o tema do GNOME Shell você precisa (geralmente) instalar uma extensão para poder carregar temas à partir do diretório do usuário.

Obs: Algumas distros já incluem esta extensão (chamada de "user themes") ativada por padrão.

Outra opção interessante que existe aqui é o botão de liga/desliga das Animações do sistema, desabilitar essa opção pode otimizar o desempenho da interface em máquinas com menor desempenho.

GNOME Tweak Tool - Extensões

Outra opção muito útil e interessante do GNOME Tweaks é a sessão de extensões. As extensões, assim como o nome sugere, estendem as funcionalidades do GNOME Shell, muitas vezes deixando ele mais utilizável e prático, dependendo das suas necessidades.

Neste vídeo, eu mostrei quais são as minhas extensões para o GNOME Shell favoritas, confira:



As extensões são conseguidas através do site extensions.gnome.org geralmente, mas você também as encontra na própria GNOME Software. Eu até já fiz uma lista com as minhas 7 extensões para o GNOME Shell favoritas.

Explore as funcionalidades do GNOME Tweaks


Existem muitíssimas funcionalidades que você pode alterar pelo GNOME Tweak Tool, então experimente, mexa, configure e altere até deixar o sistema do jeito que você preferir, se você "zoar a história toda", há uma forma relativamente simples de resetar o GNOME do seu Ubuntu para os padrões de fábrica e desfazer todas as alterações, eu já escrevi um tutorial para te ensinar a fazer isso, clique aqui para conferir.

Se você é um usuário de GNOME, o Tweak Tool é certamente um parceiro e tanto para o seu dia a dia, especialmente se você gosta de customizar o sistema com alguns dos temas que nós mostramos aqui, sejam temas GTK ou temas de ícones, e é claro, as extensões.

Se este artigo foi útil para você, nos "pague" compartilhando o conteúdo para os seus amigos. :)

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça e instale o novo tema do Ubuntu 18.04 LTS

Nenhum comentário

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

A comunidade vem desenvolvendo o novo tema do Ubuntu baseado em alguns padrões do tema Adwaita do GNOME original em parceria com os desenvolvedores da Canonical, o resultado até agora me parece muito consistente. Veja como ficou e aprenda a instalar.

Ubuntu 18.04 LTS GKT Theme and Suru






Parece que finalmente o Ubuntu vai ganhar uma repaginada visual em seus ícones e tema GTK, substituindo os antigos "Ambiance & Radiance" que cunharam a identidade visual da distribuição. O novo tema do Ubuntu é composto do tema "Communitheme" para o GTK e o tema "Suru" para o os ícones, este último um resquício do projeto do Ubuntu para Smartphones.

Na imagem a seguir você pode ver a comparação entre o antigo tema (acima) e o novo tema (abaixo).

Ubuntu 18.04 LTS Theme

Como instalar o novo "Communitheme" no Ubuntu?


Antes de mais nada, o novo tema ainda está sendo trabalhado, então, alguns detalhes podem parecer estranhos, como as"barras de load" com outra cor ao invés do tradicional (e esperado) laranja:

Novo tema do Ubuntu

Mesmo assim, se você adicionar o repositório, assim que surgirem as atualizações e correções você deverá recebe-las com o restante das atualizações do sistema. 

O novo tema só funciona perfeitamente no Ubuntu 17.10 e no 18.04 (versões pré-alfa, como a que eu estou usando para fazer as imagens do artigo), ou seja, precisamos do ambiente GNOME Shell também.

A instalação é feita através de um repositório PPA:
ppa:communitheme/ppa
Você pode adicionar o PPA de forma gráfica:

Veja como adicionar PPAs no Ubuntu sem usar o terminal 

Se você adicionar o PPA desta forma, o pacote que você deve instalar é:
ubuntu-communitheme-session

Obviamente o procedimento também pode ser feito via comandos no terminal:
sudo add-apt-repository ppa:communitheme/ppa
sudo apt update && sudo apt install ubuntu-communitheme-session
Depois disso, você pode utilizar o GNOME Tweak Tool para fazer as alterações no tema, basta deixar com as seguintes opções:

GNOME Tweak Tool

Apesar de parecer ser esta a intenção, não há garantias ainda de que este tema será o padrão do Ubuntu 18.04 LTS, mas eu sinceramente espero que aconteça, pois fazia um bom tempo que a distro não apresentava um design padrão condizente com a sua época de lançamento, não é? :)

Você pode acompanhar o desenvolvimento do "Communitheme" através do repositório no GitHub. 

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como verificar se a sua distro Linux está vulnerável ao Meltdown e ao Spectre

Nenhum comentário

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Depois da enxurrada de informações relacionadas às falhas que afetam virtualmente todos os processadores do mundo, as correções para os sistemas operacionais começaram a ser liberadas aos poucos.

Detecção de Spectre e Meltdown no Linux







Apesar da correção ter sido disponibilizada pelos desenvolvedores do Kernel Linux Vanilla, ele ainda está sendo distribuído para as distribuições e isso varia de sistema para sistema e de Kernel para Kernel.

Para fins de teste, foi criado um script que faz uma análise no seu sistema para identificar as vulnerabilidades, veja agora como você pode fazer o teste de Spectre e Meltdown na sua distro:

ꔷ Abra o Terminal;
ꔷ Cole que os seguintes comandos:

cd /tmp/
wget https://raw.githubusercontent.com/speed47/spectre-meltdown-checker/master/spectre-meltdown-checker.sh
sudo sh spectre-meltdown-checker.sh
Exemplo de vulnerabilidade
Exemplo de um CPU/S.O. vulnerável

Se você estiver vulnerável não entre em pânico, no momento, praticamente todos estão, mesmo com as correções que adicionam apenas uma camada extra de proteção.

Para saber mais você pode rodar este comando:

sudo sh spectre-meltdown-checker.sh --disclaimer

Verifique com a sua distribuição qual a política de atualizações que eles estão aplicando, isso pode variar de sistema para sistema e fique de olho aberto, mantenha um Firewall ativo e preocupe-se sempre com a sua segurança, tudo isso pode não evitar por completo uma possibilidade de invasão, mas certamente aumenta a dificuldade.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como ativar o "Minimize on Click" no barra lateral do Ubuntu 17.10

Nenhum comentário

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Quando eu fiz a review do Ubuntu 17.10 Artful Aardvark, um dos pontos  negativos mencionados era relacionado ao comportamento da barra lateral de aplicativos, a Ubuntu Dock, um fork da extensão Dash To Dock. Veja agora como melhorar a sua produtividade com uma dica simples.

Minimizar ao Clicar no Ubuntu






Tudo bem que o "ideal" do GNOME Shell é que para alternar entre as janelas você sempre use a tecla "super", assim as janelas se espalham e você clica na que quiser, mas muitas vezes é tão mais simples clicar no ícone do app para minimiza-lo, não? Se for ver é até um gesto a menos.

Como no mundo Linux "tudo se ajusta e se arruma", o comportamento padrão da Ubuntu Dock também pode ser alterado de forma simples, assim, quando você clicar em um ícone na barra ele vai minimizar e maximizar a aplicação, um comportamento parecido com que tínhamos no Unity.

Abra a Dash (ou menu) e pesquise por "dconf", se você já tiver ele instalado, basta abrir a aplicação, caso não tenha, a Dash deve te mostrar uma opção para instalar via loja de Apps:

Instale o DConf Editor

O dconf editor é um utilitário de configurações avançadas do GNOME, ele é "sensível" por assim dizer, então só altere o que você realmente precisa alterar, brincar com ele sem saber o que está fazendo pode causar instabilidade no seu sistema.

Instale o dconf editor

Uma vez instalado, abra a aplicação e na "lupa" de pesquisa, digite: dash-to-dock

Dconf Editor

Clique na opção que aparecer e deslize as informações até encontrar a opção "Click Action", clique em "Previews".

Dconf editor

Na janela que se abrir, deslize o interruptor de "Usar o valor padrão" para "desligado" e em "valor personalizado" selecione "minimize-or-overview", na parte inferior da janela, clique no ícone de confirmação.

Configurando o minimize on click no Ubuntu

Depois desse confirmação o recurso já está funcionando:

Configurações de minimize on click

Se quiser desfazer a ação, bastar ir até o mesmo menu de configuração e ativar a chave de "Valor padrão".

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar League of Legends no Linux

Nenhum comentário

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

League of Legends é um dos games mais jogados do mundo e hoje vamos aprender a instalar ele em distribuições Linux de Desktop, confira:

League of Legends no Linux






League of Legends não possui, infelizmente, uma versão nativa para Linux, isso significa que precisaremos utilizar o Wine como camada de abstração para rodar aplicativos do Windows no Linux, diferente do seu principal "concorrente", Dota 2, que possui uma versão nativa para o sistema através da Steam.

Neste caso em específico, vamos usar um software chamado "Lutris" para automatizar a instalação. Antes de eu te dar as dicas para a instalação, é interessante que você entenda como utilizar o Lutris e como ele funciona:


Uma vez que você tenha entendido como funciona o Lutris, basta fazer o download da aplicação diretamente do site oficial e instalar para podermos seguir para próximo passo.

Agora veja como você pode fazer para instalar o League of Legends no Linux:



Eu percebi que o game tem uma clara queda de desempenho, não o suficiente para impedir que você jogue com uma taxa de frames decente, geralmente acima de 60 FPS, no entanto, se para você isso for um grande problema, vale a pena manter o Windows para jogar, pois ele possivelmente lhe atenderá melhor neste quesito.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Desktop Folder - Tornando a área de trabalho do elementary OS útil novamente

Nenhum comentário

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Uma das maiores críticas ao Desktop no elementary OS é que a área de trabalho serve apenas para comportar o papel de parede, o que na minha opinião é um desperdício de espaço, afinal, quem não quer não itens na área de trabalho, simplesmente não coloca eles ali, ou o Desktop poderia ser habilitado e desabilitado, semelhante ao que é possível de fazer no GNOME Shell. Infelizmente não é isso que acontece, mas agora você tem uma alternativa.

elementary OS Desktop






Juntamente com o lançamento da nova Central de aplicativos Indie do elementary OS onde os desenvolvedores podem cobrar pelos aplicativos e os usuários podem pagar o quanto quiserem, vários projetos feitos exclusivamente para o elementary com integração ao sistema passaram a existir.





Um dos aplicativos feitos sob medida para o elementary OS é o Desktop Folder que você encontra a loja de Apps:

elementary OS Desktop Folder

Baixe o aplicativo na loja e abra ele pelo menu "Aplicativos.

Os recursos do Desktop Folder


Esse aplicativo não ativa o Desktop do elementary OS propriamente dito, mas funciona como os Widgets do projeto KDE Plasma, dando uma funcionalidade muito parecida.

Atrvés dele você consegue criar painéis no Desktop e dentro destes painéis (que você pode modificar livremente) você poderá criar pastas, atalhos, arquivos de texto, etc.

Configurações da área de trabalho do elementary OS

Se você não gostar dessa película que aparece sobre o papel de parede, você pode tirar a cor dele,  assim ele fica transparente, ou ainda usar outra cor. Você pode esticar o painel para o tamanho de todo o Destkop para você poder aproveitar todos os espaços.

Você também pode criar vários Desktop Folders também para armazenar arquivos de forma separada.

Configuração do elementary OS

Os arquivos que você colocar dentro dessa pasta na Área de Trabalho ficam dentro da sua Home, dentro da pasta Desktop, dentro da pasta com o nome do Painel que você criou, as suas notas ficam dentro da mesma pasta.

Caso você queira a experiência Desktop "limpa", como eu comentei, basta tirar a cor e os arquivos vão ficar como ficariam no Desktop tradicional:

elementary OS

Espero que você tenha gostado da dica, ela deixa o elementary OS muito mais produtivo, sem sombra de dúvidas.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar o Kernel do Ubuntu no Deepin Linux

Nenhum comentário

terça-feira, 28 de novembro de 2017

O interessante de distribuições derivadas do Debian é que em linhas gerais elas são compatíveis entre si, com algumas pequenas exceções. Hoje você vai aprender a instalar o Kernel do Ubuntu no Deepin, a distro chinesa que chama tanto a atenção das pessoas pelo seu design aprimorado e usabilidade simples.

Ubuntu Kernel no Deepin






Usar o Kernel do Ubuntu no Deepin pode ter algumas utilidades. Apesar do Deepin ser Rolling Release, ele não é Bleeding Edge, ou seja, nem tudo está nas últimas versões em seu repositório, o Kernel inclusive. 

O Kernel Linux é a parte do sistema operacional que contém os drivers e por isso, versões mais recentes podem ser vantajosas em alguns aspectos, podendo trazer versões mais recentes de componentes que vão influenciar no desempenho do sistema, como os de drivers de vídeo, drivers de rede também, o que pode até mesmo melhorar o seu sinal de Wi-Fi.

Eu não vejo o Kernel do Deepin como algo suspeito, simplesmente pela distro ser chinesa, isso é um tanto quanto falacioso na minha opinião, no entanto, se isso te incomoda de alguma forma, usar o Kernel do Ubuntu pode deixar você mais tranquilo.

Como instalar o Kernel do Ubuntu no Deepin


Vamos fazer da forma mais simples possível. O primeiro passo é acessar o repositório de Kernels do Ubuntu.



Kernel do Ubuntu

No repositório você encontra as pastas com a versão do Kernel, você pode escolher a versão que você quiser para instalar. No meu caso vou usar a versão 4.14 (já existem até algumas versões mais recentes 4.14.1 e 4.14.2), esta é a versão mais atual no momento deste tutorial.

Escolha a versão desejada e e clique na pasta.

Baixando o Kernel

Dentro do diretório você encontrará varias sessões diferentes, observe para qual arquitetura são os pacotes. Para sistemas de 64 bits nós vamos baixar os pacotes contidos abaixo de "Build for amd64 suceeded".

Dentro de cada sessão haverão também pacotes para o Kernel de baixa latência, a menos que você precise dele, você deve baixar apenas os outros pacotes.




Você só precisa baixar 3 pacotes, o que termina com "all deb", o "linux headers" e o "linux image". Caso queira baixar o Kernel de baixa latência, você deverá baixar o "all deb" também e os outros dois que contém "lowlatency" no nome.

Neste exemplo vou baixar os pacotes assinalados na imagem acima. São 3 pacotes .deb:

Kernel Ubuntu no Deepin

Basta instalar eles em ordem dando dois cliques:

Instalar o Kernel

Depois de instalar os 3 pacotes, para o novo Kernel ser reconhecido no GRUB na inicialização do sistema é necessário atualizar o GRUB. Caso você não se importe de usar o terminal, basta digitar o seguinte comando nele:
sudo update-grub

Sudo update Grub

Claro, é possível fazer essa atualização sem usar o terminal também, mas para isso vamos precisar de uma ferramenta chamada GRUB Customizer.

Para o Deepin basta baixar o pacote .deb daqui e fazer a instalação dando dois cliques.

GRUB Customizer

Basta atualizar a lista e reinstalar o GRUB, você pode também ordenar as entradas livremente como você bem entender.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como evitar lag na Netflix no seu navegador (Configuração escondida)

Nenhum comentário

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

A Netflix tem uma das melhores transmissões de streaming que existem, com uma internet de qualidade razoável você dificilmente enfrenta travamentos, no entanto, existem outros fatores que podem fazer com que a sua Netflix fique "lagada" no navegador.

Lag na Netflix






Uma conexão instável pode ser um pesadelo para quem quer maratonar aquela série no final de semana, no entanto, a qualidade da sua internet não é o único fator, outra coisa que pode deixar a Netflix com lag é um hardware que não consegue entregar muito desempenho gráfico, como este computador aqui que eu ressuscitei e usei essa técnica para poder assistir a Netflix nele sem muitos problemas.

Ajustar a sua transmissão Netflix


Tela de carregamento da Netflix


Existe um menu de configuração "secreto" dentro da Netflix que permite que você ajuste a qualidade do vídeo para melhor ou para pior. As vezes mudando um pouco o bitrate ou o CDN (Content Delivery Network) a sua Netflix pode parar de travar sem que você perca muita qualidade.

Abrindo o console da Netflix


Vamos começar a brincadeira abrindo o console da Netflix, com ela aberta em qualquer filme ou série pressione as teclas: Ctrl+Alt+Shift+D

Console Netflix

Você pode observar especialmente o Bitrate e ao lado a referência da resolução utilizada. Nessa tela aparecem várias informações interessantes, como por exemplo a taxa de quadros por segundo, quadros perdidos, entre outras coisas.

A forma da Netflix trabalhar faz com que o ajuste dessas opções seja automático, mas isso não quer dizer que seja sempre o ideal para você, apesar da intenção ser essa. 

Agora você vai aprender a configurar essas opções manualmente.

Ainda no vídeo que você estava, se você pressionar novamente Ctrl+Alt+Shift+D você esconde o console, pressione agora Ctrl+Alt+Shift+S para abrir um pop-up de configuração:

Configuração de bitrate na Netflix

Na janela que se abre você pode configurar o Bitrate de áudio, vídeo e alterar o servidor principal de conteúdo, eventualmente mudar de servidor pode tornar a entrega mais rápida.

Números de Bitrate menores geralmente indicam uma transmissão em qualidade reduzida  e por isso mais leve para a sua conexão e hardware, então tente reduzir um pouco a qualidade se você estiver com muito lag e veja se você consegue ainda assistir ao filme ou série em uma qualidade que você goste ou tolere.

Depois de selecionar os valores basta clicar em "Override", caso queira voltar ao padrão é só clicar em "reset". Pressionar novamente Ctrl+Alt+Shift+S faz o menu sumir.

Aproveite a sua Netflix sem travamentos e até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como adicionar o repositório oficial do Google Chrome no Deepin

Nenhum comentário

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

O Google Chrome é o navegador mais popular da atualidade e ele já vem pré-instalado e no repositório do Deepin Linux, uma das distros que mais tem chamado a atenção nos últimos meses. O Deepin é baseado no Debian mas possui um repositório próprio de onde todos os seus softwares preveem, por isso, alguns softwares podem demorar um pouco mais para atualizar.

Google Chrome oficial no Deepin



Quando nós entrevistamos os desenvolvedores do Deepin, eles explicaram como funciona o repositório e o ciclo de atualizações da distro. Como o Chrome faz parte do repositório deles, o mesmo vale para ele.

O Chrome do Deepin não é desatualizado demais, mas mesmo assim, como se trata de um navegador de internet, mantê-lo sempre na última versão pode ser importante. Se você não quiser aguardar até que os desenvolvedores do Deepin façam a atualização do software, a forma de contornar isso e ter sempre a última versão instalada é adicionando o repositório oficial da Google no Deepin.

Como adicionar o repositório oficial do Google Chrome no Deepin


O Deepin é baseado no Debian, como já mencionado, logo, não vamos usar PPAs, como no Ubuntu, vamos usar os repositórios do Debian, você pode ler mais sobre isso na própria Wiki do "sistema universal".

Você poderia ir até o site da Google e baixar o Chrome, instalando com dois cliques, isso também funcionaria, porém, isso não adiciona o repositório ao Deepin, fazendo com que você tenha que instalar o browser a cada lançamento manualmente, podemos automatizar essa tarefa fazendo uma pequena configuração.

Geralmente os arquivos de repositórios ficam em /etc/apt/sources.list, este arquivo de texto contém os repositórios padrões da distro, são eles que modificamos neste tutorial, onde você aprendeu a deixar o download de pacotes do Deepin mais rápido, no entanto, não é este arquivo que temos que alterar para modificar os repositórios adicionais, como o do Skype, Spotify e do Google Chrome.

Os repositórios adicionais ficam no diretório /etc/apt/sources.list.d. Use o gerenciador de arquivos do sistema para navegar até esta pasta:

Configuração de listas de repositório no Deepin

Nesta pasta, clique com o botão direito do mouse e vá na opção de "Abrir em nova janela como administrador".

Configuração de listas de repositório no Deepin

Na janela em modo Root, crie um novo arquivo de texto e coloque o nome de google-chrome-stable.list

Configuração de listas de repositório no Deepin

Abra o arquivo que você criou com o editor de texto de sua preferência e cole a seguinte linha dentro dele, depois salve o arquivo:
deb [arch=amd64] http://dl.google.com/linux/chrome/deb/ stable main

Google Chrome repository

Depois de salvar, pode fechar o editor de texto e agora você terá um arquivo google-chrome-stable.list dentro daquele diretório.

Google Chrome repository

Depois disso, basta mandar atualizar o sistema, você pode fazer isso pelo utilitário de atualização:

Atualização do Deepin

Ou é claro, pelo terminal:
sudo apt update
Se houverem atualizações, você poderá instalá-las.

Essa dica vale para qualquer repositório extra do Debian que você queira adicionar, eu uso também o do Spotify e do Skype para mantê-los sempre nas últimas versões.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Instale este tema moderno no seu Ubuntu 17.10!

Nenhum comentário

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Com o lançamento do Ubuntu 17.10 nós tivemos a volta do ambiente GNOME para o Ubuntu de forma completa, entretanto, o tema tradicional do Ubuntu, o Ambiance/Radiance, assim como os ícones Ubuntu Mono Dark/Light, continuam os mesmos de sempre, somado ao tema para o Shell, eles garantem a aparência tradicional do Ubuntu, que convenhamos, já está ultrapassada.

Tema United no Ubuntu






Ouvi falar que o Ubuntu 18.04 LTS virá com uma aparência melhorada, mas até lá, vamos ver o que podemos fazer com o Ubuntu 17.10, certo? Para tentar "corrigir" a aparência do GNOME Shell no Ubuntu, sem perder a identidade visual do sistema, vamos usar o tema United e o tema de ícones Diolinux Paper Orange.

O primeiro passo é adicionar a extensão para o GNOME Shell que permite que você carregue temas do seu diretório pessoal, então clique aqui e adicione o "user themes".

Outra ferramenta que você vai precisar é o GNOME Tweak Tool, ele permite que você faça modificações mais profundas no seu sistema, incluindo o tema. Você encontra esta aplicação na Central de Aplicativos do seu Ubuntu:

GNOME Tweak Tool Ubuntu

Agora que você já tem as ferramentas adequadas para mudar o tema, resta-nos baixar o tema United, acesse a página no GitHub do projeto e baixe os arquivos indicados.

Download do Tema United

O tema United tem algumas variações, inclusive é compatível com outras distros, no entanto, vamos fazer uma mescla entre eles para ter uma bom resultado final. Baixe o "United Latest" e o "United Ubuntu Alt", serão dois arquivos compactados.

Extraindo o tema United

Bastar extrair as pastas contidas dentro dos dois arquivos que você baixou para a pasta oculta .themes, caso ela não exista você pode criá-la, mas não esqueça de colocar o ponto antes do nome "themes", caso contrário ela não fica oculta. Para exibir as pastas ocultas no Nautilus é só pressionar Ctrl+H, para voltar a ocultar é só pressionar a mesma combinação novamente.

Para instalar o tema de ícones Diolinux Paper Orange, temos um tutorial específico para ele aqui.

Uma vez os temas instalados, agora só falta ativá-los, abra o GNOME Tweak Tool (Ajustes) e na sessão aparência deixe assim:

Gnome Tweak Tool Ubuntu

Claro que existem outras combinações que você pode testar, mas esta foi a que eu achei mais bela, lembra um pouco o design que o "falecido" Unity 8 tinha.

Aproveite a nova aparência e até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo