Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador wine. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador wine. Mostrar todas as postagens

Wine 5.0 lançado com mais de 7400 mudanças individuais

Nenhum comentário

quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

Um ano após o lançamento do Wine Stable 4.0, a versão 5 do Wine finalmente está entre nós. Com mais de 7.400 mudanças, a nova versão conta com uma lista de melhorias.

versao-5-ja-disponivel

Para quem ainda não sabe o que é o Wine, é uma camada de tradução para rodar aplicativos de Windows dentro do sistema do pinguim. O que ele faz é traduzir os comandos que seriam enviados para o Kernel NT do Windows para poder ser executado utilizando o Kernel Linux, sem a perda de desempenho que ocorreria se fosse rodado através de um emulador ou máquina virtual.

A equipe do WineHQ resumiu o lançamento da versão 5.0 em 4 principais pontos:

  • Módulos embutidos em formato PE (Portable Executable);
  • Suporte para monitores múltiplos;
  • Reimplementação do XAudio2;
  • Suporte para o Vulkan 1.1.

O lançamento também conta com uma lista de todas as novidades nos mínimos detalhes que você pode verificar clicando aqui.

O lançamento desta versão foi dedicado em homenagem ao Józef Kucia, um desenvolvedor que trabalhava na implementação do Direct3D no Wine, e que infelizmente faleceu em agosto de 2019 com apenas 30 anos.

Para utilizar a versão 5.0 do Wine, você pode seguir o nosso tutorial de instalação.

Se você tiver alguma dúvida sobre tecnologia, ou quiser compartilhar conhecimento com a comunidade, o Diolinux Plus é o espaço ideal para isso. Vem fazer parte da nossa comunidade!

Até a próxima!


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Primeiro Beta de 2020 da Steam é lançada com várias melhorias

Nenhum comentário

quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

O primeiro Beta do cliente Steam de 2020 chega com várias correções de bugs e novas funcionalidades na aba da Biblioteca, Remote Play Together, bem como algumas correções específicas para a versão de Linux.

primeira-beta-de-2020-da-steam-e-lancada-com-varias-melhorias

Não é raro ouvir que a Steam está lançando alguma nova funcionalidade, e não faz muito tempo que noticiamos os lançamentos do Remote Play Together, Steam Linux Runtime, ou até mesmo de novas versões do Proton. Parece que agora chegou a hora de fazer algumas correções de bugs para tornar o software, que está cada vez mais completo, cada vez mais otimizado.

Dentre todas as novidades da primeira Beta do cliente Steam deste ano podemos destacar:

• Ao filtrar jogos pelos que já tenham sido jogados, não mais serão exibidos aqueles que já foram instalados, mas nunca de fato jogados;
• Aprimoramentos na performance geral da biblioteca;
• Aprimorada a filtragem por títulos coreanos ao pesquisar na biblioteca utilizando o alfabeto hangul;
• Adicionadas opções de configuração para a funcionalidade “Atualizações Para Você” para que seja possível selecionar por jogo a prioridade com que as novidades serão exibidas;
• Adicionada uma opção para exibir apenas atualizações de produtos na aba “Atualizações Para Você”;
• Corrigido o bug que fazia com que conquistas ocultas continuassem não sendo exibidas, mesmo após terem sido alcançadas;
• Corrigida a escala do cursor do mouse em diferentes resoluções no Remote Play;
• Adicionada mensagem de erro ao tentar se juntar a uma partida que não está disponível devido a restrições de país ou controle dos pais;
• Corrigido “crash” ocasional ao realizar a pesquisa de hardware na versão Linux;
• Corrigidos bugs ocasionais na biblioteca em sistemas de arquivos NFS na versão Linux do software.

Você pode conferir todas as atualizações no post de anúncio da nova versão oficial da Steam.

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no fórum Diolinux Plus

Isso é tudo pessoal! 😉


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Fedora 32 poderá ter uma melhor compatibilidade via Wine através do Mono 6.6

Nenhum comentário

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

O Fedora 32 poderá trazer a versão 6.6 do Mono, software responsável por interpretar comandos que aplicações rodando sobre o Wine fazem para o Microsoft .NET Framework.

fedora-32-tera-melhor-compatibilidade-via-wine-com-o-mono-6.6

O Fedora 32, que deverá ser lançado no dia 21/04/2020 estava programado para sair com a versão 5.5 do Mono, mas segundo os desenvolvedores do projeto há uma grande possibilidade de que seja possível incluir a versão 6.6 do software até a data de lançamento prevista para o Fedora 32.

Trazer o Mono em uma versão mais atualizada tornará possível trazer os últimos recursos do .NET Framework para a distro. A versão 6.6 do Mono foi lançada em Dezembro/2019 e traz um suporte melhorado ao WebAssembly, melhor compatibilidade com o CoreFX, entre outras melhorias.

Considerando que já estamos relativamente próximos à data de lançamento, não é garantido que as implementações necessárias para a inclusão do Mono na versão 6.6 sejam feitas a tempo, mas a equipe não medirá esforços para cumprir o objetivo.

Por que é importante?


Você que já instalou algum jogo ou qualquer outro software no Linux através do Lutris ou PlayOnLinux provavelmente já se deparou com uma caixa de diálogo solicitando permissão para instalar o Mono em meio ao processo de instalação. Isso é porque o Mono trabalha em conjunto com o Wine para fornecer suporte a aplicações que tem como dependência o .NET Framework da Microsoft. 

Sem o Mono simplesmente não seria possível que esse número massivo de softwares fossem funcionais através do Wine. Falando em Wine, é claro que isso também inclui um número enorme de jogos que rodam através da Steam Play/Proton.

A compatibilidade de jogos com as distribuições Linux, sejam nativos ou através de camadas de compatibilidade, tem crescido de forma muito rápida nos últimos anos, e uma simples atualização de softwares como o Wine, Proton, DXVK e até o próprio Mono pode ser o ponto no qual o jogo preferido de alguém passa a funcionar de forma satisfatória na plataforma.

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no fórum Diolinux Plus

Fonte: Phoronix

Isso é tudo pessoal! 😉


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


DXVK 1.5 é lançado e com D9VK incorporado

Nenhum comentário

quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

Uma das gratas surpresas do ano de 2019, foi o projeto DXVK, que começou “desconhecido” e que agora figura como uma das mais importantes “engrenagens” para compatibilizar os jogos feitos somente para Windows no Linux.


 DXVK 1.5 é lançado e com D9VK incorporado





Para quem está “chegando agora” e não está entendendo muito, o projeto DXVK é um “intérprete” entre do DirectX para o Vulkan, e juntamente com o Wine torna possível jogar milhares de games feitos somente para Windows no Linux. Para ver a nossa cobertura sobre o DXVK, você pode conferir as matérias aqui

Até então, o DXVK “cobria” somente as versões 10 e 11 do DirectX, e a versão 12, porém ainda em beta. Já o DirectX 9 ainda não tinha uma cobertura, e foi aí que surgiu o projeto D9VK que faz exatamente essa cobertura. Com o D9VK, vários jogos começaram a rodar de forma satisfatória, como o Batman Arkham Asylum, Dead Space 1 e 2, Mass Effect 1 e 2 entre outros. Mas agora, tudo será em um só projeto. Com isso os jogos em Dx9 poderão ter um desempenho melhor usando o Wine/SteamPlay (Proton), pois antes era utilizada a “tradução” do WineD3D para o OpenGL.

Agora o DXVK cobre todas as versões do DirectX (Dx) em um único código, sem a necessidade de dois projetos para o “mesmo fim”. Com isso, a versão 1.5 do DXVK fará essa cobertura completa.

Alguns jogos foram melhorados nesta versão, como o Atelier Ryza, Crysis 3, Fifa 19, Star Citizen e Halo: The Master Chief Collection. Para ver todas as melhorias no DXVK, você pode consultar aqui.

Teve uma declaração de Philip Rebohle, criador do DXVK, ao site GamingOnLinux, que foi a seguinte:

“Basicamente, não mudará muita coisa, os bugs ainda serão corrigidos e, se um jogo exigir que um recurso seja executado, ele será implementado. O DXVK está mais ou menos completo há algum tempo, e a maioria das alterações nas versões 1.4.x eram correções de bugs e algumas otimizações pontuais. O que eu quero evitar daqui para frente são alterações em larga escala na base do código, pois elas tendem a introduzir falhas, e está ficando cada vez mais difícil depurar novos problemas.”

Pra mim, isso é muito bom e creio que vá melhorar e muito essa migração dos jogos para Linux, principalmente os “mais antigos” e que usam o Dx9 ou alguns mais novos como o LoL por exemplo, podendo ganhar um “up” na performance e assim trazendo novos usuários. Espero também que o Proton possa migrar em breve para a base do Wine 5.0, assim podendo trazer mais melhorias e novidades.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Lutris chega na versão 0.5.4 com suporte para GPUs híbridas

Nenhum comentário

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Um dos gerenciadores de jogos mais famoso para Linux chega a sua versão 0.5.4 com várias melhorias, correções e novidades, como o suporte ao NVIDIA Prime.

Lutris chega na versão 0.5.4 com suporte para GPUs híbridas





O Lutris é uma “mão na roda” para quem precisa instalar algum jogo não nativo do Linux. Ele traz alguns scripts que facilitam a vida da galera que quer ter aquela jogatina “marota” no pinguim. Temos aqui no blog, alguns posts bem bacanas para você, como instalar o WineHQ corretamente, ou de como preparar o seu Linux para jogos ou de como instalar o Lutris de forma correta.



Na versão 0.5.4 do Lutris, tivemos vários updates bem interessantes e alguns chamaram atenção, que vou listar abaixo:

● Suporte ao Python 3.8 adicionado;

● Suporte para o Nvidia PRIME off-load adicionado;

● Esync agora está funcionando com o Wine Staging 4.6 ou superior.

● O Wine do Lutris, na versão 4.20, agora tem inclusive uma correção para o Overwatch, onde a tecla CTRL esquerda não estava funcionando e o High Precision Mouse Input também foi consertado;

Sobre o Nvidia PRIME off-load, isso é muito bom, pois vai possibilitar que somente o jogo seja renderizado na GPU, assim aliviando o processador. Para saber mais a implementação da NVIDIA no Linux, você pode conferir neste artigo.



As outras melhorias e updates presentes nesta versão, você pode conferir aqui.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

DXVK poderá ser utilizado no Linux sem o Wine

Nenhum comentário

sábado, 23 de novembro de 2019

Um dos mantenedores do D9VK, Joshua Ashton, está trabalhando em uma forma de fazer com que o DXVK rode no Linux sem que haja a necessidade de utilização do Wine.

dxvk-podera-ser-utilizado-no-linux-sem-o-wine

A ideia


O DXVK é uma implementação que traduz as chamadas feitas à partir dos softwares para o DirectX 10 e 11, para que as mesmas sejam direcionadas à API Vulkan. Dessa forma, softwares que rodam sobre as versões 10 e 11 do DirectX podem ser executadas nas distribuições Linux fazendo uso do Vulkan.

Atualmente o DXVK é executado como uma biblioteca do Windows rodando através do Wine. Ou seja, ao contrário do que muitos pensam, no presente momento o DXVK não é exatamente um software que roda de forma nativa no Linux.

Todavia, isso já está começando a mudar. O trabalho de Joshua Ashton, que atualmente encontra-se em fase experimental, consiste em modificar o DXVK para que o mesmo se torne uma biblioteca nativa do Linux, que seja capaz de converter as chamadas para o DirectX 10 e 11 que são feitas por softwares nativos de Windows para o Vulkan, sem a necessidade de utilização do Wine.

No momento estou trabalhando em uma forma de utilizar o DXVK nativamente na plataforma! Atualmente, ele suporta SDL Windows e todo o DirectX 11 (além da interoperabilidade GDI). Deverá ser útil para portar alguns jogos mais facilmente, e quem sabe chegue nos repositórios principais.” disse Joshua.

Os benefícios


Se formos analisar o trabalho que está sendo realizado por Joshua, e também o que foi dito por ele, essa implementação para o DXVK irá fazer com que as versões 10 e 11 do DirectX rodem, de certa forma, nativamente no Linux. É claro que isso não significa que todos os jogos nativos de Windows que ainda não rodam no Linux passarão a rodar, do dia para a noite, mas é certamente um grande avanço em direção à compatibilidade entre as plataformas.

Talvez você esteja se perguntando: “Ok. Mas e na prática, o que nós, usuários, ganhamos com isso?”

Rodar o DXVK de forma nativa, tornará mais simples, fácil e rápido o trabalho de portar os jogos de Windows para o Linux, uma vez que o mesmo código do DirectX que é utilizado na versão do jogo para Windows, poderia também ser utilizado na versão para Linux.

Como todos sabemos, as grandes empresas de games, assim como qualquer outra empresa, buscam lucrar. Quanto mais fácil e rápido for o trabalho de portar o jogo para Linux, menor será o custo da empresa para produzi-lo, e consequentemente, maior a margem de lucro. O quê, no final das contas, significa mais jogos disponíveis para a plataforma. E todos ganhamos com isso. :)

Acredito que esse projeto tenha grandes chances de dar certo, e render excelentes frutos. A iniciativa feita pelo Joshua, tende a beneficiar não apenas aos usuários, mas também as empresas. Dito isso, acredito que as chances de uma grande empresa como a Valve, ou a Feral Interactive, “estenderem a mão” para ajudar no avanço do projeto, sejam muito grandes.

Qual a sua opinião sobre o assunto? Você realmente acha que a iniciativa feita por Joshua pode render bons frutos? Ou será apenas mais um dentre os muitos projetos que acabam em nada? Diga-nos a sua opinião nos comentários. 😁

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Isso é tudo pessoal! 😉


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Jogue games da Battle.Net, como Overwatch no Linux via Lutris

Nenhum comentário

quarta-feira, 2 de outubro de 2019

Battle.Net é um serviço online de jogos da Blizzard, que conta com títulos apreciados pelo mundo gamer, alguns que posso citar são: World of Warcraft, Diablo III, Warcraft III, Overwatch, entre outros. Infelizmente o launcher da Blizzard, não possui uma versão nativa para Linux. Todavia não se preocupe, iremos te mostrar como configurar a Battle.Net em seu Ubuntu, Mint e derivados.

blizzard-launcher-games-jogo-linux-battlenet-battle-net-wine-proton-lutris-script-ppa-ubuntu-mint-gamer-overwatch-diablo-world-warcraft

Há um tempo seria insensatez formar uma frase afirmando que o pinguim é viável para jogos. Contudo, se existe algo que aprendi nestes anos utilizando Linux, é que as coisas evoluem e mudam tão rapidamente no cenário de TI, que a cada dia um projeto bombástico pode ser revelado. Foi assim com o Proton e o Steam Play da Valve, mas existem games fora da loja da Steam e nem por isso você deixará de jogá-los. Caso tenha um game na Battle.Net e queira instalar em sua distro Linux, no meu caso o Overwatch, proceda conforme irei demonstrar.

Preparando o sistema


Mencionei anteriormente que a Blizzard não disponibilizou seu launcher para Linux, entretanto sua instalação é bem simples. Um passo extra será necessário, ao invés de simplesmente baixar o programa e instalá-lo, iremos utilizar “um intermediário”. Afinal, a Battlenet.Net não foi desenvolvida com o Linux em mente, mas através do Wine (que não é um emulador e sim uma camada de compatibilidade, digamos que ele traduz o que o programa para Windows diz para o Linux e vice-versa). Se ainda não configurou seu sistema para jogos, essa postagem pode lhe auxiliar. Se possui um computador com uma placa de vídeo NVidia, instale os drivers como no artigo acima, isso vale para utilizadores de placas AMD ou até mesmo APUs, ou processadores Intel (sem uma GPU offboard), contudo nestes casos a versão do Mesa Driver deve ser a mais atual (prefiro utilizar as últimas versões estáveis, e nada de tentar instalar driver da Nvidia em uma AMD ou processador Intel… Parece besteira, mas já recebi pedidos de ajuda por conta dessas gafes).

O Lutris também é o fiel escudeiro de todo gamer Linux, claro os que jogam títulos disponíveis para Windows. Temos um artigo demonstrando sua instalação.

A mágica do shell script


Que tal automatizar a instalação do Wine, do Vulkan, do Lutris e diversas bibliotecas exigidas para o bom funcionamento da Battle.Net no Linux? Você pode fazer os procedimentos manualmente ou seguindo os artigos que escrevemos no Diolinux. 

Pensando em sua comodidade, disponibilizamos um script para configurar de forma automática o Wine, Lutris, Vulkan e demais libs. Se você já tem o Driver de vídeo configurado, no caso das NVidias e o Mesa Driver para os demais. Basta, executar o script e esperar a mágica acontecer. Depois só nos resta instalar a Battle.Net, diretamente do Lutris.

Este script adiciona o repositório PPA do Lutris e o repositório do Wine, posteriormente instalando não só o Lutris em si, mas também o Wine, com adições de alguns pacotes indicados para rodar games que usem Vulkan, DXVK ou D9VK (libvulkan1 32 e 64 bits), além de adicionar alguns pacotes extras para garantir a compatibilidade com o lançador da Battle.Net.

Baixe o script diretamente do repositório do Diolinux no Github, clicando no botão “Clone or download”.

blizzard-launcher-games-jogo-linux-battlenet-battle-net-wine-proton-lutris-script-ppa-ubuntu-mint-gamer-overwatch-diablo-world-warcraft-script-github

Extraia o arquivo ZIP, entre no diretório que será criado de nome “Lutris-Wine-BattleNet-master”. 

Clique com o botão direito do mouse em cima do script, “Lutris+Wine+BattlNet.sh”, acesse a opção “propriedades” e marque a opção que permite a execução do arquivo como um programa na aba “Permissões”. Isso no caso do Ubuntu, utilizando o Nautilus, em outros ambientes gráficos os passos podem ser um pouco diferentes.

blizzard-launcher-games-jogo-linux-battlenet-battle-net-wine-proton-lutris-script-ppa-ubuntu-mint-gamer-overwatch-diablo-world-warcraft

Agora clique dentro do Nautilus, ou seu gestor de arquivos, com o botão direito do mouse (você deve clicar em algum espaço vazio, não em cima dos arquivos) e vá à opção “Abrir no terminal”.

Se você não permitiu a execução do script, conforme mencionei anteriormente um passo extra será exigido. Dar essas permissões.

sudo chmod a+x Lutris+Wine+BattlNet.sh

blizzard-launcher-games-jogo-linux-battlenet-battle-net-wine-proton-lutris-script-ppa-ubuntu-mint-gamer-overwatch-diablo-world-warcraft

Para executar o script utilize o comando abaixo, digite sua senha e espere a mágica acontecer (conexão com a internet é exigida).

./Lutris+Wine+BattlNet.sh
blizzard-launcher-games-jogo-linux-battlenet-battle-net-wine-proton-lutris-script-ppa-ubuntu-mint-gamer-overwatch-diablo-world-warcraft

Instalando a Battle.Net


Já configuramos tudo, só basta instalar o launcher da Blizzard. O Lutris é bem prático neste quesito e também automatiza tudo. Existem duas formas de instalar programas ou jogos no Lutris.

A primeira é acessando diretamente a página do programa em questão no site do Lutris, e clicar em “Install”.

blizzard-launcher-games-jogo-linux-battlenet-battle-net-wine-proton-lutris-script-ppa-ubuntu-mint-gamer-overwatch-diablo-world-warcraft

Um pop-up irá abrir, informando que este link precisa de um programa para ser aberto. Abra o link e ele vai te direcionar ao Lutris instalado em seu sistema.

blizzard-launcher-games-jogo-linux-battlenet-battle-net-wine-proton-lutris-script-ppa-ubuntu-mint-gamer-overwatch-diablo-world-warcraft

Outra forma é pesquisando diretamente no software do Lutris em seu computador por “Battlet.Net”, logo após clicar em “Install”.

blizzard-launcher-games-jogo-linux-battlenet-battle-net-wine-proton-lutris-script-ppa-ubuntu-mint-gamer-overwatch-diablo-world-warcraft

Algumas opções aparecerão, clique novamente em “Install” para versão “Standard”.

blizzard-launcher-games-jogo-linux-battlenet-battle-net-wine-proton-lutris-script-ppa-ubuntu-mint-gamer-overwatch-diablo-world-warcraft

Confirme o local da instalação.

blizzard-launcher-games-jogo-linux-battlenet-battle-net-wine-proton-lutris-script-ppa-ubuntu-mint-gamer-overwatch-diablo-world-warcraft

Caso o Lutris aconselhe a instalação do “Wine Mono”, instale o complemento.

blizzard-launcher-games-jogo-linux-battlenet-battle-net-wine-proton-lutris-script-ppa-ubuntu-mint-gamer-overwatch-diablo-world-warcraft-mono-framework

Aguarde o procedimento findar, isso dependerá de sua conexão com a internet.

blizzard-launcher-games-jogo-linux-battlenet-battle-net-wine-proton-lutris-script-ppa-ubuntu-mint-gamer-overwatch-diablo-world-warcraft

Daí em diante você pode proceder normalmente, como faria no Windows ou macOS, escolhendo seu jogo e efetuando a instalação.

blizzard-launcher-games-jogo-linux-battlenet-battle-net-wine-proton-lutris-script-ppa-ubuntu-mint-gamer-overwatch-diablo-world-warcraft

Você costuma jogar muito? Talvez irá gostar dos tutoriais ensinando a instalar a Epic Games Store ou a Uplay no Linux.


Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e compartilhe nosso conteúdo, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Lançadas novas versões do Wine, DXVK e D9VK

Nenhum comentário

terça-feira, 1 de outubro de 2019


Na última sexta-feira, dia 27, foi lançada a versão 4.17 do Wine com 14 correções de bugs. Em simultâneo, tivemos o lançamento da versão 1.4.1 do DXVK, e da versão 0.22 do D9VK. Vamos conferir agora quais são os aprimoramentos trazidos pelas novas versões destes softwares.
 
lancadas-novas-versoes-do-wine-dxvk-d9vk

Wine 4.17


Normalmente, duas vezes ao mês, a equipe do Wine faz um apanhado geral de todo o progresso dos últimos dias e lança uma nova build. Desta vez, na versão 4.17, além das 14 correções de bugs, também temos algumas novidades, das quais podemos destacar:

Nova versão da engine “Mono”, com várias correções de bugs.

A engine “Mono” é uma implementação do .NET Framework utilizada pelo Wine para rodar aplicações que dependem do “.NET” para funcionar.

Suporte para texturas comprimidas no formato DXTn.
Versão inicial da biblioteca Windows Script Runtime.
Suporte para notificações sobre a mudança de dispositivos XrandR. (Por exemplo: monitores)
Várias correções de bugs.

Veja aqui a nota de lançamento oficial com todas as novidades e correções de bugs.

DXVK 1.4.1


Apenas oito dias após o lançamento da versão 1.4 do DXVK, é lançada a versão 1.4.1. A quantidade de correções e novidades desta versão pode até parecer pequena. Porém, se considerarmos o espaço de tempo desde a versão anterior, fica muito claro como a equipe vem trabalhando duro e rapidamente para aprimorar o software.

Nesta versão mais recente do DXVK podemos destacar o seguinte:

Corrigidos alguns “crashes” em potencial no código do D3D10.
Corrigido bug que fazia o jogo Batman Arkham City “crashar”.
Reportando todas as GPUs como hardware Nvidia para contornar problema com a biblioteca AMDAGS, que passou a ocorrer após a última atualização no jogo Hitman 2.
Implementadas instruções de shader faltantes, a fim de corrigir “crashes” e falhas de renderização no jogo Ni No Kuni Remastered.

A lista completa dos aprimoramentos pode ser encontrada aqui.

D9VK 0.22


Menos de uma semana após o lançamento da versão 0.21, é lançado o D9VK 0.22. Assim como no caso do DXVK, considerando o espaço de tempo desde a versão anterior, não era de se esperar um grande número de correções e novidades.

Dentre as melhorias desta versão, podemos destacar:

Resolvido o problema que fazia com que alguns jogos enviassem notificações de erro, notificando ao usuário estar rodando drivers de vídeo muito antigos.
Corrigido bug de renderização de sombras em The Sims 2.

Uma lista completa dos aprimoramentos pode ser encontrada aqui.

No ritmo em que estamos vendo as coisas progredirem nos últimos tempos, no mundo dos jogos no Linux, não dá pra sentir outra coisa além de alegria e orgulho a respeito de como está a situação. Comparado, por exemplo, a como estava há dois anos. As novidades isoladas destas últimas versões, relatadas neste artigo, podem parecer poucas. Mas se formos olhar tudo o que foi feito nos últimos meses, ou no último ano, é realmente muita coisa.

O quê você acha sobre a forma, e a rapidez com que as distribuições Linux vêm evoluindo como uma plataforma para jogos?

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Por hoje é tudo pessoal! 😉

_____________________________________________________________________________

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Ubuntu detalha plano para o suporte de 32 bits no sistema

Nenhum comentário

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Quem acompanha o blog, sabe que há uns 3 meses, o Ubuntu “se meteu em uma enrascada”, em relação ao fim do suporte aos pacotes e para a arquitetura de 32 bits e foi obrigado a voltar na decisão. Você pode conferir a cobertura do blog aqui e aqui.

Ubuntu detalha plano para o suporte de 32 bits no sistema





Pensando nisso, a Canonical, fez uma análise e mapeou quais pacotes, bibliotecas (libs) e dependências mais populares eles precisam manter e quais poderiam dar o “devido descanso do Arquivo Morto”. 

Em comunicado feito no Discourse do Ubuntu, Steve Langasek fez o seguinte comentário:

“Com base no nosso compromisso de continuar a oferecer suporte ao i386 no Ubuntu, montamos uma lista de pacotes para os quais conseguimos determinar se há demanda do usuário com base no feedback até o momento. Os pacotes listados abaixo são os que estamos comprometidos em levar adiante para o 20.04 em paridade com amd64. (Também, necessariamente, levaremos adiante vários outros pacotes dos quais os incluídos nesta lista dependem ou dependerão da compilação.)”

Ainda explicou como chegou na lista, em que eles reuniram binários que apenas existiam em i386 (32 bits) e não tivesse uma versão amd64 (64 bits), filtro usado na lista para excluir pacotes que duplicam a funcionalidades disponíveis sob um nome de pacote diferente nos sistemas amd64 ou que são específicos para o hardware que não é compatível com 64 bits. O comando usado foi:

join -j1 -v1 <(sed -n -e’s/^Package: //p’ /var/lib/apt/lists/archive.ubuntu.com_ubuntu_dists_eoan_binary-i386_Packages | sort -u) <(sed -n -e’s/^Package: //p’ /var/lib/apt/lists/archive.ubuntu.com_ubuntu_dists_eoan_binary-amd64_Packages | sort -u) | grep -vE ‘^lib64|amd64$|linux-gnu|ia32$|signed-template$|mkl|sse|^strace64$|^xserver-xorg’


Feito isso, foi gerada uma lista de 52 pacotes, que inclui o Wine e a Steam. Com uma análise mais detalhada, eles chegaram a alguns programas que dependem do 32 bits ainda, como por exemplo Unity3d; godot; SDL-based games; drivers de impressoras. Com isso chegaram a 43 libs runtimes. Algumas são:

● steam
● steamcmd
● wine32
● wine32-development
● wine32-development-preloader
● wine32-development-tools
● wine32-preloader
● wine32-tools
● znes

Ao todo, quase 200 pacotes de código-fonte que serão mantidos nas próximas versões do Ubuntu (19.10 e 20.04 LTS). Para conferir a lista completa e o anúncio, basta clicar aqui.

Por hora, nada vai mudar nas ferramentas mais populares (lutris/wine/steam) e drivers (impressoras, vídeo e afins), isso vai ajudar a “limpar” o sistema e ao mesmo tempo deixar ele compatível. Em casos mais extremos, o que se pode adotar é o empacotamento snap ou flatpak. 

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Como instalar o WineHQ no Ubuntu de forma correta

Nenhum comentário

sábado, 31 de agosto de 2019

Há um tempo, fiz um tutorial de como preparar o seu Ubuntu ou Mint para jogar, nele ensinei como instalar o Wine que está no repositório do Ubuntu e do Mint. Hoje vou ensinar como instalar o WineHQ, direto da “fonte”.

Como instalar o Wine no Ubuntu de forma correta






Antes de prosseguirmos, vamos reforçar mais uma vez, que o Wine não é um emulador, tanto que Wine é um acrônico de “Wine Is Not an Emulator". Feito isso vamos ao tutorial.

Primeiro vamos acessar o site winehq.org e ir na sessão Download.



Depois vamos para a sessão referente ao Ubuntu.



Bom, agora vamos precisar fazer alguns ajustes para depois começarmos a instalar o WineHQ. Primeiro vamos instalar o pacote libfaudio0 que a partir da versão 4.5 do Wine, é uma dependência essencial para o aplicativo. Se você estiver utilizando o Ubuntu 19.10, os pacotes FAudio já estão nos repositórios, portanto pode pular para a parte que adiciona o suporte à 32 bits.

Para instalar no Ubuntu 18.04.3 ou Mint 19.x, você vai utilizar esses dois comandos no Terminal, um para a versão de 64 bits (AMD64) e o outro de 32 bits (i386). No momento a versão da lib é a 19.07-0, mas pode mudar, então é bom sempre ficar de olho aqui

Recomendamos salvar em pastas que você tenha acesso, como a pasta Downloads, que para acessar via terminal seria assim:


Aí dentro da pasta, você roda os seguintes comandos para baixar:

wget https://download.opensuse.org/repositories/Emulators:/Wine:/Debian/xUbuntu_18.04/amd64/libfaudio0_19.07-0~bionic_amd64.deb

wget https://download.opensuse.org/repositories/Emulators:/Wine:/Debian/xUbuntu_18.04/i386/libfaudio0_19.07-0~bionic_i386.deb

Agora vamos instalar, com o seguinte comando:

sudo dpkg -i libfaudio0_19.07-0~bionic_amd64.deb libfaudio0_19.07-0~bionic_i386.deb
Se tiver algum problema, é só rodar o comando:

sudo apt --fix-broken install

Para instalar no Ubuntu 19.04, você vai utilizar esses dois comandos no Terminal, um para a versão de 64 bits (AMD64) e o outro de 32 bits (i386). No momento a versão da lib é a 19.08-0, mas pode mudar, então é bom sempre ficar de olho aqui.

Aí dentro da pasta, você roda os seguintes comandos para baixar:

wget https://download.opensuse.org/repositories/Emulators:/Wine:/Debian/xUbuntu_19.04/i386/libfaudio0_19.08-0~disco_i386.deb

wget https://download.opensuse.org/repositories/Emulators:/Wine:/Debian/xUbuntu_19.04/amd64/libfaudio0_19.08-0~disco_amd64.deb

Agora vamos instalar, com seguinte comando:

sudo dpkg -i libfaudio0_19.08-0~disco_amd64.deb libfaudio0_19.08-0~disco_i386.deb

Se tiver algum problema, é só rodar o comando:

sudo apt --fix-broken install
Agora vamos adicionar o suporte para 32 bits se o seu sistema for de 64 bits (que muito provavelmente é). Basta rodar esse comando:

sudo dpkg --add-architecture i386

Vamos adicionar o repositório e a key (chave):

wget -nc https://dl.winehq.org/wine-builds/winehq.key

sudo apt-key add winehq.key

Feito esses procedimentos, vamos adicionar o repositório.

Para Ubuntu 18.04.3 : sudo apt-add-repository 'deb https://dl.winehq.org/wine-builds/ubuntu/ bionic main'

Para Ubuntu 19.04 : sudo apt-add-repository 'deb https://dl.winehq.org/wine-builds/ubuntu/ disco main'

Para Ubuntu 19.10 : sudo apt-add-repository 'deb https://dl.winehq.org/wine-builds/ubuntu/ eoan main'
Se tudo ocorreu dentro dos conformes e sem erros, vamos dar aquela atualizada: sudo apt update

 Agora instalando o WineHQ


No repositório deles, tem 3 versões do Wine, sendo: Stable branch, Development branch e Staging branch. Para instalar eles é bem fácil, basta escolher o comando respectivo para cada versão.

sudo apt install --install-recommends winehq-stable -y

sudo apt install --install-recommends winehq-devel -y

sudo apt install --install-recommends winehq-staging -y

Aí é só esperar a instalação completar e desfrutar o Wine direto da “adega” 😂. Para aqueles que jogam games do Windows no Linux, a recomendação é usar o WineHQ Staging.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Emulador de Nintendo Wii U no Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 22 de agosto de 2019

O Nintendo Wii U não foi um super campeão de vendas da Nintendo, não caindo nas graças do povão. No entanto, a plataforma possui jogos incríveis, e você dono de um Wii U sabe muito bem de quais games estou falando (😋️😋️😋️). Se por algum motivo você quer se divertir jogando os títulos de Wii U em seu computador, especificamente no Linux, eis como proceder.

nintendo-wiiu-emulador-decaf-cemu-windows-linux-wine-pol-playonlinux-lutris-ubuntu-mint-deepin

Atualmente existem dois emuladores de Nintendo Wii U, o Decaf-emu e o Cemu. Sendo o primeiro software livre e o segundo proprietário. No momento apenas o Decaf-emu possui versão nativa para Linux, porém, o Cemu pode ser executado facilmente no sistema do pinguim. Vamos demonstrar a instalação deste emulador no Linux.

Alguns podem fazer a seguinte pergunta: “Porque não indicar o Decaf-emu?”. O Decaf-emu parece ser promissor, mas sua performance ainda não é comparável a do Cemu e o emulador sofre de alguns problemas. Uma curiosidade é que alguns desenvolvedores do Cemu “trocam figurinhas” com o pessoal do Decaf-emu, de modo a amadurecer o projeto e auxiliar em seu desenvolvimento. Outro ponto interessante é a adoção do Vulkan que está há algum tempo sendo implementada e testada no Decaf-emu, algo que acabou refletindo no Cemu. 

Os desenvolvedores do Cemu passaram a estudar a implementação do Vulkan, e já foi lançada uma versão exclusiva para apoiadores do projeto, que contribuem com 5 dólares via Patreon, com o desenvolvimento inicial utilizando a API. Um passo importantíssimo para usuários de GPU AMD no Windows (que não possuem uma performance equivalente, comparado à GPUs NVidia no sistema da Microsoft), e quem sabe acabe refletindo para os usuários Linux. Os desenvolvedores do Cemu já demonstraram interesse para disponibilizarem seu emulador para Linux, porém, afirmavam que o projeto ainda não estava maduro suficientemente para tal empreitada. Com a implementação do Vulkan, sendo uma alternativa ao OpenGL, quem sabe os testes para Linux estejam se aproximando (não custa nada sonhar 😁️😁️😁️). Enquanto isso, irei demonstrar a instalação da versão para Windows.

Cemu via Lutris


Existem diversas maneiras de se utilizar o Cemu no Linux, uma das mais práticas é via Lutris. Obviamente, por ser uma aplicação destinada ao Windows, teremos que instalar o Wine (responsável por executar programas desenvolvidos para o sistema da MS).


Com tudo configurado, e com o Lutris instalado, abra o Lutris e em sua caixa de pesquisa digite: “Cemu” e clique em “Search Lutris.net” (para pesquisar no site da aplicação). Não se assuste se o resultado não for de imediato, aguarde alguns segundinhos.

nintendo-wiiu-emulador-decaf-cemu-windows-linux-wine-pol-playonlinux-lutris-ubuntu-mint

Selecione o Cemu, depois clique no botão “Install” e aguarde todo processo.

nintendo-wiiu-emulador-decaf-cemu-windows-linux-wine-pol-playonlinux-lutris-ubuntu-mint

Outro modo, é abrindo diretamente em seu navegador o site do Lutris, pesquisar pelo Cemu ou acessar diretamente por este link, e clicar no botão “Install”.

nintendo-wiiu-emulador-decaf-cemu-windows-linux-wine-pol-playonlinux-lutris-ubuntu-mint

Uma janela abrirá, perguntando se quer executar aquela requisição via Lutris, clique em “Abrir Link” e no Lutris instale o emulador.

nintendo-wiiu-emulador-decaf-cemu-windows-linux-wine-pol-playonlinux-lutris-ubuntu-mint

Agora o Cemu já estará instalado em seu sistema e com o adicional do Cemu Hook, um complemento que auxilia na execução dos jogos. Mas, nem sempre o script de instalação do Lutris acompanha as últimas versões do emulador, entretanto, não se preocupe. Podemos contornar esse “probleminha”, facilmente. Conforme você pode observar no link da página do Cemu no Lutris, que deixei logo acima, perceberá que existem duas versões disponíveis do emulador (Cemu 1.15.8 e Cemu 1.15.11). Indo no site do Cemu, a última versão para download é a 15.11.12b (16/08//2019).

O que fazer? Baixe a última versão do site, descompacte o arquivo. Copie o conteúdo e substitua pelo emulador do Lutris. Para acessar os arquivos do Cemu via Lutris, clique sobre o ícone do Cemu no Lutris com o botão direito do mouse e vá à opção “Browse files”. O diretório será aberto em gerenciador de arquivos. Substitua os arquivos pelos que baixou do site do Lutris. A cada nova versão, repita o procedimento.

nintendo-wiiu-emulador-decaf-cemu-windows-linux-wine-pol-playonlinux-lutris-ubuntu-mint

Lembrando que devido à instalação do Cemu via Lutris, o Cemu Hook continuará habilitado. Não precisa renomear os diretórios ou algo do tipo.

Em meu canal (OSistemático) demonstrei como efetuar a instalação do Cemu + Cemu Hook via PlayOnLinux. No entanto, a forma demonstrada via Lutris é muito prática e economiza diversos passos. Se por algum motivo prefere via POL, veja o vídeo abaixo (também demonstro as configurações do Cemu).


O Cemu é um emulador fantástico, mas os jogos de Wii U exigem um hardware voltado a jogos. Claro, que você poderá testar em sua máquina. A critério de comparativo, o Super Smash Bros é executado em 60fps (com pequenas quedas) em uma APU AMD A10 7890k no Ubuntu 18.04 (GNOME), sem placa de vídeo dedicada. Alguns ajustes podem ser feitos para melhor performance de cada título em particular, na internet existem inúmeros vídeos demonstrando o passo a passo.

Conforme os requisitos do site do Cemu, a utilização de uma placa de vídeo AMD ou NVidia é um dos requisitos e em alguns casos, as APUs AMD conseguem executar determinados jogos. Se possui uma máquina modesta, vale o teste, mas não espere muito.

Você poderá utilizar o Cemu via POL, Lutris ou diretamente no Wine. O intuito deste tutorial é auxiliar os iniciantes e demonstrar que o procedimento pode ser feito via interface gráfica e de forma bem simples.

Até o próximo post, e tenha uma boa jogatina, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: Lutris, Cemu, Decaf.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Proton 4.11 é lançado com muitas novidades para gamers Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

A semana começou agitada para quem gosta de games e é usuário de Linux. Primeiro foi a NVIDIA lançando versões novas de drivers, agora a Valve trazendo uma nova versão do Proton e uma nova ferramenta de sincronização de objetos nos jogos. 

Proton 4.11 é lançado com muitas novidades  para gamers Linux





A primeira novidade é em relação ao Proton, que chegou com várias melhorias, correções de bugs e um salto na sua versão. Começando com a versão, que antes era a 4.2-9 e agora foi para 4.11, assim seguindo a mesma versão do Wine. Com isso trouxe:

● 3300 melhorias do Wine para o Proton e 154 patches do Proton 4.2 não são mais necessários ou foram para o upstreamed.

DXVK atualizado para a versão 1.3;

FAudio atualizado para a versão 19.07;

● Corrigido o input lag e adicionado suporte a rumble em alguns jogos que utilizam a Engine Unity;

Dentro deste update do Proton, dois se destacam, como a adição do D9VK e a mudança de alguns “módulos’ para Windows PE.

Sobre o D9VK, ele está vindo embutido em modo experimental, tendo que ser ativado manualmente no momento. O D9VK vinha sendo testado desde Junho, de acordo com o dev Joshua Ashton. Agora a Valve vai estar financiando de forma mais direta. Para ativar o D9VK nos jogos e assim experimentá-lo, você vai precisar colocar o seguinte parâmetro no jogo dentro da Steam: PROTON_USE_D9VK=1 %command%

A outra novidade é a mudança de alguns módulos do Wine, que antes eram em libs feitas no Linux e agora estão sendo construídas sobre as libs do Windows PE. Isso pode ajudar na compatibilidade de alguns sistemas de DRM e anti-cheat, conforme vai avançando o trabalho, a compatibilidade vai ficando mais madura e eficiente.

Para mais detalhes sobre essa versão do Proton, pode ser consultada aqui.

Agora a outra grande novidade é o começo dos testes do fsync, para melhorar a sincronização em processos a ser baseado no futex. Quando a Valve começou o desenvolvimento do Proton, encontrou problemas com jogos multi-threaded, assim trabalhou em conjunto com a CodeWeavers e desenvolveu um patchset, o “esync”, para resolver esses problemas. A princípio funcionou, mas precisava de várias configurações e poderiam causar problemas de exaustão nos aplicativos.

Por isso a Valve preferiu trabalhar em uma nova solução, o fsync. Com essa nova funcionalidade, o ganho nos games é esperado, visto que vai ser trabalhado junto ao kernel, tanto que a Valve mandou uma sugestão de mudança, para que ela seja “acomodada” no Kernel Linux.

Se você quiser testar esse kernel modificado pela Valve e testar às melhorias do fsync, eles publicaram um tutorial de como fazer isso.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Veja como instalar a Uplay no Linux de forma fácil

Nenhum comentário

terça-feira, 16 de julho de 2019

Hoje em dia, quando se fala em jogos, temos várias lojas como Origin, da EA Games, Battle.net da Blizzard, GOG Galaxy (GOG), Steam, a Epic Games a Epic Games Store e a Uplay da Ubisoft. Nesse tutorial de hoje vamos te ensinar a instalar ela no Linux.

Veja como instalar a Uplay no Linux de forma fácil





Vamos para a instalação da UPLAY


Para “começo de conversa”, vamos preparar o Linux para rodar jogos, para não nos estendermos demais, recomendo que siga o guia que criamos para isso. Tá bem explicadinho e detalhado.

Depois de preparado o Linux e instalado o Lutris, como ensinado em nosso artigo, você pode instalar a Uplay de duas formas. A primeira é buscar dentro do próprio Lutris por ela, como mostra a Figura abaixo. Depois é só clicar em “Install” (Na imagem abaixo, o botão de instalar apareceria onde está escrito “Play”)



A segundo forma, é utilizando o site do Lutris. Na barra de buscas (Search), procure por “Uplay”, e depois clique no ícone da loja.







Clique em “Install”, o Lutris ou um pop-up irá abrir.

Aguarde a instalação e usufrua dela. Vale lembrar que alguns jogos podem não funcionar, como o Rainbow Six Siege (R6), que por causa do Anti-cheat do jogo, barra o Wine/DXVK. Dos 7 jogos que tenho lá, tirando o R6, alguns rodaram de forma satisfatória. Os jogos que peguei lá foram os oferecidos de graça, como o UNO Demo, Rayman Legends Demo, World in Conflict, e alguns Assassin’s Creed, como o Black Flag, o Unity e o Chronicles China. Já o Watch_Dogs 1, funciona quase que 100%, mas o som não funciona na gameplay, já nos menus sim. 

Pode ser que isso acontece em alguns títulos ( seja necessário alguma configuração extra), mas isso não quer dizer que seja “pra sempre” essa situação.

Se você estava precisando daquela ajudinha para rodar a Uplay, espero que esse tutorial lhe ajude. 😁

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo