Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo.

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta manjaro. Classificar por data Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta manjaro. Classificar por data Mostrar todas as postagens

Migrando do Ubuntu para o Manjaro Linux - Guia completo

Nenhum comentário

segunda-feira, 13 de março de 2017

A migração de uma distribuição como o Ubuntu para outra como o Manjaro pode ser um pouco complicada para iniciantes, então vamos fazer aqui um guia completo com todas as informações que você precisa para poder fazer a troca de sistema ser ter muito impacto na sua produtividade.

Guia de migração do Ubuntu para o Manjaro



O Manjaro é uma distribuição Linux baseada do Arch Linux, mas ao contrário da distribuição em que se baseia, o Manjaro procura trazer para o usuário final uma série de recursos e ferramentas para facilitar a configuração do sistema e a sua utilização.

Atualmente o Manjaro possui três versões "oficiais", por assim dizer, e mais uma série de versões comunitárias, sendo que as versões "oficiais" são as com interface XFCE, KDE, além da versão de instalação mínima.
Veja: Confira a review do Manjaro XFCE.
Para darmos sequência ao nosso guia, vamos utilizar a versão com KDE do Manjaro, isso porque considero que os recursos presentes do KDE, sua aparência e funcionalidade, tornem ao ambiente um pouco mais próximo do Ubuntu com Unity do que a versão com XFCE, além disso, particularmente gostei mais desta versão do que a com XFCE, entretanto, boa parte das dicas que serão dadas neste guia poderão ser utilizadas em qualquer versão do Manjaro.

Então fique ligado(a)!

Fazendo o download do Manjaro Linux


O Manjaro está disponível com várias interfaces gráficas diferentes, como eu já havia comentado, temos versões de 32 e 64 bits disponíveis atualmente também, se você tem hardware modesto, a recomendação é utilizar o XFCE, ele vai ser mais leve para o seu computador, se você gosta de um desktop com um design rebuscado e com mais recursos, a versão com KDE talvez seja uma opção melhor. Claro que isso é muito relativo ao seu gosto, mas são alguns sugestões prévias que eu posso lhe dar.


Download do Manjaro Linux

Observe que você tem também a opção de baixar por torrent, que é inclusive a forma que eu recomendo que você baixe a ISO, assim você descarta praticamente qualquer possibilidade de baixar uma imagem corrompida. Essa dica vale para qualquer sistema que você for baixar, não só para o Manjaro.

Criando um Pen Drive ou DVD Bootável do Manjaro Linux

Essa parte é simples, se você já fez a instalação do Ubuntu, não haverá qualquer problema, pois o processo é idêntico.  A iso do Manjaro KDE que eu baixei tem pouco mais de  2GB.

Para criar o pen drive bootável do Manjaro você pode usar  o Etcher ou o Unetbootin, tanto no Windows, quanto em qualquer outra distribuição.

A instalação do Manjaro Linux


A instalação do Manjaro não é mais complicada que a do Ubuntu, ambas são realmente muito simples, então, você que está acostumado com o Ubuntu e quer migrar para o Manjaro não deve ter muita dificuldade quanto a isso.

Mesmo assim, vamos mostrar aqui o processo de instalação. Depois que você der boot, você verá uma tela como esta:

Manjaro Linux

Na primeira tela que aparece você já tem uma série de opções, mas vamos nos limitar a duas, idealmente visando usuários iniciantes, que são em sua maioria o público do Ubuntu. 

Isso deixa as nossas escolhas ainda mais simples, por via das dúvidas, você sempre pode ir diretamente na primeira opção "Start Manjaro Linux", outra opção que você pode utilizar é a segunda, "Start (non-free drivers)", essa segunda opção permite que sejam usados drivers proprietários contidos no Manjaro no modo live do sistema, isso pode ser útil no caso de você estar usando uma placa de vídeo muito nova, com eles provavelmente a resolução da sua tela ficará correta, no entanto, na maior parte dos casos a primeira opção funcionará perfeitamente.

Observe a parte inferior da tela também, você pode ver o menu de ajuda pressionando "F1" e até mesmo mudar a linguagem do instalador pressionando "F2", pressionando "F4" você pode alterar algumas configurações na inicialização do Kernel, essa opção é destinada somente a usuários mais avançados, onde você poderá desabilitar alguns recursos como o ACPI, por exemplo.

Selecionado a primeira opção nós iremos para a próxima etapa da instalação.

Manjaro Desktop

Após aguardar alguns instantes você deverá chegar até à área de trabalho do Manjaro, que neste caso é o com o ambiente gráfico KDE Plasma. Logo na chegada você verá esta tela que se apresenta ao centro da imagem acima, este o é novo "Hello", o antigo "Manjaro Welcome", uma aplicação remodelada, com outro nome, porém com a mesma função da antiga. 

Através dela você conseguirá acessar várias informações que podem ser importantes para você, como um usuário do sistema. Existem fóruns e canais oficiais para você tirar as suas dúvidas sobre o Manjaro, assim como você tem no seu Ubuntu, a grande diferença talvez seja a documentação online feita pelos próprios usuários, o Ubuntu, até por ser um sistema mais antigo, possui diversos tutoriais espalhados pela internet, o Manjaro também tem, mas em menor número, porém, seguindo o nosso guia e com um pouco de sorte você não precisará se preocupar com isso. 😄

Repare que nesta tela existe a opção de "Iniciar a instalação" do sistema, se você fechar essa janela você também encontrará o instalador pelo menu, então aproveite o modo Live para testar tudo o que você quiser no seu Manjaro.

Manjaro Linux


Quando se sentir pronto ou pronta, clique na opção de instalar, ela vai abrir o instalador do Manjaro, assim como o Ubiquity do Ubuntu, ele é todo gráfico e muito intuitivo, seu nome é Calamares.

Calamares Manjaro

A primeira coisa que você tem a fazer nesta tela é selecionar o seu idioma preferencial, clique na cortina de opções ao lado da palavra "Language" e selecione o idioma de sua preferência, no meu caso é o bom e velho Português do Brasil.

Instalador Manjaro Calamares - Idiomas

Automaticamente o instalador é traduzido para o idioma selecionado, podem haver algumas coisas não completamente traduzidas, mas isso não deverá te atrapalhar, observe o painel do lado esquerdo, nele você poderá acompanhar em que passo do processo de instalação você está.

Depois de selecionar o idioma clique no botão "Próximo".

Configuração de fuso Manjaro

Nesta etapa você deve selecionar a sua localização, lembrando que caso você esteja dentro do fuso horário de São Paulo (o mesmo de Brasília) é importante que você clique no "mapinha" antes de avançar, caso contrário o idioma do sistema continuará em Inglês, ainda que, como você vai ver mais tarde, mudar o idioma não seja algo muito complicado.

Se preferir mudar manualmente, basta clicar nos botões "Mudar..." que aparecem na tela, depois de tudo configurado à gosto, clique no botão "Próximo".

Configuração do teclado Manjaro

A próxima etapa da instalação é onde você definirá o layout do seu teclado, você que está acostumado com o Ubuntu sabe que o instalador do sistema da Canonical normalmente configura automaticamente o seu teclado assim que você seleciona o idioma, no entanto, isso não acontece no Calamares do Manjaro, por isso, observe na lista da esquerda os idiomas, procure por "Portuguese (Brazil)", provavelmente o seu teclado será o padrão, mas por via das dúvidas, você pode usar campo que fica abaixo deste painel de seleção para digitar algumas teclas cabais, como o "Ç", acentos, etc. e ver se o teclado responde corretamente.

Caso o seu teclado seja diferente, você pode selecionar um outro formato de teclas nas opções do painel da direita ou ainda na caixa de seleção superior, onde você pode escolher por modelos específicos, veja a imagem que aparece no topo, ela vai te ajudar a encontrar um layout que "bata" com o teclado que você usa caso seja necessário.

Depois de tudo configurado, mais uma vez clique no botão "Próximo".

Particionamento do Manjaro

A tela seguinte da instalação é uma das mais importantes, é onde você fará o particionamento do seu sistema operacional, é o local onde você irá fazer o dual boot também, caso seja esta a sua intenção.

A seta vermelha indica uma função também presente no instalador do Ubuntu que permite que você criptografe a sua pasta home no Manjaro, abaixo desta opção você verá o particionamento atual do disco e logo abaixo você pode ver como ele irá ficar caso você use a opção que está selecionada na parte superior da tela.

O modo mais simples é formatar o disco todo, basta selecionar a primeira opção e avançar, porém, isso vai apagar qualquer arquivo que esteja no seu computador, então faça backup dos seus dados antes de usar esta opção.

Se você quer fazer você mesmo as suas partições, selecione a opção "Particionamento manual" e avance clicando no botão "Próximo".

Particionamento manual

Nesta tela você poderá criar as partições como bem entender, o utilitário de particionamento do Calamares lembra muito o funcionamento do Gparted, esse parte pode ser considerada um pouco mais avançada, então se você não sabe muito bem o que são sistemas de arquivos, e palavras como MBR, GPT, ponto de montagem e coisas do tipo são estranhas para você, vale a pena dar uma estudada antes, especialmente se você possui partições com dados no seu computador que não podem ser perdidas. Lembra do Backup, né?

As imagens acima refletem um sistema que tem um disco vazio ou formatado, abaixo você vê o exemplo de opções que surgem quando você já tem um sistema instalado, no caso, nós temos o Windows 7 como exemplo, você pode fazer dual boot facilmente selecionando a primeira opção, pode substituir uma partição existente, como a do Windows ou de qualquer outro sistema, ou ainda um "disco D" ou partição extra que você tenha, além das opções que já apareciam anteriormente.

Particionamento Manjaro

Caso você deseje fazer o dual boot, marque a primeira opção e clique na primeira barra verde para indicar a partição que você deseja diminuir o espaço para instalar o Manjaro, logo após o seu clique, a barra que fica embaixo permitirá um redimensionamento, você pode escolher o tamanho que a partição terá simplesmente deslizando o controle para direita ou para esquerda.

Configurando Partições Manjaro

Independente do método que você escolha para particionar, após fazer as seleções e configurações de sua preferência, tudo o que nos resta é avançar para próxima etapa da instalação.

Clique no botão "Próximo".

Criação de usuários Manjaro

Nesta etapa é onde criamos o usuário do nosso Manjaro, ela é bem parecida a que você está acostumado no Ubuntu, mas tem uma pequena diferença, por isso vou explicar cada um dos elementos, vamos lá?

1 - Digite o seu nome, este nome é o que aparece na tela de login do sistema e também no menu do KDE Plasma, pode escrever como você quiser.

2 - Este é o nome de usuário que o sistema "enxerga", portanto ele deverá ser com caracteres minúsculos para facilitar o seu manuseio, além disso, ele pode ser diferente do seu nome de usuário definido no passo 1, porém lembre que o sistema fará a associação entre os dois nomes, então se você colocar como seu nome "João Carlos Silva Santos" e colocar o seu usuário como "joao", o sistema associará os dois, um respondendo pelo outro, obviamente você poderá mudar o seu nome depois nas próprias configurações do sistema, como qualquer outro sistema, mas fica aí a dica. Eu gosto de deixar o mesmo nome em ambos.

3 - A terceira opção define o nome do computador para a rede, aqui você pode colocar qualquer nome também, por padrão o Manjaro pega o seu nome de usuário, acrescenta um hífen e coloca "pc" posteriormente.

4 - Aqui você deve definir a senha que será usada para logar no sistema operacional, é necessário digitar duas vezes a mesma senha para que haja confirmação. Atenção, esta não é, teoricamente a senha que você usa para instalar programas, como sudo ou como root. Entenda melhor à seguir no item 6.

5 - A opção, se marcada, faz com que você entre diretamente no sistema sem precisar digitar senha, ou seja, você não verá a tela de login do Manjaro marcando essa opção, obviamente é mais seguro para os seus dados ter um tela de login ativa, mas isso é algo puramente pessoal, então você deve escolher o funcionamento da forma que achar mais conveniente.

6 - Aqui temos um diferencial para a instalação convencional do Ubuntu. Por padrão o Ubuntu adiciona o seu usuário ao arquivo "sudoers", fazendo com que você possa usar a sua senha de usuário para fazer funções de root sem te questionar, ainda que o usuário root não tenha senha definida por padrão. No Manjaro, assim como no Fedora com o instalador Anaconda, você pode definir na própria instalação senhas diferentes para o usuário root e para o seu usuário. Marcar a opção indicada pelo número 6 fará com que o comportamento do Manjaro seja como o do Ubuntu e neste caso ele vai usar a mesma senha que você digitou no passo 4. Caso você queira usar uma senha diferente para o root, deixe DESMARCADA essa opção.

7 - Esta opção só aparece caso você não tenha marcado a opção indicada do item 6 da nossa lista, assim a senha que você colocar aqui pode ser diferente da senha da sua conta de usuário, essa será a senha que você usará para instalar programas no seu Manjaro e fazer alterações que envolvam o root, então escolha com sabedoria e não esqueça ela!

Depois de configurar o seu usuário, clique no botão "Próximo" para avançarmos.

Resumo da instalação

Na tela que se apresenta na sequência, você verá o resumo das configurações que fez até agora, dando a você uma chance de ter a certeza de que configurou tudo como queria, caso algo esteja errado, você pode clicar no botão "Voltar" para retroceder as etapas até achar as opções que você deseja reajustar, ou simplesmente clicar no botão "Cancelar" para fechar o instalador e começar tudo novamente.

Se tudo estiver do seu agrado, vamos avançar para a instalação, clique no botão "Próximo" uma vez mais.

Instalação Manjaro Linux

À partir de agora você só precisa aguardar a instalação, assim como no Ubuntu, alguns slides vão mostrar detalhes interessantes sobre o Manjaro, então tome um café, uma água, e aguarde alguns minutos.

Finalizando a instalação do Manjaro

Depois da instalação ser completada, você pode fechar o instalador e continuar testando no modo live, ou marcar a caixa que diz "Reiniciar agora" e clicar no botão de "Sair" para reiniciar o computador para poder usar o seu Manjaro instalado diretamente do HD/SSD.

Dica: Lembre de remover a unidade bootável do computador, seja pen drive ou DVD, caso contrário você vai acabar voltando para a tela de instalação.

Depois da instalação, vamos para a parte onde você vai conhecer alguns dos recursos particulares do Manjaro, vai aprender a instalar alguns programas, e também aprender a usar o terminal na sua nova distro.

O que fazer depois de instalar o Manjaro


Em alguns aspectos o Manjaro se parece mais com o Linux Mint do que com o Ubuntu, por exemplo, não há necessidade de você instalar codecs comuns para reprodução de mídia, o próprio sistema já o carrega por si.

Propriedades do painel

De agora em diante, é bom que você entenda que estamos utilizando a interface KDE Plasma, então algumas coisas podem ser diferentes, variando de interface para interface, vide novamente o vídeo review sobre o Manjaro com XFCE que você encontra no início do artigo. Um exemplo destas diferenças é o programa Octopi, esse "fantasminha camarada" que você pode ver na barra do Plasma, no XFCE você encontrará um programa chamado PAMAC para as mesmas funções, ambos são gerenciadores de pacotes semelhantes ao Synaptic.

Assim como o Ubuntu, o Manjaro já vem com programas para praticamente todas as funções básicas e até alguns mais avançados que não fazem parte do Ubuntu por padrão, como o Krita e o Inkscape, então explore as categorias de programas no menu do sistema para conhecer melhor as ferramentas que você tem à sua disposição na instalação padrão antes de correr para instalar aplicações.

Assim como eu sempre falo nos tutoriais de pós instalação do Ubuntu, não é porque o sistema acabou de ser lançado que não existem atualizações, no mundo Linux isso acontece em todas as distros, então no Manjaro não é diferente, especialmente pelo fato do Manjaro ser Rolling Release, isso significa que não existem versões diferentes do sistema, apenas evoluções, instando o sistema uma única vez, em tese, basta ir atualizando para ter sempre as novidades, esse tipo de modelo tem vantagens e desvantagens, como já comentei neste vídeo. 

Dependendo da "idade" da ISO que você baixou, você terá muitas atualizações para serem feitas, então é bom começar agora, não é?

Observe mais uma vez o ícone do "fantasminha" que fica ali na sua barra do Plasma, ele chama-se "Octopi" (pelo nome, talvez seja um polvo?), você encontra ele também no menu do seu sistema sob o nome de "Adicionar/Remover programas". 

Na barra, clique nele com o botão direito do mouse e clique na opção "System Upgrade", se houverem atualizações, você pode fazer à partir da tela que vai se abrir. Você também pode gerenciar as atualizações através da interface do Octopi.

Ah sim! Você deve ter percebido que eu já mandei você direto para um programa que não tem uma interface tão intuitiva quanto uma Central de Aplicativos, como você está acostumado no Ubuntu, isso acontece porque o Manjaro em si não disponibiliza nativamente uma aplicação do tipo, mas o interessante é que você não precisa obedecer esta regra, o projeto KDE possui uma central de aplicativos que funciona com os repositórios padrões do Manjaro, ela se chama "Discover", você pode instalar ela à partir do Octopi.


Procure pelo "Discover" no campo de busca, clique com o botão direito no pacote e selecione a opção de "Instalar", depois de marcado para a instalação, clique no ícone de "certo", confirmando a instalação, esse ícone fica ado lado da cabeça do "alien" que fica ao lado da barra de pesquisa, siga as instruções na tela para efetuar a instalação, será necessário informar a sua senha para poder instalar a aplicação.


Depois de instalado, o Discover será encontrado no menu do sistema, você pode usar ele para instalar, remover e atualizar aplicações que estejam nos repositórios normais do Manjaro, não funciona para o AUR, infelizmente, aliás, já, já eu falo dele.

Discover Plasma no Manjaro

A instalação de programas no Manjaro


Acho que você já deve ter percebido mais ou menos como funciona a instalação de pacotes no Manjaro, apesar de você poder usar uma interface mais bem acabada visualmente como o Discover, o "mestre dos magos", ao menos na versão com KDE, é o Octopi.

A coisa que mais causa estranheza para usuários do Ubuntu é que quando você vai até um site como do Google Chrome, Dropbox, WPS Office, Caixa, Steam, etc, você não encontra nem sequer uma menção ao Manjaro, da mesma forma que você encontra referências ao Ubuntu, fazendo você imaginar que o acesso a estes programas no Manjaro seja limitado ou inexistente. Esse tipo de coisa está diretamente relacionada à popularidade no mercado da distro, mas tenha em mente que isso não quer dizer que você não terá acesso a estas aplicações por utilizar o Manjaro Linux, inclusive, o instalador da Steam vem com o próprio Manjaro, verifique no menu do sistema a sessão de games e você vai encontrar uma forma fácil de instalar a Steam por lá.

Instalando Steam no Manjaro

Quando se trata de outros programas que não estão no repositório padrão do Manjaro, você poderá encontrar praticamente todos através AUR (Arch User Repository), para pesquisar dentro deste repositório você precisará no bom e velho Octopi, bastando clicar no "Alien" para poder pesquisar dentro dele, você verá que a variedade de pacotes é grande.

Procurando pacotes pelo AUR no Octopi

Então, usando este recurso, você pode instalar vários programas que serão de seu interesse. Particularmente falando (ou escrevendo), eu encontrei quase todos os pacotes de programas que eu uso, só alguns é que não consegui encontrar, vou falar deles depois.

Então aproveite o Octopi e o AUR para instalar alguns programas:

- Dropbox

Instalando Dropbox Manjaro AUR

- Spotify 

Spotify Manjaro

- VMWare

VMWare Manjaro

- MegaSync


- GIMP 2.9


- OnlyOffice 


- WPS Office


Todos os processos são semelhantes, mas vou usar como exemplo a instalação do Google Chrome, um software que é absolutamente essencial para o meu trabalho. O Chrome está no AUR para que você possa instalar, pesquise por ele digitando "chrome" na caixa de busca, clique com o botão direito e clique em instalar, depois confirme a instalação.


Normalmente um terminal vai ser abrir para que você confirme a instalação, nele você verá uma série de informações relacionadas ao PKGBUILD responsável por instalar o Chrome no seu Manjaro, você não precisa editar ele normalmente, então pode pressionar "n" para não editar e prosseguir com a instalação, quando o terminal pedir para você continuar a instalação do pacote você pode confirmar pressionando "y" ou "s", dependendo do idioma selecionado, depois das perguntas para confirmação, é só pressionar "enter" para dar início a instalação.

Dica: Sempre leia com atenção o que o terminal está lhe pedindo, depois que você se acostumar com o processo, isso vai ficar muito mais rápido, mas os questionamentos feitos pelo Manjaro são diferentes dos feitos pelo Ubuntu, então leia, leia e leia.



Depois de instalada, cada aplicação deverá aparecer no menu, como no Ubuntu, nisso não há qualquer diferença.

Google Chrome instalado no Manjaro

Sim, convenhamos que esta não é uma interface bonita e pode acabar afastando usuários domésticos, mas é muito funcional, quanto a isso não há como discordar.

Como eu comentei, existem alguns programas que eu não consegui encontrar para o Manjaro que são importantes para mim, como o StorageMade Easy, um programa para gestão e agregação de serviços em nuvem. Muitos pacotes que eu precisava e que eu não estava encontrando no AUR na "versão" passada no Manjaro, eu acabei encontrando na versão 17 (a mais recente na época deste post), como o Warsaw para acesso a bancos, InSync para sincronia com o Google Drive, e até o editor de imagens Pixeluvo, que eu gosto muito.

O AUR é bem completo em termos de pacotes, acho que a única coisa que realmente falta é uma interface mais "gráfica" e amigável a todos os tipos de usuários, já que o Discover ou o Gnome Software não trabalham com ele direito. Ouvi falar que o Antergos, outra distro baseada no Arch e com um objetivo semelhante ao do Manjaro, estaria desenvolvendo um projeto que atualmente é conhecido como "Poodle", que seria exatamente algo do tipo, uma central de programas gráfica com suporte para o AUR,  mas já fazem alguns anos que eu vi as primeiras imagens dele a até o momento não temos nada do tipo, infelizmente.

Fica a dica até, se você é desenvolvedor e gosta da base Arch, este é O PROGRAMA para se desenvolver, iria ser uma divisão de águas no mundo Arch/Manjaro.

Manjaro Settings Manager


Agora vamos falar de outra ferramenta incrível que o Manjaro dispõe, esta talvez seja a única ferramenta construída especialmente para o Manjaro, além dos temas de desktop, ela vai te ajudar a configurar diversas coisas no sistema.

Você encontra o MSM diretamente na barra da interface KDE Plasma ou você pode encontrá-lo pelo menu do sistema.

Manjaro Settings Manager

Você também encontra as opções do Manjaro Settings Manager no painel de controle do KDE, repare a primeira sessão.

Configurações do KDE Manjaro

Existem várias ferramentas interessantes ali, algumas mais do que outras, vou dar destaque a 3 que eu considero mais interessantes.

Instalação de Drivers no Manjaro


Drivers de vídeo Manjaro

O Manjaro também possui um instalador de drivers gráficos, assim como o Ubuntu, por ele você conseguirá instalar todos os drivers que quiser no seu sistema, com um diferencial bacana, ele também te mostra a versão dos drivers de outros dispositivos, como os de Serial Bus, não quer dizer que você vá mexer neles, mas é uma informação que eu considero válida.

Além disso, para pessoas menos experientes, existe um botão de "Auto Instalar" para os drivers proprietários, assim o próprio utilitário se encarrega de fazer o trabalho para você.

No Manjaro Settings Manager você também encontra uma ótima ferramenta para fazer manuseio de Kernel.

Gerenciado Kernel no Manjaro

Este recurso nativo do Manjaro é algo que você só consegue no Ubuntu instalando este utilitário, tudo bem, mudança de Kernel não é algo destinado a usuários domésticos, mas é um recurso muito interessante, te dando acesso até a versões RC do Kernel para que você possa testar.

O Kernel Manager do Manjaro é muito intuitivo, acredito que você não terá dificuldade para entender como funciona a instalação e remoção de uma versão do Linux que você estiver usando, mas fica também a dica, se você não entender o que uma mudança dessas significa, evite de alterar uma parte tão sensível do sistema quanto o Kernel.

Outro recurso encontrado no Manjaro Settings Manager é a ferramenta para instalar pacotes de idioma e garantir que tudo esteja no seu idioma de preferência.

Gestor de linguagem no Manjaro

Aqui você consegue instalar ou remover pacotes de idioma do sistema de forma individual ou por grupos, é muito prático também, basta selecionar a opção que você desejar e clicar no botão "Instalar Pacotes".

Outras coisas úteis para o seu dia a dia


Já falamos sobre a instalação de programas, sejam os que estão no repositório do Manjaro, sejam os que estão no AUR, falamos também sobre as configurações do sistema, você aprendeu a instalar drivers, mudar o Kernel e também a instalar os pacotes de idiomas na sua nova distro.

Mas como se instala uma impressora no Manjaro?

Neste caso você tem duas alternativas, se compararmos com o Ubuntu que concentra a configuração das impressoras do aplicativo "Impressoras", o Manjaro também possui esse mesmo aplicativo mas também já trás o utilitário HPLIP para impressoras da HP, que é uma interface específica para manusear as impressoras da marca.

Configurando impressoras no Manjaro

Eu tenho uma impressora multifuncional da HP e francamente, não vejo diferença entre usar uma ou outra aplicação na prática, acho até a opção da imagem acima mais simples de utilizar (é a mesma do Ubuntu e da maior parte das distros), visto que elas são apenas interfaces, os drivers são os mesmos. 

Em resumo, para você que usa o Ubuntu, a instalação de impressoras é exatamente a mesma no Manjaro. 

Temos até um vídeo te ensinando a fazer isso utilizando Linux Mint, que por sua vez é igual do Ubuntu também. Esse processo é praticamente o mesmo em todas as distros Linux, na verdade.

Configurando impressoras no Manjaro

Dica adicional: Para você que gosta de ler documentações, o Manjaro te traz um arquivo chamado "Documentation for Beginners" ou "Documentação para iniciantes", que você pode acessar através do próprio menu (repare na imagem acima) ou através do Manjaro Hello, aquela tela que aparece na inicialização do sistema normalmente.

Em termos de gráficos, o Manjaro não possui uma interface gráfica própria, ele ajusta e customiza interfaces da comunidade, como o KDE e o XFCE, então se você já usava uma destas interfaces em outra distro, em linhas gerais, isso não deverá te atrapalhar no Manjaro, a sua experiência com KDE, XFCE em qualquer outro sistema irá, na verdade, ajudar-te na adaptação.

Como estou dando enfoque no KDE, recomendo que você veja o manual do KDE Plasma que nós fizemos no canal utilizando o Kubuntu, o funcionamento da interface é exatamente a mesmo no Manjaro:



Comandos no Terminal do Manjaro


Quem gosta de trabalhar com o terminal no Ubuntu vai sentir aqui talvez a maior diferença, nada de "apt, apt-get qualquer coisa". Todos os comandos o Linux, independente da distro são iguais em quase todos os casos, o que muda normalmente são os comandos relacionados ao gerenciador de pacotes e por instância, a forma com que você "conversa" com ele para instalar/remover/atualizar programas, além disso, distros diferentes podem conter "alias" diferentes para comandos mais completos e arquivos de configuração ordenados de forma diferente eventualmente, com nomes diferentes e alguns casos, até diretórios diferentes.

Vamos aqui ao básico do Arch/Manjaro/Antergos para você poder instalar e manusear os programas do seu sistema.

Obs: No Ubuntu, quem dita as regras para instalação, remoção e atualização de softwares é normalmente o apt, no Manjaro quem "dá as cartas" é o Pacman, ou Package Manager, ele serve para o repositório convencional, para trabalhar com o AUR normalmente usamos o Yaourt.

Vamos para as equivalências para você entender melhor:

- Atualizar repositório em busca de novos pacotes:

Ubuntu: sudo apt update

Manjaro: sudo pacman -Syy

- Atualizar o sistema

Ubuntu: sudo apt upgrade ou sudo apt dist-upgrade (veja a diferença aqui)

Manjaro: sudo pacman -Syu

- Atualizando o repositório e o sistema ao mesmo tempo

Ubuntu: sudo apt update && sudo apt upgrade (ou dist-upgrade)

Manjaro: sudo pacman -Syyu

- Pesquisando por um pacote dentro do repositório

Ubuntu: apt search [nome do pacote]

Manjaro: pacman -Ss [nome do pacote]

- Ver dependências e informações do pacote

Ubuntu: apt show [nome do pacote]

Manjaro: pactree [nome do pacote]

- Instalando pacotes

Ubuntu: sudo apt install [nome do pacote]

Manjaro: sudo pacman -S [nome do pacote]

E aqui vamos fazer uma outra  breve, porém necessária, explicação, este comando acima serve apenas para pacotes já contidos no repositório oficial e não no repositório da comunidade (AUR), caso o pacote que você queira instalar esteja no AUR o comando será assim: yaourt -S [nome do pacote]


Para saber os nomes dos pacotes ou saber mais informações você pode consultar a versão online do AUR através de qualquer navegador. Se você quiser fazer apenas uma pesquisa por um pacote dentro do AUR sem precisar usar um navegador, o comando é praticamente idêntico, basta não usar o parâmetro "-S". Desta forma: yaourt [nome do pacote]

O mesmo exemplo da imagem acima usando o pacote gimp-git.

Repositório AUR

É razoavelmente simples, não?

Para atualizar os pacotes que você baixou do AUR: yaourt -Syua

Vamos continuar...

- Removendo pacotes

Ubuntu: sudo apt remove [nome do pacote]

Manjaro: sudo pacman -R [nome do pacote]

- Removendo Cache

Neste caso existem algumas variações entre o apt e o pacman:

No Ubuntu:

sudo apt autoremove - remove pacotes que não são mais necessário, como versões antigas do Kernel instaladas.

sudo apt autoclean - remove pacotes .deb que foram baixados usado o apt mas que já foram atualizados ou instalados, ou seja, limpa o cache de aplicações já baixadas.

sudo apt clean - faz uma limpeza até mais profunda que o "autoclean", eliminando pacotes que estão dentro de /var/cache/apt/archives/ e /var/cache/apt/archives/partial/, exceto os arquivos de trava.

No Manjaro: 

sudo pacman -Sc - limpa o cache de forma semelhante ao "autoclean".

sudo pacman -Scc - limpa o cache de forma semelhante ao "clean".


Acho que isso resume as principais atividades de um usuário "comum" no terminal, mas você pode ler muito mais sobre as funções, tanto do PACMAN, Yaourt e até mesmo do APT consultando os manuais deles no próprio terminal.

pacman -h

yaourt -h

apt -h

Por mais que eu tenha mostrando uma série de comandos aqui, lembre-se, tudo isso pode ser feito de forma gráfica usando o Octopi ou outro utilitário gráfico, como o PAMAC ou o PacmanXG. Além disso, quero deixa para você aqui algumas sugestões de leitura para entender melhor como funciona o gerenciamento de um sistema como o Manjaro:




Lembre-se que a própria documentação do Arch Linux pode ser útil para você, ela é muito vasta e abrange vários assuntos, vale a pena ser consultada.

Com isso chegamos ao final de um guia para você quer quer deixar de usar o Ubuntu, Fedora, Mint ou qualquer outra distro e se aventurar no mundo do Arch/Manjaro.

Ao final, minha recomendação é que caso você seja iniciante no Linux, o Manjaro ainda não é a melhor opção, Linux Mint, Ubuntu e até mesmo Deepin serão muito mais simples e não exigiram certos conhecimentos, porém, se você já entende um pouco de Linux, é um usuário intermediário, por assim dizer, o Manjaro poderá lhe atender completamente.

E para você que está pensando em mudar do Windows para o Linux, consulte também o nosso guia de migração para o Ubuntu (Do Windows para o Ubuntu), ele pode lhe ser útil também.

Até a uma próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




13 motivos para desfrutar da simplicidade com Manjaro Linux

2 comentários

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Conheça um pouco mais sobre o Manjaro Linux

Este artigo foi escrito pelo Holmes do Manjaro Brasil, o artigo é realmente excelente e muito interessante, por isso vamos apresentar 13 motivos para você pelo menos testar esta distribuição.

manjaro-logo


1 Porque se chama Manjaro?

A distribuição tem esse nome porque Philip Müller, um dos líderes do projeto, e amigos fizeram uma viagem nas proximidades da montanha Kilimanjaro, que fica situada ao nordeste da Tanzânia (África), e eles, em especial Philip Müller, ficaram encantados com a beleza que o local proporciona aos visitantes. Devido a isto, a distribuição se chama Manjaro para homenagear a montanha Kilimanjaro que, por sua vez, é um nome simpático e simples. Nesse sentido, o Manjaro Linux é uma distribuição do sistema operacional GNU/Linux, desenvolvida para computadores (desktops, laptops e neetbooks) de 32 ou 64bits. Ele vem em um LiveCD com ambientes personalizados, podendo ser instalado em seu computador facilmente. Ademais os usuários podem ajustar e personalizar as configurações do Manjaro Linux de acordo com as suas próprias preferências e gostos pessoais. 

2 Desfrute da simplicidade! 


Esta é a filosofia da equipe do Manjaro Linux, que procura oferecer uma alternativa simples aos usuários que gostam das características do Arch Linux como a sua velocidade, os seus pacotes sempre atualizados, a sua leveza e o seu princípio K.I.S.S./Rolling-Release. 

3 Manjaro Linux não é um Arch Linux! 

A grande diferença com relação ao Arch Linux é a sua facilidade no processo de manuseio da distribuição. Isso vai muito além de apenas fornecer um instalador fácil e ambientes pré-configurados de desktop. Manjaro Linux também oferece uma série de ferramentas poderosas desenvolvidas exclusivamente pela equipe, que são: a) Manjaro HardWare Detection (mhwd), b) Manjaro HardWare Detection Kernel (mhwd-kernel), c) Pacman Graphical User Interface, d) suporte automático para o uso de múltiplos kernels, etc.. Ademais a equipe vem trabalhando, em sintonia com os usuários, em um instalador gráfico e na melhoria do Pacman Graphical User Interface. 

4 Rolling Release


É uma distribuição Rolling-Realese, que permite uma única instalação, ou seja, o usuário não necessita de sempre reinstalar do “zero” quando sair uma nova versão. Isto significa que, não é - e nunca será - necessário reinstalar uma versão posterior do Manjaro Linux a fim de desfrutar do mais recente sistema. Se a distribuição é atualizada frequentemente (sudo pacman -Syyu), isto significa que o Manjaro Linux já está com a sua última versão. 

5 Simplicidade ao extremo

É uma distribuição K.I.S.S. (Keep It Simple, Stupid), que possibilita uma alta flexível na usabilidade, isto é, tenta manter as coisas o mais simples possível. Desfrute da simplicidade! 

6 Vários ambientes gráficos!

Tem uma excelente interface XFCE, ambiente padrão do Manjaro Linux, que é leve e otimizado para o uso em nosso dia-a-dia. Todavia, essa distribuição vem com outros sabores ambientais com, por exemplo, o KDE, Gnome/Cinnamon (edições oficiais), E17, LXDE e MATE (edições comunitárias e apoiadas pela equipe). 

7  Atualização constante

A equipe do Manjaro Linux mantém a distribuição sempre atualizada, que proporciona aos usuários uma maior eficiência, estabilidade, confiabilidade, inovação e acessibilidade. 

8 Instalador gráfico e fácil

Tem um instalador do Manjaro Linux (CLI Installer) super amigável, que procura conduzir os usuários em todo o processo de instalação da distribuição. 

9 Repositórios próprios

Para garantir a eficiência, estabilidade, confiabilidade, inovação e acessibilidade, a distribuição utiliza seus próprios repositórios de softwares. O Manjaro Linux não acessa diretamente os repositórios fornecidos pelo Arch Linux. Antes de serem liberados para os próprios repositórios estáveis para uso comum, os softwares, inicialmente fornecidos pelos repositórios do Arch Linux, são completamente testados e se necessário são modificados para adequar aos objetivos da distribuição. Embora, o Manjaro Linux tenha seus próprios repositórios, ele é 100% compatível com os repositórios do Arch Linux, sobretudo com o AUR (Arch User Repository). 

10 Você não estará sozinho!

A equipe da distribuição incentiva fortemente a criação de comunidades manjarianas. Nesse sentido, o Manjaro Linux, embora seja uma distribuição jovem (2011), já conta com três comunidades mundo afora e elas são, por ordem de nascimento: turca, brasileira e francesa. Essas comunidades já foram reconhecidas oficialmente pela equipe e também já estão indexadas no site do DistroWatch. 



11 Comunidade brasileira

O Manjaro Brasil é uma comunidade participativa, que proporciona uma alta qualidade técnica e um respeito mútuo entre os seus membros. A distribuição também possui um servidor brasileiro (localizado no Instituto de Física da Universidade de Brasília), oferecendo uma maior agilidade na manutenção do Manjaro Linux, seja no Brasil ou nos países sul-americanos. Além disto, os membros do Manjaro Brasil veem contribuindo, sobretudo com o trabalho de tradução de aplicativos, com o desenvolvimento da distribuição. Manjaro Brasil é 100% GNU/Linux! Nesse sentido, quem quiser experimentar essa distribuição, poderá contar com o suporte do Manjaro Brasil e para isto poderá acessar o link abaixo para se registrar e participar das discussões o Manjaro Linux. 





12 A comunidade é ativa 

A política de comunicação da equipe do Manjaro Linux é transparente e aberta, com um site, blog, fóruns, listas de discussão, IRC, Wiki, etc.. A equipe sempre está atenta às opiniões dos usuários que, por sua vez, promove uma grande interação com os usuários. Noutras palavras, esse duo (equipe-usuários) faz com que a distribuição seja produzida comunitariamente! 

13 Feito para todos os usuários

O Manjaro Linux é simples de se obter, instalar, configurar e, consequentemente, usar! Após a instalação, temos uma distribuição em nosso idioma (português do Brasil), que vai oferecer todos os benefícios de um sistema Arch Linux, mas com uma ênfase especial na eficiência, estabilidade, confiabilidade, inovação e acessibilidade aos usuários novatos ou experientes no mundo GNU/Linux. 

Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?

Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  - Siga também nossos escritores 

Um leigo no Manjaro KDE

Nenhum comentário

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Vamos conhecer hoje a história e os relatos do nosso leitor Davidson Souza com o Manjaro Linux com a interface KDE.

Manjaro Linux KDE






O texto à seguir representa opiniões do nosso leitor, não necessariamente o posicionamento do blog Diolinux, espero que você se divirta, como eu me diverti, com a história do Davidson e se você quiser mandar a sua história pra gente também, para que, quem sabe, ela apareça por aqui, use a sessão de contato do blog. Vamos lá?

"Olá Diolinux! O meu nome é Davidson Souza e moro em Vespasiano, Minas Gerais. 

Eu gostaria de escrever um pouco sobre a minha experiência com o Manjaro KDE para o pessoal que curte o seu blog. 

Eu nunca imaginei que em algum dia deixaria de usar o Windows para usar um sistema operacional com kernel Linux, pois as vezes, para mim, o sistema era bom, mas a interface não era bonita; ou o sistema tinha personalidade, mas os ícones eram antiquados… Fora quando o sistema era show, mas não instalava corretamente no pc e as soluções eram complicadas. 

Tudo isto mudou quando conheci o Manjaro KDE Capella. A comunidade Manjaro Brasil é muito focada no usuário e isto é reflexo da comunidade oficial do sistema e dos próprios líderes do projeto. 

Como consequência o sistema tem personalidade e um excelente acabamento visual, já que com o passar do tempo novos elementos vão sendo atualizados para trazer uma boa coesão visual, como foi o caso do wallpaper padrão e os ícones do LibreOffice que foram trocados após a versão 15.12 - 3ª atualização. Embora na versão 0.8.12 o Manjaro fosse bem 'KDE' trazendo muitas aplicações 'KDE-Apps', a versão atual traz outros mais populares entre usuários embora ainda preserva-se muitos apps QT como Kmail e relacionados.

Usabilidade


Eu brinco que se você não tem uma internet com 5 mb/s de velocidade, então esqueça de ter o Manjaro. Ele traz muitas atualizações e é necessário ter uma boa conexão para instala-las. Lembrando que no Manjaro uma atualização pode até mesmo equivaler a uma "mudança de arco", ou seja, eu conheço muitas pessoas que usaram o Manjaro 0.8.9 (que tinha o KDE 4 ) e que até hoje estão utilizando o sistema sem reinstalá-lo mas atualizado para a versão atual 15.12 Capella. 

Ao instala-lo é interessante criar a partição /home para os arquivos do usuário e a /tmp para instalarmos os aplicativos do repositório AUR, que é fantástico. Se o usuário tiver um PC com 4 GB de RAM, ou mais, a /tmp não é necessária, mas com menos é imprescindível, pois as vezes não há espaço suficiente para o processo de instalação dos pacotes do AUR caso ela não seja criada. Quem tem PCs mais velhos (de 2009 como é o meus caso), pode criar um volume estendido e dentro dele criar as partições que desejar. O instalador Calamares é muito fácil e intuitivo. A instalação completa do sistema dura em média apenas 7 minutos (contando a partir em que espetamos o pendrive até a reinicialização).

Outra característica interessante é que podemos escolher o Kernel que melhor se adapta a nossa máquina, pois às vezes as versões que acompanham a ISO de instalação podem não ser compatíveis. 

No meu caso, tive de usar o 3.18 até a chegada do Linux 4.4. Nesse meio tempo instalei a Virtualbox e utilizei o meu PC normalmente. Aliás o Manjaro oferece alguns módulos extras e no AUR há outras versões de kernel com módulos adicionais à gosto do usuário. Basta ler a documentação e recomendações de usuários mais experientes. Inclusive a instalação da Virtualbox é mamão com açúcar no Manjaro, pois eles oferecem os módulos compilados e no jeitinho para instalar o programa. 

Como diz o pessoal, o Virtualbox no Manjaro fica 'fino'! (srsr). Inclusive só no Manjaro é que consigo usar a Virtualbox 5.0: no Windows e outras distros com kernel linux, não.

Outra coisa que fazemos e não vejo com frequência entre outros sistemas operacionais com Kernel Linux com 'lançamento fixo' é que temos que atualizar chaves de segurança e sincronizar os espelhos de download, pois se não fizermos isto, a atualização vai pro beleléu. Fora que demoraremos muito para baixar os pacotes pkg.tar.xz. Quando uma atualização não dá certo, muita das vezes podemos fazer o downgrade do pacote, até que a próxima possa ser compatível com o nosso hardware.

Por que escolhi o Manjaro se há outras "ditas mais fáceis"?


Bem, uma das coisas que me conquistou no Manjaro é o AUR e a galera do Arch Linux (eles podem parecer estúpidos, mas no fundo tem um bom coração srsr), pois esse pessoal simplesmente QUER usar a tecnologia em torno do Linux. Por isso quase todo software principal vocês encontrarão no AUR.

Os bons softwares que você percebe que a galera elogia e que estão atendendo o usuário final, independente de qualquer filosofia, eles rapidamente estão no AUR. Um exemplo: não tem Google Chrome para o Manjaro, mas no AUR você acha… Já o Simple Screen Recorder já está nos repositórios oficiais… Ou seja 'tchau' Record My Desktop srsrs.

No caso do Manjaro, o idealizador focou mais no usuário novato (que é o meu caso) e 'criou' um sistema mais agradável e resolveu demorar um pouquinho para lançar os pacotes esperando as correções para fornecer os mais estáveis. Porém se o usuário quiser ter o mesmo 'rítmo do Arch Linux' é só habilitar o repositório instável. 

Somado aos programas eu não poderia deixar de falar do tema oficial do sistema que se chama Maia: ele é fantástico! Inclusive nem me falarei muito sobre ele porque já cairia também na interface KDE e esta merece um texto por quem a entende melhor. Somado aos ícones temos outra vantagem: as novidades que muitos esperam ver, nós simplesmente a temos! Por isso não sinto vontade de trocar de sistema operacional, pois sei que a qualquer momento poderei ter um software bacana novo instalado no meu PC, exceto se ele for exclusivo de alguma comunidade. Entretanto o preço que pagamos é não ter a estabilidade que uma empresa precisaria. Só lembrando: o Manjaro até poderia ser usado em empresas, mas o custo para mantê-lo poderia ser bem mais alto em relação à um Ubuntu LTS da vida...

Finalizando


O Manjaro amadureceu muito durante os últimos 2 anos, graças a humildade dos desenvolvedores e da comunidade que ajuda no seu desenvolvimento. Por ser focado no usuário doméstico o sistema busca ser 'único', e vale a pena para quem só quer um sistema para uso doméstico ou até para o trabalho, mas de forma individual. Devido a enorme quantidade de programas e soluções à disposição do usuário, ele é ideal para quem já 'farreou muito com várias distribuições Linux' e que deseja 'aquietar' e construir uma história com poucas distribuições. "

Nota do blog


Agradecemos a participação do nosso querido leitor e um adicional para você que deseja conhecer mais do Manjaro, confira a nossa review da distribuição com a interface XFCE.


Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




5 dias com Manjaro Linux

Nenhum comentário

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Eu e o Manjaro e o Manjaro e eu

Olá pessoal, hoje vou lhes contar a história de uma distro Linux que já falamos por aqui chamada Manjaro Linux.

Manjaro Linux

Confesso que inicialmente a minha ideia era fazer essa review aqui em vídeo como eu fiz do Ubuntu, do Elementary e do Linux Mint 16 no canal do Diolinux, aliás tira um tempinho pra dar uma olhada nos nossos vídeos e se inscrever também, tive alguns problemas com o uso do Manjaro e não consegui instalar o Kazam ScreenCaster, meu programa preferido pra captura de desktop, e portanto resolve fazer este texto aqui, não tanto uma review, mas mais um comentário sobre o que achei do sistema, dificuldade se facilidades que tive para quem quem sabe você também se motive a testar o sistema, ou se não gostar de suas características manter uma boa distância.

O que é o Manjaro e por que o Manjaro ( resumidamente) 

Estive testando o Manjaro Linux durante cinco dias para realizar as minhas atividades tradicionais, porém, antes de comentar sobre a minha experiência com ele acho que cabe introduzir você leitor sobre o que é esse sistema.


Linux Mint + ArchLinux = Manjaro

Não que seja exatamente isso, de fato não é, mas é o mesmo conceito, o Manjaro é baseado no ArchLinux, uma distro amada por muitos, odiada por outros tantos que não conseguem usar ele direito por falta de experiência na maioria das vezes, trazendo características user friendly do Mint para o Arch, sim esse é o Manjaro, um "Arch Linux fácil de usar".

Nele você tem todas as ferramentas pré-instaladas e configuradas, até mesmo o Steam é padrão da distro, codecs e plugins, etc, tal como o Linux Mint faz.

Me interessei pela distro pelo fato de ser justamente baseado no Arch, distro que tem fama de ser muito estável e veloz, por ser Rolling Release, já que meu sistema atual o Ubuntu 13.04 está com os dias contados poderia ser uma boa opção.

Dia 1: Download e instalação

Download

Bom,  a primeira coisa é obviamente baixar a distro, fui até o site, e de maneira intuitiva efetuei o download da versão principal, com XFCE, pelo menos dá essa impressão por ser a primeira ISO que aparece, no rodapé do site havia uma notificação de que a versão mais recente era a 0.8.8, porém a que estava lá era a 0.8.7, pensei "ok, por ser rolling release eu à atualizado depois..." e baixei sem nenhum problema, uma ISO de 1,2 GB de arquitetura 64 bits.

A ISO é realmente grande se formos comparar com outros distros populares, até mesmo com o Mint, mas isso é indício de que o sistema vem completo.

Vale ressaltar que também existe uma versão com OpenBox e outra com KDE, além de outras versões não oficiais desenvolvidas pela comunidade, basta procurar com atenção no site, no final do artigo deixarei os links para os interessados

Instalação

Ai vem um grande diferencial do Manjaro, eu já havia aventurado-me pelo Arch Linux em outros tempos e sofri pra entender o instalador, afinal quem entende do assunto se vira, mas não podemos chamar ele de intuitivo, já o Manjaro conseguiu fazer um instalador gráfico muito simples de usar e para quem quiser e bom e velho modo texto ele está lá também, como eu gosto é de facilidade instalei no modo gráfico, as configurações são semelhantes as do Ubuntu e até mesmo existe um Slider que mostras funções do sistema operacional.

Depois de aproximadamente 20 minutos ( sem o uso de internet ) o sistema está instalado e pronto para usar, ele reconheceu o meu Ubuntu na outra partição do GRUB normalmente, tudo na santa paz até agora.
P.S.: A instalação foi feita com um pendrive utilizando o software Unetbootin.

Dia 2: Hora de mexer com o brinquedo novo!

Manjaro Linux


Tá bom, tá bom, na real eu mexi com ele no primeiro dia, dei uma olhadinha, mas deixei para o segundo dia o real contato inicial, podemos chamar assim né?

Bom, eu sinceramente não vou com a cara do XFCE mas estava disposto a dar uma chance, afinal ele é muito leve e tanta gente usa etc, etc, etc...

Gostei muito por ele vir com o Whisker Menu por padrão, que é um menu diferente do padrão do XFCE, possuindo um campo de buscas, o que aumenta a produtividade, acho ele tão bom que  seria uma grande noticia se ele viesse  incluído em futuras versões do ambiente XFCE em todas as distros.

Ele traz o Firefox, VLC, XNoise é o player de música ( muito bom e leve por sinal ) entre muitos outros programas realmente úteis, um visual bonito, wallpapers bonitos também, apesar de que, como eu sempre digo wallpaper é algo muito pessoal então isso é relativo, mas de maneira geral o tema é algo atraente e agradável aos olhos, mesmo que o visual mais Dark possa não agradar a todos, esse tipo de coisa é facilmente modificável através de opções dentro do próprio sistema.

Dia 3: Atualiza meu filho!

Depois de usar o meu Ubuntu para trabalhar tirei mais um tempo agora para deixar o sistema mais "redondinho", afinal como eu disse lá no inicio do post eu baixei uma versão anterior a última e teria sem dúvida alguns pacotes para instalar; na verdade desde a instalação havia uma notificação no painel inferior dizendo que eu tinha baixar 678 MB de atualização ( KRAI! ) mas Ok, a questão é "como faz?"

"Sudo apt-get-não-sei-que-lá" não funciona, já estou em Debian Basead a um bom tempo e esses cacoetes não ajudam ok, pesquisei um pouquinho nos mares profundos da "Interwebs" e na real não é tão fácil achar informações sobre o Manjaro, acabei achando o que eu procurava no fórum deles e um pouco também nos sites ( não são tantos quanto o Ubuntu ) que falam do Arch, no fim existe um comandinho mágico que atualiza os repositórios e faz a atualização, porém descobri que era mais fácil do que eu pensava pois existe um aplicativo para atualizar o sistema, como existe no Ubuntu.

Atualizei o sistema por ali, Kernel novo, XFCE novo, programas atualizados, tudo nos trinques, mas por hoje já chega, tenho que jogar No More Room In Hell no Ubuntu.

Dia 4: Cadê meu Deb? Instalando programas.

Agora é hora de instalar uns programinhas, Google Chrome, Dropbox, e alguns outros por ai que eu uso corriqueiramente, Ok, como instalar o Google Chrome no Manjaro? Na realidade eu ainda não descobri, posso ter sido preguiçoso, mas também não consegui instalar o Dropbox, estes dois são essenciais para que eu possa usar o Manjaro para o meu trabalho, por hora contentei-me com o Chromium que estava numa espécie de central de aplicativos que não lembra em nada uma central de aplicativos, lembra mais o synaptic onde você pode procurar os pacotes etc.

Nesse caso não mais tão intuitivo afinal, se você não sabe o nome do pacote não consegue encontrar as coisas com a mesma facilidade. O fato de não conseguir instalar programas assim e também de não ter, pelo que pesquisei, pacotes pré-compilados me deixou um pouco #chateado, afinal o meu negócio é praticidade! "Developers, Developers, Developers!"

Pesquisando um pouco ouvi falar ( ou li, melhor eu acho.) sobre um tal de AUR, acredito que se eu tivesse mais tempo e pesquisado talvez teria conseguido fazer algumas coisas.

Tentei usar este tal de AUR para instalar o Kazam ( queria fazer uma review em vídeo lembra? ) mas mesmo seguindo o tutorial passo-a-passo ( acredite, eu sou bom nisso ) o terminal retornava um erro de pacote não encontrado, e como a mensagem de erro não era muito clara para mim, fiquei sem saber o que fazer.

Na realidade consegui instalar outros programas, como o Kdenlive e Openshot por estarem no repositório, quando isso não tive problema algum.

Dia 5: "Se Fodeu" like a GTAV


Ai XFCE, nos não nascemos para produzirmos conteúdo juntos... pensei que apesar de não conseguir instalar determinados programas, eu sabia que com o tempo conseguiria, por isso pensei em aumentar a minha produtividade trocando o ambiente gráfico, mas qual?
Não achei o Cinnamon no repositório, não me importava em ser um ambiente mais pesado afinal o meu PC aguenta bem o Unity e outros ambiente tipos como "pesados", então resolvi instalar o Gnome Shell, Gnome 3.10 para ser mais exato, afinal ele estava a cada dia mais bonito, cheiroso e completo e voilá! Catei o pacote "gnome-shell" no "mercadinho" do Manjaro e solicitei a instalação, deu um erro...

"Oh desgraçado, você não vai de deixar ser feliz mesmo???" - Mas a questão era que eu precisa atualizar os seus pacotes para que pudesse instalar este aí, então dito e feito e em menos de 2 minutos ele tinha instalado o Gnome-Shell.

Fiz logoff, o Manjaro usa o MDM  como gerenciador de login, como o Linux Mint também, e selecionei  feliz o Gnome Shell, para minha surpresa o sistema não carrega levando a uma tela de erro bem simpática com um carinha triste =( e  tudo, tentei mudar para o XFCE de volta afinal, se não deu certo é porque faltou alguma coisa, nada de login...
Pesquisa, pesquisa, pesquisa, remove o Gnome-Shell pela linha de comando, tenta logar de novo e nada! Fica lá estagnado numa tela preta e depois volta par ao MDM, não soube o que fazer, estava com um pouco de sono, em fim, no outro dia o Manjaro saiu para a entrada do openMandriva, para fazer mais uma bateria de testes.

E essa foi a minha experiência com o Manjaro Linux, uma distro para iniciantes, mas não para iniciante no Linux, para iniciantes no Arch.
Quem se interessar pode baixar a distro por aqui, aqui eu falei apenas de algumas boas características da distro mas se você precisar de mais motivos para testá-la só aqui tem 13.

Acho que boa parte dos problemas que eu tive foram pela minha inexperiência com o sistema e por estar muito acostumado a ter as coisas de maneira fácil e prática com o Ubuntu e o Linux Mint, por hoje chega, Manjaro até uma próxima!

Compartilhe para mostrar aos seus amigos



Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?

Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  - Siga também nossos escritores 
@dionatanvs - +Dionatan Simioni - + Elian Medeiros 

Baixe o APP do Diolinux para o seu Smartphone

Se você tiver alguma dúvida procure um de nossos grupos de discussão no Facebook:

Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo