Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Nova versão do GIMP finalmente está disponível!

Nenhum comentário

sábado, 28 de abril de 2018

Depois de praticamente 6 anos de desenvolvimento a versão 2.10 do manipulador de imagens GIMP está disponível para download e com várias novidades interessantes, confira:

Lançado GIMO 2.10






Os desenvolvedores anunciaram a versão 2.10 do GIMP através do site oficial do programa listando os destaques desta que, segundo eles, é uma GRANDE atualização para o GIMP.

Dentre as principais novidades desta atualização temos:

- O processamento de imagem está próximo de ser completamente portado para GEGL, permitindo um melhor aproveitamento multi-thread e aceleração de hardware para o processamento dos pixels;

-  O gerenciamento de cor agora é um recurso nativo do GIMP, a maior parte das áreas de preview e widgets são gerenciáveis;

- Muitas ferramentas foram melhoradas, como a ferramenta de seleção inteligente (varinha mágica*), ferramenta de transformação, entre outras;

- Houve melhorias para os usuários do GIMP que fazem pintura digital, agora com suporte para pincéis do MyPaint e incremento de funcionalidades para facilitar a criação de desenhos baseados em simetria e rotação;

- Suporte inicial a telas de alta densidade de pixel (HiDPI);

- Novo visual, agora o GIMP tem temas nativos embutidos com o software, dando um visual mais profissional à aplicação, os temas ainda possuem variações de tonalidade, claro, escuro, cinza e uma opção que permite usar o tema gtk do sistema.

Realmente existem muitas, muitas coisas novas! Você pode conferir todas as notas de lançamento diretamente no site oficial, onde você encontra até pequenos vídeos para demonstrar a funcionalidade das novas ferramentas.

Como testar a nova versão do GIMP?


GIMP 2.10


No site do GIMP o modo "oficial" de fazer o teste é através de um pacote Flatpak, no caso do Ubuntu, será necessário rodar estes comandos para utilizar:
sudo apt install flatpak
flatpak install https://flathub.org/repo/appstream/org.gimp.GIMP.flatpakref

Instalando o novo GIMP via Flatpak

Porém, é possível instalar também via PPA, para saber como fazer isso, consulte este artigo aqui do blog.

O processo via Flatpak serve virtualmente para qualquer distribuição, consulte a documentação do seu sistema para entender como ativar o recurso, caso ele ainda não esteja ativo. Este artigo do blog sobre Flatpak pode ajudar também.

Para rodar o GIMP instalado via Flatpak no Ubuntu você deve usar este comando:
flatpak run org.gimp.GIMP
No Linux Mint, que já possui integração com o FlatHub, basta procurar pela versão do GIMP em Flatpak na loja de aplicativos ou, alternativamente, usar o PPA.

Uma coisa que vale observar é que o GIMP é um App muito comum dentro do repositório das distros, então em mais ou menos tempo ele também deverá ficar disponível para todos desta forma, geralmente distros rolling release trazem a versão antes das demais, como o Arch, Manjaro e o Fedora, que mesmo não sendo Rolling, costuma ser bem atualizado.

Um "problema" com o GIMP


O GIMP é um software excelente, que se fosse pago, seria com certeza muito caro! Não sei se você já parou para pensar nisso, mas um software da robustez do GIMP é entregue para você gratuitamente e ainda com o código fonte aberto. Incrível, não?

Estou falando sobre isso porque em meio às notas de lançamento desta nova versão do GIMP eu encontrei um dado muito curioso.

Colaboradores do GIMP

O GIMP é um projeto feito de forma completamente comunitária. Desde 1997, segundo o site, apenas em um mês (Agosto de 2003) é que o GIMP teve mais de 20 colaboradores simultâneos, 21 para ser mais exato.

Olhando a Timeline podemos ver que em vários momentos tivemos apenas 3 pessoas (em todo o mundo) ativas no desenvolvimento do GIMP, a informação mais recente é de Fevereiro de 2018, com 12 pessoas ativas.

E isso diz muito respeito a toda demora para lançar uma grande atualização como esta que temos o prazer de anunciar hoje. Uma equipe reduzida e não assalariada como esta, eu diria que o que vemos é praticamente um milagre de esforço, boa vontade e competência técnica.

Levanto este tópico porque acho pertinente a discussão em torno do assunto. Já vi muitas pessoas reclamarem do GIMP pelos mais diversos motivos, mas será que estas mesmas viram esta situação? Geralmente as pessoas comparam o Photoshop com o GIMP, mesmo com a Adobe tendo um time inteiro e muito bem pago para incrementar o Photoshop ano a ano, o pessoal do GIMP continua fazendo um bom trabalho, que para muitos usuários até ultrapassa ou no mínimo equivale ao produzido pela Adobe, e não esqueça, o programa é de graça para você, disponível nas três principais plataformas e ainda te dão o código fonte. Repito, é incrível.

Talvez com isso as críticas ao GIMP sejam mais brandas de agora em diante, porém, há outro viés que vale a pena ser comentado. Existem alguns softwares que nasceram no Linux para serem utilizados por artistas e produtores de conteúdo em todas as plataformas que encontraram seu caminho ao se organizarem de uma forma diferente.

O Blender, o Krita e até mesmo o Kdenlive são ótimos exemplos. Será que não seria importante haver uma modificação na forma com que o GIMP é trabalhado para que ele gere alguma renda para podermos ter vários desenvolvedores fixos no projeto? 

Criar uma fundação como o Blender e o Krita fizeram acabou ajudando os dois a se destacarem até fora do "mundo Linux". Se este é o caminho eu não tenho certeza, mas o GIMP merece mais atenção e depender apenas de doação e boa vontade pode até funcionar, mas leva muito mais tempo, como vimos neste lançamento que demorou 6 anos para acontecer.

Algo que nem todos pensam, mas se você gosta do GIMP e adoraria incrementar funções nele, nada impede que você trabalhe no software e crie uma empresa para prestar suporte para o mesmo, assim como muitas fazem com uma distro Linux qualquer ou outros softwares como o LibreOffice, por que não com o GIMP?

Que tal patrocinar o projeto? Quem tem realmente condição e tira proveito do GIMP poderia bancar um desenvolvedor. O GIMP poderia criar uma campanha do tipo "adote um desenvolvedor" e entregar benefícios a estes colaboradores, como suporte e criação de ferramentas para atender a necessidades dos mesmos antes. 

Talvez isso ajudasse no desenvolvimento, uma empresa como a Collabora, que trabalha com o LibreOffice, só que com o GIMP. O que você acha da ideia?

Até a próxima!

* "Varinha mágica" é nome da ferramenta de função semelhante do Adobe Photoshop, geralmente as pessoas entendem melhor do que se trata através da expressão.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ubuntu 18.04 LTS Bionic Beaver lançado, conheça 21 novidades sobre o sistema!

Nenhum comentário

quinta-feira, 26 de abril de 2018

Depois de uma longa espera, desde o anúncio do fim do Unity, temos a primeira versão LTS do Ubuntu com GNOME Desktop. Confira agora as novidades do Ubuntu 18.04 LTS Bionic Beaver e faça o download.

Ubuntu 18.04 LTS Bionic Beaver Download






A Canonical anunciou a disponibilidade da versão 18.04 LTS do Ubuntu para todos os usuários, esta versão acrescenta muitas novidades desde a última LTS do sistema, o Ubuntu 16.04.

Ser "LTS" significa que esta edição tem suporte de segurança e atualizações pelos próximos 5 anos, ao contrário do Ubuntu 17.10 ou do 18.10, que ainda será lançado no próximo mês Outubro, que possuem apenas 9 meses de suporte, por exemplo.

O que há de novo no Ubuntu 18.04 LTS?


Além do GNOME Shell, que por si só já oferece uma grande diferença visual, especialmente para os usuários vindos no Unity, temos uma nova aplicação figurando no "set" padrão do sistema, que é o GNOME ToDo, um aplicativo para criar e gerenciar tarefas. Mas é claro que essa não é a única novidade.

Outras novidades incluem:

1 - GNOME 3.28;

2 - Nautilus 3.26, a versão anterior foi mantida para preservar a área de trabalho, já que o GNOME "Original" acabou removendo a funcionalidade;

3 - O GNOME Shell do Ubuntu possui duas extensões, a Ubuntu Dock, que cria a barra lateral na esquerda (que pode ser movida para baixo e para a direita) e o Ubuntu indicators, que exibe indicadores perto do menu integrado;

4 - Kernel Linux 4.15, com melhor suporte para hardware AMD e otimizações;

5 - O Ubuntu agora só tem versão de 64 bits;

6 - SWAP agora não precisa ser uma partição, por padrão o Ubuntu cria um arquivo como SWAP;

7 - Driver Nvidia 390.x com disponibilidade do codec NVENC diretamente do seu repositório padrão, o que é muito útil para quem grava vídeos;

8 - Mesa Driver 18.x, ótimo para quem tem placas AMD e Intel;

9 - Suporte nativo para pacotes SNAP que podem ser instalados via GNOME Software, como Spotify e Skype;

10 - Alguns aplicativos nativos do sistema são SNAPs, como o mapa de caracteres;

11 - Sistema de LivePatch da Canonical agora está disponível para usuários comuns através de login na sua conta Ubuntu;

12 - O Ubuntu agora oferece uma "instalação mínima", que permite que você instale no seu computador um sistema mais enxuto, com menos aplicativos;

13 - O Ubuntu agora pode coletar dados do seu computador na pós-instalação e pode coletar informações sobre os apps que você instala via GNOME Software para ajudar na curadoria do repositório, essas funcionalidades podem ser facilmente desabilitadas no menu "privacidade" do GNOME Control Center;

14 - O Ubuntu agora tem uma "tela de boas-vindas" que mostra ao usuário alguns configurações e opções importantes, incluindo a revisão das configurações de privacidade e do livepatch;

15 - O Ubuntu continua usando o tema Ambiance, mas o Nautilus possui um uma visual renovado, além disso temos o novo Communitheme disponível na GNOME Software via Snap;

16 - O Ubuntu agora tem suporte nativo e completo a emojis de todos os tipos;

17 - O X.org é o servidor gráfico padrão, mas na tela de login você ainda pode escolher o Wayland para utilizar;

18 - Temos atualização de todos os softwares padrões, como Firefox, LibreOffice e mais;

19 - Temos um novo conjunto de wallpapers;

20 - Systemd Resolved, é o novo resolvedor de DNS padrão;

21 - Python 3 agora é padrão;

E muitas outras pequenas novidades, você pode conferir a nossa review completa do Ubuntu 18.04 LTS logo abaixo, nela falamos sobre os pontos positivos, negativos, novidades e o bugs encontrados:




As flavors do Ubuntu também estão disponíveis para Download, então se você estava esperando pelo Ubuntu MATE, Ubuntu Budgie, Xubuntu, Lubuntu, Kubuntu, etc, basta acessar aqui e baixar a versão desejada.

Atualização para a nova versão e download do novo Ubuntu 


As pessoas que estavam testando um Beta ou uma Daily Build só precisar atualizar o sistema para chegar até a versão final. Se você usa a outra LTS do Ubuntu (16.04) eu recomendo fortemente que você faça uma instalação limpa, as mudanças são muito drásticas, na minha opinião, para fazer uma atualização direta, ainda que você possa.

Para fazer o download da ISO final do Ubuntu 18.04 LTS Bionic Beaver basta clicar aqui.

O que você está achando da nova versão do Ubuntu? Já instalou?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Canonical vai acabar com Alphas e Betas do Ubuntu

Nenhum comentário

quarta-feira, 25 de abril de 2018

O ciclo de desenvolvimento do Ubuntu vem mudando ao longo dos anos, tanto para as versões de teste quanto para as finais. Desta vez quem deve entrar para a lista de "milestones" extintos são as ISOs Alpha e Beta.






O desenvolvedor da Canonical Simon Quigley, comentou na lista de e-mails do Ubuntu a vontade de alterar a forma com que os lançamentos das imagens de teste do sistema acontecem.

A ideia é deixar de oferecer imagens ISO de versões congeladas Alpha e Beta para o próximo ciclo do Ubuntu, o 18.10, que será lançado em Outubro e manter apenas as Daily Builds, elegendo alguns dias da semana como "dias de teste" onde devem ocorrer chamados para a comunidade ajudar a testar o sistema.

A decisão parece estar sendo tomada em conjunto e acordo com os desenvolvedores dos Flavors do Ubuntu.

Se formos analisar, o Ubuntu mudou bastante ao longo do tempo quando o assunto são "lançamentos". Antigamente as LTS do Ubuntu para Desktop tinham suporte por apenas 3 anos e a versão para servidores 5, agora temos o mesmo tempo para ambos. As versões non-LTS tinha suporte por 18 meses, agora são apenas 9. O próprio lançamento da ISO Alpha no Ubuntu (propriamente dito) foi abandonada há alguns anos, somente algumas flavors mantiveram a tradição.

Mudanças são bem-vindas sempre, especialmente se for, neste caso, para tornar o Ubuntu melhor, facilitando a aprimorando o sistema de testes e detecção de bugs. Talvez com o sucesso do formato Snap de pacotes no futuro o Ubuntu possa se tornar Rolling Release, nunca se sabe. Sei que este é o desejo de muitos.

Lembrando que ser Rolling Release não obriga a distro a ser Bleeding Edge, como o Arch Linux por exemplo. O modelo apenas trata da forma de atualização, um exemplo de distro Rolling sem ser Bleeding Edge na atualidade é o Deepin.

Se essa mudança da extinção dos Alphas e Betas realmente for implementada, os "sabores" do Ubuntu também seguirão o mesmo formato. Atualmente você pode baixar uma ISO do Ubuntu em seu estado atual de desenvolvimento a qualquer momento através das daily builds.

O que você acha adas alterações, concorda?

Comente logo abaixo, até a próxima! :)
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


GearBest agora tem processadores Intel, AMD e placas de vídeo por preços imperdíveis!

Nenhum comentário

terça-feira, 24 de abril de 2018

Você que acessa o nosso blog e canal com frequência já deve ter percebido a parceria de longa data que temos com a loja GearBest. Eles são um parceiro muito valioso e nos ajudam a continuar trazendo conteúdo para vocês. Hoje eu fui informado de uma novidade excelente para quem deseja comprar hardware por um preço mais camarada!

Hardware com descontos






Agora você pode comprar processadores Intel, AMD, placas de vídeo Nvidia e AMD, Monitores, SSDs (incluindo os M.2) com descontos incríveis na GearBest! 

São marcas variadas que incluem, além de Intel, AMD e Nvidia, outras empresas famosas como Samsung, Western Digital (WD), Yeston, Kingston, iGame e outras.

👉 A promoção especial para os gamers dura apenas 7 dias e você pode acessar a página com descontos especiais através DESTE LINK.

Existem alguns produtos que estão extremamente baratos se comparados ao padrão, como um belo monitor de 31,5 polegadas full HD com tela curva por pouco mais de R$ 1000,00, ou um SSD M.2 de 120 GB por R$ 150,00. Que tal uma 1050 ti por pouco mais de R$ 650,00? Confira no link acima.

Para mais descontos para produtos da GearBest, incluindo Smartphones de outros gadgets, você pode consultar a nossa página fixa aqui no blog onde atualizamos semanalmente as ofertas que eles oferecem para vocês, leitores do Diolinux, juntamente com os Flash Sales e cupons de desconto.

Aproveite enquanto durarem os estoques, porque sim, existem unidades exatas para cada produto, basta acompanhar o contador na própria página.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Juntas, SUSE e Microsoft exibem nova solução com certificação da Cloud Foundry Foundation

Nenhum comentário
A SUSE anunciou que o SUSE Cloud Application Platform foi nomeado como uma distribuição certificada Cloud Foundry pela Cloud Foundry Foundation. A plataforma recém-certificada traz a produtividade avançada do modelo Cloud Foundry para Kubernetes, que está rapidamente se tornando o moderno padrão para a infraestrutura de gerenciamento de containers mais aplicado pelas empresas no mercado.

SUSE Cloud Foundry Foundation






Como uma das duas únicas ofertas de software certificadas Cloud Foundry, a solução é desenvolvida com o SUSE Linux Enterprise e tem suporte completo oferecido pela SUSE. É a única distribuição oferecida por meio de software 100% open source. O SUSE Cloud Application Platform permite que as organizações aproveitem ao máximo seus investimentos e sua expertise em infraestrutura e Kubernetes. Simplifica a implementação de Cloud Foundry e acelera tanto a filosofia DevOps quanto as modernas iniciativas de entrega de aplicativos para as empresas.

A SUSE também está lançando aprimoramentos funcionais em sua nova plataforma, incluindo suporte para infraestrutura de nuvem pública Kubernetes, que acelerará o time-to-value nas nuvens de seus clientes, além de novos recursos de backup e restauração, que permitirão mais segurança para os usuários migrarem seu ambiente de Cloud Foundry.

Os aprimoramentos mais recentes da plataforma SUSE Cloud Application incluem suporte para o Microsoft Azure Container Service (AKS). Com os serviços Kubernetes fornecidos pelo AKS, as empresas podem economizar tempo configurando a implantação de nuvem pública do SUSE Cloud Application. Os clientes podem usar os novos recursos de backup/restauração para simplificar a recuperação do ambiente Cloud Foundry, incluindo aplicativos. Eles também podem usá-los para migrar de uma instância de Cloud Foundry para outra, movendo entre instâncias de nuvem privadas e públicas, por exemplo, ou entre diferentes distribuições de Cloud Foundry.

"Além de ser uma ponte entre as comunidades open source, a SUSE alia o melhor que as tecnologias Cloud Foundry e Kubernetes oferecem, gerando um valor moderno e muito atraente para os nossos clientes", comenta Thomas Di Giacomo, CTO da SUSE. "A liderança da SUSE como provedora de infraestrutura definida por software e soluções para entrega de aplicativos é refletida na inovação com o SUSE Cloud Application Platform. A conquista da certificação demonstra o quão importante é, para nós, a interoperabilidade entre plataformas Cloud Foundry e o compromisso com o desenvolvimento contínuo de Cloud Foundry".

O SUSE Cloud Application Platform é destinado às equipes de desenvolvimento e operações (DevOps), que buscam otimizar o gerenciamento do ciclo de vida dos aplicativos tradicionais e dos novos aplicativos cloud native. Diferentemente de outras ofertas de Cloud Foundry, a nova ferramenta da SUSE empacota Cloud Foundry como uma distribuição em container, gerenciada por Kubernetes. Isso simplifica que a implantação e o gerenciamento reduzem drasticamente o consumo de memória e tornam a plataforma mais acessível aos usuários de Kubernetes.

O recebimento da nova certificação complementa a certificação Kubernetes entregue à plataforma. Para os clientes, representa proteção comprovada contra o temido vendor lock-in – espécie de bloqueio em que determinados fornecedores impedem que usuários consigam trocar seus produtos ou serviços pelos de outros fornecedores – e o compromisso da SUSE em manter a plataforma atualizada de acordo com os avanços de Cloud Foundry.

"A SUSE continua impulsionando nossa comunidade, encorajando-os a seguir novas direções. O SUSE Cloud Application Platform, recentemente certificado, expande o ecossistema Cloud Foundry, dando ainda mais opções para as companhias", afirma Abby Kearns, diretor executivo da Cloud Foundry Foundation.
"Juntas, a Microsoft e a SUSE têm o objetivo de tornar o uso da tecnologia de container o mais simples possível, criando uma experiência aprimorada para os desenvolvedores", relata Gabe Monroy, gerente de programa de liderança para Containers da Microsoft.

"A abordagem da SUSE com o Cloud Application Platform combina a aclamada experiência de desenvolvimento em Cloud Foundry com a experiência operacional da plataforma líder do setor em gerenciamento Kubernetes. Isso fornece aos clientes do Microsoft Azure a melhor forma possível de implantar e gerenciar Cloud Foundry, com os aplicativos cloud native construídos com Kubernetes – todos executados no mesmo cluster do AKS", conclui.

Para mais informações sobre o SUSE Cloud Application Platform, acesse aqui.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Lançado "Rise of the Tomb Raider" para Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 19 de abril de 2018

A Feral Interactive anunciou hoje o lançamento do game "Rise of the Tomb Raider" para Linux, a versão para macOS havia sido lançado uma semana atrás pela empresa e finalmente temos o título "no pinguim".

Rise of the Tomb Raider






A espera acabou e temos mais um título "triplo A" chegando à plataforma Linux. O anúncio ocorreu hoje e para comemorar temos uma belo desconto na Steam para os jogadores.

O game de ação e aventura saiu em 2015 como exclusivo de Xbox One e 360, saindo em 2016 para Windows. As versões para macOS e Linux saíram apenas neste mês, porém, com todas os conteúdos adicionais já disponíveis. Trata-se da sequência direta do game "Tomb Raider" de 2013, o qual também possui versão para Linux e macOS, e mostra, como o título sugere, a acensão da protagonista "Lara Croft" ao se tornar uma "Assaltante de tumbas", na história a personagem tenta descobrir os mistérios da mítica cidade russa de Kitej, que segundo as lendas do game, contém os segredos para a imortalidade.


No momento em que escrevo este artigo o game está com quase 70% de desconto.

Os requisitos para o game no Linux são:

MÍNIMOS:

SO: Ubuntu 17.10

Processador
: Intel Core i3-4130T ou equivalente da AMD

Memória: 8 GB de RAM

Placa de vídeo: 2GB AMD R9 285 (GCN 3rd Gen and above), 2GB Nvidia GTX 680 ou melhor

Armazenamento: 28 GB de espaço disponível

RECOMENDADOS:

SO: Ubuntu 17.10

Processador: Intel Core i7-3770K

Memória: 12 GB de RAM

Placa de vídeo: Nvidia GTX 980Ti

Armazenamento: 28 GB de espaço disponível

O game utiliza o Vulkan apenas como API gráfica, ajudando a dar vida a essa nova geração de jogos para computador baseada na nova ferramenta.

Você pode conferir o trailer do game aqui: 


O pessoal da Feral Interactive foi muito gentil em nos fornecer uma chave para o teste do game, então em breve vocês podem esperar conteúdo relacionado a ele no canal, fiquem ligados.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


9base - Mais uma alternativa ao coreutils do GNU

Nenhum comentário
Já demos uma olhada no toybox e no embutils. Desta vez vamos dar uma olhada no 9base que é mais uma alternativa ao coreutils do GNU9base surgiu como um port de vária ferramentas originadas do sistema operacional Plan 9 para Unix, baseada no plan9port.

9base-para-linux-e-freebsd






Tudo no Linux é uma questão de escolha, você escolhe o que quer utilizar. Escolhe a distribuição, o ambiente gráfico, players e navegadores (até aí tudo certo até mesmo para o Windows), ferramentas de desenvolvimento como compiladores e engines, ferramentas para a administração de sistema, ferramentas para servidores e muito mais. Tem a liberdade até mesmo de utilizar software open source ou proprietário. Isso é liberdade: O direito a escolha.

A escolha reflete melhor o conceito de liberdade do que tudo e não unicamente uma licença. Isso porque Linux é um sistema operacional bem modular e essa flexibilidade é que reflete esta beleza de termos várias alternativas para tudo o que quisermos.

Já tratei do toybox e embutils e desta vez vamos mostrar o 9base, que é mais uma alternativa ao GNU coreutils (apesar que o toybox é um terminal, mas seus comandos são agrupados internamente). 9base é um conjunto de comandos para administração de tarefas que já fazemos frequentemente no sistema operacional. Este pacote foi herdado de outro sistema operacional chamado Plan9 (já mencionei sobre o Plan9 em outro artigo e no vídeo Muito além do GNU - newlib. Por traz do seu desenvolvimento estava dentre eles, Ken Topmpson o criador do Unix). Tanto que essa não é a única opção a respeito de ferramenta do plan9 para o Linux; existe por exemplo o Glendix que é uma distribuição Linux que utiliza ferramentas do Plan9 em seu user space (vai pensando que o Android é a única distribuição sem user space que não roda ferramentas do GNU).



Não fique preso a uma única alternativa, seja livre para utilizar outras, experimenta-as, analisá-las e tirar suas próprias conclusões ainda que não sejam agradáveis (essa mesmo eu detestei); mas ao menos fazendo isso, poderá opinar sobre o assunto. Reclamamos muito do Windows ser engessado mas acabamos cometendo o mesmo erro se não nos proporcionarmos a liberdade de conhecer. Livre é você, a licença serve para garantir a sua liberdade de escolha, é por isso que elas existem ;)

Confiram também sobre o bug que encontrei no Bash mais ou menos dois anos atrás e ali ainda permanece:



_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo