Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Entrevistamos o CEO da System76 e do Pop!_OS

Nenhum comentário

segunda-feira, 11 de junho de 2018

A System76 é um dos mais conhecidos fabricantes de computadores no mundo a vender computador apenas com Linux. Durante praticamente todo o passado recente, a companhia utilizou o Ubuntu como padrão de suas máquinas, mas a mudança da Canonical, com o abandono do Unity, a System76 optou por não mais depender tão diretamente do Ubuntu, dando origem a sua própria distro, o Pop!_OS.

System76 e Pop!_OS no Diolinux Entrevista






Para entendermos melhor como foi essa mudança de sistema e os motivos da empresa, assim como os diferenciais do Pop!_OS em relação ao Ubuntu. Para responder as nossas perguntas Carl Richell e Cassidy Bleade, CEO e UX Architect da System76 respectivamente, gravaram um vídeo, confira:


Confira também:

- Artigo no blog sobre o Pop!_OS: http://bit.ly/OqueEsperarDoPopOS

- Diolinux DROP do Pop!_OS: http://bit.ly/PopOSDrop

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Os meus maiores destaques do Deepin 15.6 Beta

Nenhum comentário

domingo, 10 de junho de 2018

A distro chinesa continua lapidando as suas funcionalidades e acrescentando detalhes que podem fazer diferença no todo. Estive testando durante a última semana versão 15.6 Beta, confira agora os meus pontos de destaque.

Deepin 15.6 Beta






A versão 15.5 do Deepin chegou fazendo muito barulho com toda a remodelagem da interface, tornando-se para muitos a mais bela interface do mundo Linux, mas claro, que esse posto é disputável. Com toda a popularidade, muitos ficaram imaginando o que mais os desenvolvedores poderiam "aprontar" no futuro, com a versão 15.6.

Apesar do Deepin ser muito belo e prático, com uma Loja de Aplicativos muito completa, pequenos problemas afastaram alguns usuários, como servidores de repositório um pouco lentos e demora na atualização dos softwares presentes no repositório, além disso, tivemos também problemas com o driver de placas de rede Wi-Fi em alguns momentos, mas será que isso foi corrigido?

Novidades por baixo do capô no Deepin 15.6 Beta


A versão final do Deepin 15.6 deve sair ainda neste mês, o sistema, apesar de não ser "Bleeding Edge", é Rolling Release, então basta manter o seu sistema atualizado que você chegará nesta versão.

Agora o Deepin está com o Kernel 4.15.x, assim como o Ubuntu 18.04 LTS ou o novo Linux Mint 19, porém seus drivers não acompanham as mesmas releases que estas distros.

Em termos de Wi-Fi, me parece que o problema de queda de conexão foi resolvido, quanto aos drivers de vídeo, eles ainda não são os mais recentes. O driver Nvidia por exemplo está na versão 387.x, enquanto que no repositório do Ubuntu estamos com a versão 390.x ou superior.

Tivemos também uma queda considerável no consumo de memória RAM logo após o Boot, conseguindo beirar os 600 MB, dependendo de como você use o sistema e o que coloque na inicialização.

A Deepin Store recebeu muito mais aplicativos e está cada vez mais completa também, ela agora possui uma sessão completa de aplicativos Flatpak, assim como fez o Linux Mint na sua Mint Install.

Linux Deepin Flatpak

Linux Deepin Flatpak

Em termos de repositório, o repositório padrão continua um pouco lento, sendo necessário alternas o /etc/apt/sources.list para ter um download mais rápido, como mostramos neste tutorial.

Inclusive, fica como sugestão para os desenvolvedores. Durante a instalação o Deepin poderia fazer o benchmarks de velocidade de mirrors e configurar o mais veloz para cada usuário, visto que a opção de alterar os mirrors que existe no painel de configurações não me parece ser muito eficientes.

Novidades na interface


Conforme a entrevista que os desenvolvedores do Deepin concederam ao blog Diolinux há quase um ano, o Deepin agora está entrando em uma fase de lapidação, sem mudanças drásticas, mas ainda assim com vários implementos.

O Deepin File Manager, ou gestor de arquivos, recebeu várias implementação. Uma delas é que o gestor de arquivos, assim como vários outros aplicativos, suportam o tema Dark de forma individual. Você agora não precisa alterar o tema do sistema inteiro para ter um tema escuro em uma aplicação, basta alterar nas configurações de cada aplicativo.

Deepin File Manager

Outra novidade no gestor de arquivos é a possibilidade de adicionar tags com cores a pastas e arquivos. Ao marcar qualquer arquivo com uma tag de qualquer cor, um marcador é adicionado na coluna lateral esquerda, assim como temos no macOS, mas de forma dinâmica.

Deepin File Manager

O modo compacto do menu, que por padrão é em tela cheia, agora tem um visual mais parecido o menu do antigo Windows 7, com atalhos para pastas, aplicativos mais recentes, campo de busca, configurações do sistema, opções de desligar, reiniciar, suspender e mais, além de exibir o relógio do sistema com data e hora. No topo também temos o acesso rápido as configuração de seu usuário.


Falando em configurações, o painel lateral do Deepin recebeu uma atualização muito bacana, agora enquanto você navega pelas opções e configurações o painel exibe também os ícones de cada sessão, permitindo que você possa facilmente deslocar-se para outra sessão com maior agilidade.


Outra ferramenta nativa que ganhou várias implementações é o "Deepin Manual", que como o nome sugere é uma aplicação do tipo manual com todas as informações sobre cada um dos aplicativos fornecidos pelo Deepin.

Deepin Manual

Deepin Manual

Outra ferramenta muito bacana que foi criada para esta próxima versão do Deepin é o "Deepin Introduction".

Deepin Bem-vindo

O aplicativo mostra um vídeo introdutório das funções básicas do ambiente gráfico e também dá algumas opções básicas para o usuário configurar:  Como, por exemplo, a opção de usar a área de trabalho no "modo fashion" ou no "modo eficiente", escolher qual tema de ícones o usuário quer utilizar e até se quer usar ou não efeitos nas janelas da interface.

Deepin Bem-vindo

Se você estiver interessado em baixar essa versão Beta do Deepin para fazer os seus próprios testes deste link do Google Drive.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Nat Friedman, novo CEO no GitHub, responde dúvidas de desenvolvedores no Reddit

Nenhum comentário

sexta-feira, 8 de junho de 2018

A Microsoft anunciou a compra do GitHub nesta semana e isso acabou gerando vários debates, especialmente no mundo dos desenvolvedores. Para acalmar os ânimos, o novo CEO veio a público para tirar dúvidas.

Respostas de Nat Friedman no Reddit






Eu não sei se o pessoal da Microsoft se sentiu compelido em ir a público para falar com os desenvolvedores, mas de toda a forma, são raros os momentos em que eu vi um CEO de uma empresa desse porte ir a público de uma forma tão "crua" e simplesmente dizer:

"- Me perguntem o que quiserem."

Foi isso que Nat Friedman fez ontem no Reddit, ele criou um tópico se apresentando e dizendo que os desenvolvedores poderiam perguntar a ele o que quisessem e tirar todas as suas dúvidas, naturalmente várias perguntas começaram a aparecer.


Friedman falou sobre a postura da Microsoft em relação ao GitHub, falou sobre o desenvolvimento do editor Atom, do VS Code e revelou ser um usuário de longa data de EMACs, ele comentou também sobre a migração de alguns desenvolvedores para o GitLab. Você pode conferir todas as perguntas com suas respostas neste endereço.

Vale a pena conferir para ficar  mais informado.

Até a próxima!

Agradecimentos ao leitor Robert San pela informação.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Sobre a compra do GitHub pela Microsoft

Nenhum comentário

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Microsoft e GitHub anunciaram que, em comum acordo, agora a empresa dona de um dos serviços de repositório de software mais populares que existe pertence à "Gigante de Redmond". Tornando a Microsoft uma empresa mais influente e próxima dos desenvolvedores.

Microsoft e GitHub






Tem gente que gosta de catastrofismo, e devo admitir, deve gerar muitos cliques colocar alguns "títulos apocalípticos" por aí, não posso os culpar, mas eu geralmente tenho uma forma mais conservadora de trabalhar quando notícias "bombásticas" como esta vem à tona.

Esse é o motivo, inclusive, de eu estar escrevendo este texto várias horas (dias na verdade) depois do acontecido.

O passado me mostrou que geralmente "os empolgados" podem acabar se equivocando caso não soem neutros. Por isso, depois da compra ter se confirmado, de pessoas terem se revoltado, de outras terem comemorado; a que conclusão eu cheguei a respeito do assunto?

A compra do GitHub pela Microsoft


Foram 7,5 Bilhões de dólares, definitivamente um dinheiro que não estamos acostumados a ver em nosso dia a dia, fora de grandes negócios, ou grandes casos de corrupção. Mas por que a Microsoft estaria disposta a pagar essa quantia pelo GitHub?

- Para mais informações sobre a Notícia da compra, recomendo a leitura do texto da minha amiga Mariana Barbosa.

Ouvindo pessoas (é sempre bom ouvir) com opiniões diversas, conversando com amigos, algo me parece claro: A Microsoft não parece ser a mesma empresa outrora, não no sentido de querer "apenas obter lucro", mas é uma empresa que teve de reaprender a se colocar no mercado.

Atualmente a informação vale mais do que qualquer produto tradicional, informação é o produto! A Google é uma das maiores do mundo não só por seus produtos de qualidade, mas pelo que eles geram: Conhecimento sobre você e eu.

A Microsoft está deixando de ser apenas uma produtora de software, como fora em outros tempos, para ser uma fornecedora de serviços, e nada como conhecer o seu cliente, certo?

"Hoje em dia o produto é o serviço e não o produto." É esquisito falar assim, mas é isso mesmo.

A Microsoft é dona de muito mais empresas e serviços do que você imagina, mas vamos observar dois apenas. O LinkedIn e o GitHub.

A combinação de ambos permite que a Microsoft tenha acesso a uma imensa base de dados de o que as empresas estão necessitando e quais as tecnologias que as pessoas mais estão usando, para colocar de forma simples.

Com esse tipo de conhecimento é muito mais fácil criar produtos para atender demandas crescentes, muitas vezes sem usar o Windows diretamente, como é o caso do Azure e do Azure Sphere OS. 

A Microsoft está empenhada em oferecer tecnologia para seus clientes, atender suas demandas. Se para fazer isso ela terá de deixar de usar Windows em todas as soluções que oferece ou abrir o código de suas aplicações (como já fez com várias), que seja. Parece que é um "preço" que eles estão dispostos a pagar.

O modelo Open Source venceu?


Eu lembro do tempo em que se falava que a Microsoft era "a inimiga número um de projetos de código aberto". Dizia-se isso por ela ser uma das pioneiras e maiores empresas a distribuir softwares de código fechado, além disso, em outros tempos, seus líderes fizeram ásperos discursos contra o movimento Open Source, Software Livre, Linux, etc. No coração dos magoados, isso talvez permaneça latente. Certamente é um sentimento inútil, mas que continua deixando as pessoas com um (ou até dois) pé atrás. O que, de toda forma, também não é de todo mal.

Sempre vi em algumas comunidades de software livre que a maior "diversão" era ter um inimigo em comum contra quem lutar. O "ódio" de alguma coisa muitas vezes une mais as pessoas do que ter coisas em comum, por mais idiota que isso possa parecer. As pessoas que entre si tem inúmeras divergências mas odeiam algo em comum acabam por se unir, mais uma vez, isso é uma lição histórica.

Em pleno 2018, eu vejo uma Microsoft que está se rendendo ao que a comunidade Open Source sempre tentou lutar em prol.

Observe: para continuar tendo sucesso em seus negócios, é a Microsoft que está tendo que se aproximar do Linux e do mundo dos softwares abertos, dos desenvolvedores e dos hackers, e não o contrário.

Se o objetivo era fazer com que a Microsoft não fosse mais "aquele monstro proprietário", parece que finalmente estamos no meio deste processo. Existem muitas empresas que trabalham com softwares Open Source, que trabalham com Linux, que são muito mais fechadas que a Microsoft, a grande questão é que com a MS, tudo tem uma escala maior por conta do seu nome e por conta do próprio tamanho da empresa.

A compra do GitHub pela "turma do Nadella" acabou gerando uma debandada de alguns desenvolvedores para um concorrente com popularidade crescente, o GitLab. Ambas ferramentas procuram oferecer o mesmo tipo de serviço, cada  um com suas particularidades.

O lado irônico dessa mudança, é que o GitLab (que ao que parece pretende migrar para serviços de outra gigante, a Google) no momento ainda roda no Azure, da Microsoft:

GitLAB

GitLAB

Mais irônico que isso é só o pessoal que está reclamando da compra do GitHub no LinkedIn.

Estes tipo de escolhas são pessoais, claro, se você não gosta de algo e existem alternativas, você pode se sentir livre para mudar. Mas hoje eu convido você que foi "treinado para odiar" a Microsoft a refletir sobre o assunto e tentar entender o porque disso.

Não era a mudança de postura da empresa que todos queriam? Não é isto que está acontecendo agora mesmo em algum nível?

Algo que eu acho extremamente importante de ressaltar é que grandes companhias assim costumam refletir a postura de seus líderes. 

Não era a Microsoft que odiava Linux ou Software Livre, era o Steve Ballmer. Os motivos dele pensar assim são obscuros, talvez ele tenha se desenvolvido como profissional entendendo somente uma forma de trabalho e o software livre estava atrapalhando a visão estreita que ele tinha das coisas. 

O Nadella por outro lado é criado em meio ao mundo Open Source e levou a sua visão para a Microsoft, depois de sua chegada podemos dizer que a empresa aprendeu a se recolocar no mercado lucrativo, com serviços em nuvem, internet das coisas e até mesmo serviços para dispositivos móveis. 

Por mais que o Windows, o Office e o XBox sejam produtos mais "visíveis" para as pessoas, e eles obviamente gerarem receita para a empresa, a "mina de ouro" está na infraestrutura.

Você já deve ter ouvido falar da IBM, certo? Olhe ao seu redor hoje e veja quantas coisas com a marca "IBM" você tem ao seu redor. Não muitas provavelmente, se é que tem alguma. No entanto até hoje a IBM é um das maiores empresas do mundo no mercado de tecnologia, justamente por atuar há tantos anos e ter focado neste mercado que a Microsoft está "loucamente" tentando conseguir uma fatia.

Ao invés de continuar gastando milhões para fazer o Windows Phone funcionar como uma nova plataforma, eles criaram um ecossistema para o Android com soluções da Microsoft no lugar das soluções Google, porque no fim das contas eles não querem que o Windows necessariamente seja a plataforma para as pessoas, eles querem que as pessoas usem seus produtos, seja como for.

Um exemplo de que a mentalidade "do chefe" pode influenciar em como vemos a empresa de fora, mas que não muda as pessoas que fazem parte dela é que: Imagine que você é o dono de uma empresa, e você comenta publicamente e com todos os seus funcionários que "azul é uma cor horrível, você odeia azul, azul estraga o mundo, azul é o câncer da comunidade."

É natural que as pessoas de fora pensem que a sua empresa toda pense que "Azul é uma droga", quando na verdade cada um dos funcionários tem a sua própria visão sobre isso e quem realmente odeia azul é você, seja lá qual for o motivo.

Para mim, uma empresa é feita de pessoas, ainda que o líder esteja lá para representá-las de alguma forma, as relações entre pensamentos e ações vão muito além disso. Basta você ter a sua própria empresa para saber ou observar se você concorda com as opiniões do seu chefe sobre tudo.

O que pode acontecer com o GitHub no futuro?


Você pode ouvir pessoas especulando o quanto quiser, mas a verdade é que nenhuma delas realmente sabe o que vai acontecer.

Tudo bem, podem haver especulações baseadas em ações passadas, são suposições com fundamentação, mas em momento algum no passado a Microsoft que comprava empresas tinha a postura que esta empresa atual tem.

Para mim o LinkedIn, por exemplo, só melhorou depois da chegada da Microsoft, finalmente temos uma versão do Skype para Linux que não deixa a desejar em relação a versão de Windows e macOS, mas nem mesmo as boas ações recentes da empresa são garantia de que ela não vai fazer algo que tornará o GitHub menos interessante no futuro.

Eu sei que é difícil para você (ser humano) admitir que não sabe de algo e conviver com isso sem preencher as lacunas com a sua imaginação, mas tente ser honesto.

Tirando o seu gosto pessoal (que deve ser respeitado), existe alguma mudança no GitHub que tenha inviabilizado, comprometido ou causado algum desconforto técnico para você remover o seu repositório de lá?

Você pode tomar a decisão baseada em emoção e fazer qualquer mudança, ou esperar, analisar a situação e se realmente ficar ruim, sair. Nada vai te impedir.

Temos que parar de usar as nossas emoções para pensar e começar a pensar sobre as nossas emoções. Quando você colocou o seu repositório lá no GitHub eu imagino que você tivesse ciência de que ele era uma empresa e que poderia ser vendida para qualquer um que tivesse dinheiro para tal.


Por mais que possa se configurar como "efeito manada", um indicativo de que "algo errado estaria acontecendo" com o serviço, seria quando grandes projetos começassem a debandar de lá, porque literalmente todas as grandes empresas de tecnologia que trabalham com Open Source mantém alguns códigos lá, incluindo o Kernel Linux.

Mudar porque existe algo melhor ou que lhe atenderá melhor é um bom motivo para desprendimento de energia, o resto é, como dizem hoje em dia, puro "mimimi". Se fosse a Google que tivesse feito a compra, será que a reação de quem reclamou seria a mesma? E se fosse a Red Hat?

Acredite, existem pessoas que odeiam cada uma dessas empresas tanto quanto outras odeiam o Windows ou a Microsoft.

Mas você ganha o que mesmo odiando algo? 🤔
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Precisando de um Action Camera 4k?? Temos uma dica ótima para você

Nenhum comentário

terça-feira, 5 de junho de 2018

Não faz muito tempo que as câmeras de ação (acontion cams) deram as caras no mercado, desde então vem ganhando adeptos a cada dia. Essas pequeninas câmeras caíram no gosto popular, pois são portáteis, leves, de fácil manuseio e resistentes, sendo a precursora mais famosa, a GoPro.






Em nosso canal do YouTube fizemos uma review e um unboxing detalhando as impressões sobre a ThiEYE T5 Edge, que vocês podem conferir no vídeo abaixo.



Acima, como você pode ver, existem muitos detalhes interessantes sobre a câmera, sendo que os principais detalhes técnicos são:

Controle remoto por voz (somente em inglês por enquanto);


●  Vídeos nativos em resolução em 4k e em 30fps;


●  tela IPS HD Ultra de 2" ;

●  Estabilizador do giroscópio (EIS em 4k e em 1080p);

Resistente a água até 60m.

Para mais detalhes sobre a câmera deste review e para conseguir comprar-lá com um desconto especial, acesse este endereço.

Agora nos conte aí nos comentários se você já possui alguma action cam e qual a sua experiencia com ela ou se voce esta em busca da ideal para o seu dia a dia.

Espero que tenham gostado, aguardo vocês ate uma próxima e um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


SEGA Mega Drive & Genesis Classics agora disponível para Linux

Nenhum comentário
No fechar das cortinas do mês de Maio fomos surpreendidos pela SEGA ao anunciar o seu emulador  Mega Drive & Genesis Classics com suporte total para Linux e macOS, incluindo novos recursos como o suporte online para dois jogadores.

SEGA Mega Drive & Genesis Classics agora disponível para Linux







Na terça-feira (29) a SEGA soltou uma nota em seu blog oficial na Steam anunciando as novidades que estavam chegando ao seus emulador dos jogos antigos e a chegada para as plataformas Linux e macOS. Antes o emulador só estava disponível para Windows.

A lista completa dos updates foi a seguinte:

Multiplayer online para dois jogadores;

Tabela de classificação ;

Challenge Mode;

Suporte de ROMs de regiões diferentes;

Avançar ou Retroceder o jogo;

Limite do Sprite desabilitado;

Mirror mode - reverter a tela e ter um novo desafio nos jogos;

●  Suporte ao VR (essa foi surpresa);

 Suporte para Mac e Linux nativamente.

São cerca de 53 jogos incluídos nesse pacotão de jogos da SEGA, tendo vários gêneros e estilos de jogos que marcaram época do anos 1990.

Dentre esses títulos temos alguns clássicos como:

Alex Kidd in the Enchanted Castle;

 Shinobi III ;

 Virtua Fighter ;

Comix Zone ;

entre outros.


MAS E O SONIC VAI TER???

 

Sim meu caro gafanhoto, o ouriço mais veloz do planeta vai estar incluso neste pacotão de jogos com os títulos: Sonic the Hedgehog, Sonic 2, Sonic 2D Blast e o Puyo Puyo que serviu de inspiração para o Doctor Robotinik's Mean Bean Machine (todos inclusos). Sonic 3 e Sonic & Knuckles ainda estão no processo de porte, mas até o momento desse artigo estão sem suporte nativo para Linux.

E O PREÇO???


Você pode comprar o pacote SEGA Mega Drive & Genesis Classics por £24.99/$30 (na cotação atual por R$75), acessando o link oficial da Steam Aqui. Na loja da Steam ainda não aparecem os outros sistemas operacionais, mas isso dever ser corrigido em breve.

Ainda tem "espaço" para virem mais jogos, como Mortal Kombat II, Castlevania e mais um monte de jogos que fizeram sucesso no console da SEGA porém, isso depende dos acordos comerciais que ela fizer.

Conte pra gente aí nos comentários, qual jogo voce queria que entrasse com suporte oficial para Linux dentro do emulador da SEGA?

Espero você numa próxima, forte abraço.


_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


SIGE Lite - Um software ERP completo e grátis para Linux, Windows e macOS

Nenhum comentário
Dizem que um dos segredos do sucesso de qualquer negócio está na forma com que ele é gerenciado. Nas mãos de alguém que não tem a empresa "na ponta dos dedos" até as maiores franquias do mercado podem definhar. Nesse "meio campo" é que entram softwares do tipo ERP (Enterprise Resource Planning) para ajudar a organizar e planejar as empresas e os negócios, assim, ter sucesso ou não passa a ser uma questão de ter um bom produto e um bom marketing.

Sige Lite - ERP Grátis para Linux Windows e macOS






Algo que sempre pediram muito aqui no blog foi para que eu escrevesse sobre algum software bacana para essa finalidade de gerenciamento empresarial e que rodasse também no Linux. Pois bem, acabei de encontrar um incrivelmente fácil de usar e com vários recursos, o Sige Lite.

Sige Lite Download

Por ser multiplataforma você pode considerar um ambiente misto de empresas com sistemas diferentes e ainda assim poder utilizar a ferramenta sem maiores problemas.

Acessando o site oficial você pode baixar o aplicativo para o seu computador, no caso do Linux ele é distribuído em AppImage, um formato cada vez mais popular, portátil e que funciona em qualquer distribuição.

Para rodar o aplicativo em AppImage basta ter certeza que ele está com permissões de execução nas propriedades do arquivo e executar dando dois cliques.

Sige Lite no Linux

Sige Lite no Linux

Uma vez instalado você vai poder logar-se com a sua conta ou criar uma conta para usar a ferramenta de forma gratuita.

Criando uma conta no Sige Lite

Criando uma conta no Sige Lite

As informações colocadas na hora da criação da conta serão utilizadas como base de informações no ERP, mas como trata-se de um software capaz de emitir notas fiscais, é interessante gastar um tempo nas configurações do programa para preenche-lo completamente.


Ao se logar, a primeira tela que você verá é uma Dashboard muito intuitiva, ela lhe dará acesso as informações mais importantes da sua empresa:

Sige Lite


Você pode cadastrar pessoas e produtos facilmente, você tem um calendário que pode conter informações sobre lançamentos que precisam ser feitos, faturamento e gastos, tudo isso de uma forma muito visual e fácil de compreender.

Temos aqui algumas imagens de exemplo com alguns dados fictícios para que você possa visualizar melhor o funcionamento da aplicação.

Site Lite ERP

Site Lite ERP

Além de ter clareza quanto a contas à receber e à pagar, você também pode cadastrar contas bancárias diversas para destinar valores.

Site Lite ERP

Há também o sistema de emissão de nota fiscal de forma simples, completo, grátis e que funciona mesmo sem acesso à internet, ou seja, chega de colocar a culpa "no sistema" por não poder finalizar a venda.

Site Lite ERP

Site Lite ERP

Você tem também um módulo de PDV completo para fazer as operações de venda ao cliente.

Site Lite ERP

Site Lite ERP

Site Lite ERP

Site Lite ERP

E como você pode ver, é possível gerenciar os clientes, adicionando informações pertinentes a cobrança, observar vendas, entre outras coisas.

Recursos avançados e outras funcionalidades


Uma novidade muito interessante que surgiu na última atualização do Sige Lite foi a integração com o sistema de recebimento do Mercado Pago, muito popular dentro do Brasil, criação do Mercado Livre.

O Sige Lite tem essa versão completamente grátis, mas existe uma versão premium por um valor bem em conta, com mensalidades à partir de pouco menos de RS 90,00 que te oferece alguns recursos interessantes. Tudo isso que você viu até agora está na versão grátis, na versão premium você tem acesso ao Sige Cloud, o servidor de sincronização em nuvem da empresa que o desenvolve, garantindo que os seus dados estejam sempre a salvo. O modo premium também permite acesso a relatórios de cada segmento, podendo ser exportado em PDF ou em planilhas compatíveis com o Microsoft Excel ou com o LibreOffice Calc, além de, é claro, ter suporte por parte da empresa, coisa que a versão grátis não possui.

É bom observar que alguns dos recursos listados aqui estão disponíveis somente na versão paga, mas podem ser extremamente úteis, como:

- Gestão Financeira;
- Gestão de Vendas;
- PDF com Cupom Fiscal Eletrônico;
- Gestão de Estoque;
- Gestão de Serviços;
- Gestão de Compras;
- Gestão de Fiscal;
- NF-e de Exportação;
- Documentos Personalizados;
- Gestão de Contratos;
- Gestão de Produção;
- Gestão de CRM;
- Relatórios;
- Central de Integrações;
- Integração com Google Apps;
- Gestão de Expedição;
- SIGEP Web - Correios;
- Gestão de Tarefas;
- Gestão de Frotas;
- Gestão de RH;
- Gestão de arquivos;
- Sistema Online e mais.

Você pode ler mais detalhes sobre as funcionalidades na página oficial, lá os desenvolvedores explicam cada detalhe com maior clareza.

Mesmo sem assinar a versão premium, você tem bastante material de apoio para utilizar a ferramenta com uma Central de ajuda completa e uma playlist no YouTube com vários vídeos relacionados ao funcionamento e apresentação da ferramenta.

Acho que hoje eu finalmente consegui preencher uma das lacunas de informação que perdurava aqui no blog há anos, um bom software ERP! Missão cumprida pelo visto! :)

Espero que a informação tenha sido útil para você, até uma próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo