Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Comandos básicos para quem está chegando ao Arch Linux e Manjaro

Nenhum comentário

quarta-feira, 10 de julho de 2019

Se você está chegando ao mundo Linux e está começando nele através do Arch Linux ou do Manjaro, esses comandos vão lhe ajudar e muito na sua jornada no sistema. Vamos falar do gerenciador de pacotes pacman.

Comandos básicos para quem está chegando ao Arch Linux e Manjaro






Esse artigo também serve para quem estiver vindo da base Debian/Ubuntu e está procurando os comandos equivalentes ao apt. Lembrando de sempre verificar se os comandos estão digitados da forma correta, para não haver falhas.


Vamos fazer em um “esqueminha de tabela”, onde em cima fica o(s) comando(s) base Debian/Ubuntu e em baixo fica os comandos para Arch Linux e Manjaro, fecho? Então bora lá.

Vamos começar pelo básico, que é atualizar os pacotes do sistema.

sudo apt-get update / sudo apt update              

pacman -Sy = sincroniza os repositórios.
pacman -Su = procura por atualização.
pacman -Syu = sincroniza os repositórios/procura por atualização.

Quando se precisa fazer uma atualização dos pacotes e das dependências:

sudo apt-get upgrade / sudo apt upgrade / sudo apt-get dist-upgrade / sudo apt full-upgrade

sudo pacman -Syyu = sincronização total/procura por atualização.
sudo pacman -Syy = sincroniza os repositórios do Manjaro Linux.


Quando precisamos procurar algum programa via terminal, utilizamos esses comandos:

apt-cache search nome_do_pacote  /  apt search nome_do_pacote

sudo pacman -Ss nome_do_pacote = procura por um pacote.

Feito isso, chegou a hora de instalar o(s) pacote(s), e é uma tarefa bem fácil. No Manjaro / Arch Linux tem uns “Plus”:

sudo apt-get install pacote / sudo apt-get install pacote 1 pacote 2 … / sudo apt-get install -y pacote / ainda sudo apt install pacote

sudo pacman -S nome_do_pacote = instala um pacote

sudo pacman -Sw nome_do_pacote = apenas baixa o pacote e não o instala.

Após encontrar o pacote desejado e instalado, caso queira  ver o “Sobre” ou “About” do pacote, usamos os seguintes comandos:

apt-cache show nome_do_pacote (mostrando o cache local dele) ou o apt show pacote

sudo pacman -Si nome_do_pacote = mostra informações de um pacote não instalado.

sudo pacman -Qi nome_do_pacote = mostra informações do pacote já instalado.

sudo pacman -Se nome_do_pacote = instala apenas as dependências.

Já na remoção de algum pacote, temos duas opções no Arch Linux / Manjaro, uma removendo somente o pacote ou removendo o pacote e suas dependências, os comandos são:

sudo pacman -R nome_do_pacote = remove um pacote.

sudo pacman -Rs nome_do_pacote = remove o pacote junto com as dependências não usadas por outros pacotes.

Se você precisar de mais parâmetros e ajuda, acesse diretamente no terminal, digitando pacman -h ou pacman --help ou acessando os links de ajuda da Wiki do Arch Linux, que alguns estão em inglês, mas nada que o Google Tradutor não ajude 😉, outros estão em português.

Links da Wiki do Arch Linux: Link 1 , Link 2 e Link com todos comandos detalhados.

Espero que esse guia básico tenha lhe ajudado. 😁😉

Confiram também o tutorial completo sobre Arch Linux que tem lá no canal, confiram abaixo

          

Ou se você preferir usar o pamac, mostramos ele no vídeo sobre o Manjaro

          

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Comandos básicos para quem está chegando ao Fedora

Nenhum comentário

Se você está chegando ao mundo Linux e está começando nele através do Fedora, ou está migrando de alguma outra distro, como o Ubuntu ou Mint, esses comandos vão lhe ajudar e muito na sua jornada no sistema do “chapéu azul”.


Comandos básicos para quem está chegando ao Fedora






Esse artigo também serve para quem estiver vindo da base Debian/Ubuntu e está procurando os comandos equivalentes ao apt. Lembrando de sempre verificar se você está no modo root nos casos específicos.

Vamos começar pelo básico, que é atualizar os pacotes do sistema. No Debian/Ubuntu se usa o sudo apt-get update ou sudo apt update, já no Fedora usamos o:

sudo dnf check-update

Quando precisar atualizar os pacotes instalados usamos o sudo apt-get upgrade / sudo apt upgrade ou para adicionar/remover pacotes que tenham novas dependências, usamos o  sudo apt-get dist-upgrade / sudo apt full-upgrade. Já no Fedora usamos o :

sudo dnf upgrade

Quando precisamos procurar algum programa via terminal, no Debian/Ubuntu é utilizado o apt-cache search nome_do_pacote ou apt search nome_do_pacote. Já no Fedora é utilizado:

dnf search nome_do_arquivo ou dnf search all nome_do_aquivo (esse último, inclui na procura a descrição do pacote)

Após encontrar o pacote desejado, caso queira  ver o “Sobre” ou “About” do pacote. Quando utilizando Debian/Ubuntu, o comando é apt-cache show pacote (mostrando o cache local dele) ou o apt show pacote. No Fedora pode se usar dois comandos, que são:

dnf info pacote ou dnf repoquery --requires pacote (listando as dependências para aquele pacote)

Feito isso, chegou a hora de instalar o(s) pacote(s), e é uma tarefa bem fácil. Na base Debian/Ubuntu, você geralmente utiliza sudo apt-get install pacote ou sudo apt-get install pacote 1 pacote 2 … ou sudo apt-get install -y pacote ou ainda sudo apt install pacote. No Fedora segue quase a mesma “linha”, que seria:

sudo dnf install pacote 

ou

sudo dnf install pacote1 pacote2 

ou

sudo dnf install -y pacote

Bem simples “né não” 😄

Agora se você precisar instalar um pacote dentro de uma pasta por exemplo, no Debian/Ubuntu você usa o comando sudo dpkg -i pacote.deb (formato usado em grande maioria por distros Debian, Ubuntu e suas “filhas”). No Fedora não é muito diferente, e o comando é:

sudo dnf install pacote.rpm (rpm é o tipo de empacotamento usado no Fedora)

A remoção é bem simples também, no Debian/Ubuntu usamos sudo apt-get remove pacote ou sudo apt remove pacote. Já no Fedora, só mudamos a “palavrinha”, mas a ideia é a mesma:

sudo dnf erase pacote ou sudo dnf remove pacote

Por último, mas não menos importante, para adicionar o repositório RPM Fusion, tanto com as versões free e nonfree, basta utilizar o seguinte comando:

sudo dnf install https://download1.rpmfusion.org/free/fedora/rpmfusion-free-release-$(rpm -E %fedora).noarch.rpm https://download1.rpmfusion.org/nonfree/fedora/rpmfusion-nonfree-release-$(rpm -E %fedora).noarch.rpm

Se você precisar de mais parâmetros e ajuda, você pode acessar diretamente no terminal, digitando man dnf ou acessando os links de ajuda do Fedora e da Red Hat, que estão em inglês, mas nada que o Google Tradutor não ajude 😉.

Espero que esse guia básico tenha lhe ajudado. 😁😉

Confiram o vídeo de Review do Fedora 30 

            

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Organize seus arquivos via terminal com o Classifier

Nenhum comentário
Existem situações em que a melhor opção e mais prática, é deixar o computador “fazer todo serviço sujo”. Não me entenda mal, mas tarefas demasiadamente repetitivas acabam me desmotivando. Por exemplo, é comum você lotar sua pasta Downloads com inúmeros arquivos, e para encontrar algo rapidamente é “um parto” (como diria “O Cara do TI”). Pensei em criar um script para resolver este problema, porque não pesquisar e ver se já existe uma solução? Afinal, não quero perder tempo “reinventando a roda”.

classifier-script-python-arquivos

Se assim como eu você necessita de uma solução que organiza automaticamente seus arquivos, de forma rápida e descomplicada, o Classifier pode ser uma boa solução. Esse script em Python é muito interessante.

Funcionamento do Classifier


Entender o Classifier não é nado complicado. Ele irá organizar automaticamente seus arquivos movendo conforme os tipos, para diretórios pré-selecionados pelo script. Por exemplo, arquivos de extensão “.mp3” serão movidos para uma pasta (no próprio diretório que você está organizando) chamada “Music”. Arquivos “.png” para uma chamada “Pictures” e sucessivamente. A seguir veja a lista de extensões e suas categorias, vindas por padrão:

IGNORE: 


part, desktop.

Music: 


mp3, aac, flac, ogg, wma, m4a, aiff, wav, amr.

Videos:


flv, ogv, avi, mp4, mpg, mpeg, 3gp, mkv, ts, webm, vob, wmv.

Pictures:


png, jpeg, gif, jpg, bmp, svg, webp, psd, tiff.

Archives: 


rar, zip, 7z, gz, bz2, tar, dmg, tgz, xz, iso, cpio.

Documents: 


txt, pdf, doc, docx, odf, xls, xlsv, xlsx, ppt, pptx, ppsx, odp, odt, ods, md, json, csv.

Books: 


mobi, epub, chm.

DEBPackages:


deb.

Programs: 


exe, msi.

RPMPackages: 


rpm.

Você pode adicionar novas extensões e modificar os nomes das pastas, diretamente no arquivo de configuração do Classifier, basta modificar o arquivo oculto “.classifier-master.conf” contido em sua pasta home. O próprio Classifier possibilita essa modificação, utilize o comando:

classifier --edittypes

Ou a versão abreviada do comando:

classifier -et

O editor de documentos padrão do seu sistema abrirá, assim você poupa tempo, sem precisar ir até sua pasta home e localizar o arquivo de configuração. Para resetar as modificações utilize este:

classifier --reset

Ou a outra opção:

classifier -rst

“Mãos na massa”


Para organizar seus arquivos, você poderá fazer de algumas maneiras. Navegando via terminal até o diretório que deseja organizar e logo após utilizar o comando “classifier”:

classifier-script-python-arquivos-organização-linux-organizar-ubuntu

Contudo, caso existam subdiretórios essa maneira não é a mais indicada. Sugiro criar uma pasta, onde visa manter os arquivos organizados e através do Classifier, especificar este diretório, por exemplo:

“classifier PASTA_COM_ARQUIVOS PASTA_ORGANIZADA”, a sintaxe seria assim:

classifier -d PASTA_COM_ARQUIVOS -o PASTA_ORGANIZADA

Onde “-d” (--directory) é o diretório alvo, com os arquivos e “-o” (--output) é a saída, onde os arquivos serão organizados. Você pode utilizar outros parâmetros e ver todas as funcionalidades do script, para isso acesse seu manual “--help”:

classifier -h 

Instalando o Classifier em sua distribuição


Antes de instalarmos o Classifier, será necessário instalar o gerenciador de pacotes Python. Utilize o comando conforme sua distribuição.

Debian, Ubuntu, Deepin, Mint e derivados:

sudo apt install python-pip

Fedora:

sudo dnf install python-pip

openSUSE

sudo zypper install python-pip

Arch Linux, Manjaro e derivados:

sudo pacman -S python-pip

Depois instale o Classifier:

sudo pip install classifier

O Classifier pode ser muito útil e prático para organizar aquela bagunça, sendo um utilitário indispensável para quem acaba com o tempo desorganizando seus arquivos. talvez ele não seja a solução mais “poderosa”, entretanto, aguardem que novidades poderão vir (😁😁😁).

Faça parte de nossa comunidade, acesse o fórum Diolinux Plus, e não perca nada.

Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Coloque emblemas em pastas do Nautilus!

Nenhum comentário
Um recurso muito comum nos "idos do GNOME 2" eram os emblemas em pastas do Nautilus, curiosamente, tal recurso ainda existe nativamente em gerenciadores de arquivos como o Caja, do ambiente MATE (que deu continuidade ao GNOME 2) e no Nemo, do ambiente Cinnamon. Apesar de ter passado por diversas mudanças, o Nautilus ainda tem suporte a essa ferramenta.

Emblemas do Nautilus






Esses "emblemas" servem para você identificar visualmente as pastas no seu gerenciador de arquivos, de acordo com o que você queira.

Emblemas disponíveis

Para adicionar esse recurso ao seu Nautilus, é preciso usar o pacote:
nautilus-emblems
Verifique o gerenciador de pacotes da sua distro Linux por ele e instale, se você usa Debian, Ubuntu ou algum derivado, use este comando:
sudo apt install nautilus-emblems
 Feche o Nautilus e abra novamente, ou encerre a sessão e logue-se novamente.

Como usar a ferramenta?


Usar o "Emblems" é muito simples, basta clicar com o botão direito sobre uma pasta qualquer, ir até o menu "Propriedades" e na janela que se abrir, você encontra a aba "Emblems", basta selecionar o emblema desejado, fechar e abrir o Nautilus e a pasta conterá ele.

GNOME Nautilus Emblems

Aproveite o novo recurso para otimizar a sua organização e participe do nosso fórum.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como eu faço a minha instalação do Ubuntu? - Dicas e Otimizações

Nenhum comentário

terça-feira, 9 de julho de 2019

Muitas pessoas me perguntam sobre customizações e configurações que eu faço no meu Ubuntu nas nossas lives na Twitch, por isso, resolvi produzir um vídeo e um artigo contando um pouco mais sobre o assunto. Material deste tipo pode ser útil, tanto para você pegar algumas dicas novas, quanto para ter algumas ideias de como fazer as suas próximas instalações. Vamos lá? 😄

Configurações do Ubuntu






Precisamos deixar algo claro antes de continuarmos: Este artigo não se trata de um "must have" ou um "must do", ou seja, não se sinta obrigado a fazer nada do que for descrito aqui, porque são simplesmente hábitos que eu tenho. Pode ser o que as minhas configurações não se encaixem no seu workflow, assim como você pode tirar algumas boas ideias daqui e acrescentar à sua forma de trabalhar, combinado? Não se trata de um "jeito certo" de fazer as coisas, se trata do meu jeito de fazer as coisas.

Eu produzi um vídeo que acompanha este artigo, onde é explicado de forma mais detalhada cada uma das configurações:



Por que Ubuntu? (No momento, 19.04 especificamente)


Eu tenho um longo histórico com o Ubuntu, ele sempre foi eficiente e estável para mim, tem todos os recursos de que preciso, além de ter uma ótima representação comercial, documentação e ser o nome para porta de entrada de muitos usuários ao mundo Linux, o que é perfeito para quem trabalha com o que trabalhamos aqui no Diolinux. 


Apesar de geralmente recomendarmos para trabalhos mais sérios a versão LTS do Ubuntu, eu estou usando a versão 19.04 (uma versão regular e não LTS) desde seu lançamento, em Abril deste ano (2019), ela trouxe algumas otimizações em relação ao GNOME Shell, e é muito mais rápida e otimiza que do que a 18.04 LTS (infelizmente até...), o que me fez escolhe-la por enquanto, além de já ter um visual que me agrada por padrão.

Eu estou ciente, e é bom que você também esteja, que essa versão terá seu suporte de atualizações de segurança encerrado em Janeiro de 2020 mais ou menos, o que implica em usar a versão 19.10, que sai em Outubro, ou voltar para a 18.04 LTS (o que não pretendo), visto que a próxima versão, 20.04 LTS, sairá apenas em Abril do próximo ano.

Como eu instalo o Ubuntu?


A minha instalação do Ubuntu não é exatamente a padrão, eu utilizo a instalação "Minimal Desktop", que traz menos aplicações e deixa o ambiente de trabalho um pouco mais compacto. Confira no vídeo abaixo a diferença entre os dois modos:


O motivo da escolha em relação a isso é simples: Eu quero  finalizar a instalação o mais rápido possível e quero que o sistema já esteja o mais pronto possível para a minha utilização (afinal tempo é dinheiro), mas não quero vários aplicativos de que não necessito.

Esse modo permite que eu instale o Ubuntu completo, com tradução, codecs, drivers, sem muitos aplicativos que eu não uso, como o Thunderbird ou o LibreOffice.

Para isso, durante a instalação, eu sempre marco a opção de atualizar o sistema enquanto instalo, e também a opção de instalar softwares de terceiros, que incluem codecs básicos e drivers essenciais.

E depois de instalar?


Apesar de já conseguir drivers atualizados fazendo a instalação do Ubuntu da forma com que foi descrita, por eu fazer lives e jogar muito, eu tento manter os drivers super atualizados para a minha placa de vídeo.

Atualmente utilizo uma RTX 2060 de 6GB e utilizo o repositório de drivers da Nvidia para o Ubuntu, conforme você pode conferir aqui neste artigo.

Depois disso, reinicio o computador.

Removendo Snaps

Eu gosto do conceito dos pacotes Snap, mas eles também tem seus prós e contras, como quase tudo. Acho desnecessário utilizar Snaps para algumas aplicações padrão do Ubuntu que acabam não ficando bem integradas com o tema que eu gosto de usar, então, por questão puramente estética, eu removo estes pacotes:

- gnome-system-monitor 
- gnome-calculator 
- gnome-characters 
- gnome-logs

Para removê-los, você pode usar a loja de aplicativos, procurar e remover cada um. Mas apesar disso, eles são úteis, então eu instalo as suas contrapartes em .deb. Se quiser fazer tudo de uma vez, use este comando no terminal:

snap remove gnome-system-monitor gnome-calculator gnome-characters gnome-logs && sudo apt install gnome-system-monitor gnome-calculator gnome-characters gnome-logs -y

Codecs

Outra coisa importante de garantir é a compatibilidade com arquivos de mídia, especialmente para quem trabalha com produção de conteúdo, por isso, o pacote ubuntu-restricted-extras acaba funcionando muito bem. 

Você pode instalar todos os codecs que precisar pela loja de aplicativos, em  modo gráfico, sem terminal, mas se preferir fazer pelo terminal:
sudo apt install ubuntu-restricted-extras

Google Chrome

Minha próxima parada é o Google Chrome, eu adoro o navegador e utilizo ele para tudo na internet há muitos anos, no caso do Ubuntu é só baixar o .deb direto do site da Google e instalar dando dois cliques. 

Flatpak

Eu utilizo vários pacotes Flatpak também, por isso habilito eles, como mostramos neste post, e instalo alguns softwares.

No caso do Ubuntu 19.04, é possível instalar e habilitar o repositório flathub para instalar pacotes da loja de aplicativos assim:
sudo apt install flatpak
sudo apt install gnome-software-plugin-flatpak
flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo
E instalo o OBS Studio (que funciona com o NVENC e Linux Browser) e o GIMP dessa forma:

flatpak install flathub com.obsproject.Studio
flatpak install flathub org.gimp.GIMP 
No caso do GIMP, também instalo o nosso patch, PhotoGIMP.

Gnome Tweaks

Eu não costumo fazer muitas mudanças no Ubuntu (GNOME) padrão, a única coisa que eu mudo é o tema padrão para seu "modo dark". Para isso uso o GNOME Tweaks:
sudo apt install gnome-tweaks
Dentro da sessão "Aparência" do programa, eu mudo o tema para "Yaru Dark".

Instalando Snaps

Como eu disse, eu gosto de Snaps, mas acho que eles fazem mais sentido em alguns momentos, como agora, onde os Apps de terceiros são oferecidos de forma oficial e com suporte assim, caso do Spotify e Skype, então, você pode procurá-los na loja de apps ou:
sudo snap install spotify
sudo snap install skype 

Extensões para o GNOME 


Eu perdi muito do hábito de customizar o meu desktop visualmente falando, mas uso duas extensões que agilizam a minha produtividade, ambas você encontra na loja de aplicativos:

- Multi Monitors Add-On: Muito interessante para quem trabalha com duas ou mais telas.

- Sound Input & Output Device Chooser: Tem um nome autoexplicativo, se atrela ao menu de som do GNOME e permite a troca rápida entre dispositivos de entrada e saída de áudio, o que é útil para pessoas como eu, que tem vários dispositivos conectados ao computador.

Programas extras

Alguns outros programas fazem parte do meu "set" de aplicações, como o DaVinci Resolve para edição de vídeo.


Para acompanhar o DaVinci Resolve e converter vídeos para um formato que o editor, em seu modo grátis, aceite, eu utilizo um software chamado WinFF.

Outros programas que fazem parte do meu uso diário são:

 - Virtualbox


- GUVCVIEW



- Telegram

- Gnome-Sushi

- Steam

- Proton

- Lutris e Wine

- Dropbox

- Insync

- Simplenote

- Flameshot

- Piper

Configurações adicionais


Para finalizar, algumas configurações adicionais que faço no meu Ubuntu:

- Desativo balões de notificação no painel de controle.

Configurações de notificações

- Habito o envio automático de erros no menu de privacidade.

Configuração de envio de erros

Essas são as configurações básicas que faço no Ubuntu para minha produvidade.

Mas é claro que...


Nada disso é um "pacote fechado", naturalmente, instalarei mais programas conforme uma necessidade eventual, assim como farei outros ajustes quando necessário.

Sinta-se à vontade para compartilhar as suas dicas aqui e no nosso fórum, participe e ajude a comunidade a crescer.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux 5.2 chega com quase 600 mil novas linhas de código

Nenhum comentário
No Domingo (7), Linus Torvalds lançou mais uma versão do Kernel Linux, contando com cerca de 596.000 novas linhas de códigos submetidas, ou seja, temos muitas coisas nova nessa nova versão do Kernel Linux.

Kernel 5.2 é oficialmente lançado






A primeira grande novidade é referente a Logitech, que ajudou a melhorar os drivers dos seus receptores wireless, como o Logitech Bluetooth “dongle” usado no teclado MX5500 e no receptor Logitech Unifying. Outro ponto, é que agora qualquer periférico da marca que trabalhe na frequência de 2,4 GHz (mouse, teclado, etc), vão poder retransmitir o status da bateria (quando disponível) para as GUIs dos desktops.

Uma adição que vai beneficiar muitos usuários, é o novo driver Wi-Fi da Realtek (mac80211) que tem suporte para os chips de rede wifi Realtek 802.11ac. O rtw88 agora suporta os firmwares RTL8822BE e RTL8822CE, contando com suporte também para modelos USB e SDIO futuramente.

Houve também um acréscimo no suporte para os computadores single-board da  linha Orange, com versões baseadas no  Allwiner (Orange Pi 3), Rockchip (Orange Pi RK3399) e também a  Nvidia Jetson Nano.

Também estão introduzindo a primeira “feature” do Sound Open Firmware (SOF), projeto encabeçado por Intel e Google, criando uma plataforma de código aberto para a criação de firmwares para processadores de áudio.

Outras melhorias e adições no Kernel 5.2 foram:

⏺ GeForce GTX 1650 recebeu suporte para o Nouveau;

⏺ Várias melhorias em laptops com  AMD Ryzen;

⏺ Otimização em dispositivos ARM;

⏺ Suporte para Intel Comet Lake;

⏺ Preparação para as novas AMD EPYC CPUs;

⏺ Suporte para hibernação sendo reativado no Intel Baytrail & Cherrytrail

Para mais detalhes técnicos, você pode consultar aqui e aqui.

Se você quiser experimentar essa versão do Kernel, pode utilizar a ferramenta UKTools, caso use Ubuntu ou algum derivado, ou baixar os pacotes manualmente, tais procedimentos são recomendados apenas para usuários avançados. Se você usa outras distros, como Fedora e Manjaro, provavelmente as atualizações estarão disponíveis em breve.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Grid de apps do Gnome pode receber novidades

Nenhum comentário
Recentemente abordei uma funcionalidade que está sendo implementada no grid de apps do Gnome-Shell, na qual possibilita “arrastar e soltar” as aplicações nas pastas e melhorar a organização da interface. Parece que mais novidades possam aparecer, deixando mais rico a experiência de utilização do usuário.

gnome-shel-menu-app-grip-novidade-linux

O time de designers do Gnome vem discutindo alguns refinamentos no grid de aplicações da interface, “aquele menu que lembra muito um menu de smartphone”, mesmo sendo um mockup a ideia é muito interessante. Alguns elementos seriam adicionados ao menu do Gnome-Shell, com opções para ver os aplicativos usados recentemente, com mais frequência, organizados alfabeticamente ou “custom”.

gnome-shel-menu-app-grip-novidade-linux

Isso permitiria um nível maior de categorização das aplicações no shell, que além das pastas (poderemos criar nativamente num futuro, como no post em que mencionamos o recurso “arrastar e soltar”), e agora a possibilidade escolher entre um modo personalizado ou continuar na organização por alfabeto. Tornar a livre movimentação dos apps e pastas no menu, poderia deixar “mais com a sua cara”. Claro, que para os bagunceiros, essa possibilidade só deixaria tudo mais desorganizado (“os males da liberdade” 😁😁😁). você pode acompanhar tudo isso diretamente do gitlab do Gnome. Se a novidade sair “do papel” e virar realidade, creio que muitos usuários vão gostar.

Você utiliza Gnome-Shell? Está curtindo essas possíveis mudanças? Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo