Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

XFCE 4.14 enfim lançado! Saiba quais são as novidades

Nenhum comentário

terça-feira, 13 de agosto de 2019

O XFCE é conhecido por ser relativamente leve e bem conservador. Não é difícil ver alguns usuários chamando ele de “rocha”, pois, sua fama é de prezar pela estabilidade e nem sempre acompanhar as últimas novidades (ao contrário de um KDE Plasma da vida). No entanto, essa característica não é um defeito, apenas um modo de se trabalhar.

xfce-gtk3-linux-interface-leve-customizável

A nova versão do “Ratinho mais querido entre os pinguins”, vem repleto de novidades e polimentos, eis logo a seguir alguns destes principais destaques:

  • Porte dos principais componentes de GTK2 para GTK3, do D-Bus GLib para GDBus; 
  • Área de trabalho com suporte a função do monitor principal RandR;
  • O gerenciador de janelas do XFCE agora possui suporte a VSync, HiDPI, aprimoramento do GLX com drivers proprietários NVidia ou XInput2;
  • Refinamento no plugin que permitia o agrupamento de janelas em listas;
  • Sincronização entre os wallpapers do usuário com Contas e Serviço;
  • Possibilidade de escalonamento das janelas GTK na caixa de diálogo de aparência e uso da fonte mono espaçada (a visualização por tópicos foi abandonada);
  • O mecanismo para pesquisa de aplicativos pode ser aberto como uma janela única, ou de forma tradicional. Sua navegação via terminal foi aprimorada.

A mudança não ficou apenas nos painéis ou componentes que “desenham e formam” a interface. As aplicações receberam muitas novidades. Podemos dizer que essa versão 4.14 do XFCE foi uma das que mais trouxeram mudanças. Por vários anos o XFCE permaneceu apenas com correções de desempenho e falhas, sem novidades ou adições que mudassem o comportamento, ou algum de seus elementos. Como mencionado anteriormente, essa característica mais conservadora do projeto, é um dos pilares que reforçam essa sensação de robustez e confiança do XFCE. Obviamente que outros aspectos, como leveza e um alto nível de personalização, são chamarizes para novos usuários.

  • O Thunar recebeu várias funcionalidades e correções, que vão de aspectos visuais à experiência do usuário. Por exemplo, sua barra de caminho recebeu uma revisão completa, suporte a miniaturas maiores e para ícones como miniatura (ou até mesmo arquivos de música, com álbuns em suas miniaturas). Melhor navegação via teclado e suporte a Blu-ray, pelo gerenciador de volume do Thunar;
  • Parole Media Play passou a possuir um “modo mini”, melhor integração com transmissões de rede e podcasts. O mesmo passou a inibir protetores de tela ou até mesmo configurações de energia que desligassem a tela, durante a reprodução de conteúdo;
  • O gerenciador de bateria foi refinado, permitindo suporte ao botão XF86Battery e o novo protetor de tela xfce4. Além, de correções de bugs e ajustes de recursos já existentes;
  • O add-on do painel ganhou novas funções, como: poder exibir o tempo ou percentual de baterias e dependerá do ícone padrão do UPower para trabalhar com temas de ícones. Afinal, com o LXDE migrando para base QT, o complemento do painel que responsável por isso foi removido.
  • O serviço de notificação recebeu um modo não perturbe e suporte a persistência;
  • Ristretto obteve melhoras em seu design e passa a poder configurar o plano de fundo da área de trabalho;
  • O gerenciador de área de transferência, através do GtkApplication, passa a ter maior compatibilidade com atalhos do teclado.
  • Melhorias no add-on do painel pulseaudio, proporcionando o controle de players de mídia remotamente;
  • A captura de tela com mais liberdade, sendo que o usuário pode mover a largura e altura da seleção de captura, entre outros detalhes;
  • E muito mais novidades.

Para maiores detalhes acesse o comunicado oficial do lançamento do XFCE 4.14. Lembrando que as Daily Builds do Xubuntu 19.10 estão com a versão de teste do XFCE 4.14, sendo questão de tempo para usarem a final.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: XFCE.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Comprometendo o Diolinux até o pescoço com Metas até o final do ano!

Nenhum comentário
Eu diria que este é o tipo de publicação que os fãs do blog e do canal vão se identificar mais. Hoje quero falar abertamente sobre prospecções do que gostaríamos de atingir até o final do ano e coisas que conquistamos juntos neste ano, já que passamos da metade dele recentemente, e isso aconteceu tão rápido que eu mal posso acreditar. 😊

Metas para o Diolinux





Eu nunca fui uma pessoa de criar muitas metas, nem mesmo aquelas de ano novo que todo mundo faz, porém, percebi que em se tratando do projeto Diolinux, eu costumava não fazer metas, e principalmente, não expô-las quando fazia alguma, pelo receio de fracassar, pelo receio de me sentir mal caso alguma delas não fosse atingida, ainda mais se eu me comprometesse com o público.

O Diolinux até pode ter começado como um projeto pessoal, mas hoje existe uma grande comunidade de pessoas que se identifica com ele, criando um ambiente saudável de aprendizado e compartilhamento de ideias, o que é algo sensacional, você deveria se orgulhar em fazer parte! Sério, pare e pense sobre o quanto, mudamos o pensamento dos brasileiros em relação a Linux nesta última década, e mudamos junto com você, que nos apoia e curte o nosso trabalho, cada vez que você compartilhou alguma coisa que criamos juntos. :)

Metas e projetos já alcançados


Nós produzimos neste ano por volta de 140 vídeos, praticamente 30 Diolinux Friday Shows, e igualmente 30 episódios do DioCast, assim como mais de 400 artigos no blog. Mas sem dúvidas, as 3 grandes conquistas foram:

- O lançamento do nosso fórum, o Diolinux Plus.

Um lugar onde a nossa comunidade pode se reunir para falar sobre os assuntos que gosta, se ajudar simultaneamente, e que provavelmente é o primeiro fórum que fala mais sobre Linux a ter categorias somente para galera que usa Windows e macOS conversar, sem discriminação, sem "treta". Não na tentativa de converter alguém, mas para mostrar que acima de tudo, somos amigos e profissionais e não importa que plataforma você goste mais, ali é um espaço de conhecimento, não de ideologia.

Atualmente o Diolinux Plus é mantido principalmente pelos nossos apoiadores no Apoia.se, que ajudam abater uma parte muito legal do valor de funcionamento do serviço. Muito obrigado pelo carinho! Já virou hábito cumprimentá-los pela manhã no nosso grupo no Telegram! :)

- A meta de 300 mil inscritos do canal no YouTube


Um marco inacreditável para um canal de Linux, ainda mais de lingua portuguesa. Hoje somos profissionais, hoje a comunidade Diolinux no YouTube é maior do mundo relacionada ao conteúdo.

Você, querido leitor, faz parte dessa história, você é responsável por isso!

Quer saber uma curiosidade? Eu tinha "explicado para mim mesmo" que não se tratava de uma "meta", mas sim de um "pensamento", algo que seria "legal", talvez justamente por não querer colocar essa pressão sobre mim e sobre você, mas lembro de ter imaginado que seria "uma boa coisa' se chegássemos aos 300 mil seguidores no YouTube até o final do ano, e conseguimos isso praticamente na metade do tempo!

Eu não poderia estar mais feliz! :)

- Lançamento do Diolinux Play

Pode parecer algo bobo, mas eu vinha planejando o Diolinux Play desde 2016, é claro que ele não tinha esse nome ainda, mas a ideia de como seria distribuído o conteúdo já existia. Então finalmente conseguir dar vida ao projeto é uma alegria sem tamanho!

O Diolinux EAD, nossa plataforma atual de cursos, se tornou menos atrativa perante aos concorrentes do mercado, que eventualmente se tornaram grandes parceiros, como a Udemy. Por conta disso, sempre pensei que seria muito mais interessante para vocês um formato mais "Netflix", que fosse mais barato do que a própria Netflix (e do que os cursos da Udemy).

Graças a ajuda do próprio YouTube e do nosso gerente de canal, o Bruno, da Google, tivemos acesso a ferramentas novas do serviço "Clube dos Canais", onde pudemos criar o nosso modelo por assinatura chamado "Diolinux Play". Graças a outra parceria fantástica, pudemos criar o site play.diolinux.com.br, com ajuda da HostGator, para organizar melhor os conteúdos que serão postados.

No Diolinux Play teremos vídeos extras exclusivos para os membros, nossos cursos do EAD serão levados para lá com o tempo, assim como novos conteúdos serão publicados também. Ter essa possibilidade de viabilizar o Diolinux Play realizou um sonho que eu tinha "há muitos verões". 

Há tempos que eu não me sentia tão compelido em fazer as coisas com um esmero ainda mais extremo do que o habitual para agradar aqueles que gostam tando da gente, que decidiram ser membros do clube e nos ajudar em mais um projeto. Muitas coisas legais estão sendo produzidas, vocês não perdem por esperar! :D

O que queremos alcançar com você até o final de Dezembro?


Eu estive em uma reunião recente com o Bruno, o mesmo do Google que eu tinha mencionado anteriormente, e acabei me comprometendo com uma nova meta para o canal para o final do ano, quase que sem querer.

Depois que eu saí da reunião fiquem me lembrando dos personagens "Chicó e João Grilo", de "O Auto da Compadecida", clássico brasileiro 😂


Dito isso, acho que a melhor forma de conseguir lidar com essa pressão, é justamente contando para todos sobre os planos para o projeto. Talvez isso possa lhe servir de inspiração para dizer em voz alta as coisas que você deseja alcançar também e te impulsione para realizar os seus sonhos também. :)

YouTube


YouTube

Seria muito mais fácil, e seria menos pressão talvez até, simplesmente considerar que a meta de 300 mil pessoas no canal foi atingida e "vamos declarar o ano como ganho", mas na verdade, desafios nos movem pra frente com maior ímpeto do que uma maré cheia de bonanza, por isso, o objetivo de 2019 será 350 mil inscritos no canal. Este foi um desafio colocado pelo próprio YouTube pra gente, literalmente.

Eu confesso que me sinto estranho expondo isso, afinal, se não der certo e não chegarmos todos saberão, mas é um risco que me disponho a correr junto com você. Nos ajude a atingir essa meta, leve o canal para pessoas que ainda não conhecem, compartilhem nossos vídeos, lembre de clicar no "Gostei" quando gostar dos vídeos, comente também. 

Quanto mais você interage com um vídeo, mais o YouTube entende que você gosta do material e é mais provável que você receba notificações dos vídeos e é mais provável que eles apareçam na sua timeline no YouTube.

Outro desafio é transformar o "Seja Membro" do YouTube em uma ferramenta fantástica de ensino e conteúdo mais sério. Quando o pessoal do YouTube pensou nesse "membership", eles miram algo mais semalhante ao que a Twitch tem com os criadores, como os SUBs, mas a verdade é que o YouTube é diferente, e também fomos desafios a nos tornarmos um case para a plataforma em relação a isso.

Posso contar com você para vencermos essa batalha? Será que conseguiremos nos consolidar como a maior comunidade Linux do YouTube, no mundo?

Estou ansioso para ver até onde conseguimos levar os nossos ideias de conhecimento e liberdade. :)

Instagram


Instagram


Eu fiz metas para 2019 para praticamente todas as redes sociais do Diolinux (exceto o Facebook), e o Instagram é uma delas. Atualmente ele é uma forma muito eficaz de produzir conteúdo e atingir pessoas de fora da "bolha Linux", algo essencial para quando se quer colocar as pessoas em contato com uma nova ideia.

Minha meta para 2019 é chegar a 10 mil seguidores por lá, pelo simples motivo de que, pelo que eu ouvi falar, à partir de 10 mil seguidores o Intagram permite que eu adicione links nos Stories para materias do blog e para outros conteúdos, naquele formato de "deslize para acessar", tornando o Instagram uma ferramenta eficiente de divulgação de artigos e postagens, vídeos, lives e muito mais.

Nesse caso, não falta tanto até, se você puder dar uma força, podemos chegar lá muito em breve! :)


Twitch


Twitch


A Twitch é o nosso canal de lives de games, a ideia é sempre jogar games no Linux e as coisas estão muito divertidas por lá, mas também temos alguns objetivos e eu gostaria pode poder contar com a sua ajuda.

Dentro da Twitch temos dois grandes objetivos:

- Conseguir a parceria com a Twitch

Parceria, é quando temos alguns requisitos mínimos para poder ser monetizados pela plataforma, e tornar o projeto autosustentável, como acontece no YouTube, precisamos de 75 pessoas assistindo simultaneamente em média para isso, e estamos com mais ou menos 53 neste momento, então se você puder participar será incrível!

Nos ajude a criar um local onde gamers de outros sistemas entrarão em contato com Linux pela primeira vez! :)

- Chegar a 10 mil seguidores na Twitch

Do ponto de vista de visibilidade social, é importante atingir números maiores e redondos. Algo curioso na Twitch, é um canal com esse tamanho de seguidores não é grande, sem dúvida, mas é um valor que representa muito mais do que 10 mil seguidores no YouTube por exemplo, comparado a outros canais, tanto para a plataforma, quando para o público.

Se você ainda não tem uma conta na Twitch e não segue o nosso canal, que está ao vivo todas as noites, de Segunda à Sexta-feira, às 20 horas, crie agora e nos siga. Nos ajude a atingir essa marca, compartilhe para os seus amigos, nos seus grupos, nas suas comunidades, vamos juntos nos tornar o maior canal da Twitch sobre Linux e Gaming.

Os reflexos de apresentar Linux para as pessoas através de games são notórios, pois isso ataca um grande mito logo de cara, o famoso "Linux não tem jogos". Eu tive o meu primeiro contato com Linux somente depois da escola, em um curso técnico, e a apresentação não foi nada legal também, mas imagine uma geração que seja apresentada a Linux em meio aos games que eles mais gostam?

Nos ajude nessa mudança social! Além do mais, participar das lives na Twitch é divertido pra caramba! :)

Twitter


Twitter


Em 2019 começamos a usar mais o Twitter do blog (@blogdiolinux) que estava "pegando um pó", pois acabou se tornando uma forma muito eficaz de conversar com desenvolvedores Linux, grandes projetos, além de te notificar, digamos assim, de todo o material que fazemos. 

Quando um novo artigo sai aqui no blog, quando um novo vídeo sai no canal, quando entramos em live na Twitch, tudo  isso é publicado no Twitter, além disso, é local muito legal para interagir diretamente com você.

O nosso objetivo para 2019 com o Twitter é chegar a 15  mil seguidores, será que você pode nos dar uma força?

O Twitter, assim como o Instagram, também é uma ferramenta importante no impacto social, especialmente na hora de conversar, tratar e cobrar desenvolvedores e grandes empresas.

As cartas estão na mesa!


Com isso eu acho que abri todo o jogo em relação as nossas expectativas e como você pode fazer parte de algo maior e nos ajudar a chegar lá! :)

Por vezes, durante os dias que se passam, eu me pego pensando o porque faço as coisas que eu faço, da forma com que faço, e percebo que se tem algo que podemos fazer hoje, é criar um amanhã melhor, com nosso esforço, trabalho e colaboratividade. 

Será que conseguiremos atigir essas metas? Posso contar com você? Com a sua ajuda, vamos muito longe ainda! Olhe toda a transformação que você nos ajudou a criar na comunidade Linux brasileira! :)

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


DaVinci Resolve Fusion Titles Crash Linux - Como corrigir o erro no Ubuntu

Nenhum comentário

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Eu sou um usuário entusiasta do DaVinci Resolve, ele, como ferramenta de edição, veio para facilitar muito a minha vida como produtor de conteúdo, seja pela sua interface e ferramentas que tornam o workflow da edição mais veloz e economiza tempo, até mesmo a sua renderização, que é absolutamente estonteante, entretanto, ele pode ter alguns probleminhas, que felizmente, podem ser corrigidos sem muitos apertos.

DaVinci Resolve Fusion Titles






De forma geral, o instalador do DaVinci Resolve é super simples e carrega todas as bibliotecas que o software precisa, mesmo sem ser um Snap ou Flatpak, colocando praticamente todos os arquivos necessários dentro do diretório OPT. 




Há algum tempo, eu resolvi um problema sobre a reprodução de áudio do Resolve em uma instalação do Ubuntu que algumas pessoas mencionaram ter de enfrentar, num tutorial super rápido. A ideia é fazer o mesmo aqui, mas vamos contextualizar.

Fusion Titles


O Fusion é o compositor do DaVinci Resolve, ele seria um software concorrente do After Effects, no entanto, vários recursos de animações estão disponíveis para títulos envolvendo o Fusion, que por sua vez, usa tecnologia CUDA, da Nvidia, para gerar essas animações. Eu percebi que dependendo do efeito que eu colocasse, o programa simplesmente "crashava", ou seja, ele travava e fechava.

Apesar disso acontecer de forma inconstante, era perceptível que não eram todos os "Fusion Titles" que tinham esse problema, então descobri que o que causava essa falha, era a falta de um link simbólico para a biblioteca libcuda, entre duas pastas diferentes, onde o Resolve buscava o CUDA para utilização no Fusion.

Como resolver o problema? 


Simples, abra o terminal, copie e cole esse comando e pressione "enter":
sudo ln -s /usr/lib/x86_64-linux-gnu/libcuda.so /usr/lib64/libcuda.so
Você pode criar o link simbólico também clicando com o botão direito do mouse sobre o arquivo "libcuda.so ", dentro de "/usr/lib/x86_64-linux-gnu/", e copie ele para dentro de "usr/lib64/". 

Provavelmente o terminal é muito mais rápido, literalmente um "Ctrl+C/Ctrl+V".

Depois disso, basta testar os títulos do Fusion. Em minha experiência depois dessa mudança,  meu Resolve não teve mais nenhum problema com absolutamente todos os "Fusion Titles", então, fica a dica.


Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar o LibreOffice no Linux

Nenhum comentário

sábado, 10 de agosto de 2019

O LibreOffice é uma suíte office muito popular entre usuários do pinguim, mas também com usuários Windows e Mac. Hoje você verá algumas maneiras de se obter essa poderosa suíte office.

libreoffice-office-planilha-documento-apresentação-slide-deb-ppa-snap-flatpak-appimage

No momento em que escrevo esse artigo, estou utilizando o Ubuntu 18.04, porém, a dica é válida para todos derivados e com exceção do passo que demonstrarei a instalação de pacotes DEB e PPA, as principais distribuições poderão fazer uso das demais formas apresentadas. Feitas essas ressalvas, vamos pôr as mãos na massa!

Instalando o LibreOffice diretamente do site


Acesse o site oficial do LibreOffice, e efetue o download da última versão, escolhendo a versão conforme sua distro, no exemplo estou usando Ubuntu (DEB).

libreoffice-office-planilha-documento-apresentação-slide-deb

Ao efetuar o download o site irá sugerir mais 2 pacotes, a interface do usuário e ajuda em português. Baixe ambos.

libreoffice-office-planilha-documento-apresentação-slide-deb

Para maior organização, extraia os arquivos em uma pasta. Comece pelo pacote do LibreOffice, no momento que faço essa postagem o “LibreOffice_6.3.0_Linux_x86-64_deb”, verá que dentro dele existe uma pasta denominada “DEBS” com diversos pacotes dentro.

libreoffice-office-planilha-documento-apresentação-slide-deb

Clique dentro da pasta com o botão direito do mouse, e selecione a opção “Abrir no terminal”.

libreoffice-office-planilha-documento-apresentação-slide-deb

Dentro do terminal, digite o comando para instalar todos os pacotes.

sudo dpkg -i *.deb

libreoffice-office-planilha-documento-apresentação-slide-deb

Espere a conclusão da instalação, e repita o procedimento com os demais arquivos que baixou e extraiu (ajuda e linguagem do usuário em português). Caso tenha alguma dúvida, veja o procedimento neste vídeo.


LibreOffice via PPA


Essa opção é para quem quer ter a instalação via PPA oficial do LibreOffice. Particularmente não vejo a necessidade em instalar por esta maneira, porém, alguns usuários ainda fazem uso deste tipo de instalação.

Adicionando o PPA via terminal:

sudo add-apt-repository ppa:libreoffice/ppa

Atualizando a lista de pacotes:

sudo apt update

Instalando o LibreOffice do PPA via terminal:

sudo apt install libreoffice

Removendo o PPA:

sudo apt-get install ppa-purge && sudo ppa-purge ppa:libreoffice/ppa

LibreOffice via Snap


Outra possibilidade é instalar o LibreOffice no formato Snap. Usuários do Ubuntu podem simplesmente pesquisar na loja por: “LibreOffice”, atente-se para a origem do pacote e veja se o mesmo é o Snap.

libreoffice-office-planilha-documento-apresentação-slide-deb-ppa-snap-snapcraft

Se estiver utilizando outra distribuição, que não seja o Ubuntu, por exemplo o Linux Mint. Acesse essa postagem e habilite o Snap em seu sistema. A instalação também poderá ser feita via terminal, caso sua distribuição não possua uma loja com integração com o Snap ou queira utilizar o terminal.

Instalando o LibreOffice via Snap:

sudo snap install libreoffice

Removendo o LibreOffice via Snap:

sudo snap remove libreoffice

LibreOffice via Flatpak


A suíte mais famosa do mundo Linux também está disponível no Flathub, assim caso queira utilizar o LibreOffice no formato Flatpak sua instalação é bem simples. Usuários do Linux Mint, por exemplo, podem pesquisar por: “LibreOffice flatpak” e instalar sem prévias configurações. No Ubuntu será necessário habilitar o suporte ao Flatpak e adicionar o repositório Flathub, uma tarefa tranquila e com um passo a passo para você. Após configurar o seu Ubuntu, instale diretamente da loja conforme mencionei para o Mint.

libreoffice-office-planilha-documento-apresentação-slide-flathub-flatpak

Outras distribuições que não tenham o Flatpak por padrão, podem utilizar esse post. A adição do repositório do Flathub é um requisito importante, irei demonstrar a seguir aos usuários que decidirem instalar o LibreOffice via terminal.

Adicionando o repositório Flathub:

flatpak remote-add --if-not-exists flathubhttps://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalando o LibreOffice Flatpak via terminal:

flatpak install flathub org.libreoffice.LibreOffice

Removendo o LibreOffice Flatpak via terminal:

flatpak remove org.libreoffice.LibreOffice

LibreOffice via AppImage


Uma forma bem interessante para utilização do LibreOffice é o AppImage, com ele não será necessária nenhuma instalação e você pode até manter o arquivo salvo em um pendrive. Baixe do site oficial e escolha a versão desejada. São 3: Basic (apenas em inglês), Standard (com outras línguas, incluindo o português) e Full (com todas as línguas suportadas). No exemplo logo abaixo efetuei o download da Standard.

libreoffice-office-planilha-documento-apresentação-slide-appimage

Para executar o arquivo, clique com o botão direito do mouse, vá em “Propriedades” >> “Permissões” e marque “Permitir a execução do arquivo como um programa”. Clique duas vezes sobre o AppImage e “seja feliz”.

libreoffice-office-planilha-documento-apresentação-slide-appimage

Obviamente que existem outras maneiras de instalar o LibreOffice em seu sistema, como via PPA ou até mesmo o pacote contido diretamente do repositório oficial de sua distribuição. No entanto, é bem provável que a versão baixada do site (seja a DEB, RPM ou AppImage) estarão nos últimos lançamentos. As opções em Snap e Flatpak costumam sempre seguir a mesma lógica, todavia, é normal que haja um pequeno atraso (geralmente no máximo uma semana).

Você pode escolher qual forma utilizará o LibreOffice, e o uso do terminal é opcional. Em distribuições com foco no usuário comum, às lojas auxiliam bastante. Particularmente gosto e acho bem prático utilizar o terminal, enfim, a instalação contempla ambos os gostos (😁😁😁).

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


LibreOffice 6.3 lançado com melhorias de performance

Nenhum comentário

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

O LibreOffice é uma das suítes offices mais famosas no meu Linux e em outros sistemas. A cada lançamento sua interface vem sendo refinada e a compatibilidade com os formatos de arquivos fechados da Microsoft sendo refinados.

suite-office-libreoffiice-linux-windows-mac-documento-trabalho-slide-planilha-apresentação

O LibreOffice 6.3 traz melhorias na exportação e abertura de documentos, além de continuar o refinamento em seu visual, algo iniciado há algum tempo e que passou a estar disponível na versão anterior 6.2.

Outra importante mudança, que anteriormente tinha sido anunciada, é o fim de suas versões binárias de 32 bits para sistemas baseados em Debian ou Red Hat oferecidas pela The Document Foundation. No entanto, o suporte para sistemas desta arquitetura será mantido por mais alguns meses na versão atual 6.2, entretanto, a nova versão só está disponível para arquiteturas 64 bits. Inclusive é aconselhável que usuários em sistemas de produção, mantenham-se na versão 6.2, caso desejem maior estabilidade.

Comparado a versão 6.2, o LibreOffice 6.3 consegue exportar quase duas vezes mais rápido, enquanto ao abrir arquivos ODT no Writer, sua performance pode chegar a mais de 90% mais veloz. Melhorias na exportação de PDFe adicionado suporte para importar gráficos do DOCX (drawingML). Novidades, como uma janela de “dica do dia” ao iniciar o programa (uma vez por dia), um novo infobar (informando as notas de lançamento a cada nova versão), uma versão compacta da interface NotebookBar chamada de “Tabbed Compact” (auxiliando donos de laptops com pouco espaço), outra interface denominada “Contextual Single” (para Writer e Draw), e muito mais. 

Veja algumas novidades no vídeo demonstrativo:


A versão 6.3 receberá suporte por dez meses, com periódicas atualizações até 29 de maio de 2020. Você pode acessar seu site oficial para efetuar o download do LibreOffice.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Anunciado o HarmonyOS, o novo sistema operacional da Huawei

Nenhum comentário
Ao longo de todo esse impasse, entre EUA e Huawei, noticiamos o desenrolar dessa história. Caso não tenha conhecimento, leia a primeira postagem aqui do Diolinux sobre o relacionamento complicado entre os Estados Unidos e a Huawei.

huawie-hongmengos-harmonyos-smartphone-android-unix-linux-tv-laptops

Alguns cogitaram a possibilidade da Huawei criar parcerias com outras empresas e embarcar Linux em seus laptops, escrevi um artigo acerca do tema, enquanto outros apostaram em um sistema que funcionasse em ambas plataformas. Informações de usuários que testaram o então denominado HongMeng OS foram detalhadas nesta postagem.

Fim do mistério?


Afinal, é HongMeng OS ou HarmonyOS? Acontece que ambos estão corretos, entretanto, HarmonyOS é o nome em inglês. A Huawei fez diversos registros de nomes e antes de seu pronunciamento oficial, ainda existia muita especulação quanto ao nome correto. HarmonyOS será adotado globalmente.

Em sua conferência para desenvolvedores deste ano, a Huawei anunciou seu novíssimo sistema operacional e revelou mais detalhes e possíveis planos para o mesmo.

O HarmonyOS é um sistema baseado em microkernel, que pode executar diversas operações de Linux, Unix e Android, tudo na mesma plataforma. Seu foco é suportar um vasto portfólio de dispositivos e cenários. Tablets, TVs, dispositivos IoT, Wearables, PCs e muito mais opções. Além das fabricantes poderem embarcar o HarmonyOS. O lançamento da solução chinesa foi acelerado, devido a toda situação desconfortável com os EUA. Segundo Yu Chengdong, CEO da Huawei Consumer BG, que o sistema da empresa foi projetado para funcionar em várias plataformas e que uma possível migração de Android para HarmonyOS seria algo relativamente simples. Isso, se por algum motivo a Google deixasse de ser parceira da empresa.

Yu revelou que inicialmente o sistema tinha data prevista de lançamento para meados de 2020, mas devido aos problemas com os EUA, a empresa empenhou-se no desenvolvimento de sua solução, investindo em 4000-5000 pessoas para tornarem o projeto viável antes da data.

O HarmonyOS é software open source, segundo a Huawei não é baseado em Linux (mas pode trabalhar com o mesmo) e tem previsão de lançamento junto a TV Honor Smart Screen, amanhã dia 10 de Agosto. Assim maiores detalhes serão revelados, lembrando que essa conferência (HDC 2019) tem como foco os desenvolvedores. Sendo de código aberto a empresa visa acelerar sua adoção e desenvolvimento.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

FreeOffice vai permitir salvar em formatos fechados e abertos

Nenhum comentário
Depois da polêmica em volta das suítes Offices no Manjaro, a empresa alemã SoftMaker, dona do FreeOffice, vai trazer novidades para quem precisar salvar em outros formatos.


FreeOffice vai permitir salvar em formatos fechados e abertos






A suíte office grátis da SoftMaker, o FreeOffice, vem ganhando notoriedade no mundo Linux, pois vem se tornando uma alternativa muito boa para quem precise abrir formatos proprietários do MS Office, que em muitos casos o LibreOffice não consegue lidar muito bem.

Na versão atual do FreeOffice, você tem algumas limitações em relação a versão paga, como poder ou não salvar em alguns formatos, como doc, xls, ppt e odt por exemplo. Como podemos ver nos prints abaixo, tirados daqui.






Mas isto está para mudar em breve. Depois da polêmica das suítes no Manjaro, em uma tread no Twitter, um usuário questionou o porquê da escolha do FreeOffice, visto que ele não salva em alguns formatos. Eis que a SoftMaker responde dizendo:



“ Nós concordamos em adicionar esses recursos ao FreeOffice (salvar em DOC, XLS, PPT, ODT).”

Para confirmar, o jornalista da Forbes, Jason Evangelho, perguntou se isso seria uma característica da versão do FreeOffice, e a SoftMaker confirmou:



Eu aproveitei e perguntei se eles iriam “expandir” a forma de salvar, para os formatos abertos, mais precisamente nos formatos ODS (spreadsheets/planilhas) and ODP (presentations/apresentação). A resposta deles informada a nós, é que no momento não será possível, pois não há mão de obra disponível para fazer a implementação. 



Quem precisar abrir arquivos no formato ODS, poderá fazê-lo tanto na versão gratuita, quanto na paga.

Recentemente fizemos um post abordando em detalhes essa suíte office, basta clicar aqui.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Slax - Um Linux para carregar no bolso com menos de 300MB!

Nenhum comentário
Os sistemas baseados em Linux podem ser bem versáteis e podem ser utilizados de diversas formas diferentes. Possivelmente você já ouviu falar que um sistema Linux pode operar "milagres" em uma máquina com mais do que alguns anos, e de fato, dada a maleabilidade das interfaces, é exatamente isso que pode ocorrer. Hoje você vai conhecer uma distro focada em ser tão portátil e leve quanto possível, sem renunciar a um visual agradável, o Slax.

Slax - Uma distro de bolso





O Slax é uma distribuição Linux peculiar por vários motivos. Ela é super compacta, sua ISO tem cerca de 280MB, ela não é projetada para ser instalada em um computador, apesar de isso ser possível e traz uma quantidade mínima de aplicações, que beira o ridículo, mas que é o suficiente para atender necessidades básicas de quem utiliza o computador para navegar na internet e faz outras atividades comuns, como gerenciar seus arquivos.

A ideia é que você use o Slax diretamente de um pen drive, onde as suas modificações deverão ficar salvas, assim como a adição de novos programas. Nesse caso, a quantidade de dados que você pode armazenar está diretamente ligada ao tamanho do seu pen drive.

Aposta na simplicidade


Consumo de RAM do Slax

Apesar de simples, o ambiente Fluxbox que a distro traz é bem customizado e agradável aos olhos, lembrando qualquer edição do Windows vagamente, com uma metáfora de desktop tradicional, consumindo apenas 127MB de RAM uma máquina virtual, de forma que é justo supor que em uma máquina real o Slax consiga ser ainda mais econômico.

Geralmente em reviews de distribuições Linux, comentar quais são os softwares que acompanham a distro é uma tarefa complicada, afinal, um sistema operacional é composto de inúmeras aplicações para todas as finalidades, mas até nisso o Slax se sobressai, estes são todos os programas que acompanham a distro por padrão:

Aplicativos do Slax

Um terminal simples (Xterm), um gestor de arquivos (PCManFM), uma aplicação de calculadora (Qalculate), um editor de textos simples/bloco de notas (Leadpad), um gestor de rede (Wicd), o VLC Media Player, o XArchiver para lidar com arquivos compactados e o gestor de tarefas (LXTask).

Não podemos esquecer, é claro, do navegador Web Chromium, que fecha o set de aplicativos, garantindo que você tenha todo o básico para atividades comuns do dia a dia, especialmente com atividades focadas na internet. A distro possui um painel da parte inferior e desenha as janelas na sua tela com compositor "Compton".

O Slax era baseado no Slackware, mas desde a versão 9 a distro é baseada no Debian, para ser mais específico, baseia-se no Debian Stretch, como podemos ver pela lista de repositórios, ao menos no momento em que este artigo é escrito.

Slack Debian Repos

Como o Slax usa base Debian, naturalmente você pode usar o "apt" via linha de comando para instalar novos aplicativos no sistema e gerenciar as atualizações, dessa forma, não possuindo um gestor gráfico para tal, como uma loja de aplicativos ou algo parecido.

No entanto, nas mãos de quem conhece um pouquinho da base Debian ou Ubuntu, fica fácil fazer a instalação das aplicações mais comuns, inclusive o Google Chrome mesmo, usando ferramentas como o "dpkg". Nada te impede de instalar um software como o Synaptic por exemplo, e assim gerenciar tanto os pacotes, quanto as atualizações através de uma interface.

Gerenciador de arquivos do Slax

Como você pode ver, até mesmo as pastas do gerenciador de arquivos lembram as do Windows, toda a interface Fluxbox também responde a cliques  com o botão direito do mouse na área de trabalho, abrindo um menu de aplicações e configurações, semelhante as configurações nativas que o XFCE possui, mas sendo ainda mais leve do que ele.

Configuração do teclado do Slax

Para poder usar o teclado em Português, caso você queira, basta clicar com o botão direito do mouse, ir até "Keyboard layout... >> Other >> Brasil", ou então selecionar "Portuguese" diretamente, caso você queira usar o Português de Portugal.

Ainda que seja simples, há configurações avançadas para o painel, como a opção de "auto-hide", a função "print screen" tem um software embutido na interface que consegue gerenciar as capturas de tela, você pode ajustar a resolução da tela diretamente pelo menu de contexto na área de trabalho, é possível também usar múltiplos desktops virtuais.

Considerações sobre o Slax


Acho que definitivamente o Slax é um Debian com Fluxbox, não muito mais do que isso, mas não se engane, o arranjo do desktop do Slax para com o Fluxbox é feito de forma primorosa e vai te poupar um grande tempo ajustando as coisas. Você pode instalar o Fluxbox no Debian ou no Ubuntu facilmente com:
sudo apt install fluxbox
Mas o resultado vai ser mais ou menos assim:

Fluxbox no Ubuntu

E olha que eu dei uma customizada para ficar "menos pior". Dessa eu forma, eu aplaudo a equipe do Slax que criou uma variação do Fluxbox que torna amigável a migração para quem vem do Windows e tem um computador extremamente fraco, desde o cuidado com o visual, até as aplicações pré-instaladas, que apesar de poucas, são certeiras.

Coisas para prestar atenção ao usar o Slax e que podem não ser tão boas


Tudo tem prós e contras e naturalmente com o Slax não seria diferente.

Minha sugestão é que você considere o Slax apenas para computadores super fracos, a distro ainda entrega ISOs de 32 bits, então pode ser o caso de usar em máquinas realmente antigas e com baixo desempenho.

Não sei se você percebeu pelas imagens, mas o Slax opera diretamente no modo Root, o que é um risco de segurança desnecessário para se correr, isso faz com que você esteja suscetível as ameaças que não afetariam usuários que utilizam um usuário Linux padrão. Não me entenda mal, você ainda estará com um nível de segurança acima usando Linux, entretanto, nada impede que você crie um novo usuário e utilize o sistema dessa forma, talvez seja até mais seguro.

Como o Slax mira o público que quer uma distro para carregar no bolso, com um pen drive ou algo do tipo, o modo Root pode não ser um grande problema, de fato, mas além disso, esse apelo específico significa que não existe um instalador gráfico, e a tentativa ingênua de instalar o Slax usando um Debian Installer, simplesmente não funciona, entretanto, no site oficial, os desenvolvedores informam uma forma de fazer a instalação, no entanto, provavelmente o particionamento do disco deverá ser feito manualmente, usando um utilitário como o "fdisk", "cfdisk" ou então instalando o GPARTED e fazendo o particionamento por ele.

Com um ambiente super simplificado como o Fluxbox você ganha em algumas coisas, especialmente em responsividade, porém, você também perde coisas que talvez goste em ambientes mais robustos, como indicadores, ferramentas de controle de cor, um painel de controle mais vasto, as coisas passam a ser muito mais manuais do que em outros ambientes, e "menos bonitas", deste o ajuste de volume que é feito diretamente pelo alsamixer no terminal quando você clica no ícone do painel.

 O Fluxbox me parece quase beirar um "tilling window manager", como o i3, com a diferenaça de que ele de fato desenha as janelas de forma flutuante, como outra interface qualquer.

Você pode baixar o Slax pelo site oficial, e se quiser bater um papo sobre distros minimalistas, entre no nosso fórum e engaje-se com a comunidade.

Até a proxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ubuntu 18.04.3 LTS lançado com Kernel 5.0 e várias melhorias

Nenhum comentário

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

A Canonical lançou um Point Release da versão LTS do Ubuntu 18.04, agora chegando na versão 18.04.3 LTS e contando com algumas novidades bem interessantes.

Ubuntu 18.04.3 LTS lançado com Kernel 5.0 e várias melhorias





Essas Point Releases do Ubuntu, são imagens ISO novas, contendo as correções de bugs, patches de segurança, além de updates dos principais aplicativos ali presentes. Com essa nova ISO, é esperado uma economia de tempo em relação aos updates, pois os mesmos não precisam ser baixados e instalados posteriormente.

Algumas correções importantes foram feitas no Gnome-Shell, na Gnome Software, no Mutter, o MESA Driver foi atualizado, entre outras correções que você pode conferir aqui.

Essas melhorias só foram possíveis, pois essa nova versão do Ubuntu “puxa” algumas coisas do HWE (hardware enablement stack ou conjunto de ativação de hardware) do Ubuntu 19.04. Isso quer dizer que as melhorias e novidades contidas no 19.04 estão agora presentes no 18.04 LTS, permitindo que o usuário se mantenha em uma versão de longo tempo de suporte,  mesclando com as novidades lançadas em versões mais recentes do Ubuntu

Dentro destas novidades, estão as novas versões do Kernel, Mesa Driver e o Driver da NVIDIA.

● Kernel passou da versão 4.18.0-25.26 para a versão 5.0.0-23.24; 

● Mesa Driver 18.2.x series para a série 19.0.2 (com suporte para Vulkan)


●Drivers da Nvidia inclusos : versões 390, 418 e uma versão mais recente da série 430 (mais precisamente há 430.26).



Sobre os drivers da Nvidia, é interessante eles já disponibilizarem as últimas versões pelo repositório. Isto mostra que eles estão dispostos a facilitar a vida de quem tem GPUs do “lado verde da força”, como mostramos em reportagens recentes, que você pode conferir aqui e aqui.

Atualizando


Se você instalou a versão 18.04 LTS (Abril de 2018), e fez todos os updates desde então, teoricamente já está com boa parte dessas melhorias, só não tendo o novo Kernel e os drivers de vídeo. Vai ser preciso habilitar o HWE para isso. O procedimento é bem simples e é feito pelo terminal. Depois de aberta a aplicação, basta digitar ou copiar/colar o seguinte comando:

sudo apt-get install --install-recommends linux-generic-hwe-18.04 xserver-xorg-hwe-18.04

Se você instalou o Ubuntu 18.04.2 LTS e fez os updates, você deverá receber essas atualizações normalmente através do gerenciador de atualizações em modo gráfico.

Se você preferir fazer uma instalação limpa, sem problemas, basta baixar a ISO novamente através deste link.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Ao - Microsoft To-Do App para Ubuntu

Nenhum comentário
A Microsoft tem muitos produtos interessantes focados em produtividade para empresas, um deles é o aplicativos de tasks, Microsoft To-Do, que não tem versão nativa de Linux, mas que pode ser acessado de forma primorosa pelo Ao.

Microsoft To-Do App Linux





O "Ao" é um aplicativo não oficial que te dá acesso ao Microsoft To-Do, uma solução para criação de listas de tarefas e afazeres diários atrelado a sua conta Microsoft, sincronizado em nuvem. Atualmente é distribuído via Snap para Ubuntu, e em outras distros que tenham suporte para o formato.

Microsoft To-Do

O App tem várias opções e configurações de temas, incluindo o Dark, Black e Sépia, com função de redução de luz azul ao anoitecer.

App de planejamento

A aplicação também tem um ícone indicador que te dá um acesso rápido a configurações à partir da tray. É possível separar as suas tarefas por categorias também, colocar datas e vefiricar quais são as atividades do dia.

Para baixar o App, basta procurar por ele na loja de aplicativos, ou então clicar no botão abaixo:




Quer bater um papo sobre aplicativos de produtividade? Participe dos debates no nosso fórum!

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Pixar, LucasFilm e Netflix liberam OpenTimelineIO de forma Open Source

Nenhum comentário
Grandes empresas do setor de produção cinematrográfica e de mídia se unem para disponibilizar uma ferramenta Open Source voltada para o gerenciamento de grandes projetos do cinema.

OpenTimeline IO





Há praticamente um ano, noticiávamos aqui no blog a entrada de Hollywood em uma parceria com a Linux Foundation, com a intenção de tornar o ambiente de desenvolvimento de filmes mais sustentável, economicamente viável e estabelecer padrões abertos que todos os estúdios interessados pudessem tirar proveito.

Passado este tempo, tivemos a disponibilização de várias ferramentas usadas por estes estúdios de forma aberta através do GitHub e sites semelhantes, entre essas ferramentas estão: OpenColorIO, OpenCue, OpenEXR e OpenVDB.

A aplicação da vez é o OpenTimelineIO, anunciada pela ASWF (Academy Sofware Foundation). Criado originalmente pela Pixar Animation Studios e depois finalizado com ajuda da Netflix e da Lucasfilm, o OpenTimelineIO (OTIO) é uma API de código aberto e um formato de intercâmbio de dados que facilita a colaboração e a comunicação de dados editoriais e informações de cronograma entre os departamentos de estudos, editorial e produção, durante todo o processo de produção.

TimelineIO

Além do novo projeto, a Linux Foundation também anunciou a adesão de novos membros à ASWF, que incluem a própria Netflix, Rodeo FX e MovieLabs. Empresas anteriormente adicionadas incluem a Animal Logic, Autodesk, DreamWorks, Epic Games, Google Gloud, Walt Disney Studios, Weta Digital, DNEG, Cisco, Blu Sky Studio, entre outras.

O movimento Open Source, mais uma vez mostrando a sua força em um mercado onde os "bilhões" rolam, quer conversar mais sobre isso? Vem para o nosso fórum!

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo