Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Como criar um podcast grátis e publicar no Spotify e Apple Podcasts

Nenhum comentário

sábado, 5 de outubro de 2019

Os podcasts estão disponíveis em uma grande variedade de plataformas, são em sua maioria gratuitos, e são uma excelente ferramenta de divulgação e aprendizado. Estas são apenas algumas dentre as várias razões que fazem com que os podcasts, hoje em dia, sejam uma mídia em ascensão.

como-criar-um-podcast-e-publicar-no-spotify-e-apple-podcasts

O acesso a este tipo de mídia é tão fácil, que o fato de você estar lendo este artigo agora já é um sinal de que possui os meios necessários para ter acesso a um número gigantesco de podcasts, sobre os mais variados assuntos que possam lhe interessar.

Assim como a demanda por podcasts está em alta, a de pessoas desejando criar este tipo de conteúdo também está. Através de uma pesquisa no Instagram, perguntamos quais de vocês já pensaram em ter um podcast. O número de respostas positivas foi enorme. Porém, a grande maioria dessas pessoas ainda não conseguiu realizar esse desejo. O que ocorre pelos mais variados motivos, como: não saber sobre o que falar, falta de pessoal para integrar o projeto, falta de tempo, ou simplesmente por não saber como começar.

O nosso objetivo com este artigo, é justamente ajudar a essas pessoas que não sabem por onde começar. Ou que, erroneamente pensam que criar um podcast é algo complicado, trabalhoso, e que demanda uma quantidade exorbitante de tempo.

Como fazer?


A ferramenta que iremos utilizar é o Castbox, que há bastante tempo é parceiro do nosso canal no YouTube. O Castbox é um serviço gratuíto com integração com vários outros serviços, como o Spotify, Google Podcasts, entre outros. O grande diferencial do Castbox, é que além de permitir que você ouça podcasts através do seu computador, ou aplicativo no celular. Ele também permite que você crie e publique o seu próprio podcast, não apenas no próprio Castbox, mas também em outros serviços como Spotify e Apple Podcasts (iTunes).

No vídeo a seguir ensinamos o passo a passo de como criar e publicar o seu podcast no Spotify e Apple Podcasts.


Você também está nessa “moda” de ouvir podcasts? Ou cria conteúdo para esse tipo de mídia? Conte-nos nos comentários quais você mais gosta, ou qual é o seu próprio podcast. 

Não deixe de conferir o nosso curso de edição de áudio para podcasts com o Audacity, no Diolinux Play!

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Por hoje é tudo pessoal! 😉

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



App Outlet o "sucessor" do Linux App Store

Nenhum comentário

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Você conhecia o site Linux App Store? Pois bem, no início do ano escrevi uma postagem sobre essa store que oferecia programas em: AppImage, Snap e Flatpak num só lugar. Infelizmente o projeto foi descontinuado, mas eis que surge um sucessor.

linux-app-software-snap-appimage-flatpak-snapcraft-flathub-appimagehub-loja

Muitos usuários desconhecem as vantagens e desvantagens dos novos formatos de empacotamento, na realidade são inúmeros benefícios que geralmente “suprimem” seus defeitos. Após conhecer os pontos positivos e negativos, cabe ao usuário decidir entre usá-los ou não. Você pode ler essa postagem com um breve comparativo entre os formatos, a leitura é super válida.

Caso tenha alguma dúvida ou não conheça muito bem o funcionamento destes formatos, e de outros, criei um vídeo explicando sobre os programas no Windows e Linux. Então, antes de “olhar torto” para o AppImage, Flatpak ou Snap. Leia a postagem indicada e veja o vídeo, aposto que irá desmistificar muita coisa que ouve por aí.


App Outlet


Se antes o Linux App Store era um site desempenhando o papel de uma loja, agora o App Outlet é instalado como uma aplicação. O programa desempenha um papel bem interessante e prático, agregar AppImages, Snaps e Flatpaks em um só lugar. A intenção é muito boa, e pode auxiliar vários iniciantes. O projeto está iniciando e gradualmente recebendo novas implementações, então recomendo que testem e auxiliem os desenvolvedores relatando os bugs e dando idéias de possíveis funcionalidades diretamente na página do Github do App Outlet.

linux-app-software-snap-appimage-flatpak-snapcraft-flathub-appimagehub-loja

A equipe responsável pelo projeto, até o momento, é composta por dois desenvolvedores o Fagner Candido e Messias Junior. Se você é desenvolvedor, considere somar forças no desenvolvimento do App Outlet. O programa é de código aberto, e com sua evolução, milhares de usuários Linux poderão ser beneficiados. Além disso, é uma ótima forma de contribuir e quem sabe ter seu trabalho reconhecido no futuro.

Você pode efetuar o download do App Outlet de diversas maneiras, pois o programa está sendo distribuído em vários formatos, sendo eles: Snap, AppImage, DEB e existem planos para uma versão em Flatpak (ainda em fase de análise).

Conforme mencionei, o app está em desenvolvimento e muitas funções estão ausentes, todavia o App Outlet é novo, e essa ausência pode ser considerada algo relativamente comum. Você encontrará programas em Flatpak, Snap e AppImages agregados em um só lugar. No entanto, ainda não é possível instalar diretamente pelo software, então ele te redireciona para os demais hubs. Sendo o AppImageHub, Snapcraft e Flathub.

No futuro podemos esperar que o próprio App Outlet consiga instalar os aplicativos, e quem sabe habilitar o suporte a determinado formato, quando o mesmo não estiver configurado no sistema. Seu visual é bem intuitivo, organizando por abas segundo o formato e com uma sessão de categorias. Este ponto é bem interessante, dando acesso rápido aos usuários e possibilitando a descoberta de novos programas. Existe um campo de busca, caso o usuário já tenha conhecimento do programa que queira instalar.

Instalando o App Outlet em sua distro Linux


Você pode baixar o programa nos formatos DEB e AppImage no Github por este link.

O Snap está disponível na Snapcraft, caso utilize Ubuntu pesquise diretamente na loja por: “App Outlet” e instale o software.

linux-app-software-snap-appimage-flatpak-snapcraft-flathub-appimagehub-loja-canonical-ubuntu

Demais distribuições podem configurar o Snap, demonstramos o procedimento neste artigo.

Para instalar via terminal, basta digitar:

sudo snap install app-outlet

A remoção é simples:

sudo snap remove app-outlet

Considerações no momento em que escrevo este artigo


Nos meus testes, aqui no Ubuntu 18.04 LTS, pude perceber algumas limitações e problemas no App Outlet. Muitas devido a funcionalidades que ainda serão implementadas, outras creio eu que seja algum problema durante o empacotamento. 

Por exemplo, não consegui executar a versão em Snap. Indiferente de serem instaladas via CLI, interface gráfica, nas versões stable ou edge. Simplesmente o app não iniciava ou dava alguma mensagem de erro.

Já quando utilizei o App Outlet em AppImage, minha experiência foi satisfatória. Notei que ao acessar as categorias, apenas os Flatpaks eram listados. 

Outro ponto, é sua pesquisa. Nem sempre as buscas retornam todos os resultados possíveis, como pode observar, o GIMP em Flatpak não apareceu ao pesquisar por “GIMP”.

linux-app-software-snap-appimage-flatpak-snapcraft-flathub-appimagehub-loja

Ressalto mais uma vez que o app está em desenvolvimento inicial, então encorajo que relatem e auxiliem quando possível. Inclusive relatei o problema com o formato Snap, como podem observar nessa issue.

Fiquei triste quando soube a notícia do fim da Linux App Store, e alegre com seu sucessor. Desejo toda sorte aos envolvidos no App Outlet, pois sei que é ambiciosa essa empreitada, não obstante, os resultados podem ser ainda mais. Que o projeto evolua e novas features sejam adicionadas, tornando a vida do usuário mais cômoda e intuitiva.

Nos poucos momentos que conversei com o Messias Junior, pude perceber o engajamento e anseio em somar com a comunidade Linux. A nossa comunidade Diolinux Plus está interessada no projeto e parece ter abraçado o mesmo. Convido você, que ainda não faz parte do Diolinux Plus, a participar do fórum e ficar por dentro das novidades. Por último, finalizo com as palavras do Messias Junior para todos os usuários do App Outlet.

“Ficamos felizes com a receptividade da comunidade. E reiteramos o convite para a colaboração. O App-outlet é para a Comunidade e feito para Comunidade”.

Até o próximo post, compartilhe nosso conteúdo, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça alguns atalhos de teclado muito úteis no Ubuntu

Nenhum comentário
Por mais prático que seja utilizar o mouse, certas tarefas se tornam muito mais práticas e rápidas quando fazemos uso dos atalhos de teclado. Hoje iremos conferir vários dos muitos atalhos de teclado disponíveis no Ubuntu, que podem facilitar muito as nossas tarefas e aumentar a produtividade.

atalhos-de-teclado-muito-uteis-no-ubuntu

Este artigo será focado no Ubuntu, porém, todas as principais distros e interfaces possuem funcionalidades semelhantes. Muitas vezes os atalhos podem ser diferentes em outras distros, bem como a forma de configurá-los. Todavia, essa funcionalidade possui fácil configuração, e costuma estar disponível nas configurações do sistema.

• Abrir o terminal:


O terminal é uma ferramenta que nem todos utilizam, e muitos realmente nem precisam utilizá-la. Mas é sem dúvidas um facilitador e um economizador de tempo. E para economizar tempo, melhor ainda é abrí-lo com uma simples combinação de teclas.

Control + Alt + T

• Minimizar todas as janelas:


Este é um recurso que eu sempre utilizei em todas as distros e interfaces. Porém, não através de atalhos no teclado, e sim clicando no tradicional ícone “Exibir a área de trabalho” disponível na maioria das interfaces gráficas. O Ubuntu também possuía essa função quando utilizava o Unity, porém, no GNOME Shell este ícone não existe e, por padrão, não pode ser ativado. É aí que entra o atalho:

Super + D

Obs.: A tecla “Super” é a mesma que comumente vem com a logo do Windows. Também chamada de “tecla do Windows”.

• Encerrar a sessão:


Não é uma tarefa que exige muitos passos em qualquer interface gráfica, mas quando se trata de produtividade, cada segundo conta. Trata-se de um atalho de teclado muito comum no Windows, que entre outras coisas, também serve para encerrar a sessão.

Control + Alt + Delete

• Tirar print de uma área determinada da tela:


Ao pressionar a combinação de teclas abaixo, o cursor do seu mouse mudará para um formato de “cruz”. Nesse momento você precisa apenas selecionar na tela a área que deseja tirar o print, e a imagem será criada instantaneamente na sua pasta “Imagens”.

Shift + Print Screen

• Controlar o posicionamento das janelas na tela:


Super + ⇒” - Dimensiona e posiciona a janela atual na metade direita da tela.

Super + ⇐” - Dimensiona e posiciona a janela atual na metade esquerda da tela.

Super + ⇓” - Restaura o tamanho que a janela atual possuía antes de ter sido maximizada.

Super + ⇑” - Maximiza a janela atual.

Super + H” - Minimiza a janela atual.

• Abrir um prompt de entrada para comandos:


Este atalho abre um prompt, similar ao “Executar” no Windows, que pode ser útil para tarefas simples e rápidas, como “matar” uma aplicação que não esteja respondendo, ou abrir uma nova. Um bom exemplo é, se o seu Firefox estiver travado e não respondendo, você pode simplesmente pressionar o atalho, digitar “killall firefox” e pressionar “Enter” para encerrar a aplicação. Também pode utilizar a combinação, caso o GNOME Shell trave. Neste caso digitando dentro da caixa de diálogo "r".

Alt + F2

• Gravar a tela sem precisar de programas de terceiros:


Isso mesmo! O GNOME Shell, e também o Cinnamon, possuem de forma nativa uma funcionalidade que permite gravar a tela por até 30 segundos sem que seja necessário instalar quaisquer aplicativos extras. Uma funcionalidade muito útil para criar tutoriais rápidos para postar como resposta em fóruns, ou ensinar algum amigo a executar determinada tarefa.

Shift-Control-Alt-R

• Abrir aplicativos fixados na barra lateral:


Os primeiros dez aplicativos, contando de cima para baixo, que você tiver fixados na barra lateral do seu Ubuntu, sejam eles quais forem, podem ser abertos instantaneamente com um simples atalho no teclado. Considerando que o primeiro aplicativo é o número um (1), e o décimo é o número zero (0). Utilize o comando da seguinte forma:

Super + 1” (Substituindo o “1” pelo número do aplicativo desejado.)

• Alternar entre workspaces:


Eu nunca fiz uso da funcionalidade de múltiplas áreas de trabalho em sistema nenhum. Mas muitas pessoas utilizam essa funcionalidade, e os atalhos abaixo podem ser uma forma muito mais prática de alternar entre esses workspaces.

Super + PageUp

Super + PageDown

O vídeo a seguir te ensina a como criar novos atalhos, e também mostra todos os atalhos citados deste artigo sendo executados.


Você utiliza outros atalhos de teclado além dos clássicos “Ctrl + C”, “Ctrl + V”, “Ctrl + Z”, e etc? Já conhecia os mencionados acima? Ou assim como eu, aprendeu muitos novos com este artigo? 😌

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Por hoje é tudo pessoal! 😉

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


OpenResizer, um aplicativo de redimensionamento de imagens em massa

Nenhum comentário

quinta-feira, 3 de outubro de 2019

Se você estiver precisando de um aplicativo para fazer o redimensionamento em massa das suas imagens, o OpenResizer pode lhe ajudar.


OpenResizer, um aplicativo de redimensionamento de imagens em massa






Antes de mostrar como instalar e algumas screenshots do programa, vale uma menção do porque o desenvolvedor escolheu distribuir o OpenResizer somente em snap, por hora. Trecho retirado do blog dele:

“Meu objetivo era simplesmente empacotar o aplicativo e distribuí-lo. Não queria gastar muito tempo empacotando, porque queria chegasse aos meus usuários finais rapidamente. A escolha para mim foi baseada em como era fácil empacotar meu aplicativo, e o Snap parecia atender a esse requisito.

Então a escolha me pareceu clara - decidi que usaria o Snap. Foi fácil começar com os tutoriais básicos, mas não foi fácil finalizar e ajustar o pacote final. Os tutoriais foram suficientes para começar, mas eles não tinham tutoriais detalhados, então eu constantemente perguntava no fórum Snapcraft, sobre várias coisas relacionadas ao Snaps. Felizmente, o fórum foi muito útil e pude empacotar o OpenResizer como um snap.”

Feito essa menção, vamos ao procedimento de instalação do aplicativo.


Se você não tiver o snap instalado na sua distro, basta seguir esse tutorial que fizemos e habilitar. Depois é só procurar na loja de aplicativos por “OpenResizer” e mandar instalar.




Se você preferir, pode instalar ele via linha de comando:

sudo snap install openresizer

Funções do aplicativo:

● Redimensionar uma ou várias imagens;
● Preview do Antes / Depois;
● Suporte para imagem nos formatos: PNG, JPG, BMP;
● Ajuste de compressão para JPG; 
● Suporte para PNG com fundo transparente; 
● Suporte para CPU's multi-core; 
● Free e open-source.

Muito bom ver os devs esclarecendo o porquê de usar o formato Snap, Flatpak ou AppImage, e quais facilidades e dificuldades encontradas na hora do porte. Creio que a utilização desses formatos só tende a aumentar. Vale ressaltar também, que se você tem algum “preconceito” ou qualquer coisa do tipo, sobre apps serem empacotados em formatos de containers, sem problemas e stress man✌😀, ainda vai existir outras formas e programas para você usar, como os dos repositórios, via DEB, RPM e por aí vai 😉.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Flatpak 1.5 lançado com novidades

Nenhum comentário
O Flatpak vem evoluindo a cada momento, funcionalidades estão sendo adicionadas e mais programas sendo oferecidos neste formato de empacotamento. Se você está se perguntando: “Mas que raios é esse tal de Flatpak?”. Escrevemos uma postagem explicando um pouco mais sobre essa tecnologia.

flatpak-linux-ubuntu-mint-fedora-ppa-runtime-freeze-pacote

No ano passado o Flatpak chegou em sua versão 1.0, com novos parâmetros e melhorias de performance, daí em diante o processo de lapidação não parou. Avançando um pouco no tempo, chegamos ao início do ano, sendo que em fevereiro a versão 1.2, além de adicionar novos parâmetros, foi repaginado o visual do Flatpak via terminal. Possuindo assim, uma melhor disposição nas informações via CLI. 

O desenvolvimento está tão acelerado que inúmeras versões já foram lançadas este ano. Agora o mais recente lançamento é anunciado com um recurso aguardado por muitos.

Saiba mais sobre o Flatpak


Sabemos que tudo tem seus prós e contras, afinal, nós humanos desenvolvemos a tecnologia atual. Caso esteja na dúvida entre os formatos, acesse nossa postagem detalhando um pouco mais as diferenças entre os “novos concorrentes” de distribuição de softwares no Linux.

Muitos não compreendem as vantagens do Flatpak, ou demais formatos. Outros chegam a acreditar e generalizar que seu uso é inviável, ou até impossível. 

Comparações com a forma de distribuição e funcionamento entre o Windows e Linux, também são alvo de acalorados debates e discussões. Contudo, alguns falam sem conhecer realmente essas diferenças, apenas repetem como papagaios. Para não correr este risco, acesse uma matéria demonstrando os tipos de pacotes e instalações, tanto no Windows, como no Linux. Inclusive indico que vejam o vídeo contido na postagem acima, o mesmo contém muitas informações adicionais.

Flatpak 1.5


Uma das vantagens do Flatpak, é utilizar programas em versões atualizadas sem a preocupação de conflitos de dependências. Ter as últimas versões das aplicações, sem comprometer o sistema é uma característica interessantíssima. No entanto, pense numa hipótese em que o usuário, por algum motivo, deseja “congelar”/fixar o app em determinada versão e evitar downloads automáticos. O recurso que estava sendo aguardado por vários usuários de Flatpak, torna-se realidade com a nova versão.

As mudanças da versão 1.5, são:

  • Novas opções no “flatpak install”, a exemplo, o parâmetro “--or-update”;
  • Um novo comando, o “flatpak mask”, permitindo fixar a versão dos flatpaks evitando downloads automáticos;
  • Suporte a atualizações automáticas e seu monitoramento no portal flatpak;
  • Correções nas atualizações dos serviços exportados com o dbus-broken;
  • Aprimoramento visual ao utilizar via CLI, ocultando colunas na saída do terminal caso todas sejam, iguais;
  • Correções de eventuais erros em que os repositórios remotos não eram removidos adequadamente;
  • O flatpak-session-helper passa a ser vinculado a mais bibliotecas;
  • OCI: agora suporta imagens marcadas (“tagueadas”) com rótulos e anotações;
  • OCI: passa a sempre gerar históricos para imagens;
  • OCI: suporta docker mimetypos em adição aos mimetypos do OCI.
  • A desinstalação agora sempre funciona, mesmo que o repositório remoto tenha sido removido abruptamente (forçado);
  • Novas chaves de configuração dos idiomas default agora permitem a adição na lista do sistema, em vez de uma substituição;
  • Vários pequenos ajustes no comportamento e na saída do CLI foram realizados.

Você pode adicionar o Flatpak em seu sistema, seguindo o nosso tutorial. Todavia, nem sempre as versões contidas nos repositórios das distribuições serão as mais atuais. O Ubuntu é um belo exemplo. Para obter as últimas versões no sistema da Canonical, será necessário a adição do PPA oficial do Flatpak.

sudo add-apt-repository ppa:alexlarsson/flatpak

sudo apt update

sudo apt install flatpak

Obviamente que não é obrigatório utilizar este formato via terminal, pensando nisso, criamos essa matéria ensinando como habilitar o suporte aos Flatpaks na loja do Ubuntu.

Normalmente não indico a utilização de PPAs, cada caso um caso, entretanto muitas correções de bugs apenas estão presentes nas mais atuais. Posso relatar um caso chato que me ocorreu. A versão do Flatpak contida nos repositórios do Ubuntu, simplesmente passou a baixar inúmeras runtimes do meu driver de vídeo NVIDIA, indiferente da versão utilizada. E a cada nova versão, mais e mais novas runtimes eram baixadas ( não estavam em uso). Mesmo removendo-as, eram baixadas novamente. Logo após instalar a versão do PPA, consegui resolver o tal bug (esse caso ocorreu faz um tempo).

Em nosso fórum Diolinux Plus, também notei relatos de usuários que obtiveram algum erro durante a instalação de apps em Flatpak, devido a versão antiga nos repositórios do Ubuntu e outras distros, como o Debian. Então, se por algum motivo tudo funciona corretamente para você, talvez não exista a necessidade de atualizar para as últimas versões através do PPA. Analise e tome suas próprias decisões, por sua conta e risco.

OBS.: Até o momento o Flatpak via PPA ainda não recebeu a versão 1.5, você pode verificar diretamente por este link e confirmar se o mesmo foi atualizado.

Para eventuais dúvidas, utilize o comando: “flatpak --help” para visualizar cada função. Não sabe a versão do Flatpak contida em seu sistema? “flatpak --version” lhe mostra o versionamento.

Faça parte do fórum Diolinux Plus, e compartilhe nosso conteúdo, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: Flatpak.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Monitoramento de hardware em jogos no Linux

Nenhum comentário

Softwares para monitoramento de hardware em jogos são ferramentas muito utilizadas entre os gamers de PC. Muitos recém chegados ao mundo dos games no Linux, estavam acostumados a utilizar aplicações como o Fraps ou Afterburner no Windows, e no Linux não fazem idéia de como monitorar o desempenho do seu hardware enquanto jogam.

monitoramento-de-hardware-em-jogos-no-linux

Existem vários softwares para monitoramento de hardware disponíveis nas distribuições Linux. Alguns deles possuem a funcionalidade de exibir as informações em forma de HUD, assim como as suas alternativas de Windows. Atualmente não existe nenhum software para Linux que funcione exatamente da mesma maneira que o Afterburner, ou que seja tão completo quanto ele. Todavia, existem algumas opções que podem ajudar muito nesse aspecto.

Todos os jogos que podemos rodar nas distros Linux utilizam as APIs gráficas OpenGL ou Vulkan. Para monitorar o sistema em jogos que utilizem o OpenGL utilizaremos o Gallium Hud. Em jogos que utilizem Vulkan, temos duas opções: o dxvk_hud, e o Vulkan Overlay Layer.

Gallium Hud


O Gallium Hud é o mais completo de todos os três softwares que falaremos neste artigo. Com ele você pode visualizar informações sobre: FPS, frametimes, uso de CPU, uso de CPU por núcleo, uso de GPU, uso de memória de vídeo, temperatura da CPU, e muito mais.

modos-do-gallium-hud

O Gallium Hud está incluso no Mesa Driver, e já vem instalado por padrão em todas as principais distros. Por estar incluso no Mesa, funcionará apenas com os drivers que fazem uso do mesmo, que são as GPUs da AMD e Intel, bem como as Nvidia que utilizem o driver open source "Noveau". O modo de usar dependerá de como você instalou o jogo. Nos exemplos abaixo, ensinarei a ativar o Gallium Hud para exibir as seguintes informações: fps, frametime, uso de GPU, uso de CPU, e uso de VRAM.

Na Steam:


Clique com o botão direito do mouse sobre o jogo no qual você deseja ativar o HUD, clique em “Propriedades”, clique em “Definir opções de inicialização”, na janela que abrir cole a linha abaixo, e clique em “OK”.

GALLIUM_HUD=simple,fps,frametime,GPU-load,cpu,VRAM-usage %command%

Obs.: Se você quiser que o Gallium Hud exiba também os gráficos, como na imagem acima, apenas apague a palavra “simple” do parâmetro.

No Lutris:


Clique no ícone do Lutris, no canto superior esquerdo da janela. Clique em “Preferences”, no canto inferior direito da aba “System Options” clique em “Add”. No campo “Key”, digite “GALLIUM_HUD”, então pressione “Enter”. No campo “Value” cole “simple,fps,frametime,GPU-load,cpu,VRAM-usage”, depois pressione “Enter”.

acessar-configuracoes-no-lutris

utilizar-galliumhud-no-lutris

Agora é só clicar em “Save”, e pronto! Todos os seus jogos no Lutris que utilizam OpenGL exibirão o HUD.

Outros Jogos:


Para jogos que não estão no Lutris ou na Steam, existem duas opções.

Via terminal, utilize o comando abaixo:

GALLIUM_HUD=simple,fps,frametime,GPU-load,cpu,VRAM-usage ComandoParaOJogo

Ou edite atalho do jogo utilizando um editor de menus.

Se você não sabe o que é, ou como utilizar um editor de menus. Assista ao vídeo abaixo:


DXVK_HUD


O dxvk_hud funciona apenas com jogos de Windows rodando no Linux através do DXVK ou D9VK. Por exemplo, todos os jogos de Windows que rodam através da SteamPlay e utilizam DirectX 10 e 11. Ou jogos feitos sob DirectX 9, que rodam via SteamPlay, com o proton na versão 4.11+, utilizando o D9VK através do parâmetro “PROTON_USE_D9VK=1 %command%”. O dxvk_hud não funciona com jogos nativos de Linux. O dxvk_hud está incluso no DXVK, portanto, não é necessário instalá-lo separadamente.

DXVK_HUD

O dxvk_hud não é tão completo como o gallium_hud. Dentre as informações mais utilizadas pelos gamers, é capaz de exibir apenas FPS, frametimes, uso de memória de vídeo e uso de GPU. Sem opções para uso de CPU, temperaturas, RAM, etc…

Como usar?


O modo de uso do dxvk_hud é exatamente igual ao do gallium_hud. Tanto na Steam, quanto no Lutris. A única diferença é que você utilizará o parâmetro abaixo para ativá-lo com os seguintes ítens: fps, frametimes, uso de memória de vídeo e uso de GPU.

DXVK_HUD=fps,frametimes,memory,gpuload

Obs.: Na Steam adicione “%command%” ao final do parâmetro.

Para mais informações sobre o dxvk_hud: Github

Vulkan Overlay Layer


O Vulkan Overlay Layer é um projeto recente, criado pela Intel e mantido em conjunto com a comunidade. O projeto ainda está em fase experimental. O VOL (Vulkan Overlay Layer) funciona com qualquer jogo que utilize Vulkan. Nativo ou não.

vulkan-overlay-layer

Dentre as informações de hardware mais utilizadas pelos gamers, o VOL exibe apenas FPS e frametimes. Porém, como mencionado anteriormente, está em fase experimental. É bem provável que com o tempo sejam lançadas novas funcionalidades e aprimoramentos ao software.

Como instalar?


O VOL já está incluso no Mesa3D desde a versão 19.1. Porém, por estar em fase experimental, ainda não vem instalado na maioria das distribuições. Porém, você poderá utilizá-lo em qualquer distro através da Steam via Flatpak.

Instalar a Steam em qualquer distro, via Flatpak:

flatpak install flathub com.valvesoftware.Steam

Confira o nosso tutorial sobre como instalar pacotes Flatpak. Lembrando que será necessário adicionar o repositório Flathub, caso tenha adicionado o suporte apenas ao Flatpak em seu sistema.

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalação do VOL no Manjaro, Arch e derivados:

sudo pacman -S vulkan-mesa-layer

A última versão do Debian já conta com o software instalado por padrão.

Baixar e instalar o VOL manualmente em qualquer distro:


O Claudio, do canal Sr Rob Linux Brasil fez um vídeo ensinando a instalar o VOL em todas as principais distros. Confira:


Obs.: A forma de instalação demonstrada no vídeo acima é indicada apenas para testes. Quando instalado dessa forma, o software não receberá updates, e poderá ou não parar de funcionar após alguma atualização. Ao realizar o procedimento do vídeo, você estará acessando arquivos do sistema operacional, então tenha cuidado para não remover ou modificar o que não deve. Faça por sua conta e risco.

Como usar?


O modo de usar o VOL é exatamente o mesmo dos anteriores. Apenas substituindo o parâmetro por:

VK_INSTANCE_LAYERS=VK_LAYER_MESA_overlay

Para mais informações sobre o Mesa Overlay Layer: Gitlab

Você costuma monitorar o desempenho do seu hardware enquanto joga? Já conhecia alguma dessas aplicações, ou conhece alguma outra? Conte-nos nos comentários.

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Por hoje é tudo pessoal! 😉

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



Google Password Checkup, agora alerta caso houver vazamento de senha

Nenhum comentário
O Google vem criando soluções que a cada dia facilita o uso da tecnologia, seja com sistemas operacionais, aplicativos, sites ou serviços. Agora seu gerenciador de senha passa a receber um novo recurso, esse antes disponível anteriormente através de uma extensão para seu navegador Google Chrome, agora nativamente no Google Password Checkup.

segurança-senha-key-gerenciador-google-password-checkup-android-chrome-chromium

Criar senhas fortes pode ser considerado uma verdadeira arte, brincadeiras à parte, evitar as famigeradas “123456” ou “senha” não é tão difícil assim (essa foi para você Happy 😆️😆️😆️).

O Google Password Checkup, aquele que sempre te pergunta se quer salvar uma senha no Chrome ou Android, recebeu ontem quarta-feira (2), a capacidade de averiguar se sua senha está comprometida por vazamentos ou não. Acesse o Gerenciador de senhas, confirme sua identidade e solicite a verificação. Assim, três resultados podem ser apresentados, indicando o estado atual de sua segurança.

segurança-senha-key-gerenciador-google-password-checkup-android-chrome-chromium

Senhas fracas


Caso exista alguma senha mal formulada, e que seja de simples alvo para um eventual ataque, o Password Checkup indicará essa falha de segurança. Então, nada de nomes de parentes, conhecidos, cônjuges ou coisas do tipo. Datas de aniversários ou comemorativas também não são uma boa ideia. Dê preferência a frases que venham de uma letra de uma música, quem sabe um livro ou algo assim. Alternância entre letras maiúsculas e minúsculas, como caracteres especiais são bem-vindos (“t3us_0lhos#sAo mev5-Livros”).

Senhas utilizadas


Esse é outro problema que o gerenciador poderá lhe alertar. Repetir a mesma senha em diferentes serviços só aumentam as chances de invasão. Se uma senha vazar, os demais serviços estarão em risco.

Senhas comprometidas


Não! Suas senhas não estão lhe traindo com outra pessoa, talvez até sim, afinal se o Google Password Checkup exibir este alerta, é plausível que você seja um alvo. Senhas comprometidas, significam que algum serviço que você utiliza sofreu um possível ataque ou vazamento de dados e por algum motivo sua senha foi descoberta. 

Segundo o site The Verge, o Google revelou uma pesquisa que aponta o uso de autenticação de duas etapas por apenas 37% dos americanos entrevistados. Outra curiosidade é que 66% utilizam suas senhas em mais de um serviço. Já uma falha gravíssima é que somente 11% efetuaram a troca de suas senhas, após casos de vazamentos de serviços de streaming

O Google consulta uma vasta lista de fontes para verificar se sua senha já vazou na internet:

  • 000webhost;
  • 17 Media;
  • Coleção 1,4 bi;
  • 7k7k;
  • Adobe;
  • Anti-public;
  • Badoo;
  • Bitly;
  • Coleção 1-5;
  • Dropbox;
  • Exploit.in;
  • iMesh;
  • Imgur;
  • Last.fm;
  • Lifeboat;
  • LinkedIn;
  • Mate1;
  • Neopets;
  • NetEase;
  • Nexus Mods;
  • Pemiblanc;
  • R2Game;
  • Rambler;
  • Tianya;
  • Tumblr;
  • VK;
  • VN;
  • Yandex;
  • Youku;
  • Zoosk.

Como diz o ditado: “segurança nunca é demais”, e sempre devemos nos atentar quanto a esses detalhes. Recentemente noticiamos o retorno do botnet Emotet, que se valia de senhas fracas para efetuar seus ataques. Então, evite ao máximo expor suas contas e possíveis problemas. Talvez a utilização de um gerador de senhas seja uma ótima dica, no entanto, esse já é assunto para outro artigo (😉️😉️😉️).

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e compartilhe nosso conteúdo, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo